Feliz em si mesmo – Prof Jose Hermógenes


Feliz em si mesmo – Prof Jose Hermógenes
 

Era a morte do “normótico”, palavra que o professor criou para designar a doença de ser normal: viver de forma medíocre, repleta de maus hábitos, procurando a felicidade fora de si e não dentro. Hermógenes diz que, ao trilhar seu caminho, descobriu ainda outra doença, a “egosclerose”, a hipertrofia do ego, a base de todo o estresse do ser humano. “O egoísta ri quando seus apegos e desejos são satisfeitos e, na mesma medida, se deixa abater com o que não gosta. [nota: mundo dual, bem/mal, paz/guerra, alegria/tristeza, felicidade/infelicidade] 
Atrás de tudo há um ego querendo poder, prazer e status. O resultado é uma desgraceira geral. Só podemos vencer essa doença por meio da ‘humildação’. Quando nos humildamos, reduzimos o ego e ficamos mais pertinhos uns dos outros.” 

Com a recuperação, Hermógenes diz que precisava agradecer a Deus, então se comprometeu a escrever um livro que pudesse colocar ao alcance das pessoas aquilo que teria sido, digamos, seu pote de ouro: “Yoga é independência, é sentir-se bem e feliz em si mesmo, quando fazemos o caminho de volta para casa, momento em que nos unimos à nossa esfera mais sagrada”. Mergulhou nos livros de filosofia para, em 1960, publicar o livro Autoperfeição com Hatha Yoga, primeiro manual publicado em língua portuguesa. “Hermógenes foi o mais importante divulgador do yoga no país. Até o ex-cônsul da Índia, Deepak Bhojwani, já falou muitas vezes que o considera a grande autoridade de yoga no Brasil”, diz o professor de yoga Marcos Rojo, coordenador do curso de pós-graduação em yoga do Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas (UniFMU), em São Paulo.

Sabedoria na prática

O livro causou rebuliço e Hermógenes começou a receber cartas de pessoas que insistiam para ele começar a dar aulas. Ele diz que relutou, não queria vender yoga. “Uma amiga me disse que eu não vivia em uma caverna na Índia, logo teria de cobrar pelas aulas para pagar o aluguel e as despesas da escola.” Então, um dia, um amigo fez uma surpresa – o levou para conhecer um espaço no centro do Rio de Janeiro e comprometeu-se a pagar a mensalidade se o professor não conseguisse alunos (o que nunca foi preciso). Surgiu aí a academia, fundada em 1962, que permanece até hoje no mesmo endereço, sem ter filiais ou propaganda. 

Nessa época, Hermógenes conheceu Maria, que viria a ser sua companheira. Ao seu lado, viajou muitas vezes para a Índia e teve a oportunidade de conhecer o mestre indiano Sai Baba (ainda vivo) – e, posteriormente, traduzir três de seus livros e fundar o primeiro centro dedicado ao mestre no Brasil. Em 1993, numa de suas viagens para a Índia, Maria foi atropelada por um caminhão e, após o acidente, ficou com seqüelas neurológicas sérias, teve mal de Alzheimer e morreu em 2002. Hermógenes dedicou os livros Iniciação ao Yoga e Superação à Mulher, com os dizeres que sempre usa em momentos difíceis: “Entrego, confio, aceito e agradeço”. E completa: “Maria a mim não pertencia, logo não a perdi. Temos mania de achar que possuímos as coisas e as pessoas. Uma tremenda ilusão. Quando percebemos isso, a vida fica mais leve”.

Rir é o melhor remédio

Sua prática diária inclui meditação, caminhadas, alimentação vegetariana e uma boa dose de bom humor. “Meu avozinho está sempre contando uma piada, fazendo palhaçada e imitando personagens, é uma zoeira só”, diz João Thiago Siqueira Leão, de 25 anos, um dos seis netos homens. Faz tempo que Hermógenes descobriu os benefícios de uma boa risada. “Rir relaxa os músculos e estimula o sistema imunológico do corpo”, diz ele. 

O professor costuma aplicar nas aulas e palestras o que chama de “a grande gargalhada”. Ele sai na frente, a turma o imita e logo a gargalhada gostosa contamina a todos. Essa brincadeira dá espaço a uma alegria infantil e descondicionada – cada um a rir da gargalhada dos outros. “É a chance da criança encolhidinha dentro da blindagem, reprimida há anos pelo formalismo imposto pela vida adulta, se soltar feliz.” Assim, a turma dá adeus às aflições, zangas e tristezas e deixa o bom humor tomar espaço.

Caminho de volta

No pequenino apartamento alugado em Botafogo, de onde dá para observar o pôr-do-sol no Pão-de-Açúcar, Hermógenes encontra tranqüilidade para escrever mais dois livros. Enquanto ele me lia alguns de seus novos “poemas do coração”, perguntei como fazer para encontrar um bom professor de yoga, já que existem tantas escolas e linhas. “Jesus foi um grande yogue. Ele dizia: ‘Reconhecerei as árvores pelos seus frutos’. Todos nós colhemos os frutos de nossas escolhas e ações, que podem ser bons ou bem azedinhos. Observar as atitudes do profesor pode ajudar bastante. Se ele põe em prática o que fala, já é um bom começo.” 

Muitos de seus frutos o professor guarda carinhosamente nas gavetas. São as cartas que recebeu – e continua recebendo – de pessoas que leram seus livros e foram tocadas profundamente. O professor mostra-me a mais recente, de um presidiário da cadeia pública de Natal. “Durante minha vida, era apenas um materialista, sempre com um grande vazio no coração. Era um empresário da construção civil e, pela ambição, hoje me encontro preso. O que acho da prisão? Horrível. Mas para mim foi uma misericórdia divina. Por quê? Porque, por meio da prisão, a vida me apresentou o yoga, com seu livro. Quero lhe dizer que, mesmo sendo um desconhecido para o senhor, lhe tenho muita gratidão e um enorme amor.” Hermógenes visitou em janeiro o detento e pôde lhe dar um caloroso abraço. Apesar de preso, ele se sentia mais livre. Estava, como o professor, encontrando sua esfera mais sagrada, fazendo o “caminho de volta para casa”.

Para saber mais

¿ Autoperfeição com Hatha Yoga, Hermógenes, Nova Era
¿ Yoga para Nervosos, Hermógenes, Nova Era
¿ Um Mergulho na Paz, Hermógenes, Nova Era 

 www.profhermogenes.com.br

Diga não aos anúncios de bebidas alcoólicas


O país tem inúmeros acidentes de trânsito provocado por bebidas alcoólicas.
Adolescentes começam a beber cada vez mais cedo.
Nas escolas e universidades há trotes onde as pessoas são obrigadas a beber.
Para se enturmar as pessoas bebem. Há assim um culto à bebida. Vale a pena?
Existe moralidade numa sociedade que permite anúncios de bebibas nos meios de comunicação?

Diga não a isto.

Participe do grupo abaixo para formarmos uma corrente contra os anúncios de bebidas nas TVs, revistas, jornais, …

http://br.groups.yahoo.com/group/Diga_Nao_a_Bebida/

Os adolescentes estão cansados de ouvir ou ler esta tarja preta e séria que aparece minúscula nas propagandas de bebidas alcoólicas. Infelizmente, poucos levam a recomendação a sério. Resultado: 78% dos jovens brasileiros bebem regularmente e 19% deles já são dependentes do álcool

As bebidas alcoólicas pertencem ao grupo das drogas lícitas mais consumidas no Brasil. O comportamento festivo do brasileiro sempre foi regado a muito álcool: caipirinha na praia, cerveja no futebol, coquetel na balada. O problema é que os jovens estão começando a beber cada vez mais cedo. Uma pesquisa da Unifesp sobre o consumo de bebidas alcoólicas por estudantes de ensino médio reacendeu a discussão sobre o tema. Que razões levam o jovem ao consumo de álcool? Quais os problemas decorrentes disso? Por que a lei que proíbe a venda de bebidas a menores de idade não é cumprida? Qual a responsabilidade da família, da sociedade e do governo diante desse problema? Reflita sobre essas questões e elabore uma dissertação argumentativa com o tema: Juventude e alcoolismo: um problema social.

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da FAPESP estão realizando na cidade de Paulínia um estudo profundo sobre o uso de álcool entre os adolescentes. A conclusão foi taxativa: “O jovem encontra todas as portas abertas para o álcool”.  

Os dados são estarrecedores:

  • Apenas 0,9% dos estudantes de escolas públicas relataram que enfrentaram dificuldade para comprar bebida alcoólica.
  •  90,4% dos estabelecimentos comerciais, não checam a idade do adolescente antes de vender a bebida.
  • A dose média de pinga ingerida pelos adolescentes foi de 75 ml.
  • Nos fins de semana, do mês de Agosto/2003, 126 pessoas deram entrada no pronto socorro de Paulínia, apos se envolverem em acidentes de transito, brigas ou quedas. Para surpresas dos pesquisadores, 100% das vitimas estavam alcoolizadas. O coordenador Marcos Romano afirmou que “a maioria das pessoas que chegaram alcoolizadas são jovens que trabalham durante o dia e se embriagam a noite”.
  • Quase 30 mil pessoas morrem por ano no transito do Brasil, vítimas de motoristas que estavam alcoolizados. O psiquiatra Ronaldo Laranjeira presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool diz enfaticamente que “quanto mais cedo for o contato da criança com o álcool, mais rapidamente ele tende a se tornar um dependente. Enquanto o adulto demora em média 5 anos para se viciar, a criança e o adolescente só precisam de dois”.
  • Os pesquisadores, em Paulínia/SP, encontraram em apenas uma semana, 9 menores responsáveis por estabelecimentos que vendem bebida alcoólica, substituindo parentes.

No livro “Como Conviver Com a Violência”, que escrevi em parceria com o médico Lair Ribeiro, destinamos um capítulo inteiro para tratar sobre o problema do álcool e a juventude. Algumas dicas são importantes para pais e professores:

1) Preste mais atenção em seu filho, promovendo dialogo franco e aberto. Participando da vida dele, você estará ganhando sua confiança. Ele se sentirá amparado e o verá como amigo.

2) Intensifique o bate-papo, para que seu filho tenha a liberdade de compartilhar problemas com você e não somente com colegas de rua.

3) O diálogo é a arma mais potente que você pode usar para ajudar seu filho. Mas lembre-se, diálogo, não significa sermão.

4) Aplicar uma surra protagonizará um clima de medo e não de confiança.

5) Procure saber quem são os amigos de seu filho.

6) Mantenha conversa constante com os professores de seu filho. Acompanhe o desempenho escolar; faltas sem justificativas e atrasos ao chegar a casa.

7) Mostre a seu filho que você é capaz de resistir a certo estado de desconforto ou distúrbio emocional, sem ser necessário recorrer ao uso de bebida alcoólica.

8) Se os pais estiverem ausentes, o álcool e as drogas, podem estar presentes. A palavra convence, o exemplo arrasta. É por esse motivo que o exemplo deve surgir dentro de casa.

Dr. Jorge Lordello

Descansar o cérebro após aprendizado deixa a memória afiada


Descansar o cérebro após aprendizado deixa a memória afiada
Tranquilidade pode ser mais eficaz do que outras técnicas de memorização

Sabemos o quanto exercícios de raciocínio, leitura e a boa alimentação são benéficos para a memória. Porém, dar uma pausa diante das tarefas que executamos pode ser um ótimo artifício para guardarmos de maneira duradoura as informações acumuladas ao longo do dia.

Um estudo recente da Universidade de Nova York (EUA) mostrou que períodos de total descanso, após o aprendizado, são capazes de afiar a memória. Os cientistas vão contra a ideia de que pensar demais em algo que acabou de ser aprendido é mais eficiente do que descansar para se obter um melhor armazenamento das informações.

Enquanto estudos mais antigos concluíram que tirar uma soneca favorece a memória, esta nova pesquisa comprovou que momentos de relaxamento, mesmo quando estamos acordados, também podem ser bastante eficazes. Isso porque, os períodos de descanso são importantes para as informações serem transferidas entre as regiões do cérebro. 

O estudo foi feito com 19 voluntários que tiveram que observar imagens de objetos e de pessoas, devendo responder qual relação havia entre as figuras.

Então, os participantes recebiam ordens para relaxar durante alguns minutos, enquanto eram medidas as atividades cerebrais relacionadas à transferência de informações entre o hipocampo (responsável pela memória e organização dos episódios vivenciados) e o neo-córtex (que assume as tarefas cognitivas mais complexas).

Durante os testes, foi observado que as duas regiões se mantêm ativas mesmo durante o descanso. 

Mas o que fazer para conseguir que os momentos de relaxamento sejam realmente eficientes? Muitos diriam uma paradinha para o café.

Entretanto, segundo especialistas, este tipo de pausa pode não ser o ideal. A melhor sugestão é parar e não fazer absolutamente nada por alguns minutos, descontraindo e deixando as informações fluírem, sem forçar o raciocínio. 

Grupo de CIPAs do Brasil chega a 1400 associados


O grupo de CIPAs do Brasil, criado no início de 2006, alcança 1400 a associados, superando a meta inicial que era de 1000 inscritos.

Com material de estudos, debates, fórum, enquetes e resposta a dúvidas, o grupo consolida-se como um dos maiores grupos na área, considerando suas especificidades, que são menos que grupos de SMS e segurança do trabalho

Os moderadores agradecem o empenho dos participantes e lamenta a baixa participação de secretarias de SMS de sindicatos.

O de Informes sobre SMS, criado em junho de 2006, conta com 1800 inscritos.

 

Foi pedida a divulgação do grupo no Surgente, coluna das CIPAs e no site do Sindipetro-RJ aos diretores Bucaresky, Antony Devalle e Brayer, mas a proposta foi ignorada na prática. Estarei encaminhando via Fala Petroleiro.

 

 

 

grupo de cipas do brasil

http://br.groups.yahoo.com/group/cipas_br/

http://br.groups.yahoo.com/group/informes_smst/

 

 

 

 

Princípios da Não-Violência Passiva


Princípios para Satyagrahis
fonte: Wiki

Gandhi imaginou satyagraha como não apenas uma tática para ser usado em luta política, mas como um solvente universal de injustiça. Ele considera que é igualmente aplicável em grande escala da luta política e de conflitos interpessoais e que deve ser ensinado a todos. [4]

Ele fundou a Sabarmati Ashram para ensinar satyagraha. Ele pediu aos satyagrahis seguissem os seguintes princípios: [5]

  1. Não violência (Ahimsa)
  2. Verdade – isso inclui honestidade, mas ultrapassa ao dizer que vivem plenamente de acordo com a verdade e com na devoção a ela.
  3. Não-roubar
  4. Castidade (brahmacharya) – isto inclui castidade sexual, mas também ao desapego de outros desejos sensuais por devoção à verdade
  5. Não-posse (não é a mesma coisa que pobreza)
  6. Trabalho Corporal ou trabalhar pelo pão de cada dia
  7. Dieta
  8. Destemor
  9. Igualdade de respeitar todas as religiões
  10. Estratégia Econômica como o boicote (boicote aos produtos ingleses)
  11. Libertar-se do conceito de intocabilidade

Em outra ocasião, ele citou outras sete regras como “essencial para todos os Satyagrahi na Índia”: [6]

  1. Ter uma fé viva em Deus
  2. Acreditar na verdade e na não-violência e que ter fé na bondade intrínseca da natureza humana esperando que ela seja evocada pelo sofrimento de se manter no satyagraha
  3. Deve levar uma vida casta, e estar disposto a morrer ou perder todas as suas posses
  4. Deve vestir um khadi
  5. Deve abster-se do álcool e outros intoxicantes
  6. Deve proceder de acordo com todas as regras de disciplina conhecidas
  7. Deve obedecer a regras da prisão ao menos que sejam especialmente concebidas para quebrar o seu auto-respeito`

[editar] Regras para campanhas usando o Satyagraha

Gandhi propôs uma série de regras para satyagrahis em uma campanha de resistência:

  1. Trabalhar sem ira
  2. Sofrer pela ira do adversário
  3. Nunca retaliar a agressões ou punições, mas não mostrar, ter medo de punição ou assalto, ou a uma ordem dada com fúria
  4. Apresentar voluntariamente à prisão ou ao confisco de seus próprios bens
  5. Se você é um administrador de imóveis, defender que a propriedade de forma (não-violenta) com a sua vida
  6. Não maldiçoar ou praguejar
  7. Não insultar o adversário
  8. Nem saudar, nem insultar a bandeira do seu oponente ou dos líderes do seu adversário.
  9. Se alguém tenta insultar ou agredir o seu adversário, defender o seu adversário (não-violência), com a sua vida
  10. Enquanto prisioneiro, se comportar com cortesia e obedecer os regulamentos da prisão (exceto aqueles que são contrários ao auto-respeito)
  11. Como um prisioneiro, não peça tratamento especial ou mais favorável
  12. Como um prisioneiro, não seja rápido na tentativa de ganhar conveniências cuja privação não implicam qualquer prejuízo para a sua auto-estima
  13. Alegremente obedeça as ordens dos líderes da ação de desobediência civil
  14. Não selecionar ou escolher quais as ordens que deve obedecer, se você achar a ação tenha algo de impróprio ou imoral, corte sua ligação com a ação totalmente.
  15. Não fazer a sua participação condicionada à companheiros que cuidem dos seus dependentes enquanto você estiver participando da campanha ou na prisão, não esperava que eles forneçam esse apoio
  16. Não se tornar sua causa um querelas de coisas banais
  17. Não tomar partido em disputas, mas só auxilie aquele partido que está comprovadamente certo; em caso de conflito inter-religioso, de sua vida para proteger (de forma não-violenta) às pessoas em perigo de ambos os lados
  18. Evitar ações que podem dar origem a conflitos banais
  19. Não tomar parte nas procissões que a firam a sensibilidades religiosas de qualquer comunidade

Retorno da Petrobras sobre inclusao de pais na AMS


Pressionemos pelos 75 x 25 !

E pela inclusao dos pais na AMS!

Em reuniao paritaria (PetrobrasFUP + FNP) a Petrobras retornou

com o seguinte:

 

Inclusão de pai e mãe

A Petrobrás continua negando o pleito e só se dispõe a discuti-lo após o restabelecimento da relação de custeio total da AMS em 70% para a empresa e 30% para os beneficiários (ativa, aposentados, pensionistas e seus dependentes). Segundo a Petrobras, esta relação, no acumulado entre abril de 2008 e março de 2009, está em 76% (empresa) e 24% (beneficiário).

Representantes dos empregados ressaltaram que o GT previsto no Acordo Coletivo para tratar desta questão só deverá iniciar seus trabalhos após a implantação do Comitê Gestor da AMS e a conclusão do recadastramento de todos os beneficiários (cerca de 260 mil pessoas).

Aguardemos e cobremos durante e depois de destes trabalhos.

Nossa Proposta (moderadores do grupo): Mudanca da relacao 70-30 para 75-25 no aporte para a AMS.

Participe do grupo sobre os Acordos Coletivos do Sistema Petrobras (Petrobras, Transpetro, TBG, BR, …):

http://br.groups.yahoo.com/group/Acordo_Coletivo_Petrobras 

base de dados:

http://br.groups.yahoo.com/group/Acts_br

PLR

PLR 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Convide a CIPA da sua Universidade, Condominio ou Empresa para o grupo


A CIPA, Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, é uma comissão biparitária (metade empresa, metade empregado) que trata de saúde e prevenção de acidentes, em situações dentro do prédio ou unidade onde a CIPA atua.
Tendo representantes eleitos dos trabalhadores, é uma OLT (organização por local de trabalho). Assim é importante a colaboraçao com a mesma, bem como participar da mesma como cipista, colaborador e votando em suas eleições.
Assim convide a CIPA de seu condomínio, escola, empresa, hospital ou universidade para o grupo abaixo: 
http://br.groups.yahoo.com/group/Cipas_br/