Causas Emocionais das doenças


Nos dias que decorrem ainda é um pouco estranho, para muitas pessoas, aceitar que as doenças e as emoções podem de alguma forma estar ligadas. Aceitar que uma doença possa ser causada por distúrbios emocionais faz cada vez mais sentido e tem-se verificado que a mudança desses padrões emocionais, atenuam a doença e podem mesmo abolir a doença se esses padrões emocionais desequilibrados deixarem de existir. Óbvio que à degenerações podem depois ter difícil retrocesso, no entanto são conhecidos casos de sucesso.

Quando a boca cala…. o corpo fala!! AMAR pode CURAR

  • O resfriado escorre quando o corpo não chora.
  • A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
  • O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
  • O diabetes invade quando a solidão dói.
  • O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
  • A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
  • O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
  • A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
  • As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
  • O peito aperta quando o orgulho escraviza.
  • A pressão sobe quando o medo aprisiona.
  • As neuroses paralisam quando a criança interna tiraniza.
  • A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

As Doenças, as emoções e a genética

É muito comum ouvirmos falar em doenças herdadas genéticamente, o certo é que quando estamos no ventre materno estamos já expostos aos padrões emocionais vividos no ambiente familiar. Estes padrões emocionais vão ser parte integrante também da educação da criança e mais tarde manifestar-se fisicamente se não forem transformados em potencialidades e sabedoria.

Padrões emocionais e crenças negativas – causam doenças

As mudanças de padrões emocionais passam pela mudança das crenças e padrões de pensamento que alimentamos desde que existimos. Através da mudança de pensamentos é possível curar doenças e as emoções.

Mostramos a seguir algumas doenças e os padrões e crenças negativas que os sustentam e as respectivas afirmações positivas que devemos dizer para mudar os padrões e crenças e assim libertar-nos das doenças e emoções negativas (Poder das afirmações positivas)

Acidentes – Rebelião contra autoridade. Crença em violência, raiva.
Afirmação positiva – Paz e segurança. Eu amo e aceito tudo na vida como uma fonte de sabedoria.

Acne – Não se aceitar; desamor de si.
Afirmação positiva – Eu amo-me e  aceito-me tal como sou. Eu sou maravilhoso e amado por todos (causas emocionais das doenças)

Adenóides – Atritos familiares, discussões. Criança se sente mal querida.
Afirmação positiva – A criança é querida e bem-vinda.

Alcoolismo – Sentimentos de futilidade, inadequação, culpa e auto-rejeição.
Afirmação positiva – Eu relaxo e liberto o passado. Eu tenho valor, amo-me e aceito-me tal como sou agora.

Alergias – A quem você é alérgico? Falso ego e sensibilidade.
Afirmações positivas – Eu estou em Paz. O mundo é seguro e amigo.

Amigdalite – Emoções reprimidas e medo; raiva reprimida.
Afirmação positiva – Nada impede o bom em mim. Eu permito a liberdade de expressão, das idéias divinas, que fluem e ganham significado em mim.

Anemia – Falta de prazer; desinteresse da vida (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Meu mundo é cheio de alegria e estou interessado em tudo.

Apendicite – Medo da vida; bloqueio do fluxo das sensações.
Afirmação positiva – Alegria; eu relaxo e deixo minhas sensações fluírem.

Arteriosclerose – Resistência; tensão; abertura mental estreita.
Eu estou completamente aberto para a vida e a alegria. A vida é boa.

Artrite – Amargura, ressentimento, crítica, sentimentos de desamor.
Afirmação positiva – Amor e perdão. Eu deixo os outros serem eles mesmo. Eu sou livre.

Asma – Super sensibilidade; amor sufocado; supressão do choro, sentimentos sufocados.
Afirmação positiva – Eu sou livre. Eu me encarrego da minha própria vida. Eu posso expressar meus sentimentos como eles são.

Ataques, golpes, congestão – Rejeição da vida; auto-violência, resistência extrema (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu aceito a vida passada, presente e futura. Vida e alegria.

Bexiga (problemas) – Ansiedade; resistência contra novas idéias.
Afirmação positiva – Eu abandono o passado, despreocupo me do futuro. Eu aceito o que é novo, agora.

Boca (problemas) – Incapacidade de engolir idéias; fixação de opiniões e mente fechada.
Afirmação positiva – Eu dou boas-vindas a idéias e conceitos novos.

Bronquite – Ambiente familiar inflamado.
Afirmação positiva – Paz. Ninguém consegue irritar-me.

Bursite – Raiva reprimida, vontade de bater em alguém.
Afirmação positiva – Eu relaxo a raiva de maneira que ela não cause mal. O amor relaxa.

Câimbras – Tensão; segurar-se; oprimir-se.
Afirmação positiva – Eu relaxo e deixo a vida fluir.

Cancro – Profundos segredos ou aflições corroendo o Eu; retenção longa dos ressentimentos;ferimentos profundos.
Afirmação positiva – Não existem segredos. Eu deixo que o passado se vá. Meu presente é preenchido com alegria.

Catarata – Futuro pouco claro; inabilidade de ver a frente (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu sou livre. A vida é eterna e cheia de alegria.

Ciática – Medo do dinheiro e do futuro.
Afirmação positiva – Eu me movimento no melhor de tudo. Meu bem está em todo lugar e eu estou seguro.

Coceira – Desejos insatisfeitos, remorso; punição e culpa.
Afirmação positiva – Tudo que eu precisar estará sempre aqui. Eu aceito tudo de bom sem sentimentos culposos.

Colesterol – Entupimento dos canais do prazer; medo de aceitar o prazer.
Afirmação positiva – O prazer é normal. Meus canais estão largamente abertos. Eu amo a vida.

Colite – Pais super-excitados; opressão, menosprezo; necessidade de afeto.
Afirmação positiva – Eu sou livre-pensador. Eu estou em paz na minha mente.

Contensão, (machucaduras, esgotamento) – Pequenos impactos da vida.
Afirmação positiva – Não existe razão para eu bater na vida. Eu estou ajo com amor.

Coração – Problemas emocionais sérios longamente suportados; falta do prazer, rejeição da vida. Crença nas pressões e no esforço.
Afirmação positiva – Alegria, alegria, alegria, amor e paz. Eu prazerosamente aceito tudo na vida.

Corcunda – Raiva atrás de você, ressentimento conservado (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu vejo o passado com alegria. Ninguém jamais me fez mal.

Crescimento – Nutrir ferimentos emocionais, falso senso de valores e orgulho.
Afirmação positiva – Perdão. Eu amo a mim mesmo. Não irei fazer-me mal.

Dedos – Super exagerar os detalhes da vida (unhas- super analisar).
Afirmação positiva – Eu relaxo conscientemente de que a sabedoria da vida cuida dos detalhes.

“Defeitos” de nascença – Necessidade de reencarnação; você pediu para vir assim.
Não se sinta culpado. Você e seus pais, têm algo a aprender.

Dentes – Sustentar longas indecisões; incapacidade de derrubar idéias por análise ou decisão.
Afirmação positiva – Eu faço minhas decisões baseado nos princípios da verdade e fico seguro com o resultado.

Deslocamento de disco
Indecisão; não se sentir emocionalmente amparado pelos outros (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu sou corajoso e independente. Eu sou amparado pela vida.

Desmaios – Medo; não poder conviver ou enfrentar; apagar-se de tudo.
Afirmação positiva – Eu tenho poder, força e conhecimento para lidar com tudo na vida.

Diabetes – Profundo sentimento de mágoa; falta de açúcar na vida.
Afirmação positiva – Eu permito que a vida seja gostosa. Eu deixo o passado ser apenas passado. Eu aceito que o prazer e a alegria sejam as bases da minha vida.

Doenças venéreas – Culpa sexual; crença de que os órgãos genitais são pecaminosos e sujos; necessidade de punição.
Afirmação positiva – Eu amorosa e prazerosamente aceito minha sexualidade e sua expressão. Não há culpa sem punição.

Dor – Congestão, bloqueio; crença em barreiras; punição, culpa.
Afirmação positiva – Eu descanso minha necessidade de punição. Eu deixo a vida fluir.

Dor de Cabeça – Tensão, revolta, contrariedades emocionais. Sentimentos feridos.
Afirmação positiva – Paz, amor, alegria, relaxamento. No meu mundo tudo está bem.

Dor de ouvidos – Causa emocional da doença – Raiva; não querer ouvir (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu ouço com amor e prazer. Sempre escuto o bom de tudo.

Edema – Super sensibilidade, individualidade machucada. Personalidade ferida.
Afirmação positiva – Eu sou seguro, ninguém ameaça minha individualidade.

Enjoar no carro – Medo-dependência, sentimento de ser pego em armadilhas.
Eu ando facilmente no tempo e espaço. Não existe o medo.

Enjoar no mar – Medo; medo da morte.
Afirmação positiva – A vida continua. Não existe a morte. Somente mudanças.

Enlouquecer – Reter amor e consideração (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu respondo à vida, reparto meus sentimentos e meu amor. Eu sinto… eu amo…

Envelhecer – Crença social; velhos pensamentos.
Afirmação positiva – Eu me amo e me aceito em todas as idades; cada idade é perfeita. Eu sou espírito. Eu sou eterno.

Enxaqueca – Resistência ao fluir da vida; medos sexuais. Desperdícios emocionais.
Afirmação positiva – Eu descanso no fluxo da vida. Deixo-a fluir através de mim.

Epilepsia – Rejeição da vida; sensação de perseguição; violência contra si.
Afirmação positiva – Eu amo a mim mesmo e a toda a vida. A vida é uma eterna alegria.

Esclerose múltipla – Dureza mental, coração endurecido, vontade de forra; inflexibilidade.
Afirmação positiva – Eu não tento me controlar. Eu me solto com alegria na vida.

Espinhas – Crença na feiúra, culpa, ódio de si (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu não propago pensamentos feios. Eu amo todo o meu corpo. Não há culpa.

Estomago (problemas) – Incapacidade de assimilar idéias. Medo de novas idéias.
Afirmação positiva – Eu assimilo novas idéias facilmente. A vida concorda comigo.

Excesso de peso – Insegurança; auto-rejeição; procura de amor. Medo de perda, sufocar sentimentos.
Afirmação positiva – Eu aceito-mr e me amo-me tal como eu sou. Eu sou sempre seguro no caminho espiritual.

Face (doenças) – Representa individualidade, reconhecimento (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Reconheço meus verdadeiros valores. Minha individualidade.

Fadiga – Resistência, aborrecimento; falta de amor pelo que faz.
Afirmação positiva – Estou entusiasmado com a vida. Cheio de Energia.

Febre – Queimar-se com alguém ou algo; raiva.
Afirmação positiva – Eu sou calmo, exprimo amor e paz.

Febre do Feno – Congestão emocional; confusão nas crenças; medo do moralismo.
Afirmação positiva – Eu nego qualquer moralismo. Eu sou uno em tudo na vida.

Gagueira – Insegurança; falta de auto-expressão (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Eu permito-me falar por mim e  comunico-me com amor.

Garganta – Repressão de raiva; ferimentos emocionais engolidos.
Afirmação positiva – Eu expresso-me com alegria e ninguém me pode magoar.

Gastrite (gases) – Reter idéias indigestas; sufocar o ar por medo.
Afirmação positiva – Eu deixo a vida fluir através de (gases) mim.

Gengivas (problemas) – Inabilidade de levar avante as decisões uma vez que elas sejam tomadas.
Afirmação positiva – Eu sou uma pessoa decidida. Eu deixo-me ir pela vida.

Glândulas (problemas) – Desequilíbrio; falta de ordem; distribuição insuficiente.
Afirmação positiva – Eu estou em equilíbrio total. Meus sistemas estão em ordem.

Glaucoma – Pressão emocional por sustentar por longo tempo sentimentos feridos.
Afirmação positiva – Ninguém pode jamais me ferir. Eu vejo com amor e ternura.

Gota – Impaciência, raiva, dominação.
Afirmação positiva – Eu deixo o ego e sentimentos de superioridade irem-se. Deixo .
os outros serem o que são.

Gripe – Respostas a negatividade e crença geral; medo, crença em estatísticas.
Afirmações positivas -Eu não sou governado pelas crenças de grupos ou preconceitos.
Eu sou livre de todas influências.

Hemorróidas – Carga, pressão, tensão, medo de deixar acontecer.
Afirmação positiva – Eu descanso todo o peso e as cargas. Eu vivo na alegria do presente.

Hepatite – Medo, raiva, ser odiado. O fígado é o local da raiva e emoções primitivas.
Afirmação positiva – Eu deixo ir agora tudo que não preciso mais, minha consciência esta limpa, cheia de vida.

Hérnia – Carga, resistência mental, autopunição; raiva; expressões criativas incorretas.
Afirmação positiva – Minha vida é calma e harmoniosa. Eu me amo com ternura.

Herpes – Prolongada suspensão nervosa (causas emocionais das doenças)
Afirmação positiva – Descanso agora tranquilamente de todos os meus pensamentos e de todas actividades que exercem pressão sobre mim.A paz está em mim.

Hipoglicemia – Desequilíbrio no sistema.
Afirmação positiva – A aceitação do prazer equilibra o meu sistema.

Impotência – Pressão sexual, tensão, culpa; crenças sociais; rancor contra um antigo parceiro.
Afirmação positiva – Eu permito que todo poder dos meus princípios sexuais opere com facilidade e prazer.

Inchaços (verrugas) – Auto-rejeição, medo, falta de amor.
Afirmação positiva – Eu só adiciono amor em mim. Nada terá mais poder em mim.

Indigestão – Medo, ansiedade, pavor.
Afirmação positiva – Eu recebo o novo e assimilo.

Infecções – Irritação, raiva, chateação.
Afirmação positiva – Nada tem o poder de irritar-me. Eu sou pacífico e harmonioso.

Insanidade – Escapismo, recolhimento; violenta separação da vida.
Ressentimentos familiares.
Afirmação positiva – Minha mente sabe sua verdadeira identidade e eu sou um ponto criativo da expressão divina.

Insónia – Tensão, culpa, medo.
Afirmação positiva – Eu descanso do dia e mergulho num sono perfeito, pacífico.

Laringite – Medo de verbalizar opiniões; raiva. Ressentimento da autoridade.
Afirmação positiva – Eu posso falar por mim. Eu me expresso livremente.

Mãos – A habilidade de segurar e deixar as idéias escaparem; medo de novas idéias
Afirmação positiva – Eu lido com todas as idéias com amor e facilidade.

Mau hálito – Atitudes podres, pensamentos estúpidos.
Afirmação positiva – Eu falo com amor. Eu expiro o que é bom.

Menopausa (problemas) Medo de não ser mais querido, auto-rejeição. Modo de envelhecimento.
Afirmação positiva – Eu sou equilibrado em todos os ciclos da mudança, abençôo meu corpo com amor.

Nervos e nervosismo – Comunicação, luta, pressa; medo, ansiedade. Pensamentos confusos.
Afirmações positivas – Eu estou na interminável jornada pela eternidade. Que a paz.
esteja conosco. Não existe nenhum lugar para o qual devamos nos apressar.

Olhos (problemas) – Não gostar do que vê em sua vida. Medo do futuro; não ver a verdade.
Afirmações positivas – Eu vejo com olhos amorosos, eu vejo, a verdade, eu vejo claramente.

Ombros – Suportar carga, excesso de carga.
Afirmação positiva – A vida é alegria e liberdade; tudo o que aceito é bom.

Ossos (problemas) – Revolta contra a autoridade (os ossos são a estrutura do universo).
Afirmação positiva – Eu estou em paz com a autoridade. Em meu mundo, sou minha própria autoridade.

Paralisia – Medo, escapismo, resistência, choque.
Afirmação positiva – Eu sou uno com a vida. Eu bendigo minhas experiências.

Pele (problemas) – Sentir-se ameaçado na individualidade; falta de segurança, impaciência; assadura; maneira de ganhar atenção.
Afirmações positivas – Eu aceito minha individualidade. Eu sou emocionalmente seguro.
Eu ganho atenção de maneira positiva.

Pernas (problemas) – Medo do futuro (as pernas carregam você para frente).
Afirmação positiva – Eu me movo com confiança e alegria.

Pés (problemas) – Medo do futuro
Afirmações positivas – Eu paro na verdade. Vou adiante com prazer. Tenho compreensão espiritual.

Pescoço (problemas) – Inflexibilidade, recusa em ver outros lados da questão; teimosia.
Afirmação positiva – Eu sou flexível. Aceito outros pontos de vista.

Pneumonia – Desespero; cansaço da vida, preocupações emocionais; distúrbios internos.
Afirmação positiva – Eu recebo livremente idéias divinas, impregnadas com o hálito da vida.

Pressão sangüínea
ALTA: manter por longo tempo problemas insolúveis; BAIXA: depressão, mágoa, derrotismo, raiva.
ALTA: eu sou alegria e deixo o passado dissolver-se. BAIXA: eu vivo com mais alegria agora; a vida é alegria.

Prisão de ventre (intestinos) – Recusa de relaxar sobre velhas idéias; mesquinhez.
Afirmação positiva – Eu relaxo o passado, generosamente permito que a vida flua através de mim.

Próstata (problemas) – Desistência, derrotismo sensualidade excessiva com sentimento de culpa; crença na velhice
Afirmação positiva – Eu aceito minha masculinidade; eu sou eternamente poderoso. Sexo é prazer.

Psoríase (pele) – Insegurança emocional.
Afirmação positiva – Eu sou pacífico e seguro. Eu estou em paz com tudo na vida.

Pulmões – Medo de receber e dar-se à vida.
Afirmação positiva – A respiração flui através de mim.

Quadris (problemas) – Medo de ir avante em decisões importantes.
Afirmação positiva – Sigo com alegria, amparado e sustentado pelo poder da vida.

Queimaduras – Raiva; queimar-se com os outros.
Afirmação positiva – As pessoas não tem poder contra mim. Eu tenho paz no meu ambiente.

Quisto – Crescimento falso; fomentação de choques e machucados emocionais.
Afirmação positiva – Eu dissolvo velhas raivas. Nada pode ferir-me.

Raquitismo – Desequilíbrio emocional; falta de amor e segurança.
Afirmação positiva – Eu sou seguro e nutrido pelo amor do Universo.

Resfriados – Confusão, desordem, pequenos machucados; família e crenças estereotipadas.
Afirmação positiva – Eu sou livre-pensador; estou em paz com minha mente.

Retenção (líquidos) – O que é que você tem medo de perder?
Afirmação positiva – Eu descanso com alegria, e espontaneidade.

Reumatismo – Falta de amor; ressentimento; amargura crônica; vingança.
Afirmação positiva – Eu tenho compaixão com os outros e comigo. Eu aceito sentimentos prazerosamente.

Rins (problemas) – Crítica, sensibilidade, desapontamento.
Afirmações positivas -Eu vejo somente o bom em tudo. Ações corretas sendo tomadas. Eu estou realizado.

Roer unhas – Separação dos pais, pedaço de si que se recalca.
Afirmação positiva – Eu sou indivíduo criativo. Aceito, sou seguro em minha maturidade.

Sangue (problemas) – Falta de alegria; faltas de circulação das idéias; pensamentos estagnados.
Afirmação positiva – Alegria. Com alegria as novas idéias circulam livremente.

Sinusite – Presença de pessoas que o irritam.
Afirmação positiva – Ninguém tem o poder de me irritar a menos que eu permita. Paz e harmonia.

Surdez – O que você não quer escutar? Rejeição, teimosia, isolamento.
Afirmação positiva – Eu escuto Deus. Eu escuto o prazer e a vida, sou parte dela.

Tórax (Quisto) – Super dimensão de atitudes e propósitos na vida. Super proteção.
Afirmação positiva – Eu sou livre e permito liberdade a todos.

Tosse – Nervosismo, amolação, crítica.
Afirmação positiva – Eu expresso-me pacificamente e falo com amor.

Tuberculose – Egoísmo; possessão; crueldade.
Afirmação positiva – Eu não me sufoco na vida. Meus pensamentos desenvolvem ótimas idéias. Todos momentos da vida são cheios de sentido.

Tumor – Crescimento falso; ferimentos e choques emocionais.
Afirmação positiva – Descanso e perdão. O amor dissolve ferimentos.

Tumor no cérebro – Crenças incorretas computadas; teimosia; recusa em mudar os velhos padrões.
Afirmação positiva – Tudo na vida é mudança. Meus padrões são sempre novos.

Úlceras – Algo se corrói em você; ansiedade, medo, tensão. Crença em pressões.
Afirmação positiva – Nada pode irritar-me; sou pacífico, calmo e feliz.

Urinar na cama – Medo dos pais (normalmente do pai).
Amor, compreensão e compaixão.

Urticária – Pequenos medos escondidos; exagero de pequenos problemas.
Afirmação positiva – Eu estou em paz com as pequenas coisas da vida.

Vaginite – Culpa sexual; sentimento de perda de alguém ou algo amado.
Afirmação positiva – As formas e as vias podem mudar. O amor nunca se perde. Todas as partes do meu corpo são bonitas.

Varizes – Negatividade, resistência; remoer emoções; sustentar um trabalho que você odeia; circulação entravada, atulhada de idéias; desencorajamento.
Afirmação positiva – Eu me movimento e vivo com prazer. Eu amo a vida e circulo livremente.

Vesícula (pedras na) – Amargura; pensamentos dolorosos que você não encontra meios de evitar.
Afirmação positiva – Jubilosamente deixo o passado ir-se. A vida é boa. Eu sou bom.

Cada vez há mais abertura a acreditar que por trás de uma doença ou de um acidente existe sempre um pensamento ou crença negativa alimentada pela pessoa. Todos nós criamos uma realidade no nosso mundo mental, que se materializa em nosso corpo ou realidade numa realidade concreta concreta. As doenças e as emoções fazem parte dessa manifestação concreta materializada por pensamentos, crenças e padrões de comportamento que podem ser alterados por uma auto-responsabilização diária sobre a forma como vemos  e sentimos a vida e a forma como a vivemos. Para ver outras afirmações ir a Afirmações positivas para a auto-estima.

Anúncios

Choline


From Wikipedia, the free encyclopedia
Choline
Skeletal formula
Ball-and-stick model
Names
Preferred IUPAC name

2-Hydroxy-N,N,N-trimethylethan-1-aminium
Other names

2-Hydroxy-N,N,N-trimethylethanaminium
Bilineurine
(2-Hydroxyethyl)trimethylammonium
Identifiers
62–49–7 Yes
3D model (Jmol) Interactive image
1736748
ChEBI CHEBI:15354 Yes
ChEMBL ChEMBL920 Yes
ChemSpider 299 Yes
DrugBank DB00122 Yes
ECHA InfoCard 100.000.487
EC Number 200–655–4
324597
4551
KEGG C00114 Yes
PubChem 6209
UNII N91BDP6H0X Yes
Properties
C5H14NO+
Molar mass 104.17080
Density 1.09 g/ml
Boiling point 305 °C (581 °F; 578 K)
500 mg/ml
Except where otherwise noted, data are given for materials in their standard state (at 25 °C [77 °F], 100 kPa).
Yes verify (what is Yes ?)
Infobox references

Choline (/ˈkoʊliːn/)[1][2] is a water-soluble vitamin.[3][4][5] The term cholines refers to the class of quaternary ammonium salts containing the N,N,N-trimethylethanolammonium cation (X on the right denotes an undefined counteranion).[3]

The cation appears in the head groups of phosphatidylcholine and sphingomyelin, two classes of phospholipid that are abundant in cell membranes. Choline is the precursor molecule for the neurotransmitter acetylcholine, which is involved in many functions including memory and muscle control.

Some animals cannot produce choline, but must consume it through their diet to remain healthy. Humans make choline in the liver. Whether dietary or supplemental choline is beneficial or harmful to humans is undefined.[6] Possible dangers include increased risk of cardiovascular disease and cancer, while possible benefits include reducing the risk of neural tube defects and fatty liver disease.[5]

According to the US Institute of Medicine, there is not enough evidence to establish a Recommended Daily Intake for choline. The Australian and New Zealand national nutrition bodies note that while deficiency has been seen during experiments, there have been no reports of choline deficiency in the general population.[7] All three have published an “Adequate Intake” value, discussed below. The European Union’s food safety authority says there are no Recommended Daily Intakes in the EU and “no indications of inadequate choline intakes available in the EU”.[8]

Methionine and folate are known to interact with choline while homocysteine is undergoing methylation to produce methionine. Recent studies have shown that choline deficiency may have adverse effects, even when sufficient amounts of methionine and folate are present.[5] It is used in the synthesis of components in cell membranes.

History[edit]

Choline was first isolated by Adolph Strecker from pig and ox bile (Greek: χολή, chole) in 1862.[9] When it was first chemically synthesized by Oscar Liebreich in 1865,[9] it was known as neurine until 1898 when it was shown to be chemically identical to choline.[10] In 1998, choline was classified as an essential nutrient by the Food and Nutrition Board of the Institute of Medicine (USA).[11]

Chemistry[edit]

Choline is a quaternary ammonium salt with the chemical formula (CH3)3N+(CH2)2OHX, where X is a counterion such as chloride (see choline chloride), hydroxide or tartrate. Choline chloride can form a low-melting deep eutectic solvent mixture with urea with unusual properties.[12] The salicylate salt is used topically for pain relief of aphthous ulcers.[13][14]

Choline hydroxide[edit]

Choline hydroxide is one of the class of phase transfer catalysts that are used to carry the hydroxide ion into organic systems, and, therefore, is considered a strong base. It is the least-costly phase transfer catalyst, and is used as an effective method of stripping photoresists in circuit boards.[15] Choline hydroxide is not completely stable, and it slowly breaks down into trimethylamine.[16]

In humans[edit]

Physiology[edit]

Choline metabolism.

Choline and its metabolites are needed for three main physiological purposes: structural integrity and signaling roles for cell membranes, cholinergic neurotransmission (acetylcholine synthesis), and a major source for methyl groups via its metabolite, trimethylglycine (betaine), which participates in the S-adenosylmethionine (SAMe) synthesis pathways.[17][18]

Choline deficiency signs[edit]

Most common signs of choline deficiencies are fatty liver and hemorrhagic kidney necrosis. Consuming a choline-rich diet will relieve the deficiency symptoms. A study of this on animals has created some controversy due to the inconsistency in dietary modifying factors.[19]

Fish odor syndrome[edit]

Main article: trimethylaminuria

Choline is a precursor to trimethylamine, which some persons are not able to break down due to a genetic disorder called trimethylaminuria. Persons suffering from this disorder may suffer from a strong fishy or otherwise unpleasant body odor, due to the body’s release of odorous trimethylamine. A body odor will occur even on a normal diet – i.e., one that is not particularly high in choline. Persons with trimethylaminuria are advised to restrict the intake of foods high in choline; this may help to reduce the sufferer’s body odor.[20]

Food sources of choline[edit]

The following are choline values for a selection of foods in quantities that people may consume in a day.

Animal and plant foods Food amount (imperial) Food amount (metric) Choline (mg) Choline (mg) in 100g food Calories  % of diet to meet AI (smaller is better)[a 1]
Raw beef liver 5 ounces 142g 473 333 192 [nb 1] 9
Cauliflower 1 pound 454g 177 39 104 [nb 2] 13
Large egg 1 50g 147 294 78 [nb 3] 12
Broccoli 1 pound 454g 182 40 158 [nb 4] 19
Brewer’s yeast 2 tbsps 30g 120 400 116 21
Cod fish 0.5 pound 227g 190 84 238 [nb 5] 28
Spinach 1 pound 454g 113 25 154 [nb 6] 30
Wheat germ 1 cup 113g 202 179 432 [nb 7] 47
Soybeans, mature, raw 1 cup 186g 216 116 86 [nb 8] 51
Milk, 1% fat 1 quart 946mL (976g) 173 18 410 [nb 9] 52
Firm tofu 2 cups 504g 142 28 353 [nb 10] 55
Chicken 0.5 pound 227g 150 66 543 [nb 11] 80
Cooked kidney beans 2 cups 354g 108 31 450 [nb 12] 92
Uncooked quinoa 1 cup 170g 119 70 626 [nb 13] 116
Uncooked amaranth 1 cup 193g 135 70 716 [nb 14] 117
Grapefruit 1 246g 19 8 103 [nb 15] 119
Peanuts 1 cup 146g 77 53 828 [nb 16] 237
Almonds 1 cup 143g 74 52 822 [nb 17] 244
Cooked brown rice 3 cups 606g 54 9 649 [nb 18] 264

Besides cauliflower, other cruciferous vegetables may also be good sources of choline.[21]

The USDA Nutrients Database has choline content for many foods.

No recommended values[edit]

The Australian, New Zealand, and European Union national nutrition bodies note there have been no reports of choline deficiency in the general population.[22][8] The USA joins these three in not publishing a Recommended Dietary Intake, due to lack of evidence.[23][24] They have, however, published a set of “Adequate Intake” values. The US Institute of Medicine (IOM) notes that these figures are based on just one study[25] and that there was little data and the choline made by the body (thus a dietary intake of zero) may be enough for some groups.[26] Australia, New Zealand and Canada use the figures published by the US IOM. The European Food Safety Authority (EFSA) published its own Adequate Intake values, most recently in 2016.[8][27]

Group EFSA Adequate Intake US IOM Adequate Intake US IOM Upper Limit
Infants (mg/day) (mg/day) (mg/day)
0–6 months 125 ND
7–12 months 160 150 ND
Children
1–3 yrs 140 200 1000
4–6 yrs 170 250 1000
7–8 yrs 250 250 1000
9–10 yrs 250 375 1000
11–13 yrs 340 375 2000
Males
14 yrs 340 550 3000
15+ yrs 400 550 3500 (3000 for 15–18 yrs)
Females
14 yrs 340 400 3000
15–18 yrs 400 400 3000
19+ yrs 400 425 3500
If pregnant 480 450 3500 (3000 if ≤ 18 yrs)
If lactating 520 550 3500 (3000 if ≤ 18 yrs)

Average or common intakes[edit]

Studies on a number of different populations have found that the average intake of choline was below the adequate intake.[5][28][29]

Studies on postmenopausal women[edit]

In the USA, the 2005 National Health and Nutrition Examination Survey stated that only 2% of postmenopausal women consume the Adequate Intake for choline.[30]

Health effects of dietary choline[edit]

Choline deficiency may play a role in liver disease, atherosclerosis, and possibly neurological disorders.[5] One sign of choline deficiency is an elevated level of the liver enzyme ALT.[4] If low choline intake causes an elevated homocysteine level, it raises the risk for preeclampsia, premature birth, and very low birth weight.[5]

Involvement of choline in long-term health and development of clinical disorders, such as cardiovascular diseases, cognitive decline in aging and regulation of blood lipid levels, has not been well-defined.[31]

As a dietary supplement[edit]

The US Food and Drug Administration requires that infant formula not made from cow’s milk be supplemented with choline.[32]

Medical imaging[edit]

File:Cholin-PET MIP.ogg

Maximum intensity projection of a PET/CT with choline: Note the physiologic accumulation in the liver, pancreas, kidney, bladder, spleen, bone marrow and salivary glands. A bone metastasis is in the left pubic bone.

In 2012, the U.S. Food and Drug Administration approved choline C-11 as an imaging agent to be used during a PET scan to detect prostate cancer.[33][34]

Pregnancy and brain development[edit]

The human body can produce choline by methylation of phosphatidylethanolamine by N-methyltranferase (PEMT) to form phosphatidylcholine in the liver, or it may be consumed from the diet. It has been demonstrated that both de novo production and dietary consumption are necessary, as humans eating diets lacking choline develop fatty liver, liver damage, and muscle damage. However, because of the close interplay between choline, folate, methionine, and vitamin B12, (whose pathways overlap), the function of choline can be complex.

To begin with, methionine can be formed two ways, either from methyl groups derived from folate, or from methyl groups derived from betaine (which gets its methyl groups from choline). Changes in one of these pathways is compensated for by the other, and if these pathways do not adequately supply methyl groups to produce methionine, the precursor to methionine, homocysteine, rises.

Choline in food exists in either a free or esterified form (choline bound within another compound, such as phosphatidylcholine, through an ester linkage). Although all forms are most likely usable, some evidence indicates they are unequally bioavailable (able to be used by the body). Lipid-soluble forms (such as phosphytidylcholine) bypass the liver once absorbed, while water-soluble forms (such as free choline) enter the liver portal circulation and are generally absorbed by the liver.[35] Both pregnancy and lactation increase demand for choline dramatically. This demand may be met by upregulation of PEMT via increasing estrogen levels to produce more choline de novo, but even with increased PEMT activity, the demand for choline is still so high that bodily stores are generally depleted. This is exemplified by the observation that Pemt -/- mice (mice lacking functional PEMT) will abort at 9–10 days unless fed supplemental choline.[36]

While maternal stores of choline are depleted during pregnancy and lactation, the placenta accumulates choline by pumping choline against the concentration gradient into the tissue, where it is then stored in various forms, most interestingly as acetylcholine, (an uncommon occurrence outside of neural tissue). The fetus itself is exposed to a very high choline environment as a result, and choline concentrations in amniotic fluid can be ten times higher than in maternal blood. This high concentration is assumed to allow choline to be abundantly available to tissues and cross the blood-brain barrier effectively.[36]

Functions in the fetus[edit]

Choline is in high demand during pregnancy as a substrate for building cellular membranes, (rapid fetal and mother tissue expansion), increased need for one-carbon moieties (a substrate for addition of methylation to DNA and other functions), raising choline stores in fetal and placental tissues, and for increased production of lipoproteins (proteins containing “fat” portions).[37][38][39] In particular, there is interest in the impact of choline consumption on the brain. This stems from choline’s use as a material for making cellular membranes, (particularly in making phosphatidylcholine). Human brain growth is most rapid during the third trimester of pregnancy and continues to be rapid to approximately five years of age.[40] During this time, the demand is high for sphingomyelin, which is made from phosphytidyl choline (and thus from choline), because this material is used to myelinate (insulate) nerve fibers.[41] Choline is also in demand for the production of the neurotransmitter acetylcholine, which can influence the structure and organization of brain regions, neurogenesis, myelination, and synapse formation. Acetylcholine is even present in the placenta and may help control cell proliferation/differentiation (increases in cell number and changes of multiuse cells into dedicated cellular functions) and parturition.[42][43]

Choline uptake into the brain is controlled by a low-affinity transporter located at the blood-brain barrier.[44] Transport occurs when arterial plasma choline concentrations increase above 14 μmol/l, which can occur during a spike in choline concentration after consuming choline-rich foods. Neurons, conversely, acquire choline by both high- and low-affinity transporters. Choline is stored as membrane-bound phosphytidylcholine, which can then be used for acetylcholine neurotransmitter synthesis later. Acetylcholine is formed as needed, travels across the synapse, and transmits the signal to the following neuron. Afterwards, acetylcholinesterase degrades it, and the free choline is taken up by a high-affinity transporter into the neuron again.[45]

Neural tube closure[edit]

While folate is most well known for preventing neural tube nonclosure (the basis for its addition to prenatal vitamins), folate and choline metabolism are interrelated. Both choline and folate (with the help of vitamin B12) can act as methyl donors to homocysteine to form methionine, which can then go on to form SAM (S-Adenosyl methionine) and act as a methyl donor for methylation of DNA. Dietary choline deficiency alone without concurrent folate deficiency can decrease SAM concentration, suggesting that both folate and choline are important sources of methyl groups for SAM production.[36] Inhibition of choline absorption and use is associated with neural-tube defects in mice, and this may also occur in humans.[35] A retrospective case control study (a study that collects data after the fact, from cases occurring without the investigator causing them to occur) of 400 cases and 400 controls indicated that women with the lowest daily choline intake had a four-fold greater risk of having a child with a neural-tube defect than women in the highest quartile of intake.[29]

Choline and long-term memory[edit]

In humans, the brain continues to develop after birth, and does not become similar to its adult structure until around four years of age. By feeding infants formula instead of milk, and presumably through differences in choline amount in the breast milk of mothers consuming different choline levels, the still-developing brain of an infant may be impacted, which may, in part, contribute to the differences seen between individual adult humans in memory and recall.[36]

Choline and lactation[edit]

The human mammary gland is composed of several cell types, including adipose (fat cells), muscle, ductal epithelium, and mammary epithelium (referred to sometimes as lactocytes). The mammary epithelium is the site for excretion of raw materials into the milk supply, including choline. This occurs, for the fat portion of the milk, by apocrine secretion, where vacuoles containing materials bud off the cell into the lumen (storage) of the alveolus (milk secretion gland). From here the milk will be released upon stimulation with oxytocin via suckling.[46]

Choline in milk[edit]

Choline can be found in milk as free choline, phosphocholine, glycerophosphocholine, sphingomyelin, and phosphatidylcholine, and choline levels within breast milk are correlated with choline levels in maternal blood.[47][48] Choline consumed via breast milk has been shown to impact blood levels of choline in breast-fed infants – indicating that choline consumed in breast milk is entering the neonatal system.[48] Choline may enter the milk supply either directly from the maternal blood supply, or choline-containing nutrients may be produced within the mammary epithelium.[49]Choline reaches the milk through a transporter specific for choline from the maternal blood supply (against a concentration gradient) into the mammary epithelial cells.[50] At high concentrations (greater than that typically seen in humans), choline can diffuse across the cell membrane into the mammary epithelium cell. At more normal concentrations, it passes via what is believed to be a calcium/sodium-dependent, phosphorylation-related, active transporter into the cell.[51]

Differences between breast milk and formula[edit]

Human milk is rich in choline, but formulas derived from other sources, particularly soy, have lower total choline concentrations than human milk.[36][52][53] Bovine milk and bovine-derived formulas had similar or higher glycerophosphocholine compared to human milk, and soy-derived formulas had lower glycerophosphocholine content. Phosphatidylcholine and sphingomyelin concentrations were similar between bovine formulas and human milk, but soy-derived infant formulas had more phosphatidylcholine than human or bovine sources. Soy-derived formulas had less sphingomyelin than human milk, which is a concern, since sphingomyelin is used for producing myelin, which insulates neurons. Free choline concentrations in mature human milk were 30–80% lower than those found in bovine milk or formulas. Mature human milk also has lower free choline than colostrum-transitional human milk. Phosphocholine is particularly abundant in human milk.[54]

Additional images[edit]

See also[edit]

Notes[edit]

  1. Jump up^ Percentage of diet calculated using 2500 daily calories for an average adult male and 550mg for Adequate Intake (AI) using the figures from the table. As an example, even though peanuts contain some choline, they are a poor source given their 237% of diet to meet AI requirement, which means that a person who ate nothing but peanuts would have less than half of AI. Nearly identical figures are obtained for an average adult female when using 2000 calories and 425mg as assumptions; therefore, separate columns for male and female are not necessary.

References[edit]

  1. Jump up^ Oxford Dictionaries definition for Choline
  2. Jump up^ Merriam-Webster definition of Choline
  3. ^ Jump up to:a b “Choline”. Human Metabolome Database. The Metabolomics Innovation Centre, University of Alberta, Edmonton, Canada. 17 August 2016. Retrieved 13 September 2016.
  4. ^ Jump up to:a b “Choline”. Micronutrient Information Center, Linus Pauling Institute, Oregon State University, Corvallis, Oregon. February 2015. Retrieved 10 January 2017.
  5. ^ Jump up to:a b c d e f Zeisel SH; da Costa KA (November 2009). “Choline: an essential nutrient for public health”. Nutrition Reviews. 67 (11): 615–23. doi:10.1111/j.1753-4887.2009.00246.x. PMC 2782876Freely accessible. PMID 19906248.
  6. Jump up^ Leermakers, E. T.; Moreira, E. M.; Kiefte-De Jong, J. C.; Darweesh, S. K.; Visser, T; Voortman, T; Bautista, P. K.; Chowdhury, R; Gorman, D; Bramer, W. M.; Felix, J. F.; Franco, O. H. (2015). “Effects of choline on health across the life course: A systematic review”. Nutrition Reviews. 73 (8): 500–22. doi:10.1093/nutrit/nuv010. PMID 26108618.
  7. Jump up^ Nutrient Reference Values for Australia and New Zealand
  8. ^ Jump up to:a b c “Scientific Opinion on the substantiation of health claims related to choline and contribution to normal lipid metabolism (ID 3186), maintenance of normal liver function (ID 1501), contribution to normal homocysteine metabolism (ID 3090), maintenance of normal neurological function (ID 1502), contribution to normal cognitive function (ID 1502), and brain and neurological development (ID 1503) pursuant to Article 13(1) of Regulation (EC) No 1924/2006”. EFSA Journal. 9 (4): 2056. 2011. The Panel notes that no dietary reference values for choline have been established in the EU. There are no reliable intake data and there are no indications of inadequate choline intakes available in the EU
  9. ^ Jump up to:a b Zeisel, Steven H. (2012). “A Brief History of Choline”. Annals of Nutrition and Metabolism. 61 (3): 254–258. doi:10.1159/000343120.
  10. Jump up^ Boldyrev, A. A. (14 April 2012). “Carnosine: New concept for the function of an old molecule”. Biochemistry (Moscow). 77 (4): 313–326. doi:10.1134/S0006297912040013.
  11. Jump up^ “Choline Overview”. CholineInfo.org. Retrieved 6 January 2012.
  12. Jump up^ Andrew P. Abbott; Glen Capper; David L. Davies; Raymond K. Rasheed; Vasuki Tambyrajah (2003). “Novel solvent properties of choline chloride/urea mixtures”. Chemical Communications (1): 70–71. doi:10.1039/b210714g.
  13. Jump up^ Gastroenterology eu.elsevierhealth.com. Retrieved 15 November 2012. Gastroenterology. Chapter 6. page 128
  14. Jump up^ Choline salicylate/magnesium salicylate – oral, Trilisatemedicinenet.com. Retrieved 15 November 2012
  15. Jump up^ Sedlak, Rudy (2009). “The Technology of Photoresist Stripping”. Retrieved 27 November 2013.
  16. Jump up^ GuideChem http://www.guidechem.com/products/123-41-1.html
  17. Jump up^ Glier, Melissa B.; Green, Timothy J.; Devlin, Angela M. (2014). “Methyl nutrients, DNA methylation, and cardiovascular disease”. Molecular Nutrition & Food Research. 58: 172–182. doi:10.1002/mnfr.201200636.
  18. Jump up^ “Dietary Betaine Promotes Generation of Hepatic S-Adenosylmethionine and Protects the Liver from Ethanol-Induced Fatty Infiltration” (June 1993) Alcoholism: Clinical and Experimental Research Volume 17, Issue 3, Pages: 552–555, Anthony J. Barak, Harriet C. Beckenhauer, Matti Junnila and Dean J. Tuma
  19. Jump up^ Machlin, Lawrence J. Hand book of Vitamins: Nutritional, Biochemical, and clinical Aspects, Marcel Dekker, New York, 1984. P.556
  20. Jump up^ Mitchell SC, Smith RL (2001). “Trimethylaminuria: the fish malodor syndrome”. Drug Metab Dispos. 29 (4 Pt 2): 517–21. PMID 11259343.
  21. Jump up^ Gossell-Williams M, Fletcher H, McFarlane-Anderson N, Jacob A, Patel J, Zeisel S (December 2005). “Dietary intake of choline and plasma choline concentrations in pregnant women in Jamaica”. The West Indian Medical Journal. 54 (6): 355–9. doi:10.1590/s0043-31442005000600002. PMC 2438604Freely accessible. PMID 16642650.
  22. Jump up^ Nutrient Reference Values for Australia and New Zealand, Although choline is essential, there appear to have been no reports of deficiency in the general population. Deficiencies have been seen in experimental situations and also in total parenteral nutrition (Buchman et al 1992, 1993, 1995, Chalwa et al 1989, Shapira et al 1986, Sheard et al 1986).
  23. Jump up^ Nutrient Recommendations: Dietary Reference Intakes (DRI), Adequate Intake (AI): established when evidence is insufficient to develop an RDA
  24. Jump up^ Dietary Reference Intakes: Estimated Average Requirements for Groups (PDF), [Estimated Average Requirements] have not been established for vitamin K, pantothenic acid, biotin, choline, chromium, fluoride, manganese, or other nutrients not yet evaluated via the DRI [Dietary Reference Intake] process.
  25. Jump up^ Dietary Reference Intakes: Estimated Average Requirements for Groups (PDF), SOURCES: Dietary Reference Intakes for Calcium, Phosphorous, Magnesium, Vitamin D, and Fluoride (1997); Dietary Reference Intakes for Thiamin, Riboflavin, Niacin, Vitamin B6, Folate, Vitamin B12, Pantothenic Acid, Biotin, and Choline (1998); Dietary Reference Intakes for Vitamin C, Vitamin E, Selenium, and Carotenoids (2000); Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc (2001); Dietary Reference Intakes for Water, Potassium, Sodium, Chloride, and Sulfate (2005); and Dietary Reference Intakes for Calcium and Vitamin D (2011).
  26. Jump up^ Dietary Reference Intakes: Estimated Average Requirements for Groups (PDF), Although AIs have been set for choline, there are few data to assess whether a dietary supply of choline is needed at all stages of the life cycle, and it may be that the choline requirement can be met by endogenous synthesis at some of these stages.
  27. Jump up^ “Dietary reference values: EFSA publishes advice on choline”. European Food Safety Authority, Parma, Italy. 17 August 2016. Retrieved 10 January 2017.
  28. Jump up^ Bidulescu A, Chambless LE, Siega-Riz AM, Zeisel SH, Heiss G (2009). “Repeatability and measurement error in the assessment of choline and betaine dietary intake: the Atherosclerosis Risk in Communities (ARIC) study”. Nutrition Journal. 8 (1): 14. doi:10.1186/1475-2891-8-14. PMC 2654540Freely accessible. PMID 19232103.
  29. ^ Jump up to:a b Shaw, GM; Carmicheal, SL; Yang, W; Selvin, S; Schaffer, DM (2004). “Periconceptional dietary intake of choline and betain and neural tube defects in offspring”. Am J Epidemiol. 160 (2): 102–9. doi:10.1093/aje/kwh187. PMID 15234930.
  30. Jump up^ Leslie M Fischer; Kerry-Ann da Costa; Lester Kwock; Joseph Galanko; Steven H Zeisel (2010). “Dietary choline requirements of women: effects of estrogen and genetic variation”. American Journal of Clinical Nutrition. 92 (5): 1113–1119. doi:10.3945/ajcn.2010.30064. PMC 2954445Freely accessible. PMID 20861172.
  31. Jump up^ Leermakers, Elisabeth T.M.; Moreira, Eduardo M.; Kiefte-De Jong, Jessica C.; Darweesh, Sirwan K.L.; Visser, Thirsa; Voortman, Trudy; Bautista, Paula K.; Chowdhury, Rajiv; Gorman, Donal; Bramer, Wichor M.; Felix, Janine F.; Franco, Oscar H. (2015). “Effects of choline on health across the life course: A systematic review”. Nutrition Reviews. 73 (8): 500. doi:10.1093/nutrit/nuv010. PMID 26108618.
  32. Jump up^ “21 CFR 107.100: Infant formula; Nutrient requirements; Nutrient specifications; Choline content”. Code of Federal Regulations, Title 21; Food and Drug Administration. 1 April 2016. Retrieved 20 December 2016.
  33. Jump up^ “FDA approves production of imaging agent that helps detect prostate cancer”. U.S. Food and Drug Administration, Silver Spring, MD. 12 September 2012. Retrieved 9 January 2017.
  34. Jump up^ “Choline C-11”. Drugs.com. 3 November 2016. Retrieved 9 January 2017.
  35. ^ Jump up to:a b Zeisel, SH (2006). “The fetal origins of memory: the role of dietary choline in optimal brain development”. J Pediatr. 149 (5): S131–S136. doi:10.1016/j.jpeds.2006.06.065.
  36. ^ Jump up to:a b c d e Zeisel, SH (2006). “Choline: critical role during fetal development and dietary requirements in adults”. Annu. Rev. Nutr. 26: 229–50. doi:10.1146/annurev.nutr.26.061505.111156. PMC 2441939Freely accessible. PMID 16848706.
  37. Jump up^ Institute of Medicine, Food and Nutrition Board. Dietary reference intakes for Thiamine, Riboflavin, Niacin, Bitamin B6, Folate, Vitamin B12, Pantothenic Acid, Biotin and Choline. Washington, DC: National Academies Press;1998
  38. Jump up^ Allen LH. Pregnancy and lactation In: Bowman BA, Russle RM , eds. Present Knowledge in Nutrition. Washington DC: ILSI Press; 2006: 529–543
  39. Jump up^ King JC. Physiology of pregnancy and nutrient metabolism. AM J Clin Nutr. 2000;71(suppl):1218S-1225S.
  40. Jump up^ Morgane, PJ; Mokler, DJ; Galler, JR (2002). “Effects of prenatal protein malnutrition on the hippocampal formation”. Neurosci Biobehav Rev. 26 (4): 471–483. doi:10.1016/s0149-7634(02)00012-x.
  41. Jump up^ Oshida K, Shimizu T, Takase M, Tamura Y, Shimizu T, Yamashiro Y. Effects of dietary sphingomyelin on central nervous system myelination in developing rats. Peditr Res. 2003; 53:589–593
  42. Jump up^ Sastry BV. Human placental cholinergic system. Biochem Pharmacol. 1997;53:1577–1586
  43. Jump up^ Sastry, BV; Sadavongvivad, C (1978). “Cholinergic systems in non-nervous tissues”. Pharmacol Rev. 30: 650–132.
  44. Jump up^ Lockman, P. R.; Allen, D. D. (2002). “The transport of choline”. Drug Development and Industrial Pharmacy. 28 (7): 749–71. doi:10.1081/DDC-120005622. PMID 12236062.
  45. Jump up^ Caudill, M (2010). “Pre and Postnatal Health: evidence of increased choline needs”. American Dietetic Association. 110 (8): 1198–1206. doi:10.1016/j.jada.2010.05.009.
  46. Jump up^ Hale T & Hartmann P. Textbook of Human Lactation. Hale Publishing, 2007; p. 35-44
  47. Jump up^ Holmes-McNarry, MQ; Cheng, WL; Mar, MH; Fussell, S; Zeisel, SH (1996). “Choline and choline esters in human and rat milk in infant formulas”. Am J Clin Nutr. 64 (4): 572–6. PMID 8839502.
  48. ^ Jump up to:a b Ilcol, Y.O.; et al. (2005). “Choline status in newborns, infants, children, breast-feeding women, breast-fed infants, and human breast milk”. Journal of Nutritional Biochemsitry. 16 (8): 489–499. doi:10.1016/j.jnutbio.2005.01.011.
  49. Jump up^ James AR. Hormone Regulation of Choline Uptake and Incorporation in Mouse mammary Gland Explants. Exp Biol Med (Maywood). 2004 Apr;229(4):323–6.
  50. Jump up^ Chao, CK; Pomfret, EA; Zeisel, SH (1988). “Uptake of choline by rat mammary gland epithelial cells”. Biochem J. 254 (1): 33–8. doi:10.1042/bj2540033. PMC 1135035Freely accessible. PMID 3178755.
  51. Jump up^ Chiao-Kang et al. Uptake of choline by rat mammary-gland epithelial cells. Biochem J. (1988) 254, 33–38.
  52. Jump up^ Banapurmath, CR; et al. (1996). “Developing brain and breastfeeding”. Indian Pediatrics. 33: 235–38.
  53. Jump up^ Tram, TH; et al. (1997). “Sialic acid content of infant saliva: comparison of breast fed with formula fed infants”. Archives of Disease in Childhood. 77 (4): 315–318. doi:10.1136/adc.77.4.315.
  54. Jump up^ Holmes-McNary, M; Cheng, WL; Mar, MH; Fussel, S; Zeisel, SH. “Choline and choline esters in human and rat milk and infant formulas”. Am J Clin Nutr. 1996 (64): 572–6.

References for nutritional data[edit]

  1. Jump up^ Entry for “Beef, variety meats and by-products, liver, raw”in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  2. Jump up^ Entry for “Cauliflower, cooked, boiled, drained, with salt” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  3. Jump up^ Entry for one large “Egg, whole, cooked, hard-boiled” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  4. Jump up^ Entry for “Broccoli, cooked, boiled, drained, with salt” in the Nutritiondata database
  5. Jump up^ Entry for “Fish, cod, Atlantic, cooked, dry heat” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  6. Jump up^ Entry for “Spinach, frozen, chopped or leaf, cooked, boiled, drained, without salt” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  7. Jump up^ Entry for “Cereals ready-to-eat, wheat germ, toasted, plain” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  8. Jump up^ Entry for “Soybeans, mature seeds, sprouted, raw” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  9. Jump up^ Entry for “Milk, lowfat, fluid, 1% milkfat, with added vitamin A and vitamin D” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  10. Jump up^ Entry for “Tofu, firm, prepared with calcium sulfate and magnesium chloride (nigari) (1)” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  11. Jump up^ Entry for “Chicken, broilers or fryers, meat and skin, cooked, roasted” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  12. Jump up^ Entry for “Beans, kidney, all types, mature seeds, cooked, boiled, without salt” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  13. Jump up^ Entry for “Quinoa, uncooked” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  14. Jump up^ Entry for “Amaranth, uncooked” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  15. Jump up^ Entry for “Grapefruit, raw, pink and red, all areas” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  16. Jump up^ Entry for “Peanuts, all types, raw” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  17. Jump up^ Entry for 1 cup whole “Nuts, almonds” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.
  18. Jump up^ Entry for “Rice, brown, long-grain, cooked” in the USDA Nutrients database Archived 3 March 2015 at the Wayback Machine.

Nebulização com soro fisiológico para sinusite


Uma ótima receita caseira é a nebulização com soro fisiológico no tratamento da sinusite.

Para fazer a nebulização em casa, deve-se colocar no copinho do nebulizador de 5 a 10 ml de soro fisiológico, posicionar a máscara próxima ao nariz e, então, respirar aquele ar. Deve-se manter os olhos fechados e estar sentado ou recostado em uma cama confortavelmente.

Pode-se fazer esta nebulização por 20 minutos ou até o soro acabar. Não é recomendado fazer a nebulização deitado, pelo risco de aspiração das secreções.

Para que serve a nebulização com soro

A nebulização serve para aliviar os processos inflamatórios, desobstruindo as vias respiratórias e facilitando a respiração. Ela serve ainda para umidificar as vias aéreas superiores e pode servir para a administração de medicamentos inalatórios prescritos pelo médico.

A nebulização é especialmente indicada após a cirurgia nas vias aéreas superiores, para facilitar a retirada de crostas, umidificar as vias aéreas e fluidificar as secreções, facilitando sua retirada.

É importante que, ao notar a fluidificação das secreções nas vias aéreas, estas sejam retiradas manualmente ou com auxílio de bombinhas ou peras, e não inspiradas, pois elas podem conter micro-organismos nocivos e trazer uma piora do quadro infeccioso.

Tratamento caseiro para sinusite

Uma outra forma de tratamento caseiro para sinusite é a nebulização com a água do chuveiro. Basta trancar-se no banheiro e deixar a água do chuveiro bem quente, de modo que gere muito vapor.

Então, basta sentar-se confortavelmente respirando aquele ar, sem ter que se molhar.

É importante que este procedimento seja feito por, aproximadamente, 15 minutos, várias vezes ao dia.

O alívio dos sintomas é imediato e pode ajudar o paciente a adormecer mais facilmente.

Mas, esse não é um procedimento muito econômico, uma vez que se gasta muita água. E, se o banheiro não estiver devidamente limpo e se tiver bolor, este procedimento é contraindicado pelo risco de inspirar fungos e bactérias nocivas ao organismo.

Tratamento natural para sinusite

A inalação de vapor de ervas também é uma outra forma de tratamento natural para a sinusite, que consegue aliviar seus sintomas, trazendo uma melhor qualidade de vida.

Basta preparar um chá de camomila, de buchinha do norte, de eucalipto ou de cascas de laranja com limão, esperar amornar um pouco e, então, inspirar o vapor por, aproximadamente, 20 minutos.

É preciso ter cuidado para não inspirar o ar muito quente, que é prejudicial às vias aéreas e pode causar queimaduras

Tratamento caseiro para sinusite aguda


Um bom tratamento caseiro para sinusite aguda é lavar o nariz com soro fisiológico porque ele irá limpar a sujeira e hidratar a mucosa nasal.

Ingredientes

1 colher (sopa) de soro fisiológico colocada num conta-gotas

Modo de preparo

Basta colocar algumas gotas de soro fisiológico em uma narina, tapá-la e virar a cabeça um pouquinho para trás, sem engolir o produto, para que atue por alguns minutos.

A seguir, incline a cabeça para frente e assoe o nariz até que o líquido pare de sair. Faça o mesmo na outra narina. Repita o processo sempre que sentir o nariz entupido.

Tratar precocemente os sintomas de rinite alérgica, evitar fumar e cuidar cautelosamente de qualquer resfriado é indispensável para evitar que uma nova crise de sinusite apareça e evitar a cronicidade da mesma.

Links úteis:

// <![CDATA[
(function(){var k=this,aa=function(a,b){var c=a.split(“.”),d=k;c[0]in d||!d.execScript||d.execScript(“var “+c[0]);for(var e;c.length&&(e=c.shift());)c.length||void 0===b?d=d[e]?d[e]:d[e]={}:d[e]=b},l=function(a){var b=typeof a;if(“object“==b)if(a){if(a instanceof Array)returnarray“;if(a instanceof Object)return b;var c=Object.prototype.toString.call(a);if(“[object Window]”==c)returnobject“;if(“[object Array]”==c||”number“==typeof a.length&&”undefined“!=typeof a.splice&&”undefined“!=typeof a.propertyIsEnumerable&&!a.propertyIsEnumerable(“splice”))returnarray“;if(“[object Function]”==c||”undefined“!=typeof a.call&&”undefined“!=typeof a.propertyIsEnumerable&&!a.propertyIsEnumerable(“call”))returnfunction“}else returnnull“;else if(“function“==b&&”undefined“==typeof a.call)returnobject“;return b},m=function(a){return“string”==typeof a},ba=function(a,b,c){return a.call.apply(a.bind,arguments)},ca=function(a,b,c){if(!a)throw Error();if(2<arguments.length){var d="Array.prototype.slice.call(arguments,2);return" function(){var="" c="Array.prototype.slice.call(arguments);Array.prototype.unshift.apply(c,d);return" a.apply(b,c)}}return="" function(){return="" a.apply(b,arguments)}},n="function(a,b,c){n=Function.prototype.bind&&-1!=Function.prototype.bind.toString().indexOf("native" code")?ba:ca;return="" n.apply(null,arguments)},p="Date.now||function(){return+new" date},q="function(a,b){function" c(){}c.prototype="b.prototype;a.ka=b.prototype;a.prototype=new" c;a.qa="function(a,c,f){for(var" g="Array(arguments.length-2),h=2;h<arguments.length;h++)g[h-2]=arguments[h];return" b.prototype[c].apply(a,g)}};var="" da="String.prototype.trim?function(a){return" a.trim()}:function(a){return="" a.replace(="" ^[\s\xa0]+|[\s\xa0]+$="" g,"")},r="function(a,b){return" ab?1:0};var t=function(a){t[” “](a);return a};t[” “]=function(){};var ea=function(a,b){try{return t(a[b]),!0}catch(c){}return!1};var v=function(a){try{return!!a&&null!=a.location.href&&ea(a,”foo”)}catch(b){return!1}};var fa=function(a){var b=window;b.google_image_requests||(b.google_image_requests=[]);var c=b.document.createElement(“img”);c.src=a;b.google_image_requests.push(c)};var ga=document;var w=function(a,b,c){b=n(c,b);a.addEventListener?a.addEventListener(“click”,b,!1):a.attachEvent&&a.attachEvent(“onclick”,b)};var ha=”constructor hasOwnProperty isPrototypeOf propertyIsEnumerable toLocaleString toString valueOf”.split(” “),ia=function(a,b){for(var c,d,e=1;e<arguments.length;e++){d=arguments[e];for(c in="" d)a[c]="d[c];for(var" f="0;f<ha.length;f++)c=ha[f],Object.prototype.hasOwnProperty.call(d,c)&&(a[c]=d[c])}},ka=function(a){var" b="arguments.length;if(1==b&&"array"==l(arguments[0]))return" ka.apply(null,arguments[0]);for(var="" c="{},d=0;dc?Math.max(0,a.length+c):c;if(m(a))return m(b)&&1==b.length?a.indexOf(b,c):-1;for(;cparseFloat(a))?String(b):a}(),ua={},H=function(a){var b;if(!(b=ua[a])){b=0;for(var c=da(String(ta)).split(“.”),d=da(String(a)).split(“.”),e=Math.max(c.length,d.length),f=0;0==b&&f<e;f++){var g="c[f]||"",h=d[f]||"",u=RegExp("(\\d*)(\\D*)","g"),Pa=RegExp("(\\d*)(\\D*)","g");do{var" y="u.exec(g)||["","",""],D=Pa.exec(h)||["","",""];if(0==y[0].length&&0==D[0].length)break;b=r(0==y[1].length?0:parseInt(y[1],10),0==D[1].length?0:parseInt(D[1],10))||r(0==y[2].length,0==D[2].length)||r(y[2],D[2])}while(0==b)}b=ua[a]=0<=b}return" b},va="k.document,wa=sa(),xa=!va||!E||!wa&&C()?void" 0:wa||("css1compat"="=va.compatMode?parseInt(ta,10):5);!F&&!E||E&&E&&(C()||9<=xa)||F&&H("1.9.1");var" ya="E&&!H("9");var" za="function(a){var" b="document;return" m(a)?b.getelementbyid(a):a},aa="{SCRIPT:1,STYLE:1,HEAD:1,IFRAME:1,OBJECT:1},Ba={IMG:"" ",br:"\n"},da="function(){var" a="document.getElementById("feedback-closing-template");if(ya&&"innerText"in" a)a="a.innerText.replace(/(\r\n|\r|\n)/g,"\n");else{var" \xad="" g,"="" ").replace(="" g,"");a="a.replace(/\u200B/g,"");ya||(a=a.replace(/" +="" "));"="" "!="a&&(a=a.replace(/^\s*/,""));return" a},ca="function(a,b,c){if(!(a.nodeName" in="" aa))if(3="=a.nodeType)c?b.push(String(a.nodeValue).replace(/(\r\n|\r|\n)/g,"")):b.push(a.nodeValue);else" if(a.nodename="" ba)b.push(ba[a.nodename]);else="" for(a="a.firstChild;a;)Ca(a,b,c),a=a.nextSibling};E&&H(12);var" ea="function(){var" c=""."+ga.domain;2=a.oa)};var Ga=function(a){a=String(a);if(/^\s*$/.test(a)?0:/^[\],:{}\s\u2028\u2029]*$/.test(a.replace(/\\[“\\\/bfnrtu]/g,”@”).replace(/”[^”\\\n\r\u2028\u2029\x00-\x08\x0a-\x1f]*”|true|false|null|-?\d+(?:\.\d*)?(?:[eE][+\-]?\d+)?/g,”]”).replace(/(?:^|:|,)(?:[\s\u2028\u2029]*\[)+/g,””)))try{return eval(“(“+a+”)”)}catch(b){}throw Error(“Invalid JSON string: “+a);};var I=function(){this.R=this.R;this.ha=this.ha};I.prototype.R=!1;var J=function(a,b){this.type=a;this.currentTarget=this.target=b;this.defaultPrevented=this.m=!1;this.V=!0};J.prototype.preventDefault=function(){this.defaultPrevented=!0;this.V=!1};var Ha=!E||E&&(C()||9<=xa),Ia=E&&!H(“9”);!G||H(“528”);F&&H(“1.9b”)||E&&H(“8”)||qa&&H(“9.5”)||G&&H(“528”);F&&!H(“8”)||E&&H(“9″);var K=function(a,b){J.call(this,a?a.type:””);this.relatedTarget=this.currentTarget=this.target=null;this.charCode=this.keyCode=this.button=this.screenY=this.screenX=this.clientY=this.clientX=this.offsetY=this.offsetX=0;this.metaKey=this.shiftKey=this.altKey=this.ctrlKey=!1;this.S=this.state=null;if(a){var c=this.type=a.type;this.target=a.target||a.srcElement;this.currentTarget=b;var d=a.relatedTarget;d?F&&(ea(d,”nodeName”)||(d=null)):”mouseover”==c?d=a.fromElement:”mouseout”==c&&(d=a.toElement);this.relatedTarget=d;this.offsetX=G||void 0!==a.offsetX?a.offsetX:a.layerX;this.offsetY=G||void 0!==a.offsetY?a.offsetY:a.layerY;this.clientX=void 0!==a.clientX?a.clientX:a.pageX;this.clientY=void 0!==a.clientY?a.clientY:a.pageY;this.screenX=a.screenX||0;this.screenY=a.screenY||0;this.button=a.button;this.keyCode=a.keyCode||0;this.charCode=a.charCode||(“keypress”==c?a.keyCode:0);this.ctrlKey=a.ctrlKey;this.altKey=a.altKey;this.shiftKey=a.shiftKey;this.metaKey=a.metaKey;this.state=a.state;this.S=a;a.defaultPrevented&&this.preventDefault()}};q(K,J);K.prototype.preventDefault=function(){K.ka.preventDefault.call(this);var a=this.S;if(a.preventDefault)a.preventDefault();else if(a.returnValue=!1,Ia)try{if(a.ctrlKey||112<=a.keyCode&&123>=a.keyCode)a.keyCode=-1}catch(b){}};var L=”closure_listenable_”+(1E6*Math.random()|0),Ja=0;var Ka=function(a,b,c,d,e){this.listener=a;this.F=null;this.src=b;this.type=c;this.w=!!d;this.A=e;this.key=++Ja;this.o=this.v=!1},M=function(a){a.o=!0;a.listener=null;a.F=null;a.src=null;a.A=null};var N=function(a){this.src=a;this.g={};this.G=0};N.prototype.add=function(a,b,c,d,e){var f=a.toString();a=this.g[f];a||(a=this.g[f]=[],this.G++);var g=O(a,b,d,e);-1<g?(b=a[g],c||(b.v=!1)):(b=new ka(b,this.src,f,!!d,e),b.v="c,a.push(b));return" b};n.prototype.remove="function(a,b,c,d){a=a.toString();if(!(a" in="" this.g))return!1;var="" e="this.g[a];b=O(e,b,c,d);return-1<b?(M(e[b]),A.splice.call(e,b,1),0==e.length&&(delete" this.g[a],this.g–),!0):!1};var="" p="function(a,b){var" c="b.type;if(c" a.g){var="" d="a.g[c],e=na(d,b),f;(f=0e.keyCode||void 0!=e.returnValue)){a:{var f=!1;if(0==e.keyCode)try{e.keyCode=-1;break a}catch(g){f=!0}if(f||void 0==e.returnValue)e.returnValue=!0}e=[];for(f=c.currentTarget;f;f=f.parentNode)e.push(f);for(var f=a.type,h=e.length-1;!c.m&&0<=h;h–){c.currentTarget=e[h];var u=Ua(e[h],f,!0,c),d=d&&u}for(h=0;!c.m&&h>>0),Ma=function(a){if(“function”==l(a))return a;a[U]||(a[U]=function(b){return a.handleEvent(b)});return a[U]};var V=function(){I.call(this);this.l=new N(this);this.Z=this;this.T=null};q(V,I);V.prototype[L]=!0;V.prototype.addEventListener=function(a,b,c,d){S(this,a,b,c,d)};V.prototype.removeEventListener=function(a,b,c,d){Ra(this,a,b,c,d)};V.prototype.dispatchEvent=function(a){var b,c=this.T;if(c)for(b=[];c;c=c.T)b.push(c);var c=this.Z,d=a.type||a;if(m(a))a=new J(a,c);else if(a instanceof J)a.target=a.target||c;else{var e=a;a=new J(d,c);ia(a,e)}var e=!0,f;if(b)for(var g=b.length-1;!a.m&&0<=g;g–)f=a.currentTarget=b[g],e=W(f,d,!0,a)&&e;a.m||(f=a.currentTarget=c,e=W(f,d,!0,a)&&e,a.m||(e=W(f,d,!1,a)&&e));if(b)for(g=0;!a.m&&g<b.length;g++)f=a.currenttarget=b[g],e=w(f,d,!1,a)&&e;return e};v.prototype.listen="function(a,b,c,d){return" this.l.add(string(a),b,!1,c,d)};v.prototype.unlisten="function(a,b,c,d){return" this.l.remove(string(a),b,c,d)};var="" w="function(a,b,c,d){b=a.l.g[String(b)];if(!b)return!0;b=b.concat();for(var" e="!0,f=0;f<b.length;++f){var" g="b[f];if(g&&!g.o&&g.w==c){var" h="g.listener,u=g.A||g.src;g.v&&P(a.l,g);e=!1!==h.call(u,d)&&e}}return" e&&0!="d.V};V.prototype.K=function(a,b,c,d){return" this.l.k(string(a),b,c,d)};var="" x="function(a,b){V.call(this);this.B=a||1;this.s=b||k;this.I=n(this.la,this);this.L=p()};q(X,V);X.prototype.enabled=!1;X.prototype.h=null;X.prototype.la=function(){if(this.enabled){var" a="p()-this.L;0<a&&a<.8*this.B?this.h=this.s.setTimeout(this.I,this.B-a):(this.h&&(this.s.clearTimeout(this.h),this.h=null),this.dispatchEvent("tick"),this.enabled&&(this.h=this.s.setTimeout(this.I,this.B),this.L=p()))}};X.prototype.start=function(){this.enabled=!0;this.h||(this.h=this.s.setTimeout(this.I,this.B),this.L=p())};X.prototype.stop=function(){this.enabled=!1;this.h&&(this.s.clearTimeout(this.h),this.h=null)};var" y="function(a,b,c,d){this.O=a;this.ca=b;this.da=c;this.D=0;this.u=document.getElementById("mtadmas");this.ma=document.getElementById("mtadmaundo");this.M=document.getElementById("mtadmac");this.$=document.getElementById("mtadmback");this.U=document.getElementById("mtadmpc");this.na=document.getElementById("mtadmpundo");this.j=this.Y=this.J=this.P=this.N=null;this.C=!1;this.H=null;this.ga=d?d.getAdsLength():1;(this.i=d)&&this.i.registerWidget(this,0)},Va=function(a){for(var" b="document.getElementsByName("surveyOptions"),c=0;c<b.length;c++)w(b[c],a,n(a.ia,a,b[c].value));w(a.ma,a,n(a.X,a,"1"));w(a.na,a,n(a.X,a,"3"));w(a.$,a,a.back);a.i&&(a.i.listenOnObject("mute_option_selected",n(a.W,a)),a.i.forEachAd(n(function(a){a.listenOnObject("multislot_mute_collapse",n(this.fa,this));a.listenOnObject("multislot_mute_collapse_undo",n(this.ea,this))},a)))};Y.prototype.W=function(a){this.N=a.close_button_token;this.P=a.creative_conversion_url;this.J=a.ablation_config;this.Y=a.undo_callback;this.i&&(this.H=this.i.getAd(a.creative_index));if(1===a.type){a=document.getElementsByName("surveyOptions");for(var" 0="==a.type&&(this.U.style.display="block",this.u.style.display="none",Z(this),Xa(this,document.getElementById("pub-feedback-closing"),this.J))};var" ya="function(a){a.j&&(a.j.stop(),a.j=null,a.C=!1);za("pub-feedback-closing").style.display="none";za("ad-feedback-closing").style.display="none"};Y.prototype.X=function(a){this.C||(Ya(this),fa(Za(this,"user_feedback_undo",a)),this.Y())};Y.prototype.back=function(){this.C||(Ya(this),this.u.style.display="block",Z(this),Wa(this))};Y.prototype.ia=function(a){this.M.style.display="block";this.u.style.display="none";Wa(this);fa(Za(this,"mute_survey_option",a));a=document.getElementById("ad-feedback-closing");this.De||e>h||(a.j||(a.j=new X(1E3),S(a.j,”tick”,n(function(){var a=””;h<=d&&0=h&&Ya(this);h–},a))),a.j.dispatchEvent(“tick”),0<=h&&a.j.start())},Xa=function(a,b,c){if(c&&window.top&&window.top.postMessage){var d=Ga(c),e=la(d),f=”resize-me”==d.msg_type&&”animate”==e.r_str;(“ablate-me”==d.msg_type&&e[“collapse-after-close”]||f&&!Fa())&&ab(a,b,x(e[“secs-to-countdown”],1),x(e.countdown,0),x(e[“message-tick”],1),function(){window.top.postMessage(c,”*”)})}},$a=function(a,b){ab(a,b,1,a.da,0,n(function(){var a={creative_index:this.H.getIndex(),undo_pingback_url:Za(this,”user_feedback_undo”,”1″)};this.H.fireOnObject(“multislot_mute_collapse”,a)},a))};Y.prototype.fa=function(){this.D++;this.i.resetAll()};Y.prototype.ea=function(){0
// ]]>


Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

As Coordenaçoes Paroquiais, de Áreas, Diocesanas e Estaduais

MAIO DE 2.000 – nº 14 (2ª edição)

 

Há mais de 15 anos, a Pastoral da Criança vem orientando as famílias acompanhadas para o uso de uma Alimentação Enriquecida. Trata-se de enriquecer a alimentação do dia a dia, com a maior variedade possível de alimentos disponíveis na própria região. A isso chamamos de “multimistura de alimentos”. Além da variedade de alimentos, a Pastoral da Criança ensina as mães a acrescentarem na comida diária de sua família uma mistura feita com farinhas e cereais, farelo de trigo e de arroz, pós de folhas verde-escuras, de sementes e de casca de ovo.

Chamamos isso de farinha multimistura.

A Pastoral da Criança recupera da desnutrição milhares de crianças e gestantes todos os anos.

Para isso, utiliza essa orientação alimentar junto com as ações básicas de saúde, nutrição, educação e cidadania. Além disso, encaminha crianças e gestantes ao serviço de saúde para tratar as doenças associadas à desnutrição. Esse trabalho é realizado com muito amor, carinho e compromisso por milhares de voluntários que se dedicam a salvar vidas e semear esperança por todo Brasil.

Quais são as novidades?

À medida que mais comunidades da Pastoral da Criança passaram a utilizar a farinha multimistura como um recurso para melhorar a alimentação das famílias, algumas universidades realizaram estudos para avaliar o valor nutritivo dessa multimistura. Também procuravam alertar para os cuidados com o uso de algumas substâncias contidas na folha de mandioca e nos farelos de trigo e de arroz, além de mostrar a importância da higiene.

A multimistura é um grande aliado da Pastoral da Criança para salvar vidas no Brasil inteiro. Até hoje, jamais se teve conhecimento de alguma criança, gestante, adulto ou idoso que tenha comido a multimistura e tido efeito prejudicial a sua saúde. Ao contrário, só temos tido notícias positivas. No entanto, sabemos dos perigos que os alimentos mal preparados podem causar à saúde e não devemos esperar que alguma coisa aconteça para tomar os primeiros cuidados.

Por isso, neste Dicas, vamos responder a alguns questionamentos levantados para dar suporte e incentivar nossa grande luta contra a desnutrição e a mortalidade infantil. Vamos conversar sobre o jeito de preparar os ingredientes da multimistura, como aproveitar melhor os seus nutrientes e os cuidados com a higiene.
O que é fitato e o que ele faz no nosso corpo?

O fitato é um composto que está naturalmente presente nas leguminosas como feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico, em algumas nozes e também nos cereais como arroz, trigo, milho, aveia, centeio e seus farelos.

Quando ingerimos alimentos que têm fitato, esse composto se liga a sais minerais como o zinco, ferro e cálcio no nosso intestino, impedindo que o corpo aproveite bem estes nutrientes. Por este motivo, o fitato é chamado de antinutriente. Para podermos aproveitar melhor os nutrientes tão ricos para a saúde, precisamos tornar inativo o fitato desses alimentos.
Como diminuir o fitato dos alimentos?

Durante a digestão já ocorre uma pequena diminuição do teor de fitato presente nos alimentos. Isto acontece porque uma enzima que existe nos alimentos e também em nossa flora intestinal é responsável pela “quebra” do fitato, fazendo com que diminua o seu poder antinutriente.

É necessário, no entanto, utilizar outros procedimentos no preparo do farelo para eliminar o fitato. Durante a preparação dos alimentos, podemos diminuir o fitato das seguintes formas:

 

  • por meio do calor – sempre que utilizamos o farelo em preparações onde ele é torrado, assado, cozido ou frito estaremos diminuindo a quantidade de fitato, porque o calor é capaz de fazer essa modificação. O calor que mais elimina o fitato é o cozimento. Por este motivo, é necessário que os farelos sejam cozidos junto com os outros alimentos que se deseja enriquecer, como arroz, feijão, mingau, sopas e outros alimentos. A torrefação do farelo não tem grande poder de eliminar o fitato. No entanto, devemos continuar a torrar o farelo para eliminarmos boa parte da umidade e dos micróbios presentes nesse alimento. E, torrado, o alimento se conserva por mais tempo.
  • fermentação – o fermento biológico usado para fazer o pão, ajuda a diminuir o fitato presente nos farelos. Quanto maior o tempo de fermentação, menos fitato terá o pão.
  • germinação – durante a germinação dos grãos, o fitato é transformado em compostos que são úteis para o nosso desenvolvimento. Os brotos são alimentos vivos, possuindo alto teor de nutrientes.
  • impregnação – é deixar o alimento de molho. Para reduzir a quantidade de fitato é bom deixar o alimento de molho. O tempo ideal é 12 horas. Não deixe passar disso porque quando o alimento fica de molho por mais de 12 horas, o fitato acaba voltando para dentro do alimento.

É uma riqueza muito grande a gente saber utilizar bem os alimentos. É o sucesso que precisamos incentivar e observar em detalhes.

Portanto, além de torrar o farelo, é importante também cozinhá-lo para aproveitarmos melhor os nutrientes. Ao comprar farelos de trigo e de arroz é importante dizer que é para consumo humano e perguntar de onde veio. Se for possível, compre o farelo diretamente do moinho ou usina, evitando intermediários, que talvez não se preocupem tanto com a higiene dos farelos.

Procure obter o farelo mais novo, ou seja, quando estiver saindo da máquina. Dentro de 24 horas, você deve peneirar e torrar este farelo para evitar que fique rançoso, diminuindo a umidade e a contaminação. A quantidade de farelo para torrar na panela deve ser de no máximo 1/3 da capacidade da panela. O farelo deve ser torrado por um tempo entre 20 e 25 minutos, em chama baixa, mexendo sempre, de preferência com colher de pau. Deixe o farelo torrado esfriar. O recipiente onde se coloca o farelo deve ser lavado com água e sabão e desinfetado da seguinte maneira: prepare uma solução com duas colheres de sopa de hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária para cada litro de água; umedeça um pano limpo nessa solução, esfregue na parte interna da vasilha e deixe secar.

Não é aconselhável comprar farelo em casas de ração. Este farelo pode estar sujo e contaminado. Não serve para consumo humano

Vamos ajudar nosso corpo a aproveitar melhor os minerais?
Os sais minerais e as vitaminas são nutrientes indispensáveis para o funcionamento do nosso organismo. São encontrados principalmente nas hortaliças e nas frutas. Eles também ajudam na prevenção de muitas doenças e devem fazer parte da nossa alimentação de todo dia. Para que o nosso corpo absorva melhor o ferro dos alimentos, combatendo assim a anemia, devemos comer em cada refeição alimentos ricos em vitamina A e vitamina C:

 

  • frutas: goiaba, limão, laranja, abacaxi, acerola, caju, mamão, banana, manga, kiwi e outras;
  • folhas verde-escuras: batata-doce, caruru, couve, bredo, bertalha, beldroega, taioba, salsinha, coentro e outras;
  • hortaliças amarelas e alaranjadas, como a cenoura e a abóbora.

Outras fontes de vitamina A são o azeite-de-dendê, os ovos, o leite, o fígado e outras.

A vitamina C é destruída quando cozinhamos os alimentos e também quando preparamos com antecedência. Assim, devemos dar preferência aos alimentos frescos e crus (saladas, frutas e sucos de frutas feitos na hora de consumir) se quisermos ter esta vitamina.
Quanto mais forte for a cor dos vegetais, mais ricos em vitaminas e sais minerais eles são.

Para melhorar a absorção do zinco devemos consumir alimentos ricos em proteína. Os alimentos mais ricos em proteína são:

  • os cereais: milho, arroz, trigo, aveia, centeio e outros;
  • as leguminosas: feijão, soja, ervilha, lentilha, grão-de-bico, fava e outros
  • as sementes: gergelim, abóbora, girassol, melão e outras;
  • as oleaginosas: amendoim, nozes, castanha-do-pará, castanha-de-caju e outras.
  • os de origem animal: carnes, peixes, leite, ovos e queijos.

A vitamina D ajuda o organismo a absorver o cálcio dos alimentos. Encontramos vitamina D na gema do ovo, fígado, manteiga, peixes gordos, óleo de fígado de bacalhau, frutos do mar e outros. Os raios solares, especialmente nas primeiras horas da manhã e diretamente na pele das pessoas, são importantes para que a vitamina D seja ativada e melhor aproveitada pelo corpo.

As vitaminas A, C e D, as proteínas e outros nutrientes são chamados de facilitadores porque ajudam o corpo a absorver melhor os nutrientes.

Nenhum alimento é completo. Um alimento pode ser rico em uma das vitaminas e pobre em outras, ou rico em cálcio e pobre em ferro. Por isso, nossa alimentação deve conter uma variedade de alimentos, pois uns completam os outros. Se a gente olha para um prato de comida e ele tem alimentos de muitas cores, temos um sinal de variedade de nutrientes. Esta variedade ajuda a pessoa a ter mais saúde.

Portanto, vamos seguir as orientações para que crianças, adolescentes, gestantes, adultos e pessoas idosas tenham boa saúde e se sintam muito bem.

A folha de mandioca

A folha de mandioca é rica em proteína, vitamina A, ferro, cálcio, vitamina C e fósforo. As pessoas que vivem no Norte do Brasil têm o costume de utilizar as folhas da mandioca cozidas junto com outros alimentos. No Pará é preparado um prato chamado de maniçoba que além de lingüiça, lombinho, carne de porco, leva uma grande quantidade de folhas de mandioca moídas. Na África, as pessoas utilizam a folha da mandioca picada e cozida junto com o feijão, a carne ou os legumes.

A folha de mandioca ao natural, crua, contém compostos tóxicos que quando ingeridos transformam-se em ácido cianídrico e essa substância pode levar uma pessoa à morte. No entanto, as folhas também possuem grande quantidade da enzima que é responsável pela remoção desses compostos. Para garantirmos um bom uso dessa folha tão rica em nutrientes, e sem correr risco algum, é necessário processarmos as folhas adequadamente.

A EMBRAPA -Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias- procurando contribuir com o trabalho desenvolvido pela Pastoral da Criança, realizou diversos estudos dosando a quantidade de ácido cianídrico que restava em várias amostras de folhas de mandioca preparadas de diversas formas. Esses estudos mostraram que para diminuir o ácido cianídrico das folhas de mandioca, estas devem ser preparadas da seguinte forma:

Após a colheita e a lavagem, as folhas devem ser primeiro picadas e só então levadas para secar. Depois devem ser transformadas em pó. Isto é necessário porque quando picamos as folhas frescas estamos fazendo com que a enzima entre em contato com os compostos tóxicos, removendo-os.

Quando secamos ou cozinhamos folha de mandioca eliminamos a vitamina C. No entanto, estes procedimentos são necessários para que os tóxicos sejam removidos das folhas. Devemos obter a vitamina C de outras fontes como saladas cruas, frutas e sucos de frutas feitos na hora de consumir.

A casca do ovo

Há muito tempo se sabe que a casca de ovo é uma excelente fonte de cálcio. O que não se sabia era se esta forma de cálcio seria bem absorvida pelo corpo humano. As pesquisas realizadas confirmam que o cálcio da casca de ovo é absorvido muito bem. Nosso corpo precisa apenas de pequena quantidade de cálcio e este nutriente está presente nos alimentos como as sementes, as folhas verde-escuras, os cereais integrais, o leite, os queijos, a casca de ovo e outros.

Quando ingerimos grande quantidade de cálcio, ele acaba prejudicando a absorção do ferro. Por isso, uma pitada de pó de casca de ovo já é suficiente para enriquecer a nossa alimentação do dia a dia. No entanto, a casca de ovo pode conter um micróbio que causa um tipo grave de diarréia, conhecido como salmonela. Por este motivo os ovos devem ser lavados antes de serem quebrados. As cascas devem ser limpas e guardadas na geladeira até o dia da preparação do pó. Para desinfetar, deixe as cascas de molho numa solução de água com hipoclorito de sódio (água sanitária) a 2,5% ou água sanitária por 20 minutos.

Use sempre a medida de uma colher de sopa de água sanitária ou hipoclorito de sódio para cada litro de água.

Depois, enxágüe bem em água limpa, coloque as cascas numa panela e ferva por 20 minutos. Seque as cascas ao sol, cobrindo com um pano fino para evitar poeira e insetos. As cascas podem ser secadas em forno brando, mas deve-se cuidar para que não torrem.

Outros cuidados importantes na preparação da farinha multimistura

Sempre que preparamos um alimento em nossa casa ou numa cozinha comunitária, precisamos nos preocupar com a higiene:

  • antes de começar a preparar os alimentos é preciso lavar bem as mãos, estar com as unhas curtas e limpas e com a roupa limpa;
  • quem está cozinhando não deve pegar em dinheiro, em animais ou fumar. A mesa, o balcão, a pia e o fogão devem estar limpos, e em bom estado de conservação, sem depressões, fendas ou buracos onde acumulem a sujeira ou restos de alimentos, pois isto pode contaminar os alimentos;
  • tudo que for utilizado (colheres, pratos, bacias, panelas, facas) deve estar bem limpo;
  • os alimentos devem estar cobertos e tampados.

 

É importante que as pessoas que trabalham diretamente com a produção de alimentos, seja em escala comunitária ou industrial, estejam bem de saúde. As pessoas que apresentam cortes nas mãos, doenças na pele ou doenças infecto-contagiosas, não devem manipular alimentos porque há um grande risco de contaminar os alimentos. Outros cuidados importantes:

  • evitar o uso de jóias e manter os cabelos amarrados ou protegidos com um lenço;
  • desviar a cabeça do alimento ao espirrar, tossir ou falar;
  • a lixeira deve ser mantida tampada e o lixo, reciclado, enterrado ou queimado, para evitar moscas, insetos, ratos, etc;
  • animais não devem estar presentes no local onde são preparados os alimentos;
  • o local onde se prepara os farelos, os pós de folha de mandioca, as sementes e casca de ovo deve ser ventilado e arejado;
  • pisos, paredes e teto devem estar bem limpos;
  • depois de pronta, a multimistura, deve ser armazenada em vasilhas limpas: de preferência de vidro ou em sacos plásticos limpos.

 

A Alimentação Enriquecida é boa para todas as pessoas e por isso deve fazer parte da alimentação do dia a dia de toda a família.

Os alimentos regionais devem ser valorizados porque são encontrados mais facilmente, já fazem parte do hábito das pessoas e costumam ser mais baratos.

DICAS é um informativo técnico dirigido as Equipes de Coordenação da Pastoral da Criança. Se você tiver alguma sugestão de tema ou dúvida, escreva para:
Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

Rua Jacarezinho, 1691

80810-900 Curitiba/PR

Telefone (41) 2105-0250 – Fax: (41) 2105-0201 e 2105-0299

Auto-estima


AddThis Social Bookmark Button
Auto-estima
O que é auto-estima
Como é que se faz pra admirar essa pessoa que você vê no espelho?
A sua auto estima afeta diretamente tudo o que você faz, afeta o seu trabalho, sua vida social, seus estudos.
Com uma boa auto-estima você mudará a forma como lida com seus colegas de trabalho, por exemplo, pois será mais confiante, saberá se colocar, não terá medo de fazer um pedido quando precisar. Se não tiver auto-estima e precisar de um colega para te cobrir no trabalho quando estiver cheio de serviço, seu tom de voz vai ser titubeante, e será possível que seu colega não te atenda justamente por você não conseguir se colocar de forma convincente quanto a sua necessidade.
Conseqüências da auto estima rebaixada
Sem auto-estima voce terá postura de corpo e de voz de uma pessoa sem valor. A consequência a médio e longo prazo é a instalação de um processo depressivo .
Em casa será a mesma coisa, o relacionamento com seu marido (namorado) sem auto estima não permitirá que você mostre o quanto é importante, por exemplo, fazer aquele programa que voce está querendo, ou deixar de fazer aquele programa ele está querendo mas que você não está quer. Quem não tem auto-estima se deixa levar pela vontade dos outros, porque não se gosta e mostra para os outros uma imagem de quem não merece ser gostado nem respeitado.
As suas reações no dia a dia são determinadas para sua auto-estima, se alguém lhe passou a frente na fila e você não tem auto-estima, você não conseguirá se posicionar e reclamar.
Se você não tem auto estima não vai se sentir à vontade na academia quando for uma das poucas que está gordinha, claro que está gordinha, pois as outras pessoas estão lá há mais tempo, mas voce não se dá o direito nem de começar o seu exercício.
Se não tem auto estima não vai conseguir procurar um emprego, pois sua postura nas entrevistas será a de uma pessoa que não acredita que merece o tal emprego, e isso você faz sem perceber, só se alguém te filmar e mostrar seu comportamento você verá uma pessoa com a postura corporal, facial, e tom de voz de quem não serve para aquele emprego. Como você quer que alguém lhe dê um emprego que nem você acredita que merece?
Se não tem auto-estima você vai pra aula (se você for estudante), mas não participa, não faz perguntas, morre de vergonha de ser voce mesmo.
Vai pra festa e não dança, “imagina… quem vai querer ver alguém como você dançando”. Isso é que se passa na sua cabeça.
Ou seja, a auto estima determina o seu fracasso ou sucesso como pessoa.
Avaliar sua auto estima é a dica pra você se conhecer, e conhecer o seu relacionamento com as outras pessoas também.
Auto estima x Transtornos emocionais
Encontramos questões referentes à auto-estima em toda dificuldade emocional. Se você pensar em cada transtorno emocional, depressão, ansiedade , síndrome do pânico , você verá em cada um destes transtornos a auto estima rebaixada. A falta de auto estima está evolvida em todas as dificuldades emocionais.
O depressivo não gosta de si mesmo, da sua vida, não considera que há nada de tão bom em si mesmo que lhe dê alegria de viver, ou seja, a auto estima está rebaixada.
Abuso de álcool , suicídio , violência, em cada um desses quadros tem auto-estima negativa envolvida.
Uma boa auto estima é extremamente importante pra voce ter uma vida satisfatória, legal, gostosa de ser vivida.
O que é auto-estima?
É o julgamento que você faz de você mesmo. É autoconfiança, auto-respeito e auto aceitação.
É a auto estima que determina se você é capaz de dominar os problemas do dia a dia e sua capacidade de se respeitar e fazer valer os seus direitos e suas necessidades .
Auto estima é se sentir confiantemente adequado. É se sentir competente e merecedor .
Não ter auto-estima é se sentir inadequado, se sentir errado diante das pessoas e da vida. É Achar que não é capaz, não é competente, é se sentir errado como ser humano.
Auto estima é privilégio de poucos?
Todo mundo merece ter uma boa auto-estima, ser autoconfiante e ter auto-respeito. Por quê? Porque somos seres pensantes, e a própria capacidade de pensar é prova de que somos competentes, e só o fato de estarmos vivos é prova suficiente de que temos o direito de lutar pela felicidade.
O ideal seria que todos tivéssemos excelente auto-estima. Mas não é a realidade. Muitos se sentem inadequados, sentem medos , insegurança , culpa , um sentimento de não ser “suficiente”.
Muita gente nunca chega a ter uma visão positiva de si mesmo, pois fizeram julgamentos extremistas sobre si, foram severos demais consigo mesmos. Tem gente que consegue ser seu próprio carrasco, nem precisa de outras pessoas pra falarem mal dele, ele mesmo faz isso.
Não conheço ninguém que não seja capaz de desenvolver sua auto-estima, desenvolver a convicção de que é merecedor de viver com felicidade , e aí ter mais autoconfiança , mas inda assim não utiliza esta capacidade, e passa a vida com sentimentos de inferioridade.
Auto estima pra quê?
Quanto maior a auto-estima maior será a capacidade em lidar como os problemas da vida. Quem nunca teve que lidar um rompimento de relacionamentos , com a solidão , com desemprego, com marido agressivo, com filhos que dão trabalho? A pessoa com sua auto-estima em alta conseguirá lidar com isso tudo de forma mais tranqüila.
Quanto mais flexível a pessoa for, mais resistente será à pressão, ao desespero, à derrota. Quanto mais a pessoa se valorizar mais conseguirá superar os problemas da vida.
Quanto maior a auto-estima, mais criativo, e quanto mais criativo mais chance de sucesso. Porque criatividade não serve só pra pintar quadros, serve pra pensar em alternativas pra vida.
Quanto mais você se aprovar mais gente na sua vida vai gostar de voce e mais relações saudáveis terá. Já viram aquela pessoa que todo mundo gosta, parece que atrai gente legal, que a apóia. Ela atrai gente legal porque está legal consigo mesma, porque tem vitalidade, é comunicativa.
Por outro lado, já notaram aquela pessoa que não trata ninguém com respeito, vá lá ver e voce encontra auto-estima negativa nesta pessoa.
Quem não gosta de si não sabe lidar com as outras pessoas.
Autoconfiança
Auto estima é o que voce pensa sobre voce mesmo, não o que o outro pensa sobre voce.
Por isso auto estima é autoconfiança, é ser você a sua referencia, e não viver sob a referência do outro, do que o outro aprova ou não. Para quem tem boa auto-estima a aprovação do outro é conseqüência.
Pra voce que percebe que precisa melhorar sua auto-estima, pense em fazer sua terapia . Fazer psicoterapia com um psicólogo é igual a fazer regime, ás vezes a pessoa consegue fazer sozinha, mas outras precisam de um profissional, ou como fazer ginástica, voce pode ter alguém que te mostre a forma correta de fazer de fazer os exercícios.
A auto estima nasce com a pessoa?
Não, ela começa a ser construída na infância. Como? Quanto mais voce foi respeitado, amado, valorizado, encorajado a confiar em voce, melhor foi construída sua auto-estima.
Você deve estar pensando: “Ahhh entendi porque não tenho auto-estima, a culpa foi dos meus pais que só me cobraram, me julgaram, não acreditaram em mim, e por isso eu sou o que sou, é por isso que tudo dá errado na minha vida, eu não tenho auto-estima porque meus pais não me ajudaram a ter uma”.
Voce pode estar certo em uma parte , só não está certo se pensar que está condenado a viver assim para o resto da  vida. Agora voce é adulto, e agora é com voce. Voce pode mudar todo esse quadro de sentimentos de auto-rebaixamento se voce trabalhar consciente e intencionalmente pra isso.
Quando criança sua auto estima podia ser alimentada ou destruída pelos adultos. Mas voce está se construindo a cada dia, e agora a definição está em sua mão. Se ninguém pode respirar por voce, também não pode pensar por voce. Sua cabeça depende dos pensamentos que voce tem hoje, mesmo que idéias de auto-desvalorização tenham entrado em sua mente voce pode retirar isso. Se não está conseguindo sozinho, procure uma ajuda.Para isso existe o psicólogo , pra ser a sua força extra nessa jornada.
Uma vez alguém disse “se voce já leu dois livros de auto-ajuda e continua igual, então está na hora de procurar um psicólogo”.
Auto estima interna
Uma coisa é certa, a auto estima deve ser construída dentro de voce. Ela não vem de fora. Voce pode ter pessoas que te amam, mas se voce não se amar não vai nem perceber que existe o amor dessas pessoas. Pode ser admirada pelos seus colegas, mas se voce não se admirar as palavras parecerão vazias, ocas. Voce pode ter uma imagem externa de muita segurança, todo mundo te acha o máximo, mas voce mesmo se achará uma fraude.
Já percebeu que os aplausos dos outros não vão te ajudar na melhoria da auto-estima? Voce ouvirá esses aplausos e pensará “eu engano bem, convenci todo mundo que eu sou bom”. Só não convenceu a voce mesmo.
Procurar auto-estima fora de si mesmo será um trabalho perdido. Estudar para ter um título, um cargo importante, fazer cirurgia plástica, casar, ter um filho, tudo isso vai te alegar por um tempo se voce não fizer por você, se dentro de voce não tiver uma valoração sua. Voce perde tempo e dinheiro procurando autoconfiança em tudo quanto é lugar, menos dentro de voce.
É bobagem considerar que vai melhorar a auto estima ao causar boa impressão para os outros, por exemplo casando porque a sociedade cobra casamento, correndo atrás de promoção, comprando um carro maior, fazer tudo isso para causar boa impressão para os outros. Isso só significa que voce se deixa levar pelo julgamento dos outros.
Se auto estima é confiança em si mesmo, então ninguém vai gerar essa confiança a não ser você mesmo.
Falsa auto estima
Quer ver se a auto-estima de alguém é impostora? Sabe aquela pessoa que parece estar com a auto-estima lá em cima? Quer saber se isso é auto-estima mesmo? Veja se ela se compara ou compete com os outros. Se ela diz coisas assim “estou feliz porque fui promovido, e consegui antes do meu irmão”. Esta fala denuncia que ele está competindo com outro, isso não é auto-estima verdadeira, é fachada.
Ou, em outro exemplo, a garota que se diz muito feliz com a plástica que fez no nariz, diz que melhorou muito a sua auto-estima, porque agora “ficou mais bonita que as outras garotas do colégio”. Veja que ela está se comparando , isso não é auto-estima, é angustia. Ela está correndo, fugindo do desespero de se sentir pra trás. Não está procurando a felicidade, está fugindo da angustia, e a fuga é sempre desesperadora.
Quem diminui os outros apra se sentir maior não está desfrutando de boa auto-estima.
Tem gente que chama isso de excesso de auto-estima. Eu chamo de excesso auto-engano. Porque a pessoa não está tranqüila com sua conquista, não está simplesmente desfrutando da harmonia do momento, está sofrendo pra ser notado.
Infância
Falamos agora a pouco da influencia da infância na construção, ou destruição de nossa auto-estima. Muitas vezes a gente continua respondendo, agora mesmo sendo adulto, como se fosse aquela garotinha, ou garotinho inseguro, sem direito a nada, de falar, de fazer, de sair e brincar com outras crianças.
Mas tem o que fazer. O que devemos fazer agora é aprender a reestruturar essa criança que todo mundo tem dentro de si. Todo mundo carrega sua infância. Se voce rejeitar essa criança, por medo ou por vergonha, voce vai manter essa criança mal resolvida aprisionada dentro de voce e ela vai te atormentar para o resto da vida.
A criança que sofreu indignações, humilhações merece ser redimida. A criança que cresceu percebendo o mundo como um lugar perigoso, era perigoso se expressar, não tinha vez em casa, estavam sempre gritando com ela, ou a deixando de lado fazendo de conta que ela não estava ali, ou debochando dela, essa criança cresceu e virou um adulto que nem sabe como ou porque, mas está lidando com o mundo que tem agora como se fosse aquele mundo da infância, e isso não é justo pra ele, porque as conseqüências são muito negativas, pra ele em primeiro lugar.
Dicas pra obter mais auto-estima:
A primeira grande dica pra vencer a falta de auto estima é ter consciência . Consciência de quem voce é de verdade, do que voce foi um dia, e do que você é hoje. Voce precisa saber o que fazer saber que comportamentos devem mudar, e se perguntar: suas atitudes são resultado de sua intenção, ou voce continua só reagindo, reagindo ao que tem internamente em sua mente e nem sabe direito o que é… porque não tem consciência de si mesmo.
Ter consciência significa usar adequadamente sua capacidade de pensar, é isso que nos torna humanos, nossa capacidade de raciocinar, de nos conhecermos e agirmos conforme decidimos .
Usar a nossa consciência é sair do automático e passar a escolher. Temos o poder de escolha, podemos ser mais ou menos consciente, depende da nossa escolha.
Tem gente que tenta existir sem pensar , sem se auto avaliar, sem medir conseqüências.
Só existe, levanta da cama de manhã e vai pra vida como se fosse um robô, sem se perceber, sem se sentir.
Auto estima é resultado do que percebemos em nós mesmos, e a cada dia fazemos decisões de conduta, mil escolhas até de nível de consciência, escolhemos entre pensar e não pensar. E com o tempo voce vai estabelecendo que tipo de pessoa voce é. Dependendo da escolha que voce faz, voce estabelece sua integridade como ser humano.
Viver conscientemente significa que voce sabe exatamente as conseqüências de cada ato seu, as boas e as ruins, pra voce e para os outros.
É assumir a responsabilidade pela percepção de cada ato seu.
Ser consciente é estar de corpo e alma em cada coisa que voce faz, se voce tem um trabalho e se interessa nesse serviço, se interessa em ver sua empresa crescer, sente curiosidade em aprender… isso demonstra que voce está consciente do que faz e com certeza sua auto estima é boa. Mas… se voce vai para o trabalho só olhando no relógio contado os minutos pra voltar pra casa, voce não está consciente do seu trabalho, e com certeza a auto estima é muito ruim. A sua auto estima é conseqüência do quanto voce é consciente.
Como identificar a pessoa sem auto estima?
E se voce quer identificar uma pessoa sem auto estima pegue uma que vive dizendo que tem muito azar na vida, já ouviram alguém dizendo que nunca consegue um bom emprego? Olhe se essa pessoa é do tipo que nem entra no escritório e já faz as contas pra ver a hora de sair.
Ou, outro exemplo, é a pessoa que diz que nunca consegue um namorado decente. Vai olhar de perto e veja que essas mulheres sempre tiveram dicas de que cada homem com quem se envolveram não era a pessoa certa, mas ela se deixa enganar e quando vai ver está em outra enrascada. Ou seja, não vive conscientemente e claro não tem auto-estima.
E as pessoas que vivem levando o cano de todo mundo? Se não é na escola, é no trabalho, em todo lugar ela encontra alguém que lhe dá uma rasteira. Essa é aquela que não se dá o trabalho de olhar de frente pra cada uma das pessoas com quem ela convive, essas pessoas vivem levando o cano do mundo, e o pior, ainda se assustam quando levam uma rasteira porque não tem auto-estima.
Na realidade no mundo tem gente legal e gente que não é legal, porque será que algumas pessoas só se envolvem com as que não são legais? Ela não tem auto-estima e conseqüentemente não tem consciência do que está acontecendo a seu redor, e pronto, dali a pouco já estão admiradas porque levaram mais uma rasteira.
Perceberam que viver conscientemente é o que lhe proporciona auto-estima. Pode ser mais cansativo pensar, mas vale à pena. Ser mais racional, raciocinar, observar a vida e aprender com ela. Não ser consciente é fugir da realidade, e a conseqüência é colocar sua auto-estima lá embaixo.
Auto estima x Depressão
Muita gente marca consulta por causa de uma queixa que desaba a vida de qualquer um, a falta de vontade, o desanimo na vida.
Desanimo é medo de enfrentar e assumir os riscos adequados, é fugir para o confortável. Porque tudo na vida envolve algum risco, e quando voce fica assustado demais com a vida, tudo parece muito difícil, dá medo, e claro que a sensação vai ser a de desanimo.
Perceberam que ser consciente é ser independente intelectualmente , é pensar por voce mesmo, e quem pensa por si mesmo, que não se preocupa com o julgamento dos outros, não se preocupa porque está consciente do que faz e pensa, essa pessoa gosta de si mesma, tem auto-estima.
A gente pode, e deve, aprender uns com os outros, mas o importante é o entendimento e não só a repetição do que o outro faz ou pensa.
Quem tem auto-estima, é por conseqüência independente. Já perceberam que as pessoas que mais sofrem com baixa auto estima são as que mais se preocupam como que os outros pensam, quando estão sozinhas são de um jeito, podemos dizer normal, mas na frente dos outros elas travam totalmente, isso é a prova de que se incomodam demais com que pensam dela ou como a julgam. O medo do julgamento do outro é a base da falta de auto-estima.
Outra dica pra você construir sua auto-estima: Auto aceitação.
Quando falta a auto estima falta também a auto aceitação. Se aceitar não significa gostar de tudo o que há em voce, significa ser consciente do que é. Tem gente que, acha que se aceitar tudo em si mesmo, não vai querer mudar. Mas não é assim que funciona. Claro que se aceitando como é, voce pode querer mudar as coisas que não estão funcionado bem. Na realidade voce só muda se conseguir aceitar como é agora, se conseguir ver-se claramente, senão voce nem sabe o que deve ser mudado porque não consegue nem se enxergar.
Quer fazer um teste simples? Olhe-se no espelho de corpo inteiro e fique assim por um tempinho, é possível que voce se sinta desconfortável ao olhar para certas partes, o seu impulso vai ser tirar o olhar, isso é fugir, é repudiar a si mesmo, é não se aceitar, e como alguém poderia mudar essa parte se nem consegue tomar consciência dela? Ou seja, não aceita essa parte.
Aceitar é vivenciar sem negação, você pode querer mudar essa parte, mas só se aceitar que essa parte existe.
Voce não se sente motivado a mudar uma coisa que nega sua existência.
E isso vale pra tudo, não só para aceitar seu corpo.
Por exemplo, voce vai ter que fazer uma exposição do seu trabalho na sala de reunião da empresa, um grupo de pessoas vai estar lá pra te ouvir. E você começa a suar, sente medo e esse medo te faz ficar com vontade de fugir, quer mudar a data, quer colocar alguém no seu lugar, qualquer coisa pra não ter que falar na frente das pessoas. Se voce ficar dizendo pra si mesmo “não fique com medo” não vai adiantar nada, por quê? Porque voce está negando sua emoção, está negando o medo.
Aceite esse medo, aceite que ele existe, e converse com ele. O que ele te diz, o que esse medo diz que pode acontecer? Voce pode se tornar consciente de onde vem esse medo quando ele começou, e vai acabar se conscientizando de que esse medo não tem fundamento, aí sim voce vai vencê-lo.
Mas se voce não aceita-lo, fingir que o medo não existe não vai te levar a lugar nenhum. Quando voce reconhece o medo sua cabeça pára de fazer dele uma catástrofe e o medo deixa de ser seu dono.
Voce fica livre pra ver as pessoa e as situações como elas são. A autoconfiança e o auto-respeito aumentam.
Auto aceitação implica em aceitar seus sentimentos, inclusive os negativos, olhe eles de frente, o que sua insegurança, seu medo, sua raiva estão lhe dizendo, observe e converse com eles, aceite que eles existem e assim voce vai perceber que é mais fácil superar.
Quer ver um exemplo? Tem gente que não tem o pai, a mãe que gostaria de ter, e passa a vida tentando mudar o que não depende dele, é claro que é uma vida infeliz. É uma vida sem aceitação e sem auto-estima.
Quer uma mão na busca da sua auto-estima?

O que pode ser feito para que você admire esta pessoa em seu espelho?

A sua auto estima afeta diretamente tudo o que você faz, afeta o seu trabalho, sua vida social, seus estudos.
Com uma boa auto-estima você muda a forma como lida com as pessoas, por exemplo seus colegas de trabalho, pois será mais confiante, saberá se colocar, não terá medo falar sobre qualquer assunto que precisar.

Sem auto-estima provavelmente você não consegue se colocar  quando precisa de uma ajuda qualquer, pois seu tom de voz será titubeante, e com esta postura será possível que seu colega não te atenda justamente por você não se colocar de forma convincente quanto a sua necessidade.

 

Conseqüências da auto estima rebaixada

Sem auto-estima é possível que você tenha postura  e voz de uma pessoa sem valor. A consequência a médio e longo prazo poderá ser a instalação de um processo depressivo .
Os relacionamentos de forma geral são influenciados pela auto estima, o relacionamento com seu marido ou namorado  não permitirá que você mostre, por exemplo, o quanto é importante fazer aquele programa que você está querendo, ou deixar de fazer aquele programa ele está querendo mas que você não quer.

Quem não tem auto-estima se deixa levar pela vontade dos outros, pois a falta de amor próprio  demonstra uma imagem de  desmerecimento, uma pessoa que não merece ser gostada nem respeitada.

As suas reações no dia a dia são determinadas para sua auto-estima, se alguém lhe passou a frente na fila e você não tem auto-estima, você não conseguirá se posicionar e reclamar.

Sem auto estima não vai se sentir à vontade na academia quando for uma das poucas que está gordinha, mesmo que saiba que está gordinha por não ter tido tempo para dedicar-se como as outras pessoas que estão lá há mais tempo.

Sem auto estima talvez não conseguirá procurar o emprego dos seus sonhos, pois sua postura nas entrevistas será a de uma pessoa que não acredita que merece o tal emprego, e isso acontece sem mesmo perceber, só se alguém te filmar e mostrar seu comportamento você verá uma pessoa com a postura corporal, facial, e tom de voz de quem não serve para aquele emprego. Como você quer que alguém lhe dê um emprego que nem você acredita que merece?

Se não tem auto-estima você irá para aula , mas provavelmente não participará, não fará perguntas, morrerá de vergonha de ser você mesmo.

Irá para festa ,as não dançará, “imagina… quem vai querer te ver dançando”. Isso é o que pode passar na sua cabeça.

Ou seja, a auto estima pode determinar o seu fracasso ou sucesso como pessoa.

Avaliar sua auto estima é a dica pra você se conhecer melhor  e saber como está o seu relacionamento com as outras pessoas.

 

Auto estima x Transtornos emocionais

Encontramos questões referentes à auto-estima em toda dificuldade emocional. Se você pensar em cada transtorno emocional, depressão, ansiedade , síndrome do pânico , você verá em cada um destes transtornos a auto estima rebaixada. A falta de auto estima está evolvida na maioria das dificuldades emocionais.

O depressivo não gosta de si, da sua vida, não considera que haja algo de tão bom em si mesmo que lhe dê alegria para viver, ou seja, a auto estima está rebaixada.

Abuso de álcool , suicídio , violência, em cada um desses quadros percebemos auto-estima negativa envolvida.

Uma boa auto estima é extremamente importante para você ter uma vida satisfatória, legal, gostosa de ser vivida.

 

O que é auto-estima?

É o julgamento que você faz de si mesmo. É autoconfiança, auto-respeito e auto aceitação.

É a auto estima que determina se você é capaz de dominar os problemas do dia a dia, como também determina sua capacidade de se respeitar e fazer valer os seus direitos e suas necessidades .

Auto estima é se sentir confiante e adequado. É se sentir competente e merecedor .

Não ter auto-estima é se sentir inadequado, se sentir errado diante das pessoas e da vida. É considerar que não será capaz, não será competente.  É o sentimento de ser errado como ser humano.

 

Auto estima é privilégio de poucos?

Não. Todo mundo merece uma boa auto-estima, ser autoconfiante e ter auto-respeito. Por quê? Porque somos seres pensantes, e a própria capacidade de pensar é prova de que somos competentes, e só o fato de estarmos vivos é prova suficiente de que temos o direito de lutar pela felicidade.

O ideal seria que todos tivéssemos excelente auto-estima, mas esta não é a realidade. Muitos se sentem inadequados, sentem medos , insegurança , culpa , um sentimento de não ser “suficiente”.

Muita gente nunca chega a ter uma visão positiva de si mesmo, pois fizeram julgamentos extremistas sobre si, foram severos demais consigo mesmos. Tem gente que consegue ser seu próprio carrasco, nem precisa de outras pessoas pra falarem mal dele, ele mesmo faz isso.

Não conheço ninguém que não seja capaz de desenvolver sua auto-estima, desenvolver a convicção de ser merecedor de viver com felicidade , e assim ter mais autoconfiança , mas inda assim há muitas pessoas não utilizam esta capacidade, e passam a vida com sentimentos de inferioridade.

 

Auto estima pra quê?

Quanto maior a auto-estima maior será a capacidade em lidar como os problemas. Quem nunca teve que lidar um rompimento de relacionamentos , com a solidão , com desemprego, com marido agressivo, com filhos que dão trabalho? A pessoa com sua auto-estima em alta tem mais chance de conseguir lidar com isso tudo de forma mais tranquila.

Flexibilidade é uma das chaves pois quanto mais flexível a pessoa for, mais resistente será à pressão, ao desespero, à derrota. Quanto mais a pessoa se valorizar mais conseguirá ver opções e possibilidades diferentes e superar os problemas da vida.

Quanto maior a auto-estima, mais criativo, e quanto mais criativo mais chance de sucesso. Porque criatividade não serve só para pintar quadros, serve para pensar em alternativas para vida.

Quanto mais você se aprovar é possível que mais pessoas irão gostar de você e mais relações saudáveis terá. Já viram aquela pessoa que todo mundo gosta, parece que atrai gente legal, que a apóia. Ela atrai gente legal porque está legal consigo mesma, porque tem vitalidade, é comunicativa. Por outro lado, já notaram aquela pessoa que não trata ninguém com respeito, observe  e você encontra auto-estima negativa nesta pessoa.

Quem não gosta de si pode não saber lidar com as outras pessoas.

 

Autoconfiança

Auto estima é o que você pensa sobre você mesmo, não o que o outro pensa sobre você. Por isso auto estima está muito próxima da autoconfiança, é garantir que você seja sua própria referencia, e não viver sob a referência do outro, do que o outro aprova ou não. Para quem tem boa auto-estima a aprovação do outro é apenas conseqüência.

Para você que percebe que precisa melhorar sua auto-estima, pense em fazer sua terapia. Algumas vezes fazer psicoterapia com um psicólogo é parecido a fazer ginástica, ás vezes a pessoa consegue fazer sozinha, mas outras precisam de um profissional que lhe mostrará o caminho mais curto e mais eficiente.

 

A auto estima nasce com a pessoa?

Não, ela começa a ser construída na infância. Como? Quanto mais você foi respeitado, amado, valorizado, encorajado a realizar atividades diversas, mais probabilidade  terá de ter construído uma boa auto-estima.

Você deve estar pensando: “Ahhh entendi porque não tenho auto-estima, a culpa foi dos meus pais que só me cobraram, me julgaram, não acreditaram em mim, e por isso eu sou o que sou, é por isso que tudo dá errado na minha vida, eu não tenho auto-estima porque meus pais não me ajudaram a ter uma”.

Você pode estar certo em parte, os pais podem influenciar mas você não precisa estacionar, sempre é possível realizar  mudanças em você mesmo. Não é certo pensar que está condenado a viver assim para o resto da  vida. Agora você é adulto, e agora é com você. É possível mudar todo esse quadro de sentimentos de auto-rebaixamento se trabalhar consciente e intencionalmente para isso. Se não conseguir sozinho, conte com um psicologo.

Quando criança sua auto estima podia ser alimentada ou destruída pelos adultos. Mas você está se construindo a cada dia, e agora a definição está em sua mão. Se ninguém pode respirar por você, também não pode pensar por você. Sua cabeça depende dos pensamentos que você tem hoje, mesmo que idéias de auto-desvalorização tenham entrado em sua mente você pode retira-las. Se não está conseguindo sozinho, procure ajuda.Para isso existe o psicólogo , para ser a sua força extra nessa jornada. Uma vez alguém disse “se você já leu dois livros de auto-ajuda e continua igual, então está na hora de procurar um psicólogo”.

 

Auto estima interna

Uma coisa é certa, a auto estima deve ser construída dentro de você. Ela não vem de fora. Você pode ter pessoas que te amam e lhe dizem todos os dias o quanto você é bacana, bonito, interessante, mas se você não se amar não vai nem perceber  o amor dessas pessoas quanto mais considerar que elas estão certas. Pode ser admirada pelos seus colegas, mas se não admirar a si mesma aquelas palavras parecerão vazias.

Você pode ter uma imagem externa de muita segurança, todo mundo pode te achar o máximo, mas sem auto estima você mesmo se achará uma fraude. Já percebeu que os aplausos dos outros não vão te ajudar a melhorar a auto-estima? Você ouvirá esses aplausos e pensará “eu engano bem, convenci todo mundo que eu sou bom”. Mas não convenceu a si mesmo.

Procurar auto-estima fora de si será trabalho perdido. Estudar para ter um título, um cargo importante, fazer cirurgia plástica, casar, ter um filho, tudo isso vai te alegrar por um tempo se você não fizer por você, se dentro de você não tiver uma valorização sua. Você perde tempo e dinheiro procurando autoconfiança em tudo quanto é lugar, menos dentro de você.

É bobagem considerar que vai melhorar a auto estima se causar boa impressão para os outros, por exemplo casando porque a sociedade cobra casamento, correndo atrás de promoção, comprando um carro maior, fazer tudo isso só para causar boa impressão. Isso só significa que você se deixa levar pelo julgamento dos outros. Se auto estima é confiança em si mesmo ninguém vai gerar essa confiança, a não ser você mesmo.

 

Falsa auto estima

Sabe aquela pessoa que parece estar sempre com a auto-estima altíssima? Muitas vezes pode não se tratar de auto estima verdadeira. Para identificar veja se ela se compara ou compete com os outros. Se ela diz coisas assim “estou feliz porque fui promovido, e consegui antes do meu irmão”. Esta fala denuncia que ele está competindo com outro, isso não é auto-estima verdadeira.

Em outro exemplo, a garota que se diz muito feliz com a plástica que fez no nariz, diz que melhorou muito a sua auto-estima, porque agora “ficou mais bonita que as outras garotas do colégio”. Ela está se comparando, isso não é auto-estima, é angustia. Ela está correndo, fugindo do desespero de se sentir pra trás. Não está procurando a felicidade, está fugindo da angustia, e a fuga é sempre desesperadora.

Quem diminui os outros para se sentir maior não está desfrutando de boa auto-estima.

Tem gente que chama isso de excesso de auto-estima. Eu chamo de excesso auto-engano. Porque a pessoa não está tranquila com sua conquista, não está simplesmente desfrutando da harmonia do momento, está sofrendo para ser notada.

 

Infância

Falamos agora a pouco da influencia da infância na construção, ou destruição de nossa auto-estima. Muitas vezes a gente continua respondendo, agora mesmo adulto, como se fosse aquela garotinha, ou garotinho inseguro, sem direito a nada, de falar, de fazer, de sair e brincar com outras crianças.

Há remédio. O que devemos fazer agora é aprender a reestruturar essa criança que todo mundo tem dentro de si. Todo mundo carrega sua infância. Se você rejeitar essa criança, por medo ou por vergonha, você vai manter essa criança mal resolvida aprisionada e ela vai te atormentar para o resto da vida.

A criança que sofreu indignações, humilhações merece ser redimida. A criança que cresceu percebendo o mundo como um lugar perigoso, perigoso se expressar, sem ter vez em casa pois estavam sempre gritando com ela, debochando ou a deixando de lado fazendo de conta que ela não estava ali. Essa criança cresceu e virou um adulto que nem sabe como ou porque, mas está lidando com o mundo que tem agora como se fosse aquele mundo da infância, e isso não é justo, as conseqüências são muito negativas.

Para este trabalho a psicoterapia poderá ser de ajuda maravilhosa.

 

Dicas para obter mais auto-estima:

A primeira grande dica pra vencer a falta de auto estima é ter consciência . Consciência de quem voce é de verdade, do que voce foi um dia, e do que você é hoje. Voce precisa saber o que fazer, saber que comportamentos devem mudar, e se perguntar: suas atitudes são resultado de sua intenção, ou você continua só reagindo ao conteúdo interno de sua mente e nem sabe direito o que é porque não tem consciência de si mesmo.

Ter consciência significa usar adequadamente sua capacidade de pensar, é isso que nos torna humanos, nossa capacidade de raciocinar, de nos conhecermos e agirmos conforme decidimos .
Usar a nossa consciência é sair do automático e passar a escolher. Temos o poder de escolha, podemos ser mais ou menos consciente, depende da nossa escolha.

Tem gente que tenta existir sem pensar , sem se auto avaliar, sem medir conseqüências. Só existe, levanta da cama de manhã e vai para vida como se fosse um robô, sem se perceber, sem se sentir.

Auto estima é resultado do que percebemos em nós mesmos, e a cada dia tomamos mil decisões,  até de nível de consciência pois  escolhemos entre pensar e não pensar. E com o tempo você vai estabelecendo que tipo de pessoa é. Dependendo da escolha que faz, você estabelece sua integridade como ser humano.

Viver conscientemente significa que você sabe exatamente as conseqüências de cada ato, as boas e as ruins, para você e para os outros. É assumir a responsabilidade de cada ato.

Ser consciente é estar de corpo e alma em cada coisa que faz. Se você tem um trabalho e se interessa por ele, se interessa em ver sua empresa crescer, sente curiosidade em aprender… isso demonstra que você está consciente do que faz e com certeza sua auto estima é boa. Mas… se voce vai para o trabalho só olhando no relógio contado os minutos para voltar pra casa, você não está consciente do seu trabalho, e com certeza a auto estima é muito ruim. A sua auto estima é conseqüência do quanto voce é consciente.

 

Como identificar a pessoa sem auto estima?

Para  identificar uma pessoa sem auto estima observe quem vive dizendo que tem muito azar na vida,  que nunca consegue um bom emprego, um namorado, um convite para sair.  Olhe se essa pessoa é do tipo que mal inicia seu trabalho e já está  olhando no relógio para ver a hora de sair.

Aquele que diz que nunca consegue um namorado decente. Mulheres sempre tiveram dicas de que cada homem com quem se envolveram não era a pessoa certa, mas ela se deixou enganar e quando vai ver está em outra enrascada. Ou seja, não vive conscientemente e claro não tem auto-estima.

Aqueles  que vivem levando o cano de todo mundo. Se não é na escola, é no trabalho, em todo lugar ele encontra alguém que lhe dê uma rasteira. Esse é aquele que não se dá o trabalho de olhar de frente para cada uma das pessoas com quem convive.

Na realidade no mundo tem gente legal e gente que não é legal, porque será que algumas pessoas só se envolvem com as que não são legais? Quem faz isso não tem auto-estima e conseqüentemente não tem consciência do que está acontecendo a seu redor, e pronto, dali a pouco já estão admiradas porque levaram mais uma rasteira.

Perceberam que viver conscientemente é o que lhe proporciona auto-estima. Pode ser mais cansativo ser consciente, mas vale à pena. Ser mais racional, raciocinar, observar a vida e aprender com ela. Não ser consciente é fugir da realidade, e a conseqüência é colocar sua auto-estima ladeira abaixo.

 

Auto estima x Depressão

Na clínica recebemos muitas queixas de desanimo e depressão.
Desanimo é medo e falta de forças para enfrentar e assumir os riscos adequados. Tudo na vida envolve algum risco, e quando você fica assustado demais com a vida, tudo parece mais difícil do que precisaria ser. Dá medo, e claro que a sensação é de desanimo e a consequência é a redução da auto estima.

Perceberam que ser consciente é ser independente intelectualmente, é pensar por você mesmo, e quem pensa por si mesmo, que não se preocupa com o julgamento dos outros, não se preocupa porque está consciente do que faz e pensa, essa pessoa gosta de si mesma, tem auto-estima.

A gente pode, e deve, aprender uns com os outros, mas o importante é o entendimento e não só a repetição do que o outro faz ou pensa.
Quem tem auto-estima é, por conseqüência, independente. Já perceberam que as pessoas que mais sofrem com baixa auto estima são as que mais se preocupam como que os outros pensam, quando estão sozinhas são de um jeito, podemos dizer normal, mas na frente dos outros travam totalmente, isso é a prova de que se incomodam demais com que pensam dela ou como a julgam. O medo do julgamento do outro é a base da falta de auto-estima.

Auto aceitação

Quando falta  auto estima falta também a auto aceitação.

Aceitar a si mesmo não significa gostar de tudo o que há em você, significa ser consciente do que é. Alguns consideram que ao aceitar tudo em si mesmo vão acomodar-se. Mas não é assim que funciona. Claro que você pode aceitar-se e ainda assim ter objetivos de mudança quanto as coisas que não estão funcionado. Na realidade você só muda se conseguir aceitar-se como é agora, se conseguir ver-se claramente, senão você nem sabe o que deve ser mudado porque não conseguiu nem se enxergar.

Quer fazer um teste simples? Olhe-se no espelho de corpo inteiro e fique assim por um tempinho, é possível que voce se sinta desconfortável ao olhar para certas partes, o seu impulso vai ser tirar o olhar, isso é fugir, é repudiar a si mesmo, é não se aceitar, e como alguém poderia mudar essa parte se nem consegue tomar consciência dela? Ou seja, não aceita essa parte.

Aceitar é vivenciar sem negação, você pode querer mudar essa parte, mas só se aceitar que essa parte existe.

Você não consegue se sentir motivado a mudar uma coisa que nega existir. E isso vale pra tudo, não só para aceitar seu corpo. Por exemplo, você terá que fazer uma exposição do seu trabalho na sala de reunião da empresa, um grupo de pessoas estará lá para te ouvir. E você começa a suar, sente medo e esse medo te faz ficar com vontade de fugir, quer mudar a data, quer colocar alguém no seu lugar, qualquer coisa pra não ter que falar na frente das pessoas. Se você ficar dizendo para si mesmo “não fique com medo” não vai adiantar nada, por quê? Porque você está negando sua emoção, está negando o medo. Aceite esse medo, aceite que ele existe, e converse com ele. O que ele te diz, o que esse medo diz que pode acontecer? Você pode se tornar consciente de onde vem esse medo quando ele começou, e vai acabar se conscientizando de que esse medo não tem fundamento, aí sim você irá  vencê-lo. Fingir que o medo não existe não vai te levar a lugar nenhum.

Auto aceitação implica em aceitar seus sentimentos, inclusive os negativos. Olhe seus sentimentos de frente, o que sua insegurança, seu medo, sua raiva estão lhe dizendo, observe e converse com eles, aceite que eles existem e assim você vai perceber que é possível supera-los. Um exemplo seria aquela pessoa que não tem o pai, a mãe que gostaria de ter, e passa a vida tentando mudar o que depende dos outros. Conte com o que você pode fazer por você mesmo.

 

Quer uma mão na busca da sua auto-estima? Conte com nossa equipe de psicólogos.

 


 

cuidados pessoais

Entrevista cedida pela psicóloga Marisa de Abreu para Revista da Embraer

 

 

 

Auto estima e cuidados pessoais

 

 

Como incentivar meninas na infância e na adolescência a praticarem mais atividades físicas, uma vez que os garotos são instruídos a jogarem bola e elas a brincarem sentadas de boneca?

Creio que a resposta está inserida na pergunta, ou seja, incentivamos as garotas a praticarem atividades físicas instruindo-as a jogarem bola e a outras brincadeiras mais físicas,

Talvez a questão seja instruir os pais a incentivarem suas filhas a também brincarem em atividades externas e que incluam movimentos. Não há nada de instintivo em ficar sentada brincando, se a criança passa mais tempo nesta posição é porque não foi apresentada para atividades mais dinâmicas.

Talvez haja algum preconceito por parte dos pais que prefiram que suas filhas se mantenham mais “femininas”, mas isto é um engano, pois a feminilidade não virá da brincadeira que inclua correr e rir, e sim da própria personalidade de cada um.

 

Por que muitas mulheres sentem culpa por deixar os filhos e os afazeres domésticos um pouco de lado para cuidarem de si mesmas?

Parece que nossa sociedade estipulou que a responsabilidade sobre o bem estar de seus filhos seria única e exclusivamente da mulher, e ao homem cabe ser apenas o provedor. Creio que estamos mudando mas ainda há muito deste “ranço” no intimo das mães que acreditam que seus filhos estarão “largados à própria sorte” caso ela tire algum tempo para cuidar de si mesma.

É muito justo que cada mãe trabalhe este tema em seu íntimo e descubra que talvez ela consiga ser uma mãe melhor se puder também cuidar de si mesma.

 

Vivemos em uma sociedade onde os homens se exercitam mais que as mulheres?

Esta informação poderia ser obtida nas estatísticas das academias de ginastica ou na observação dos parques. Não tenho esta informação.

 

Como as mulheres podem cuidar melhor da saúde?

Observando a si mesmas e não relevando dores e desconfortos. Muitas vezes algo que poderia ser tratado no inicio acaba se tronando grave por falta de tratamento.

 

Qual a importância para a mulher de se arrumar, se maquiar e estar bem vestida?

Não há uma obrigatoriedade em se maquiar e se vestir bem para ser feliz. Há muitas mulheres felizes com estilo bem informal. Mas o foco deve estar em não se inibir caso tenha vontade se de cuidar, não ter medo de ser taxada de “perua”, pois acredito que o problema maior está em quem pensa algo de ruim da mulher que se produz do que na própria mulher.

 

Uma mulher com boa autoestima é uma mulher mais feliz?

Eu tenho muito cuidado com a apologia da auto estima, acredito que existam criminosos muito perigosos cheios de auto estima.

Gosto mais do termo auto eficácia do que auto estima. Para ser feliz é importante  orgulho de si mesmo e consciência de que se tornou uma pessoa produtiva e realizadora. Observar os relacionamentos desenvolvidos com amigos, família e parentes e perceber que construiu uma rede, mesmo que pequena, traz forte sensação de bem estar.

 

Qual a importância de se cuidar também da saúde psicológica da mulher?

Enquanto nos cuidamos estamos aplicando amor em nós mesmos. Todo amor que temos por outra pessoa, animal, planta ou o que for, está sempre relacionado com o cuidado oferecido – o mesmo acontece quando cuidamos de nós mesmos.

 

Gostará de ler também:

como conquistarComo conquistar…

 

 

vencer timidezComo vencer a timidez

agende sua comsulta

Autoestima


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Psicologia

Em psicologia, autoestima inclui uma avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau (Sedikides & Gregg, 2003).

A autoestima envolve tanto crenças autossignificantes (por exemplo, “Eu sou competente/incompetente”, “Eu sou benquisto/malquisto”) e emoções autossignificantes associadas (por exemplo, triunfo/desespero, orgulho/vergonha). Também encontra expressão no comportamento (por exemplo, assertividade/temeridade, confiança/cautela). Em acréscimo, a autoestima pode ser construída como uma característica permanente de personalidade (traço de autoestima) ou como uma condição psicológica temporária (estado de autoestima). Finalmente, a autoestima pode ser específica de uma dimensão particular (por exemplo, “Acredito que sou um bom escritor e estou muito orgulhoso disso”) ou de extensão global (por exemplo, “Acredito que sou uma boa pessoa, e sinto-me orgulhoso quanto a mim no geral”).

Índice

Relação entre os termos autoestima, autoconfiança, autoaceitação e autoimagem

Se define como William James (1892) o “si mesmo” como o conhecimento que o indivíduo tem de si próprio, pode-se dividir esse conhecimento em dois componentes distintos: um descritivo, chamado autoimagem, e outro valorativo, que se designa autoestima. Outros dois termos são muitas vezes usados como sinônimos de autoestima: autoconfiança e autoaceitação. Uma análise mais aprofundada desses termos indicam uma sutil diferença de uso: Autoconfiança refere-se quase sempre à competência pessoal e é definida por Potreck-Rose e Jacob (2006) como a convicção que uma pessoa tem, de ser capaz de fazer ou realizar alguma coisa, enquanto autoestima é um termo mais amplo, incluindo por exemplo conceitos sobre as próprias qualidades, etc. Autoaceitação, por outro lado, é um termo ligado ao conceito de “aceitação incondicional” da abordagem centrada na pessoa de Carl Rogers e indica uma aceitação profunda de si mesmo, das próprias fraquezas e erros (Potreck-Rose & Jacob, 2006). A autoestima, a autoconfiança e a autoaceitação tendem a estar intimamente ligadas e se influenciam mutuamente. O significado prático dessa inter-relação será tratado mais abaixo (ver abaixo “Psicoterapia para baixa autoestima”).

Medição

Para os fins de pesquisa empírica, a autoestima é tipicamente avaliada por um questionário de autoavaliação que produz um resultado quantitativo. A validade e confiabilidade do questionário são estabelecidos antes do uso.

Autoestima, graus e relacionamentos

De fins dos anos 1960 até o início dos anos 1990, foi assumido como questão de fato que a autoestima de um estudante era um fator crítico nas qualificações obtidas na escola, em seus relacionamentos com os colegas e em seus sucessos posteriores na vida. Sendo este o caso, muitos grupos norte-americanos criaram programas para incrementar a autoestima dos estudantes, assumindo que as qualificações melhorariam, os conflitos decresceriam, e que isto levaria a um mundo mais feliz e bem-sucedido. Até os anos 1990, pouca pesquisa revisada e controlada sobre esse tópico foi feita.

O conceito de automelhoria vivenciou mudanças dramáticas desde 1911, quando Ambrose Bierce definiu zombeteiramente a autoestima como “uma avaliação errônea”. Bom e mau caráter são conhecidos agora como “diferenças de personalidade”. Os direitos têm substituído responsabilidades. A pesquisa sobre egocentrismo e etnocentrismo que municiou a discussão do crescimento e desenvolvimento humano em meados do século XX é ignorada; com efeito, os próprios termos são considerados politicamente incorretos. Uma revolução teve lugar no vocabulário do self. Palavras que implicam confiabilidade ou responsabilidade – autocrítica, abnegação, autodisciplina, autocontrole, modéstia, autodomínio, autocensura e autossacrifício – não estão mais em uso. A linguagem mais favorecida é aquela que exalta o indivíduo: autoexpressão, autoafirmação, autoindulgência, autorrealização, autoaprovação, autoaceitação, egoísmo e a onipresente autoestima (Ruggiero, 2000).

A pesquisa revisada empreendida desde então não tem validado as suposições anteriores. Pesquisas recentes indicam que inflar a autoestima dos estudantes por si mesma não tem efeito positivo sobre a qualificação dos mesmos. Um estudo demonstrou que o efeito pode ser justamente o contrário (Baumeister, 2005). Autoestima elevada se correlaciona com a felicidade autorrelatada. Todavia, não é claro se uma leva necessariamente à outra (Baumeister, 2004). Assim é relacionado os graus e relacionamento e autoestima.

Qualidade e nível da autoestima

O nível e a qualidade da autoestima, embora correlacionados, não são sinônimos. A autoestima pode ser elevada, mas frágil (por exemplo, narcisismo) e baixa, porém segura (por exemplo, humildade). Todavia, a qualidade da autoestima pode ser indiretamente avaliada de várias formas: (I) em termos de sua constância através do tempo (estabilidade), (II) em termos de sua independência ao se apresentarem condições particulares (não contingência), e (III) em termos de quão entranhada ela esteja num nível psicológico básico (inquestionabilidade ou automaticidade).

Bullying, violência e assassinato

Alguns resultados em estudos recentes focam que bullying, violência e autoestima estão interligados. Costumava-se presumir que os bullies agiam violentamente em relação aos outros porque sofriam de baixa autoestima (embora nenhum estudo controlado fosse oferecido para dar suporte a esta posição).

Estas teorias sugerem que a teoria da baixa autoestima está errada. Mas nenhuma envolve o que os psicólogos sociais consideram como a forma mais convincente de evidência: experimentos de laboratório controlados. Quando conduzimos nossa revisão inicial da literatura, não descobrimos nenhum estudo de laboratório que provasse o elo entre autoestima e agressão (Baumeister, 2001).

Em contraste com velhas crenças, pesquisas recentes indicam que os bullies agem do jeito que agem porque sofrem de uma injustificada autoestima “elevada”.

Criminosos violentos frequentemente se descrevem como superiores aos outros – em especial, como pessoas de elite, que merecem tratamento preferencial. Muitos assassinatos e ataques são cometidos em resposta a golpes contra a autoestima, tais como insultos e humilhação. Para ser mais preciso, muitos perpetradores vivem em ambientes onde insultos são muito mais ameaçadores do que a opinião que têm de si mesmos. Estima e respeito estão ligados ao status na hierarquia social, e desonrar alguém pode ter consequências tangíveis e mesmo acarretar risco de perder a vida.
A mesma conclusão emergiu dos estudos de outra categoria de pessoas violentas. É relatado que membros de gangues de rua possuem opiniões favoráveis sobre si mesmos e recorrem à violência quando estas avaliações são contestadas. Bullies de playground consideram-se superiores às outras crianças; baixa autoestima é encontrada entre as vítimas dos bullies, não entre os próprios bullies. Grupos violentos têm um sistema de crenças público, que enfatizam sua superioridade sobre os demais (Baumeister, 2001).

Autoestima e motivação econômica

Adam Smith discute o individualismo como uma motivação econômica; esta ideia também está presente nos trabalhos de Nathaniel Branden.

Psicoterapia para baixa autoestima

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

F. Potreck-Rose e G. Jacob (2006) propõem uma abordagem psicoterapêutica para baixa autoestima baseada no que elas chamam de “os quatro pilares da autoestima”:

1. Autoaceitação: uma postura positiva com relação a si mesmo como pessoa. Inclui elementos como estar satisfeito e de acordo consigo mesmo, respeito a si próprio, ser “um consigo mesmo” e se sentir em casa no próprio corpo;

2. Autoconfiança: uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho. Inclui as convicções de saber e conseguir fazer alguma coisa, de fazê-lo bem, de conseguir alcançar alguma coisa, de suportar as dificuldades e de poder prescindir de algo;

3. Competência social: é a experiência de ser capaz de fazer contatos. Inclui saber lidar com outras pessoas, sentir-se capaz de lidar com situações difíceis, ter reações flexíveis, conseguir sentir a ressonância social dos próprios atos, saber regular a distância-proximidade com outras pessoas;

4. Rede social: estar ligado em uma rede de relacionamentos positivos. Inclui uma relação satisfatória com o parceiro e com a família, ter amigos, poder contar com eles e estar à disposição deles, ser importante para outras pessoas.

Os dois primeiros pilares representam a dimensão intrapessoal da autoestima, os dois outros sua dimensão interpessoal. O tratamento consiste em diferentes exercícios que têm por fim capacitar a pessoa a realizar cada um desses passos dos diferentes pilares. Mas antes de se começar o trabalho no primeiro pilar há um trabalho preparatório dedicado à formação do amor-próprio ou cuidado consigo mesmo (al. Selbstzuwendung), que se desenvolve em três passos: (i) tornar-se atento e consciente das próprias emoções, sentimentos, sensações, necessidades corporais e psíquicas, (ii) relacionar-se respeitosa e amorosamente consigo mesmo e (iii) cuidar de si. Os exercícios incluem técnicas de relaxamento, técnicas para lidar com o crítico interno e de se tornar consciente das partes positivas de si, e muitas técnicas de reestruturação cognitiva e de autorreforço, típicas da terapia cognitivo-comportamental.

Referências

  • Baumeister, Roy F. (2001). “Violent Pride”, Scientific American, 284, No. 4, pp. 96–101.
  • Baumeister, Roy F., Campbell, Jennifer D., Krueger, Joachim I. & Vohs, Kathleen D. (2003). “Does High Self-Esteem Cause Better Performance, Interpersonal Success, Happiness, or Healthier Lifestyles?”. Psychological Science in the Public Interest, 4 (1), pp. 1–44.
  • Baumeister, Roy F., Campbell, Jennifer D., Krueger, Joachim I. & Vohs, Kathleen D. (2005). “Exploding the Self-Esteem Myth”. Scientific American.
  • Lerner, Barbara (1985) “Self-Esteem and Excellence: The Choice and the Paradox”. American Educator.
  • Mecca, Andrew M., Smelser, Neil J. & Vasconcellos, John (Eds.) (1989). The Social Importance of Self-esteem. University of California Press.
  • Peixe, Ricardo (2009) “Confiança GT 2.0: Poder Natural em 15 Dias”.
  • Potreck-Rose, Friederike & Jacob, Gitta (2006). Selbstzuwendung, Selbstvertrauen, Selbstakzeptanz – Psychoterapeutische Interventionen zum Aufbau von Selbstwertgefühl. Stuttgart: Clett-Kota. ISBN 3-608-89016-5
  • Ruggiero, Vincent R. (2000). “Bad Attitude: Confronting the Views That Hinder Student’s Learning”. American Educator.
  • Sedikides, C., & Gregg. A. P. (2003). “Portraits of the self.” Em M. A. Hogg & J. Cooper (Eds.), Sage handbook of social psychology (pp. 110-138). Londres: Sage Publications.

Ver também

Ligações externas