ÁUREA SOUZA candidata CA Transpetro 2016, Diretora Sindipetro-RJ


Apoio para ÁUREA SOUZA para o CA Transpetro 2016

8 anos de Transpetro, atuando na área de treinamento / ambiência da Sede. 11 anos de sistema Petrobras, contando com os 3 anos em que trabalhou pelo ABAST terceirizada no EDISE, atendendo no SAC. Trabalha na sala 401 da Universidade Petrobrás. Duas vezes CIPA. É FNP e Novos Rumos. Fez UERJ. Foi coordenadora da Secretaria de Formação do Sindipetro-Rj; está como atual coordenadora da Secretaria de Combate às Opressões. É sua primeira gestão sindical. Esposa, mãe e pessoa com deficiência. Sem filiação partidária.

Chapa 1789 – NEY ROBINSON E ROMILSON SOARES


CHAPA 1789 NEY ROBINSON / ROMILSON SOARES 

ROMILSON SOARES – Suplente na Chapa 1789 para o CA Petrobras 2016

Sou funcionário de nível médio, ingressei na Petrobras em 07/10/2004, na RLAM, na função de Auxiliar de Segurança Interna. No ano de 2007, fui enquadrado como Inspetor de Segurança Interna Pleno, cargo exercido no momento, com lotação na UO-BA. Sou Graduado em História (Licenciatura Plena), possuo Pós-Graduação em Política Estratégica pela ADESG/BA e Direito Administrativo pelo CEJUS. Atualmente, estou cursando as séries finais do curso de Direito pela Rede FTC (Faculdade de Tecnologia e Ciências). Nestes onze anos de empresa adquiri respeito e admiração de meus pares e superiores hierárquicos pela competência e dedicação no desenvolvimento de minhas funções, bem como, pelas ações voltadas para a manutenção e o crescimento da Companhia. Sempre estive preocupado com o maior patrimônio da Cia. – os funcionários diretos e indiretos-, assim, fui membro eleito da UO-BA/ CIPA-SUL, por quatro mandatos, onde hoje estou exercendo a função de Presidente Interino da gestão 2015/2016, fui também diretor do SINDIPETRO-BA, onde desempenhei importante papel na representação dos interesses dos funcionários da PETROBRAS no estado da Bahia. Hoje, estou candidato a suplente ao C.A. (Conselho de Administração) da PETROBRAS, na Chapa no 1789.

Apoio para ÁUREA SOUZA para o CA Transpetro 2016

8 anos de Transpetro, atuando na área de treinamento / ambiência da Sede. 11 anos de sistema Petrobras, contando com os 3 anos em que trabalhou pelo ABAST terceirizada no EDISE, atendendo no SAC. Trabalha na sala 401 da Universidade Petrobrás. Duas vezes CIPA. É FNP e Novos Rumos. Fez UERJ. Foi coordenadora da Secretaria de Formação do Sindipetro-Rj; está como atual coordenadora da Secretaria de Combate às Opressões. É sua primeira gestão sindical. Esposa, mãe e pessoa com deficiência. Sem filiação partidária.

Candidato ao CA 2016 – Lucas Ferreira – Perfil


Economista UERJ

Conselheiro Fiscal 2009-2012

Vários anos na CIPA, sendo vice-presidente da CIPA 2011-2012

Diretor do Sindipetro-RJ

Diretor do DIEESE

Ouvidorias – Outras Estatais


por ASCOM — publicado 21/05/2014 19h48, última modificação 24/10/2016 15h22
 Título  Autor  Tipo  Modificado
Administração do Porto de Maceió OGU Ouvidoria 23/06/2015 14h09
Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. – Amazul OGU Ouvidoria 23/06/2016 11h02
Amazonas Distribuidora de Energia S.A. rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Boa Vista Energia S.A. rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
BR Petrobrás Distribuidora S.A. rafaellarc Ouvidoria 21/06/2016 14h19
Casa da Moeda do Brasil – CMB rafaellarc Ouvidoria 12/05/2015 14h53
Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A. – CEASAMINAS rafaellarc Ouvidoria 27/06/2016 15h25
Centrais Elétricas Brasileiras S/A – Eletrobrás rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h11
Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A – Eletronorte rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h11
Centrais Elétricas S/A – Eletrosul rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Centrais Elétricas S/A. – Furnas rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Centro de Pesquisa de Energia Elétrica – Eletrobrás Cepel rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba – CODEVASF rafaellarc Ouvidoria 12/05/2015 14h53
Companhia de Eletricidade Eletroacre rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo – CEAGESP rafaellarc Ouvidoria 30/01/2017 16h14
Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica – Eletrobrás CGTEE rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h13
Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais/ Serviço Geológico do Brasil – CPRM rafaellarc Ouvidoria 23/11/2015 11h00
Companhia Docas do Ceará – CDC ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Espírito Santo – PORTO DE VITÓRIA – CODESA ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Estado da Bahia – CODEBA ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Estado de São Paulo – PORTO DE SANTOS – CODESP ogu Ouvidoria 10/03/2016 12h06
Companhia Docas do Pará – CDP ogu Ouvidoria 26/08/2015 16h08
Companhia Energética do Piauí – CEPISA OGU Ouvidoria 08/10/2015 10h23
Docas do Rio de Janeiro – PORTOSRIO ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Energética de Alagoas – CEAL ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Eletrobrás Distribuição Roraima OGU Ouvidoria 08/10/2015 10h26
Eletrobrás Participações S.A. – Eletropar ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Eletrobrás Termo Nuclear S/A. – ELETRONUCLEAR ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Empresa Brasil de Comunicação S.A. – EBC ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT ogu Ouvidoria 07/03/2016 15h02
Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – INFRAERO ogu Ouvidoria 23/06/2016 11h06
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA ogu Ouvidoria 23/06/2015 09h43
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH ogu Ouvidoria 12/01/2017 11h56
Financiadora de Estudos e Projetos – Finep ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Indústria de Material Bélico do Brasil/Empresa de Defesa e Segurança – IMBEL ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Itaipu Binacional ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Liquigás – Petrobrás ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Petrobrás Transporte S/A. – Transpetro ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Petróleo Brasileiro S.A. ogu Ouvidoria 23/06/2016 11h07
Serviço Federal de Processamento de Dados – SERPRO ogu Ouvidoria 12/01/2017 15h31
VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. OGU Ouvidoria 23/06/2016 11h10
BB Tecnologia e Serviços OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h18
Companhia Brasileira de Trens Urbanos – Superintendência Regional de João Pessoa OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h20
Empresa de Planejamento e Logística – EPL OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h22

Transpetro deve ser dividida em duas para a venda


ANTONIO PITA, FERNANDA NUNES – O ESTADO DE S.PAULO

01/06/2016 | 05h004

Essa é uma das estratégias da nova gestão da Petrobrás para acelerar o plano de desinvestimento

RIO – Com o ex-presidente Sérgio Machado no centro de escândalos ligados à cúpula do PMDB, a Transpetro, subsidiária de logística da Petrobrás, é o próximo foco do programa de desinvestimentos da estatal. Com aval do governo interino, o novo presidente da petroleira, Pedro Parente, deverá acelerar o processo de reestruturação na empresa, com a divisão em duas áreas de negócio. Segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, a Petrobrás deverá abrir mão do controle da empresa.

Dois comitês, batizados internamente de ‘Olinda’ e ‘Ipanema’, analisam a venda de ativos da área naval e de infraestrutura terrestre, como terminais e a malha de dutos.

Junto com a BR Distribuidora e a Liquigás, a Transpetro é um dos projetos considerados “prontos” para negociação, mas não há prazo definido.

Transpetro é a subsidiária de logística da Petrobrás

Transpetro é a subsidiária de logística da Petrobrás Foto: Fabio Motta/Estadão

A subsidiária é um dos principais ativos da área de abastecimento. Em 2015, repassou à estatal lucro de R$ 1,2 bilhão. Apenas a área de dutos e terminais, considerada de maior potencial, foi responsável por 78% da receita operacional da subsidiária em 2015, R$ 6,5 bilhões.

A Transpetro é dona de 14 mil km de dutos que interligam refinarias e terminais aos principais centros consumidores, além de 49 terminais de armazenamento, carga e descarga de petróleo, gás e derivados.

Na área de serviços marítimos, a companhia administra frota de 55 navios, dos quais cerca de 20 integram uma lista de alienação prevista para os próximos cinco anos.

A dificuldade do negócio, segundo fontes, passa pelo controle da Petrobrás.

Os terminais pertencem à estatal e foram cedidos à Transpetro. Para incluí-los no projeto seria necessário uma reestruturação dos ativos.

Outro empecilho é a dependência da subsidiária em relação à controladora – 98% do seu faturamento vem de serviços prestados à Petrobrás.

“Se a Petrobrás perde o controle, ou ela constrói outros terminais ou paga para usar os atuais a preços de mercado”, avalia o presidente do Sindicato dos Marítimos (Sindmar), Severino Almeida Filho. “Uma cláusula de uso reduziria o valor do negócio. E o que ela quer é valorizar”, completa o sindicalista, que espera grande mobilização de marítimos e petroleiros contra a venda.

Os estudos para a venda foram iniciados ainda em 2015, e um parecer de bancos envolvidos no negócio foi entregue no início deste ano. No período, a subsidiária criou uma gerência dedicada à prospecção de novos clientes. Há duas semanas, antes da troca de comando na Petrobrás, o ex-presidente Aldemir Bendine se reuniu na sede da Transpetro com seu presidente, Antonio Rubens Silvino.

A primeira visita em 15 meses da gestão reforçou a apreensão interna sobre a venda. Funcionários relatam que a subsidiária está “paralisada” desde as primeiras citações na Operação Lava Jato, em 2014, que resultaram na saída do ex-presidente Sérgio Machado.

Chapas CA Petrobras e Transpetro ligadas a FNP


HH : meia hora

4 Chapas Apoiadas pela FNP

  1. Pedro Vilas-Bôas do Norte Fluminense e
  2. Lucas Ferreira do Rio de Janeiro Sindipetro-RJ
  3. Adaedson Costa do Litoral Paulista Sindipetro-LP e Ivan Luiz do Rio de Janeiro Sindipetro-RJ
  4. Aurea Beart (Transpetro / Sindipetro-RJ

 

Apoio para ÁUREA SOUZA para o CA Transpetro 2016

8 anos de Transpetro, atuando na área de treinamento / ambiência da Sede. 11 anos de sistema Petrobras, contando com os 3 anos em que trabalhou pelo ABAST terceirizada no EDISE, atendendo no SAC. Trabalha na sala 401 da Universidade Petrobrás. Duas vezes CIPA. É FNP e Novos Rumos. Fez UERJ. Foi coordenadora da Secretaria de Formação do Sindipetro-Rj; está como atual coordenadora da Secretaria de Combate às Opressões. É sua primeira gestão sindical. Esposa, mãe e pessoa com deficiência. Sem filiação partidária.

FNP agradece a categoria pelos votos recebidos nas eleições para os CAs

eleicao_ca_2_300_100
EDIÇÃO – Nº 0: Stela Guedes Caputo, Colaboração: ,Jean Oliveira, TEXTOS: Carolina Mesquita, Emerson José, Fátima Lacerda, Leandro Olimpio, Leonardo Maia de Alencar , Pedro Roberto dos Santos Barbosa, Priscila Duque, Rafael Duarte, Silvio Muniz, Stela Guedes Caputo.

Transpetro reelege atual conselheiro e Petrobrás terá segundo turno

A apuração dos votos das eleições para representantes dos trabalhadores nos Conselhos de Administração da Petrobrás e da Transpetro foi concluída na tarde desta segunda-feira (1º/2). Na Transpetro, o atual conselheiro, Raildo Viana do Nascimento Junior, foi reeleito com 59,87% dos votos.

Já na Petrobrás, haverá segundo turno entre o atual conselheiro, Deivid Bacelar, primeiro colocado com 25,57% dos votos, e a segunda colocada, Betania Rodrigues Coutinho, que recebeu 22,89% dos votos.

Na Petrobrás, a chapa apoiada pela Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), formada por Adaedson Costa do Litoral Paulista e Ivan Luiz do Rio de Janeiro, ficou em terceiro lugar com 1560 votos ou 9,04% dos votos. Já na Transpetro, nossos candidatos, Pedro Vilas-Bôas do Norte Fluminense e Lucas Ferreira do Rio de Janeiro, terminaram na terceira e quarta colocação com 315 (10,11%) e 97 votos (3,11%), respectivamente.

A FNP agradece a categoria pelos votos recebidos e continuará cobrando dos eleitos a defesa permanente dos interesses dos trabalhadores nos conselhos de administração da Petrobrás e da Transpetro.

Demissao de Ana Paula – 2012


http://www.pstu.org.br/conteudo/petrobras-demite-petroleira-de-luta

http://www.pstu.org.br

Petrobras demite petroleira de luta

Pela reintegração imediata de Ana Paula!

terça-feira, 15 de Maio de 2012

Ganha peso na categoria à campanha contra a demissão da companheira Ana Paula Aramuni, ex-cipeira do Terminal de Cabiúnas. Ela é  há cinco anos e mãe de quatro filhos.

Sua trajetória política começou em 2008, em uma greve nacional da categoria que ficou conhecida no NF como a “greve pelo dia de desembarque”. A companheira com poucos meses de companhia, destacou-se como vanguarda das lutas e desde então passou a ser seguida de perto pelos serviços de inteligência da companhia (GAPRE-SE, antiga DIVIN). Após esse episódio, a companheira foi eleita duas vezes para a CIPA do terminal, onde desenvolveu um forte trabalho em defesa da saúde e da segurança dos trabalhadores.

Aderiu formalmente à oposição petroleira na convenção de chapa realizada em novembro de 2010, juntamente com outros companheiros independentes e dezenas de cipeiros combativos. No último período a companheira foi eleita delegada ao congresso da CSP-Conlutas.

O processo de perseguição à companheira Ana Paula não pode ser dissociado do processo geral de criminalização dos movimentos sociais em curso na Petrobras no NF, desde a greve de 2009, quando foram punidos 89 trabalhadores, sendo desembarcados quatro trabalhadores da plataforma PRA-1; realizadas inúmeras transferências arbitrárias e a tentativa de desembarque vários companheiros, que buscaram refúgio nas CIPAs recém criadas pelo Anexo 2 da NR-30.

Após as eleições do sindicato, em que a oposição obteve um excelente resultado (44,7% dos votos), iniciou-se um processo da empresa e gerentes ex-sindicalistas contra membros da Oposição, juntamente com a punição coletiva da base de Cabiúnas, após o “Trancaço” realizado na campanha salarial de 2011. Foram punidos, também, o companheiro Mateus e o conselheiro fiscal do sindipetro Cláudio Nunes, receberam suspensões de sete e vinte nove dias, respectivamente.

A denúncia de Assédio Moral Coletivo levou a procuradora regional do trabalho de Cabo Frio a realizar uma visita ao terminal de Cabiúnas, no dia 15 de fevereiro, impedida pela Petrobras. Logo após a tentativa de visita é postada uma ameaça de morte em sua caixa de correio com os dizeres “Aninha, se você não parar a gente vai parar você pra sempre”.

No dia de sua inscrição ao Conselho de Administração da Transpetro (4 de maio, sexta feira), à tarde, Ana Paula recebe a notícia da sua demissão por justa causa, sendo-lhe negado o conhecimento do motivo da demissão.

Dirigentes sindicais votam com a empresa
Um dos fatos mais impressionantes desta campanha é que na reunião da comissão eleitoral no dia 10 de maio que deliberou pela impugnação da candidatura de Ana Paula ao Conselho de Administração, sob a alegação de que ela não fazia parte do quadro de funcionários, votaram pela impugnação os representantes da Empresa, e junto com eles o do Sindicato de marítimos e os dirigentes da FUP (o representante do Sindipetro Caxias votou a favor e o do Sindipetro Unificado de SP se absteve). O único voto contra a impugnação foi o do representante da FNP/Sindipetro RJ “Marquinhos”. Não pode existir outro nome para atitude dos representantes da FUP na comissão eleitoral do que: traição

Campanha e mobilização na base
No dia 10 foi realizada agitação pela Oposição de Caxias “União dos Petroleiros” na REDUC e no TECAM, com a presença da Ana. Ao meio dia foi realizada agitação política em frente a sede da Transpetro, com a presença do Agnelson e do Emanuel Cancela. Os diretores do Sindipetro RJ foram impedidos por seguranças de entrar no prédio. À tarde Ana Paula esteve no TABG, coletando assinaturas.

No dia 11, aniversário de trinta anos do terminal de Cabiúnas, foi realizado Atraso de turno no terminal, com a presença de Ana Paula, dos sindicatos da FNP e do representante do Sindipetro RJ Clayton Coffy. Ao meio dia foi realizado ato político na Praia Campista, onde esteve presente a diretora do NF Ilma de Souza. Trabalhadores do TEBAR, no Litoral Paulista, realizaram atraso de uma hora, em solidariedade à Ana Paula e aos terceirizados que estão em greve.

A campanha continua
Agora a “Oposição Unificada”, do norte fluminense, publicará um boletim eletrônico denunciando a posição da FUP na comissão eleitoral e a política de não mobilizar, saudando a posição do sindicato do NF de repudiar a impugnação mas polemizando com a política de voto nulo e retirada das candidaturas.

Os trabalhadores serão convocados para assinar o abaixo-assinado e, onde for possível, aprovar moções nas plataformas. O mesmo será feito em outras bases, por exemplo no Sindipetro Caxias que terá assembléia na segunda feira.

A oposição protocolou ofício ao sindicato exigindo a defesa aos membros da categoria que estão sendo perseguidos. Além de apoio jurídico, solicita uma campanha política contra as diversas punições, que atingem à toda a categoria; e a retirada dos processos contra os membros da oposição e seus apoiadores, movidos por dirigentes do SINDIPETRO-NF (Não se pode defender alguém ao mesmo tempo em que o processa. As diferenças entre os trabalhadores devem ser resolvidas com debate e democracia e não com punições).

Enquanto não houver uma resposta dos trabalhadores à altura a Petrobras aprofundará seus ataques. Para isso o Sindipetro NF precisa mobilizar a categoria para respaldar as ações judiciais e deter a escalada de assédio promovida pelos gerentes do terminal de Cabiúnas.

Por isso os companheiros pedem apoio a sua campanha, para que os sindicatos em todo pais enviem notas para a Petrobras exigindo a readmissão da companheira e a homologação de sua candidatura. O teor da mensagem será:

Reintegração já
Ana Paula, mãe de quatro filhos, é uma trabalhadora ameaçada de morte por não se omitir diante de irregularidades que colocam em risco a segurança dos seus companheiros de trabalho.Agora ela foi demitida por “justa causa” pela direção da Petrobras, por ter cometido o crime de: defender de maneira intransigente a categoria, para isso alegou “insubordinação, desacato aos superiores e indisciplina”. As supostas atitudes que teriam embasado esta justificativa até agora não foram apresentadas. E por uma razão simples: elas não existem.

Não é a primeira vez e, certamente, não será a última oportunidade em que a empresa age de má fé para impor uma demissão claramente política.

A Transpetro, subsidiária da Petrobrás – empresa que à exaustão divulga os prêmios conquistados por sua tão exemplar responsabilidade social -, desligou esta trabalhadora simplesmente por que ela se candidatou ao cargo de representante dos trabalhadores ao Conselho de Administração da Transpetro.

Por isso exigimos a imediata reintegração da petroleira Ana Paula Aramuni e a homologação da inscrição de sua candidatura.