Princípios da Administração Pública


Livro Aberto MãosLIMPE

LIMPE é uma combinação interessante de letras, formada por alguns princípios encontrados na Constituição Federal da República Federativa do Brasil. São eles, respectivamente, os princípios:

Legalidade

Impessoalidade

Moralidade

Publicidade

Eficiência

Esses apresentados, são referentes à Administração Pública e estão presentes no artigo 37 da Constituição Federal de 1988. Através dele, todas as pessoas que fazem parte dessa administração devem se pautar, em obediência à Constituição Brasileira. É importante ressaltar, que os princípios citados não são os únicos, mas há referência de outros princípios em leis esparsas e específicas.

Princípio da Legalidade

A Legalidade está no alicerce do Estado de Direito, no princípio da autonomia da vontade. É um dos mais importantes para a Administração Pública. Baseia-se no Art. 5º da CF, que diz que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”,  pressuposto de que tudo o que não é proibido, é permitido por lei. Mas o administrador público deve fazer as coisas sob a regência da lei imposta. Portanto, só pode fazer o que a lei lhe autoriza. Ele não pode se distanciar dessa realidade, caso contrário será julgado de acordo com seus atos.

Princípio da Impessoalidade

A imagem de administrador público não deve ser identificada quando a Administração Pública estiver atuando. Outro fator é que o administrador não pode fazer sua própria promoção, tendo em vista seu cargo, pois esse atua em nome do interesse público. E mais, ao representante público é proibido o privilégio de pessoas específicas. Todos devem ser tratados de forma igual.

Princípio da Moralidade

Esse princípio tem a junção de Legalidade com Finalidade, resultando em Moralidade. Ou seja, o administrador deve trabalhar com bases éticas na administração, lembrando que não pode ser limitada na distinção de bem ou mal. Não se deve visar apenas esses dois aspectos, adicionando a ideia de que o fim é sempre será o bem comum. A legalidade e finalidade devem andar juntas na conduta de qualquer servidor público, para o alcance da moralidade.

Princípio da Publicidade

Na Publicidade, o gerenciamento deve ser feito de forma legal, não oculta. A publicação dos assuntos é importante para a fiscalização, o que contribui para ambos os lados, tanto para o administrador quanto para o público. Porém, a publicidade não pode ser usada de forma errada, para a propaganda pessoal, e, sim, para haver um verdadeiro controle social.

Princípio da Eficiência

O administrador tem o dever de fazer uma boa gestão. É o que esse princípio afirma. O representante deve trazer as melhores saídas, sob a legalidade da lei, bem como mais efetiva. Com esse princípio, o administrador obtém a resposta do interesse público e o Estado possui maior eficácia na elaboração de suas ações. Esse princípio anteriormente não estava previsto na Constituição e foi inserido após a Emenda Constitucional nº 19/98, relativo a Reforma Administrativa do Estado.

Segundo Grupo

Dados tais princípios, pertencentes ao chamado 1º grupo, da administração pública. Agora vem o 2º grupo, que são os explícitos ou implícitos no texto constitucional, além dos que estão no art. 37, também são conhecidos como princípios infraconstitucionais e derivam de outras legislações esparsas e específicas.

Pessoas Lutando InteressesPrincípio do Interesse Público

O princípio da supremacia do interesse público sobre o interesse privado é intimamente unido em toda e qualquer sociedade organizada. Segundo a própria CF, “todo o poder emana do povo”, por isso, o interesse público irá trazer o benefício e bem-estar à população.

Princípio da Finalidade

É dever do administrador público buscar os resultados mais práticos e eficazes. Esses resultados devem estar ligados as necessidades e aspirações do interesse do público.

Princípio da Igualdade

O art. 5º da CF, prevê que todos temos direitos iguais sem qualquer distinção. Para o administrador não é diferente. Ele não pode distinguir as situações. Sendo obrigado, por lei, a agir de maneira igual em situações iguais e desigual em situações desiguais.

Princípio da Lealdade e boa-fé

O princípio da legalidade e boa-fé, resume-se que o administrador não deve agir com malícia ou de forma astuciosa para confundir ou atrapalhar o cidadão no exercício de seus direitos. Sempre deve agir de acordo com a lei e com bom senso.

Princípio da Motivação

Para todas as ações dos servidores públicos, deve existir uma explicação, um fundamento de base e direito. O princípio da motivação é o que vai fundamentar todas as decisões que serão tomadas pelo agente público.

Anúncios

MASSA ACRÍLICA para que serve, como deve ser usada?


Massa Acrílica …

Para paredes externas e internas de alvenaria. Nivela e corrige imperfeições.

Oferece acabamento mais liso e requintado às tintas Látex PVA ou Acrílica.

Massa de fácil aplicação com grande poder de enchimento. Secagem rápida, fácil de lixar e alta resistência.

É utilizada para nivelar superfícies de reboco curado, concreto e semelhantes, em interiores e exteriores.

Deve ser aplicada em camadas finas, corrigindo as imperfeições da superfície, até obtê-la lisa e nivelada, servindo de fundo para pinturas convencionais e catalisadas.

– Corrigindo : Bolhas, desniveis, imperfeições.

– Superfícies: Reboco, Gesso, Fibrocimento Concreto, blocos de concreto e massa fina – Repintura e Superfícies seladas.

– Aplicação: Paredes – Complementos

– Local de Aplicação: Exterior / Interior

– Acabamento: Produto de fácil aplicação e secagem rápida, resistente ao intemperismo e excelente poder de enchimento.
Proporciona um acabamento liso e sofisticado.

– Demãos: Duas ou três demãos com o intervalo de 2 horas

– Secagem: Ao toque 1 hora – Final 4 horas.

– Aplicação: Espatula ou Desempenadeira

– Rendimento Referencial:

– Superfície: Rendimento (m2/lata de 18L/demão)

– Repintura 50 – 60

– Reboco, blocos de concreto, gesso, fibrocimento ou concreto 40 – 50.
Variável de acordo com a diluição, rugosidade e absorção do substrato, preparação da superfície, método e técnicas de aplicação.

– Preparação da Superfície: Todas as superfícies a serem pintadas deverão estar corretamente preparadas, observando as condições abaixo:

Perfeitamente limpa, isenta de partículas soltas, óleos, graxas, ceras, mofo ou qualquer outra sujidade;

O pó originado pelo lixamento de massa, pinturas antigas, etc., deve ser completamente removido com pano umedecido no solvente recomendado para diluição da tinta a ser utilizada;

Com textura e grau de absorção uniformes;

Livre de calcinação, sais solúveis, eflorescência, trincas, fissuras, descascamento ou sangramento;

Aguarde a cura do concreto/reboco por no mínimo 28 dias antes de pintar;

Seca, curada, impermeabilizada, livre de umidade e infiltrações. Em superfícies com problema de umidade recomendamos aplicar diretamente sobre o reboco a tinta Aquabloc;

Em caso de repintura se esta estiver em boas condições, lixar até remover o brilho. Caso contrário remova toda a pintura e corrija a superfície;

As superfícies pintadas com cal hidratada deverão ser totalmente lixadas e limpas antes do início da aplicação do sistema, utilizando como fundo o Fundo Preparador de Paredes Base Água ou o Fundo Preparador de Paredes Base Solvente;

Para superfícies com sujeira, mofo/algas ou degradadas pela intempérie, realizar a limpeza utilizando uma solução de água clorada a 1% de cloro ativo (mistura de água sanitária com água 1:1), aguardar 15 minutos para a solução agir, lavar para remover a solução e os resíduos, e aguardar secagem completa para executar a pintura.

Em caso de grandes extensões, utilizar hidro-jato.

Em caso de superfícies muito contaminadas com fungos, algas e mofo, repetir este processo após 15 dias para evitar o reaparecimento do problema

Superfícies vitrificadas, muito lisas, com brilho, ou com baixa porosidade, devem ser lixadas até criar uma boa condição de ancoragem/aderência;

Em superfícies de gesso onde exista problemas de manchas originados por sangramento da corda utilizada na fixação das placas, do desmoldante ou de outros contaminantes, recomendamos a utilização do Fundo Preparador de Paredes Base Solvente como selador, para isolar a mancha;

Em caso de superfícies de cimento queimado, fibrocimento ou com eflorescência, estas devem ser lavadas com ácido muriático a 10% em água, para abertura dos poros ou eliminação dos sais solúveis.

Deixar a solução agir por 40 minutos e logo após enxaguar com água em abundância.

Aguardar secagem completa (72 horas) para executar a pintura;

Eliminar sujeiras e incrustações aderentes por meio mecânico, verificando a existência de descascamento, desplacamento ou falta de aderência, promovendo a sua remoção e correção;

Obs: De uma marca a outra podem haver diferenças (tempo de secagem, demãos,etc.),

Siga sempre as indicações escritas nas embalagens.

 

Como Passar Massa Corrida Você Mesmo e Sem Erro


Modernize sua decoração com aplicação de massa corrida nas paredes. A aplicação de massa remove imperfeições e dá uma repaginada no ambiente. A utilização de textura e massa na parede funciona como forte aliada de reformas e decorações, pois ambos são mais econômicos e dão um visual incrível para sua casa. Nada como praticar um ” Faça você mesmo Decoração e Reforma” em sua casa, deixando os ambientes como sala e quarto agradáveis e bonitos. Vamos ensinar agora pra você como passar massa corrida e deixar os ambientes da sua casa muito mais bonitos!

como passar massa corrida parede

1. Confira nossas dicas de como passar massa corrida sozinho!

 

Como passar massa corrida na parede?

Para deixar sua reforma da sua casa ainda mais interessante e econômica, a equipe da Viva Decora preparou dicas especiais de como passar massa corrida. Quer aprender como passar massa corrida na parede e fugir da monotonia das antigas pinturas? Aproveite nossas dicas de como passar massa corrida.

Existem diferentes tipos de massas e rolos para dar o efeito desejado, como passar  massa corrida para dar efeito lisinho, por exemplo, é de textura homogênea e deve ser aplicada com auxílio de uma espátula e desempenadeira. Por outro lado, a textura já possui uma massa mais áspera que lembra grãos de areia, esta deve ser aplicada com desempenadeira e rolo específico. Mas nesse post vamos nos ater a como passar massa corrida e posteriormente falaremos sobre aplicação de texturas e grafiatos.

Em lojas de material de construção é possível encontrar a massa corrida, porém nem sempre a mesma vem acompanhada da seladora (item fundamental para garantir durabilidade). Portanto, se não há como passar massa corrida sem seladora, então compre seu material em casas que trabalham com texturas e grafiatos.

 

 

Para aplicação, além da seladora e massa corrida, tenha ao seu dispor: Lixa nº 180, desempenadeira de aço (lisa), espátula, rolo, mascara de proteção, um boné (pois a massa pode ressecar seu cabelo) e luvas.

Instruções de como passar massa corrida

1. Observe o estado de conservação e o material de sua parede. Se a parede possuir reboco novo, então utilize a lixa para retirar aquela camada áspera da mesma e após isso, com o auxílio de um rolo, aplique a seladora na parede. O mesmo se aplica a parede de reboco antigo, principalmente se estiver descascando, lixe e aplique a emulsão seladora.

2. Em um período de 1 a 4 horas a sua parede estará seca e pronta para receber a massa. O próximo passo é utilizar uma espátula para passar a massa corrida na parede (o movimento pode ser horizontal ou vertical, mas comece sempre pelo canto da parede).
Aplique camadas finas de massa e em pequeno espaços (cerca de 2m²), de modo que em 2 minutos você possa utilizar a desempenadeira para retirar o excesso de massa.

3. Após aplicar a primeira mão em toda a parede, aguarde entre 12 e 24 horas para que a massa seque por completo e você possa aplicar a segunda mão (confira o tempo estipulado pelo fabricante).

Lixe a parede quando a segunda mão for aplicada e a parede estiver seca. Pronto, você já pode aplicar sua cor preferida na parede.

Massa Corrida


massa corrida é um produto muito utilizado na preparação de superfícies que irão receber novas pinturas. O recurso é indispensável para que o acabamento fique bonito, liso, uniformizado e apresente maior durabilidade.

A fabricação da massa corrida conta com elementos que garantem propriedades selantes. A aplicação oferece a vantagem da redução no consumo de tinta, isso acontece, pois o produto é capaz de diminuir a porosidade da parede fazendo com que ela absorva menos líquido. Outro benefício apresentado é que sua fórmula proporciona maior agilidade no processo de lixamento.

A preparação e produção da massa corrida consistem num processo industrial simples que contam com a mistura de várias matérias-primas. Os principais componentes utilizados na fabricação do produto são: água, calcita, bentonita, bactericida, CMC, dispersante ou parafina, emulsões, entre alguns outros.

Quando uma pintura é realizada sem o emprego de massa corrida ou ainda com a aplicação errada, os resultados são claramente insatisfatórios e podem inviabilizar toda uma reforma. Em casos assim, é possível perceber rachaduras, buracos, furos, imperfeições e diferenças na textura e nivelamento.

Existem 2 variações desse produto no mercado: a Massa Acrílica e a Massa Corrida PVA, mas afinal qual a diferença entre as duas? Bom, de maneira geral, a massa acrílica é indicada para ambientes externos ou internos enquanto que a massa corrida de PVA é recomendada apenas para o interior dos ambientes.

Embora ambas tenham a função de nivelar, equiparar paredes e apresentar bons resultados no acabamento, a massa acrílica de PVA é mais barata, pois não oferece resistência à umidade e chuvas. Já a massa acrílica proporciona vedação completa. Visto isso, para tomar a melhor decisão, é preciso que o cliente pense se o local da reforma é seco ou úmido. Caso a escolha não seja adequada, a parede apresentará no futuro esfarelamentos ou bolhas.

Com o intuito de facilitar a vida das pessoas, já existem no mercado opções de massas corridas coloridas que dispensam a utilização da tinta. Outro recurso bastante explorado é a decoração de ambientes com esse tipo de produto. É possível conseguir efeitos de textura e formas que dão um ar descontraído e moderno aos ambientes sem que o consumidor precise gastar tanto. Muito legal, não é mesmo?

Veja como aplicar

Massa corrida:

Massa acrílica:

Massa corrida PVA – Interior


 

Massa PVA a base de resina vinílica para nivelar superfícies de alvenaria e concreto

Massa de fácil aplicação, cremosa e com grande poder de enchimento. Secagem rápida e fácil de lixar.

Deve ser aplicada em camadas finas, corrigindo as imperfeições da superfície, até obtê-la lisa e nivelada.

É recomendada exclusivamente para uso em interiores.

– Corrigindo : Bolhas, Trincas, Imperfeições, Desniveis, etc.

– Superfícies: Superfícies não seladas Reboco, Gesso, Fibrocimento Massa fina e Concreto . Superfícies seladas Repintura

– Local de Aplicação: Superfícies internas de reboco, gesso, massa fina, fibrocimento, concreto e paredes pintadas com látex PVA ou acrílico.

– Demãos: Duas ou três demãos com o intervalo de 3 horas

– Secagem: Ao toque 40 minutos – Final 4 horas.

– Aplicação: Espatula ou Desempenadeira

– Rendimento Referencial:

Massa corrida PVA

Massa corrida PVA

Superfície: Rendimento (m2/lata de 18L/demão)

– Repintura 50 – 60 .

– Reboco, blocos de concreto, gesso, fibrocimento ou concreto 40 – 50 .

Variável de acordo com a diluição, rugosidade e absorção do substrato, preparação da superfície, método e técnicas de aplicação.

Para obter o rendimento acima descrito a superfície a ser pintada deve ser previamente selada com Fundo Preparador de Paredes Base Água;

Massa corrida PVA suvinil

Massa corrida PVA suvinil

Preparação da Superfície:

Todas as superfícies a serem pintadas deverão estar corretamente preparadas, observando as condições abaixo:

  • Perfeitamente limpa, isenta de partículas soltas, óleos, graxas, ceras, mofo ou qualquer outra sujidade;
  • O pó originado pelo lixamento de massa, pinturas antigas, etc., deve ser completamente removido com pano umedecido no solvente recomendado para diluição da tinta a ser utilizada;
  • Com textura e grau de absorção uniformes;
  • Livre de calcinação, sais solúveis, eflorescência, trincas, fissuras, descascamento ou sangramento;
  • Aguarde a cura do concreto/reboco por no mínimo 28 dias antes de pintar;
  • Seca, curada, impermeabilizada, livre de umidade e infiltrações.
  • Em superfícies com problema de umidade recomendamos aplicar diretamente sobre o reboco a tinta Aquabloc;

Em caso de repintura se esta estiver em boas condições, lixar até remover o brilho.
Caso contrário remova toda a pintura e corrija a superfície;

Não recomendamos pintura sobre superfícies tratadas com produtos água repelente da concorrência ;

As superfícies pintadas com cal hidratada deverão ser totalmente lixadas e limpas antes do início da aplicação do sistema, utilizando como fundo o Fundo Preparador de Paredes Base Água ou o Fundo Preparador de Paredes Base Solvente;

Para superfícies com sujeira, mofo/algas ou degradadas pela intempérie, realizar a limpeza utilizando uma solução de água clorada a 1% de cloro ativo (mistura de água sanitária com água 1:1), aguardar 15 minutos para a solução agir, lavar para remover a solução e os resíduos, e aguardar secagem completa para executar a pintura.

Em caso de grandes extensões, utilizar hidro-jato.
Em caso de superfícies muito contaminadas com fungos, algas e mofo, repetir este processo após 15 dias para evitar o reaparecimento do problema

Em superfícies de gesso onde exista problemas de manchas originados por sangramento da corda utilizada na fixação das placas, do desmoldante ou de outros contaminantes, recomendamos a utilização do Fundo Preparador de Paredes Base Solvente como selador, para isolar a mancha;

Em caso de superfícies de cimento queimado, fibrocimento ou com eflorescência, estas devem ser lavadas com ácido muriático a 10% em água, para abertura dos poros ou eliminação dos sais solúveis.

Deixar a solução agir por 40 minutos e logo após enxaguar com água em abundância.

Aguardar secagem completa (72 horas) para executar a pintura;

Eliminar sujeiras e incrustações aderentes por meio mecânico, verificando a existência de descascamento, desplacamento ou falta de aderência, promovendo a sua remoção e correção;

Observação: De uma marca a outra podem haver diferenças (tempo de secagem, demãos,etc.), siga sempre as indicações escritas nas embalagens.

Você conhece as diferenças entre as massas corrida e acrílica?


Massa corrida na parede

Enquanto um produto é resistente à umidade o outro não. Saiba mais sobre os produtos e os leve para a casa pelos preços arrasadores que a Leroy Merlin oferece

A obra está caminhando dentro do cronograma esperado e chega a hora de nivelar a superfícies. Nesse momento, surge a dúvida: utilizar a massa corrida ou a massa acrílica? Apesar de ambas terem a função de equiparar e nivelar paredes e tetos, há uma diferença em relação à resistência dos produtos.

Massa acrílica

Por ser resistente à umidade, a massa acrílica é indicada para ambientes molhados, como banheiro, área de serviço e cozinha. Ela é a melhor opção também para áreas externas e fachadas de casas e prédios, justamente por apresentar maior durabilidade, mesmo sendo exposta às intempéries. Para o acabamento nesse tipo de massa, recomenda-se a aplicação de tintas acrílicas.

Massa corrida

massa corrida PVA, por sua vez, não é resistente à umidade. Portanto, deve ser utilizada em ambientes internos e secos, como quartos e salas. Depois, utilize tintas PVA ou látex, já que essas opções são à base d’água e possuem melhor aderência em superfícies niveladas com massa corrida de PVA.

Antes de aplicar a massa corrida, certifique-se de que a superfície esteja limpa e livre de qualquer resíduo. Para garantir uma aplicação correta, lixe e lave a parede antes de passar a massa.

BOIA DA CAIXA D’ÁGUA: TIRE AQUI TODAS AS SUAS DÚVIDAS


Boia da caixa d’água: tire aqui todas as suas dúvidasA gente sabe que quando o assunto é obra e construção, tendemos a priorizar os serviços de elétrica e hidráulica, já que essas instalações são fundamentais para o funcionamento do ambiente e andam lado a lado com a sustentabilidade. E para evitar dor de cabeça ou retrabalho na reforma ou construção, nenhum detalhe dessas instalações pode passar despercebido, certo?

Sobre a boia da caixa d’água, por exemplo: você sabe a função exata dessa peça, que tipo de boia escolher, como regular e quando trocar? Pensando nisso, elaboramos este artigo que vai explicar tudo para você, esclarecendo todas as dúvidas e prevenindo problemas que uma má escolha ou uma má instalação de caixas d’água podem gerar. Vamos lá!

O que é a boia da caixa d’água?

A torneira de boia, popularmente conhecida como boia da caixa d’água, é um dispositivo que controla o nível de água no reservatório e garante o bom funcionamento da caixa, mantendo-a sempre cheia e sem vazamentos.

Outro dispositivo importante é o chamado “ladrão”, uma tubulação que pode ser instalada como função preventiva se ocorrer algum problema na boia. Nesse caso, o ladrão levará o excesso de água para fora do imóvel sem causar estragos ou prejuízos no local.

Para que serve e como funciona?

A boia da caixa d’água serve para fechar a entrada do reservatório quando a caixa já está cheia. Na prática, funciona assim: quando o reservatório enche, a água empurra a boia para cima ao máximo, fechando a entrada para a água que vem do cano de alimentação. Por isso é que a entrada desse cano fica sempre na parte superior da caixa d’água.

Como regular a pressão na boia?

Há duas maneiras de controlar a pressão na boia: instalar uma boia específica para alta pressão ou optar por um regulador de pressão. Manter a boia regulada é importante para evitar danos e desperdício. Por exemplo, se a caixa estiver instalada em cima do imóvel e abaixo do telhado, e ocorrer uma pressão exagerada da água que vem da rua, a boia poderá não suportar essa pressão e a água, então, transbordará.

Nesse caso, se a sua caixa já possuir uma boia de alta pressão, você não precisará se preocupar. Mas, se a sua torneira de boia for de um modelo comum, recomenda-se a instalação do regulador de pressão. Esse regulador possui uma válvula que reduz a pressão por meio de um parafuso de regulagem, facilitando o trabalho da boia e evitando estragos.

Quando e como trocar a peça?

A gente já sabe que, se a boia não estiver boa, a caixa d’água pode transbordar e molhar a casa inteira, sem falar no desperdício. Mas como trocar uma boia com defeito?

Primeiramente, para notar o problema é preciso checar o reservatório de tempos em tempos. E caso algum defeito seja encontrado, não precisa entrar em pânico, pois a instalação de uma nova boia é muito fácil de fazer. Siga o passo a passo:

  1. Feche o registro que alimenta a caixa e abra as torneiras ou dê algumas descargas para abaixar o nível da água.
  2. Desrosqueie a boia com um alicate do tipo bomba d’água, também chamado de alicate de bombeiro.
  3. Limpe a vedação antiga e passe fita veda rosca no lugar, assim como na nova boia.
  4. Rosqueie a nova boia com o alicate, lembrando que a peça deve estar sempre voltada para baixo. Pronto. É só abrir o registro novamente!

Não tem segredo! Agora que você já sabe tudo sobre boia da caixa d’água, é só conferir periodicamente a sua e, para o caso de novas instalações de boias ou reservatórios, certificar-se de que está adquirindo peças de qualidade, com marcas reconhecidas no mercado e em lojas especializadas nesse tipo de serviço.