TEORIA DO CAOS


Conceito que estuda os acontecimentos imprevisíveis

 

teoria do caos é uma doutrina que estuda os acontecimentos caóticos e imprevisíveis classificados como estocásticos, ou seja, são situações que por quaisquer mudanças em suas condições iniciais podem apresentar resultados completamente diferentes no futuro.
Os fenômenos caóticos são aqueles considerados não previsíveis, como a vida de uma pessoa, a cotação da bolsa de valores, a previsão do tempo, entre outros acontecimentos que movimentam o universo.
Na linguagem matemática, essas condições representam os efeitos não lineares de uma equação, isto é, nem sempre que as equações iniciais forem semelhantes os resultados alcançados serão iguais.
Os efeitos lineares, por outro lado, representam os comportamentos analisados de forma previsível. Isso porque quando uma equação linear é formada por duas equações semelhantes o resultado alcançado é praticamente igual.
Dessa forma, o estudo dos efeitos lineares está presente no acontecimento de situações previsíveis, como o movimento de rotação exercido pelos planetas, o lançamento de foguetes e até mesmo as curvas de uma pista de Fórmula 1.

Origem da Teoria do Caos

A teoria do caos foi desenvolvida, em 1960, pelo físico americano Edward Lorenz (1917-2008) no momento em que fazia os experimentos para descobrir os movimentos realizados pelas massas de ar.
No meio do processo, o físico percebeu que ao teclar um dos números que alimentava os cálculos da máquina com duas casas decimais a menos a alteração, que parecia ser insignificante, transformou completamente o padrão das massas de ar.
Esse fato deixou Lorenz surpreso, pois percebeu que uma pequena mudança nas condições iniciais do seu experimento podiam gerar grandes consequências no resultado final.
Para se referir a esse momento, o físico usou a seguinte frase: “o bater de asas de uma borboleta em Tóquio pode provocar um furacão em Nova Iorque”, nomeando-a como efeito borboleta.
Edward Lorenz, criador da Teoria do caos. (Foto: Flickr)

Esse efeito foi a base para a criação da teoria do caos. Atualmente, a tese é usada para explicar os acontecimentos imprevisíveis que regem o universo, bem como para fazer um reflexão acerca dos aspectos que circundam esses acontecimentos, já que existem situações em que não se pode ter o controle de tudo.

A vida é um claro exemplo disso. Embora as pessoas passem anos planejando a própria vida no que diz respeito a relacionamentos, carreira profissional, família, moradia, etc., as coisas sempre podem mudar, pois nunca será possível ter certeza do que nos espera mais à frente. Pode parecer clichê, mas um pequeno atraso, provocado por um engarrafamento, pode mudar todos os planos de uma pessoa.
Para ilustrar melhor, imagine a seguinte situação: uma garota se preparou para o Enem durante dois anos e no dia da prova o trajeto planejado por ela, com uma semana de antecedência, ficou completamente engarrafado por conta de um acidente grave, onde os carros ocuparam duas faixas da pista.
Imagine também que a garota tivesse saído de casa mais cedo e escolhido esse trajeto por ele ser mais curto, ainda assim, ela não teria como prever esse acidente e que demoraria tanto tempo para desobstruir as vias. Logo, é nesse momento que a teoria do caos se encaixa.
Por outro lado, outras oportunidades podem surgir na vida estudantil dessa garota. Ela não conseguiu chegar à tempo para fazer a prova do Enem, mas realizou o vestibular em uma instituição federal bastante conceituada, e passou. Por conta disso, ela fez novas amizades, conheceu lugares novos e teve diferentes oportunidades.
Antigas descobertas
 
Antes mesmo da teoria do caos ser desenvolvida por Lorenz, outros estudiosos já identificavam em seus experimentos os efeitos dos movimentos não lineares. Na metade do século XVII, Isaac Newton percebeu que o movimento dos astros não se encaixava com o modelo harmônico da mecânica clássica.
Newton concluiu que mesmo quando dois corpos alinhavam-se pela mesma força gravitacional o resultado entre eles era imprevisível. Foi assim que o físico deu início ao campo de estudo do sistema gravitacional com equações não lineares.

Características

Como foi possível perceber, a teoria do caos parte do princípio do acaso que, na matemática, é um fenômeno passível de ser interpretado por equações, já que elas estão presentes em acontecimentos caóticos e divergentes entre si, além de apresentarem um certo grau de precisão.
Nas equações não lineares, por sua vez, cuja resposta de um movimento nem sempre corresponde a intensidade proporcional provocada no início, as taxas de variabilidade costumam ser maiores. Nesses casos, as equações são materializadas através de gráficos tridimensionais.
Os fractais usados para a representação gráfica possuem o formato das asas de uma borboleta, em razão do efeito que deu origem a teoria. Ele é usado para expressar situações caóticas e não-harmônicas entre si. Porém, quando um movimento se torna previsível e move-se harmoniosamente é representado por um gráfico no formato de espiral.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s