Candidato ao CA 2016 – Lucas Ferreira – Perfil


Economista UERJ

Conselheiro Fiscal 2009-2012

Vários anos na CIPA, sendo vice-presidente da CIPA 2011-2012

Diretor do Sindipetro-RJ

Diretor do DIEESE

Ouvidorias – Outras Estatais


por ASCOM — publicado 21/05/2014 19h48, última modificação 24/10/2016 15h22
 Título  Autor  Tipo  Modificado
Administração do Porto de Maceió OGU Ouvidoria 23/06/2015 14h09
Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. – Amazul OGU Ouvidoria 23/06/2016 11h02
Amazonas Distribuidora de Energia S.A. rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Boa Vista Energia S.A. rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
BR Petrobrás Distribuidora S.A. rafaellarc Ouvidoria 21/06/2016 14h19
Casa da Moeda do Brasil – CMB rafaellarc Ouvidoria 12/05/2015 14h53
Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A. – CEASAMINAS rafaellarc Ouvidoria 27/06/2016 15h25
Centrais Elétricas Brasileiras S/A – Eletrobrás rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h11
Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A – Eletronorte rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h11
Centrais Elétricas S/A – Eletrosul rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Centrais Elétricas S/A. – Furnas rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Centro de Pesquisa de Energia Elétrica – Eletrobrás Cepel rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h12
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba – CODEVASF rafaellarc Ouvidoria 12/05/2015 14h53
Companhia de Eletricidade Eletroacre rafaellarc Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo – CEAGESP rafaellarc Ouvidoria 30/01/2017 16h14
Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica – Eletrobrás CGTEE rafaellarc Ouvidoria 23/06/2016 11h13
Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais/ Serviço Geológico do Brasil – CPRM rafaellarc Ouvidoria 23/11/2015 11h00
Companhia Docas do Ceará – CDC ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Espírito Santo – PORTO DE VITÓRIA – CODESA ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Estado da Bahia – CODEBA ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Docas do Estado de São Paulo – PORTO DE SANTOS – CODESP ogu Ouvidoria 10/03/2016 12h06
Companhia Docas do Pará – CDP ogu Ouvidoria 26/08/2015 16h08
Companhia Energética do Piauí – CEPISA OGU Ouvidoria 08/10/2015 10h23
Docas do Rio de Janeiro – PORTOSRIO ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Energética de Alagoas – CEAL ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Eletrobrás Distribuição Roraima OGU Ouvidoria 08/10/2015 10h26
Eletrobrás Participações S.A. – Eletropar ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Eletrobrás Termo Nuclear S/A. – ELETRONUCLEAR ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Empresa Brasil de Comunicação S.A. – EBC ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT ogu Ouvidoria 07/03/2016 15h02
Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – INFRAERO ogu Ouvidoria 23/06/2016 11h06
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA ogu Ouvidoria 23/06/2015 09h43
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH ogu Ouvidoria 12/01/2017 11h56
Financiadora de Estudos e Projetos – Finep ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Indústria de Material Bélico do Brasil/Empresa de Defesa e Segurança – IMBEL ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Itaipu Binacional ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Liquigás – Petrobrás ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Petrobrás Transporte S/A. – Transpetro ogu Ouvidoria 12/12/2014 17h24
Petróleo Brasileiro S.A. ogu Ouvidoria 23/06/2016 11h07
Serviço Federal de Processamento de Dados – SERPRO ogu Ouvidoria 12/01/2017 15h31
VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. OGU Ouvidoria 23/06/2016 11h10
BB Tecnologia e Serviços OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h18
Companhia Brasileira de Trens Urbanos – Superintendência Regional de João Pessoa OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h20
Empresa de Planejamento e Logística – EPL OGU Ouvidoria 24/10/2016 15h22

Transpetro deve ser dividida em duas para a venda


ANTONIO PITA, FERNANDA NUNES – O ESTADO DE S.PAULO

01/06/2016 | 05h004

Essa é uma das estratégias da nova gestão da Petrobrás para acelerar o plano de desinvestimento

RIO – Com o ex-presidente Sérgio Machado no centro de escândalos ligados à cúpula do PMDB, a Transpetro, subsidiária de logística da Petrobrás, é o próximo foco do programa de desinvestimentos da estatal. Com aval do governo interino, o novo presidente da petroleira, Pedro Parente, deverá acelerar o processo de reestruturação na empresa, com a divisão em duas áreas de negócio. Segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, a Petrobrás deverá abrir mão do controle da empresa.

Dois comitês, batizados internamente de ‘Olinda’ e ‘Ipanema’, analisam a venda de ativos da área naval e de infraestrutura terrestre, como terminais e a malha de dutos.

Junto com a BR Distribuidora e a Liquigás, a Transpetro é um dos projetos considerados “prontos” para negociação, mas não há prazo definido.

Transpetro é a subsidiária de logística da Petrobrás

Transpetro é a subsidiária de logística da Petrobrás Foto: Fabio Motta/Estadão

A subsidiária é um dos principais ativos da área de abastecimento. Em 2015, repassou à estatal lucro de R$ 1,2 bilhão. Apenas a área de dutos e terminais, considerada de maior potencial, foi responsável por 78% da receita operacional da subsidiária em 2015, R$ 6,5 bilhões.

A Transpetro é dona de 14 mil km de dutos que interligam refinarias e terminais aos principais centros consumidores, além de 49 terminais de armazenamento, carga e descarga de petróleo, gás e derivados.

Na área de serviços marítimos, a companhia administra frota de 55 navios, dos quais cerca de 20 integram uma lista de alienação prevista para os próximos cinco anos.

A dificuldade do negócio, segundo fontes, passa pelo controle da Petrobrás.

Os terminais pertencem à estatal e foram cedidos à Transpetro. Para incluí-los no projeto seria necessário uma reestruturação dos ativos.

Outro empecilho é a dependência da subsidiária em relação à controladora – 98% do seu faturamento vem de serviços prestados à Petrobrás.

“Se a Petrobrás perde o controle, ou ela constrói outros terminais ou paga para usar os atuais a preços de mercado”, avalia o presidente do Sindicato dos Marítimos (Sindmar), Severino Almeida Filho. “Uma cláusula de uso reduziria o valor do negócio. E o que ela quer é valorizar”, completa o sindicalista, que espera grande mobilização de marítimos e petroleiros contra a venda.

Os estudos para a venda foram iniciados ainda em 2015, e um parecer de bancos envolvidos no negócio foi entregue no início deste ano. No período, a subsidiária criou uma gerência dedicada à prospecção de novos clientes. Há duas semanas, antes da troca de comando na Petrobrás, o ex-presidente Aldemir Bendine se reuniu na sede da Transpetro com seu presidente, Antonio Rubens Silvino.

A primeira visita em 15 meses da gestão reforçou a apreensão interna sobre a venda. Funcionários relatam que a subsidiária está “paralisada” desde as primeiras citações na Operação Lava Jato, em 2014, que resultaram na saída do ex-presidente Sérgio Machado.

Chapas CA Petrobras e Transpetro ligadas a FNP


HH : meia hora

4 Chapas Apoiadas pela FNP

  1. Pedro Vilas-Bôas do Norte Fluminense e
  2. Lucas Ferreira do Rio de Janeiro Sindipetro-RJ
  3. Adaedson Costa do Litoral Paulista Sindipetro-LP e Ivan Luiz do Rio de Janeiro Sindipetro-RJ
  4. Aurea Beart (Transpetro / Sindipetro-RJ

 

Apoio para ÁUREA SOUZA para o CA Transpetro 2016

8 anos de Transpetro, atuando na área de treinamento / ambiência da Sede. 11 anos de sistema Petrobras, contando com os 3 anos em que trabalhou pelo ABAST terceirizada no EDISE, atendendo no SAC. Trabalha na sala 401 da Universidade Petrobrás. Duas vezes CIPA. É FNP e Novos Rumos. Fez UERJ. Foi coordenadora da Secretaria de Formação do Sindipetro-Rj; está como atual coordenadora da Secretaria de Combate às Opressões. É sua primeira gestão sindical. Esposa, mãe e pessoa com deficiência. Sem filiação partidária.

FNP agradece a categoria pelos votos recebidos nas eleições para os CAs

eleicao_ca_2_300_100
EDIÇÃO – Nº 0: Stela Guedes Caputo, Colaboração: ,Jean Oliveira, TEXTOS: Carolina Mesquita, Emerson José, Fátima Lacerda, Leandro Olimpio, Leonardo Maia de Alencar , Pedro Roberto dos Santos Barbosa, Priscila Duque, Rafael Duarte, Silvio Muniz, Stela Guedes Caputo.

Transpetro reelege atual conselheiro e Petrobrás terá segundo turno

A apuração dos votos das eleições para representantes dos trabalhadores nos Conselhos de Administração da Petrobrás e da Transpetro foi concluída na tarde desta segunda-feira (1º/2). Na Transpetro, o atual conselheiro, Raildo Viana do Nascimento Junior, foi reeleito com 59,87% dos votos.

Já na Petrobrás, haverá segundo turno entre o atual conselheiro, Deivid Bacelar, primeiro colocado com 25,57% dos votos, e a segunda colocada, Betania Rodrigues Coutinho, que recebeu 22,89% dos votos.

Na Petrobrás, a chapa apoiada pela Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), formada por Adaedson Costa do Litoral Paulista e Ivan Luiz do Rio de Janeiro, ficou em terceiro lugar com 1560 votos ou 9,04% dos votos. Já na Transpetro, nossos candidatos, Pedro Vilas-Bôas do Norte Fluminense e Lucas Ferreira do Rio de Janeiro, terminaram na terceira e quarta colocação com 315 (10,11%) e 97 votos (3,11%), respectivamente.

A FNP agradece a categoria pelos votos recebidos e continuará cobrando dos eleitos a defesa permanente dos interesses dos trabalhadores nos conselhos de administração da Petrobrás e da Transpetro.

Demissao de Ana Paula – 2012


http://www.pstu.org.br/conteudo/petrobras-demite-petroleira-de-luta

http://www.pstu.org.br

Petrobras demite petroleira de luta

Pela reintegração imediata de Ana Paula!

terça-feira, 15 de Maio de 2012

Ganha peso na categoria à campanha contra a demissão da companheira Ana Paula Aramuni, ex-cipeira do Terminal de Cabiúnas. Ela é  há cinco anos e mãe de quatro filhos.

Sua trajetória política começou em 2008, em uma greve nacional da categoria que ficou conhecida no NF como a “greve pelo dia de desembarque”. A companheira com poucos meses de companhia, destacou-se como vanguarda das lutas e desde então passou a ser seguida de perto pelos serviços de inteligência da companhia (GAPRE-SE, antiga DIVIN). Após esse episódio, a companheira foi eleita duas vezes para a CIPA do terminal, onde desenvolveu um forte trabalho em defesa da saúde e da segurança dos trabalhadores.

Aderiu formalmente à oposição petroleira na convenção de chapa realizada em novembro de 2010, juntamente com outros companheiros independentes e dezenas de cipeiros combativos. No último período a companheira foi eleita delegada ao congresso da CSP-Conlutas.

O processo de perseguição à companheira Ana Paula não pode ser dissociado do processo geral de criminalização dos movimentos sociais em curso na Petrobras no NF, desde a greve de 2009, quando foram punidos 89 trabalhadores, sendo desembarcados quatro trabalhadores da plataforma PRA-1; realizadas inúmeras transferências arbitrárias e a tentativa de desembarque vários companheiros, que buscaram refúgio nas CIPAs recém criadas pelo Anexo 2 da NR-30.

Após as eleições do sindicato, em que a oposição obteve um excelente resultado (44,7% dos votos), iniciou-se um processo da empresa e gerentes ex-sindicalistas contra membros da Oposição, juntamente com a punição coletiva da base de Cabiúnas, após o “Trancaço” realizado na campanha salarial de 2011. Foram punidos, também, o companheiro Mateus e o conselheiro fiscal do sindipetro Cláudio Nunes, receberam suspensões de sete e vinte nove dias, respectivamente.

A denúncia de Assédio Moral Coletivo levou a procuradora regional do trabalho de Cabo Frio a realizar uma visita ao terminal de Cabiúnas, no dia 15 de fevereiro, impedida pela Petrobras. Logo após a tentativa de visita é postada uma ameaça de morte em sua caixa de correio com os dizeres “Aninha, se você não parar a gente vai parar você pra sempre”.

No dia de sua inscrição ao Conselho de Administração da Transpetro (4 de maio, sexta feira), à tarde, Ana Paula recebe a notícia da sua demissão por justa causa, sendo-lhe negado o conhecimento do motivo da demissão.

Dirigentes sindicais votam com a empresa
Um dos fatos mais impressionantes desta campanha é que na reunião da comissão eleitoral no dia 10 de maio que deliberou pela impugnação da candidatura de Ana Paula ao Conselho de Administração, sob a alegação de que ela não fazia parte do quadro de funcionários, votaram pela impugnação os representantes da Empresa, e junto com eles o do Sindicato de marítimos e os dirigentes da FUP (o representante do Sindipetro Caxias votou a favor e o do Sindipetro Unificado de SP se absteve). O único voto contra a impugnação foi o do representante da FNP/Sindipetro RJ “Marquinhos”. Não pode existir outro nome para atitude dos representantes da FUP na comissão eleitoral do que: traição

Campanha e mobilização na base
No dia 10 foi realizada agitação pela Oposição de Caxias “União dos Petroleiros” na REDUC e no TECAM, com a presença da Ana. Ao meio dia foi realizada agitação política em frente a sede da Transpetro, com a presença do Agnelson e do Emanuel Cancela. Os diretores do Sindipetro RJ foram impedidos por seguranças de entrar no prédio. À tarde Ana Paula esteve no TABG, coletando assinaturas.

No dia 11, aniversário de trinta anos do terminal de Cabiúnas, foi realizado Atraso de turno no terminal, com a presença de Ana Paula, dos sindicatos da FNP e do representante do Sindipetro RJ Clayton Coffy. Ao meio dia foi realizado ato político na Praia Campista, onde esteve presente a diretora do NF Ilma de Souza. Trabalhadores do TEBAR, no Litoral Paulista, realizaram atraso de uma hora, em solidariedade à Ana Paula e aos terceirizados que estão em greve.

A campanha continua
Agora a “Oposição Unificada”, do norte fluminense, publicará um boletim eletrônico denunciando a posição da FUP na comissão eleitoral e a política de não mobilizar, saudando a posição do sindicato do NF de repudiar a impugnação mas polemizando com a política de voto nulo e retirada das candidaturas.

Os trabalhadores serão convocados para assinar o abaixo-assinado e, onde for possível, aprovar moções nas plataformas. O mesmo será feito em outras bases, por exemplo no Sindipetro Caxias que terá assembléia na segunda feira.

A oposição protocolou ofício ao sindicato exigindo a defesa aos membros da categoria que estão sendo perseguidos. Além de apoio jurídico, solicita uma campanha política contra as diversas punições, que atingem à toda a categoria; e a retirada dos processos contra os membros da oposição e seus apoiadores, movidos por dirigentes do SINDIPETRO-NF (Não se pode defender alguém ao mesmo tempo em que o processa. As diferenças entre os trabalhadores devem ser resolvidas com debate e democracia e não com punições).

Enquanto não houver uma resposta dos trabalhadores à altura a Petrobras aprofundará seus ataques. Para isso o Sindipetro NF precisa mobilizar a categoria para respaldar as ações judiciais e deter a escalada de assédio promovida pelos gerentes do terminal de Cabiúnas.

Por isso os companheiros pedem apoio a sua campanha, para que os sindicatos em todo pais enviem notas para a Petrobras exigindo a readmissão da companheira e a homologação de sua candidatura. O teor da mensagem será:

Reintegração já
Ana Paula, mãe de quatro filhos, é uma trabalhadora ameaçada de morte por não se omitir diante de irregularidades que colocam em risco a segurança dos seus companheiros de trabalho.Agora ela foi demitida por “justa causa” pela direção da Petrobras, por ter cometido o crime de: defender de maneira intransigente a categoria, para isso alegou “insubordinação, desacato aos superiores e indisciplina”. As supostas atitudes que teriam embasado esta justificativa até agora não foram apresentadas. E por uma razão simples: elas não existem.

Não é a primeira vez e, certamente, não será a última oportunidade em que a empresa age de má fé para impor uma demissão claramente política.

A Transpetro, subsidiária da Petrobrás – empresa que à exaustão divulga os prêmios conquistados por sua tão exemplar responsabilidade social -, desligou esta trabalhadora simplesmente por que ela se candidatou ao cargo de representante dos trabalhadores ao Conselho de Administração da Transpetro.

Por isso exigimos a imediata reintegração da petroleira Ana Paula Aramuni e a homologação da inscrição de sua candidatura.

Diretrizes de SMS da Transpetro


A preocupação do Sistema Petrobras com questões ligadas à Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) norteia as iniciativas que envolvem o negócio da Companhia. As diretrizes de SMS garantem uma atuação de forma segura, rentável e integrada com a responsabilidade social e ambiental no transporte e armazenamento de petróleo, derivados, gás, petroquímicos e renováveis.

Conheça as 15 Diretrizes de SMS do Sistema Petrobras:

Liderança e responsabilidade

A Petrobras, ao integrar segurança, meio ambiente e saúde à sua estratégia empresarial, reafirma o compromisso de todos os seus empregados e contratados com a busca de excelência nessas áreas.

Conformidade legal

As atividades da empresa devem estar em conformidade com a legislação vigente nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde.

Avaliação e gestão de riscos

Riscos inerentes às atividades da empresa devem ser identificados, avaliados e gerenciados de modo a evitar a ocorrência de acidentes e/ou assegurar a minimização dos seus efeitos.

Novos empreendimentos

Os novos empreendimentos devem estar em conformidade com a legislação e incorporar, em todo o seu ciclo de vida, as melhores práticas de segurança, meio ambiente e saúde.

Operação e manutenção

As operações da empresa devem ser executadas de acordo com procedimentos estabelecidos e utilizando instalações e equipamentos adequados, inspecionados e em condições de assegurar o atendimento às exigências de segurança, meio ambiente e saúde.

Gestão de mudança

Mudanças, temporárias e permanentes, devem ser avaliadas visando à eliminação e/ou minimização de riscos decorrentes de sua implantação.

Aquisição de bens e serviços

O desempenho em segurança, meio ambiente e saúde de contratados, fornecedores e parceiros deve ser compatível com o do Sistema Petrobras.

Capacitação, educação e conscientização

Capacitação, educação e conscientização devem ser continuamente promovidas, de modo a reforçar o comprometimento da força de trabalho com o desempenho em segurança, meio ambiente e saúde.

Gestão de informação

Informações e conhecimentos relacionados à segurança, meio ambiente e saúde devem ser precisos, atualizados e documentados, de modo a facilitar sua consulta e utilização.

Comunicação

As informações relativas a segurança, meio ambiente e saúde devem ser comunicadas com clareza, objetividade e rapidez, de modo a produzir os efeitos desejados.

Contingência

As situações de emergência devem estar previstas e ser enfrentadas com rapidez e eficácia, visando à máxima redução de seus efeitos.

Relacionamento com a comunidade

A empresa deve zelar pela segurança das comunidades onde atua, bem como mantê-las informadas sobre impactos e/ou riscos eventualmente decorrentes de suas atividades.

Análise de acidentes e incidentes

Os acidentes e incidentes decorrentes das atividades da empresa devem ser analisados, investigados e documentados, de modo a evitar sua repetição e/ou assegurar a minimização de seus efeitos.

Gestão de produtos

A empresa deve zelar pelos aspectos de segurança, meio ambiente e saúde de seus produtos desde sua origem até a destinação final, bem como empenhar-se na constante redução dos impactos que eventualmente possam causar.

Processo melhoria contínua

A melhoria contínua do desempenho em segurança, meio ambiente e saúde deve ser promovida em todos os níveis da empresa, de modo a assegurar seu avanço nessas áreas.

SINDMAR apoia o CMT Raildo Viana na eleição ao CA da Transpetro


Nesta quinta-feira, 14 de janeiro, o SINDMAR enviou mensagem circular a todos os seus representados e representadas vinculados à Transpetro informando o seu apoio à candidatura do Capitão de Longo Curso, Comandante Raildo Viana, na eleição que decidirá quem ocupará o posto de representante dos empregados no Conselho de Administração (CA) da Transpetro. O primeiro turno da votação será realizado entre os dias 23 e 31 de janeiro próximos.Nas reuniões do CA, a mais alta instância de poder da companhia, são decididos os rumos, planos de negócios e principais diretrizes da Transpetro.

Dentre os 16 candidatos inscritos, o único marítimo é o Comandante Raildo Viana, que concorre à reeleição. O SINDMAR apoia sua candidatura, seguindo a prática adotada nas eleições anteriores: apoiar um marítimo que obteve a aprovação prévia da categoria.

O SINDMAR ressalta a importância de os companheiros e companheiras da Transpetro votarem em um marítimo, lembrando que, nos próximos dias, será fundamental a mobilização de todos para alcançar o maior número de colegas, embarcados ou em terra, com a maior rapidez possível.

Vale lembrar, também, que a votação será feita pela internet, pelo sistema CAEL.

Por isto, é muito importante que todos tenham suas chaves e senhas habilitadas para participar da votação.

A participação de um representante dos empregados nos Conselhos de Administração das empresas estatais, a partir de 2013, foi uma conquista histórica. Os mais de cinco mil empregados da Transpetro, de terra e do mar, precisam de um representante à altura dos desafios que o momento atual exige.

Marítimos são 1800.

Em 2015, o CMT Raildo foi eleito para o posto de representante dos empregados no CA da Transpetro por uma ampla maioria de votos. Por sua vivência profissional, tanto no mar como em terra, ele está preparado para dar continuidade ao eficiente trabalho que desempenhou nos últimos meses.

Confira na íntegra a mensagem de apoio do SINDMAR à candidatura do CMT Raildo Viana – 3333, acessando www.sindmar.org.br/sindmar-apoia-o-cmt-raildo-viana-para-o-ca-da-transpetro