Quatro Pilares da Educação


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Os quatro pilares da Educação são conceitos de fundamento da educação baseados no Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, coordenada por Jacques Delors.

No relatório editado sob a forma do livro: “Educação: Um Tesouro a Descobrir[1] de 1999[2] e reeditado pela Editora Cortez (tendo parte da 7ª edição, de 2012, servindo como base para uma das modificações deste tema[3][4]), a discussão dos “quatro pilares” ocupa todo o quarto capítulo, onde se propõe uma educação direcionada para os quatro tipos fundamentais de educação: aprender a conhecer (adquirir instrumentos de da compreensão), aprender a fazer (para poder agir sobre o meio envolvente), aprender a viver juntos (cooperação com os outros em todas as atividades humana), e finalmente aprender a ser (conceito principal que integra todos os anteriores).  Estas quatro vias do saber, na verdade, constituem apenas uma, dado que existem pontos de interligação entre elas., eleitos como os quatro pilares fundamentais da educação.

ensino, tal como o conhecemos, debruça-se essencialmente sobre o domínio do aprender a conhecer e, em menor escala, do aprender a fazer. Estas aprendizagens, direcionadas para a aquisição de instrumentos de compreensão, raciocínio e execução, não podem ser consideradas completas sem os outros dois domínios da aprendizagem, muito mais complicados de explorar, devido ao seu caráter subjetivo e dependente da própria entidade educadora.

Um dos maiores desafios para a educação será a transmissão, de forma maciça e eficaz, da informação e da comunicação adaptadas à civilização cognitiva (pois estas são as bases das competências do futuro). Simultaneamente, compete ao ensino encontrar e ressaltar as referências que impeçam as pessoas de ficarem ilhadas pelo número de informações, mais ou menos efêmeras, que invadem os espaços públicos e privados. Assim como, orientar os educandos para projetos de desenvolvimento individuais e coletivos.

Proceder-se-á de seguida a uma breve dissertação sobre cada tipo de aprendizagem “deloriana”.

Aprender a Conhecer[editar | editar código-fonte]

Este pilar se refere à aquisição dos “instrumentos do conhecimento”.

Esta aprendizagem deve ser encarada como um meio e uma finalidade da vida humana (já que a educação deve ser pensada e planejada para ocorrer em todas as fases da vida). Simultaneamente ela visa não tanto à aquisição de um repertório de saberes codificados, mas antes, o domínios dos próprios instrumentos do conhecimento. É um meio, porque pretende que cada um aprenda a compreender o mundo que o cerca, pelo menos na medida em que isso lhe é necessário para viver dignamente. Finalidade, porque seu fundamento é o prazer de compreender, de conhecer, de descobrir.

Debruça-se sobre o raciocínio lógico, compreensão, deduçãomemória, ou seja, sobre os processos cognitivos por excelência. Contudo, deve existir a preocupação de despertar no estudante, não só estes processos em si, como o desejo de desenvolvê-los, a vontade de aprender, de querer saber mais e melhor.

Esta motivação pode apenas ser despertada por educadores competentes, sensíveis às necessidades, dificuldades e idiossincrasiasdos estudantes, capazes de lhes apresentarem metodologias adequadas, ilustradoras das matérias em estudos e facilitadoras da retenção e compreensão das mesmas.

Como o conhecimento humano é múltiplo evolui infinitamente,torna-se cada vez mais inútil tentar conhecer tudo. No entanto, a especialização (até para os futuros pesquisadores) não deve excluir a cultura geral. Esta cultural geral é entendida como uma abertura para outras linguagens e a outros conhecimentos. Fechado em sua própria ciência, o especialista corre o risco de se desinteressar pelo que fazem os outros. A formação cultural implica na abertura a outros campos de conhecimento e, assim, pode operar fecundas sinergias entre as disciplinas.

Pretende-se despertar em cada aluno a sede de conhecimento, a capacidade de aprender cada vez melhor, ajudando-os a desenvolver as armas e dispositivos intelectuais e cognitivos que lhes permitam construir as suas próprias opiniões e o seu próprio pensamento crítico.

Em vista a este objetivo, sugere-se o incentivo, não apenas do pensamento dedutivo, como também do intuitivo, porque, se é importante ensinar o “espírito” e método científicos ao estudante, não é menos importante ensiná-lo a lidar com a sua intuição, de modo a que possa chegar às suas próprias conclusões e aventurar-se sozinho pelos domínios do saber e do desconhecido.

Aprender a Fazer[editar | editar código-fonte]

Nas sociedades assalariadas que se desenvolvem a partir do modelo industrial ao longo do século XX, a substituição do trabalho humano pelas máquinas tornou cada vez mais imaterial e acentuou o caráter cognitivo das tarefas. Aprender a fazer não deve limitar o ensino apenas a uma tarefa material bem definida.

Da noção de qualificação à noção de competência[editar | editar código-fonte]

O progresso técnico modifica, inevitavelmente, as qualificações exigidas pelos novos processos de produção. As tarefas puramente físicas são substituídas por tarefas de produção mais intelectuais ou mentais, como o comando de máquinas, a sua manutenção e sua vigilância, ou por tarefas de concepção, de estudo e de organização, à medida que as máquinas também se tornam mais “inteligentes”, e que o trabalho se “desmaterializa” (pg 76). Qualidades como a capacidade de comunicar, de trabalhar com os outros, de gerenciar e de resolver conflitos, tornam-se cada vez mais importantes. E essa tendência torna-se mais forte devido ao desenvolvimento do setor de serviços.

A “desmaterialização” do trabalho e a importância dos serviços entre as atividades assalariadas[editar | editar código-fonte]

A “desmaterialização” da aprendizagem aumenta economia voltada para o setor de serviços. Esse setor altamente diversificado define-se, sobretudo, pela negativa: seus membros não são nem industriais nem produtores agrícolas e, apesar da sua diversidade, têm em comum o fato de não produzirem bens materiais. Muitos serviços definem-se principalmente em função das relações interpessoais a que dão origem. O desenvolvimento do setor terciário exige, pois, cultivar qualidades humanas que as informações tradicionais não transmitem, necessariamente, e que correspondem à capacidade de estabelecer relações estáveis e eficazes entre as pessoas (pg 77). Agora, as relações interpessoais mostram-se cada vez mais importantes para a solidificação de uma educação que traga a criticidade ao educando.

O aprender a fazer refere-se essencialmente à formação do educando. Consiste essencialmente em aplicar, na prática, os seus conhecimentos teóricos. Atualmente existe outro ponto essencial a focar nesta aprendizagem, referente à comunicação. É essencial que cada indivíduo saiba comunicar. Não apenas reter e transmitir informação mas também interpretar e selecionar as torrentes de informação, muitas vezes contraditórias, com que somos bombardeados diariamente, analisar diferentes perspectivas, e refazer as suas próprias opiniões mediante novos fatos e informações. Aprender a fazer envolve uma série de técnicas a serem trabalhadas.

Aprender a conhecer, combinando uma cultura geral, suficientemente vasta, com a possibilidade de trabalhar em profundidade um pequeno número de matérias. O que também significa: aprender a aprender, para beneficiar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida.

Aprender a viver com os outros[editar | editar código-fonte]

Este domínio da aprendizagem consiste num dos maiores desafios para os educadores, pois atua no campo das atitudes e valores. Cai neste campo o combate ao conflito, ao preconceito, às rivalidades milenares ou diárias. Se aposta na educação como veículo de paz, tolerância e compreensão; mas como fazê-lo?

O relatório para UNESCO não oferece receitas, mas avança uma proposta baseada em dois princípios: primeiro a “descoberta progressiva do outro” pois, sendo o desconhecido a grande fonte de preconceitos, o conhecimento real e profundo da diversidade humana combate diretamente este “desconhecido”. Depois e sempre, a participação em projetos comuns que surge como veículo preferencial na diluição de atritos e na descoberta de pontos comuns entre povos, pois, se analisarmos a História Humana, constataremos que o Homem tende a temer o desconhecido e a aceitar o semelhante.

Hoje em dia os alunos têm que respeitar os professores como eles são respeitados em casa, assim deve ser a manifestação do aluno.

A descoberta do outro[editar | editar código-fonte]

A educação tem como missão transmitir conhecimentos sobre a diversidade da espécie humana, assim como, conscientizar as pessoas sobre as semelhanças e interdependências que existem entre todos os cidadãos do planeta.

A tática de ensinar aos jovens a adotar a perspectiva de outros grupos étnicos ou religiosos, pode evitar atritos que produzem o ódio entre adultos. Assim como, o ensino da historia das religiões ou dos costumes pode servir de referencia vantajosa para futuros comportamentos.

Tender para objetivos comuns[editar | editar código-fonte]

As diferenças e até mesmo os conflitos interindividuais tendem a reduzir-se quando os jovens trabalham conjuntamente em projetos motivadores (o desporto é um ótimo exemplo disso). Neste caso, estamos valorizando a coletividade em detrimento à individualidade. Outra alternativa bastante viável é a inserção de jovens em projetos de ajuda social.

Aprender a ser[editar | editar código-fonte]

Este tipo de aprendizagem depende diretamente dos outros três. Considera-se que a Educação deve ter como finalidade o desenvolvimento total do indivíduo “espírito e corpo, sensibilidade, sentido estético, responsabilidade pessoal, espiritualidade”.

À semelhança do aprender a viver com os outros, fala-se aqui da educação de valores e atitudes, mas já não direcionados para a vida em sociedade em particular, mas concretamente para o desenvolvimento individual.

Pretende-se formar indivíduos autônomos, intelectualmente ativos e independentes, capazes de estabelecer relações interpessoais, de comunicarem e evoluírem permanentemente, de intervirem de forma consciente e proativa na sociedade.

Mais do que nunca a educação parece ter como papel essencial, conferir a todos os seres humanos a liberdade de pensamento, o discernimento, os sentimentos e a imaginação de que necessitam para desenvolver os seus talentos e permanecerem, tanto quanto possível, donos de seus próprios destinos (pg 81).

A diversidade de personalidades, a autonomia e o espírito de iniciativa, até mesmo o gozo pela provocação, são suportes da criatividade e da inovação.  O que poderia parecer apenas como uma forma de defesa do indivíduo perante a um sistema alienante ou considerado como hostil, é também por vezes a melhor oportunidade de progresso para as sociedades (pg 81).

Referências

  1. Ir para cima http://www.pucsp.br/ecopolitica/documentos/cultura_da_paz/docs/Dellors_alli_Relatorio_Unesco_Educacao_tesouro_descobrir_2008.pdf
  2. Ir para cima (PDF) http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001298/129801por.pdf Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Ir para cima DELORS,Jacques (org.). Educação um tesouro a descobrir – Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Editora Cortez, 7ª edição, 2012.
  4. Ir para cima NIKEL, Mateus. OS QUATRO PILARES DA EDUCAÇÃO – Jaques Delors (FICHAMENTO) in: http://blogdonikel.wordpress.com/2014/05/06/os-quatro-pilares-da-educacao-jaques-delors-fichamento/
Anúncios

Cuidar do nervo vago para reduzir a ansiedade e melhorar a qualidade de vida


18, setembro 2017 em Psicologia755 Compartilhados
Cuidar do nervo vago para reduzir a ansiedade e melhorar a qualidade de vida

O nervo vago inerva grande parte do nosso organismo. De tal forma que muitos o definem como uma força motriz, um canal interno que regula o descanso e que, além disso, desativa as respostas ansiosas do nosso corpo. Saber estimulá-lo através de exercícios como a respiração diafragmática nos ajudaria sem dúvidas a reduzir muitas dessas emoções negativas que nos atormentam todos os dias.

Vamos pensar por um momento em todas essas situações que geram ansiedade, em tudo aquilo que produz medo, incômodo, repulsa… Vamos visualizar esses momentos vitais e perceber como em um dado momento nosso estômago ou nosso intestino começa a ter espasmos, cólicas, a se agitar com muitas borboletas bravas no seu interior. Essa sensação ativa imediatamente o nervo vago e envia ao cérebro uma mensagem categórica: “temos uma ameaça”.

“Onde a água atinge a maior profundidade é onde se mantém mais tranquila.”
-William Shakespeare-

O professor Wolfgang Langhans do ETH Zurich e sua equipe descobriram há alguns anos que essa estrutura fascinante do nosso corpo está intimamente relacionada com as nossas emoções, mais especificamente com a sensação de medo ou a necessidade de fuga. Eles demonstraram, por exemplo, que as pessoas que sofrem de ansiedade crônica apresentam uma hipersensibilidade nesse nervo. Além disso, e é importante relembrar, o nervo vago se inicia no cerebelo e inerva o aparelho digestivo e intestinal, o aparelho respiratório, o coração e o fígado.

Assim, grande parte do nosso organismo se desequilibra quando somos vítimas da ansiedade: o coração acelera, a digestão se torna mais difícil, temos diarreia… No entanto, uma maneira de controlar o impacto de grande parte das nossas emoções é “ativando” de forma adequada o nervo vago. Apesar dessa estrutura responder a diferentes parâmetros pré-configurados pelo próprio organismo, há a possibilidade de estimular e melhorar seu funcionamento para favorecer exatamente o efeito contrário: o relaxamento.

O papel do nervo vago em nosso organismo

O nervo vago: uma parte do nosso corpo que devemos conhecer

Em 1921, um filósofo alemão ganhador do Prêmio Nobel, Otto Loewi, descobriu que ao estimular o nervo vago, algo muito interessante acontecia: a frequência cardíaca se reduzia e se ativava, por sua vez, a liberação de uma substância muito especial a qual ele chamou de “Vagusstoff” (em alemão, “substância vaga”). Essa “substância vaga” era, na realidade um neurotransmissor muito específico: falamos da acetilcolina, o primeiro neurotransmissor identificado pelos pesquisadores.

A acetilcolina é uma das substância químicas mais importantes do nosso organismo porque graças a ela é possível transmitir o impulso nervoso. O nervo vago, por sua vez, cumpre um papel tão essencial e tão relevante quanto: atua como uma força motriz do sistema nervoso parassimpático, encarregando-se de regular nossas respostas de descanso, digestão, necessidade de fuga ou de relaxamento.

É, por assim dizer, como se fosse um jogo de forças, no qual o bem-estar está em equilíbrio homeostático.

É como o “yin-yang” do nosso organismo, onde o ponto ideal reside no fato de poder desfrutar de um nível de ativação justo e adequado, no qual não se sente nenhuma sensação de alerta, nem um estado de relaxamento próximo da fraqueza, da apatia ou da imobilidade.
 Compartilhar

Psicólogos clínicos como Kyle Bourassa da Universidade do Arizona nos explicam que algo tão básico quanto favorecer uma conexão saudável do nervo vago entre o intestino e o cérebro nos ajudaria, por exemplo, a regular muito melhor a produção de neurotransmissores como a acetilcolina e o GABA (ácido gama-aminobutírico). Desse modo, e graças a esses neurotransmissores, poderíamos desacelerar o ritmo cardíaco, diminuir a pressão arterial e a atividade de órgãos estimulados em excesso pelo efeito da ansiedade (poderíamos dormir melhor, fazer as digestões de uma maneira melhor…).

A seguir, nos aprofundamos nessas estratégias com as quais atingir esse objetivo.

Como estimular o nervo vago?

Vale ressaltar que algumas pessoas conseguem estimular o nervo vago graças a um bom fisioterapeuta especializado no tema. Mediante uma série de determinadas mensagens na região da boca do estômago, é possível ativar a ação do nervo vago pra experimentar uma agradável sensação de tranquilidade e aliviar, assim, os espasmos intestinais associados aos estados de ansiedade.

“Uma mente tranquila traz força interior e confiança para si mesmo, por isso é muito importante uma boa saúde.”
-Dalai Lama-

Por outro lado, uma boa maneira de conseguir isso é por meio da respiração diafragmática. Essa respiração atua como uma boa ferramenta de relaxamento cotidiano, e caso realmente seja praticada todos os dias, percebemos também menos sensações de ameaça, melhores processos de digestão, um melhor equilíbrio interno e um descanso mais restaurador. Paralelamente, também existem muitas outras estratégias que, combinadas com a respiração profunda ou diafragmática, podem nos servir de ajuda.

  • Exercício aeróbico moderado e praticado diariamente.
  • Conexões sociais positivas e enriquecedoras.
  • Praticar a meditação.
  • Manter um diário para incentivar a comunicação consigo mesmo.
  • Consumo de probióticos, pois foi descoberto que possuir uma flora intestinal saudável e forte também se reflete na saúde cerebral.
  • Banhos frios de poucos minutos.
  • Praticar yoga.
  • Dormir do lado esquerdo.
  • Rir com frequência.
  • Aumentar os níveis de serotonina e ocitocina…

Cuidar do nervo vago para combater a ansiedade

Para concluir, assim como pudemos observar nessa lista, há um aspecto que sem dúvidas chama nossa atenção: o simples fato de cultivar emoções positivas, como desfrutar de boas relações sociais, ter momentos de ócio, gargalhadas e relaxamentos também proporciona estímulos benéficos ao nosso nervo vago.

Não podemos nos esquecer de que é no próprio intestino que é fabricada de 80 a 90% da serotonina, o hormônio do bem-estar. Também não podemos ignorar o simples fato de que colocar um sorriso no rosto, dançar, caminhar, nadar, etc. produz mudanças metabólicas positivas. Mudanças que esse imenso nervo, que “vaga” erraticamente pelo nosso corpo, capta imediatamente para enviar uma mensagem muito específica ao nosso cérebro: “tudo está tranquilo, estamos bem”.

Recomendados para você

Sponsored Video by Taboola