Mercado de SWAP (troca de indexadores)


Podemos traduzir ‘swap’ como troca. Isso ajuda muito a entender o conceito.

O Mercado de SWAP consiste em operações que envolvem a troca de indexadores.

O Hedger (que busca a proteção) possui um ativo financeiro e gostaria de proteger esse
ativo de eventuais mudanças no preço que iriam contra seu objetivo.
Essa troca de indexadores pode ser feita através de indexadores de taxa juros, moedas
ou índice de preços.

Hedge (cobertura) é uma estratégia de proteção para os riscos de um investimento, que neutraliza a posição comprada ou vendida para que seu preço não varie. Ao fazer uma operação de hedging, o investidor tem como objetivo eliminar a possibilidade de perdas futuras.

Em finanças, chama-se cobertura (hedge, em inglês) ao instrumento que visa proteger operações financeiras contra o risco de grandes variações de preço de um determinado ativo.[1]

Hedge é uma operação que reduz ou elimina o risco com a variação de preços indesejados. Pensando de maneira diversa, o hedge serve para fixar o preço de um ativo, passivo, taxa de câmbio, taxa de juros, insumo/commodity ou uma dívida em um determinado período

Exemplo: imagine que seu cliente tenha um CDB pré-emitido pelo seu banco. Esse
cliente, por manter relações comerciais em dólar, precisa se proteger da variação cambial.
Como alternativa, esse cliente contrata um SWAP, trocando assim a remuneração pré-fixada pela variação do dólar.
Perceba nesse exemplo que o seu cliente possui um ativo (CDB-pré) com rentabilidade
pré-fixada, mas passa a receber como rentabilidade a variação cambial.
Nesse caso, seu banco vai usar como valor base da operação o valor total do CDB, deixando
o seu cliente passivo na taxa pré-fixada e ativo na variação cambial. Em outras
palavras, o investidor deixa de receber (passivo) a taxa pré-fixado e passa a receber (ativo)
a variação cambial do período.
O swap é um contrato de derivativos que precisa ser registrado na clearing da B3 e sempre terá como contraparte uma instituição financeira. Ou seja, não dá pra negociar
um swap com outro investidor.

Algumas características desse mercado (SWAP):
⯀ Valor base: é o valor do contrato de swap que pode ser o valor de um ativo ou um
valor acordado entre as partes;
⯀ Ponta passiva: é o indexador que o investidor deixa de receber após a contratação do
swap;
⯀ Ponta ativa: é o indexador que o investidor recebe após a contratação do swap;
⯀ Ajuste positivo: é o valor que o investidor recebe em conta se sua ponta ativa render
mais do que a ponta passiva;
⯀ Ajuste negativo: é o valor que o investidor paga para a contraparte se sua ponta
passiva render mais do que a ponta ativa;
⯀ Tributação: o IR no mercado de swap é retido na fonte pela contraparte e será
pago de acordo com a tabela regressiva de IR, tendo como base de cálculo o valor
do ajuste positivo (se houver);
⯀ Compensação de perdas: caso o investidor tenha prejuízo, este não poderá ser
compensado no futuro;
⯀ Swap de fluxo de caixa: modalidade de swap que os ajustes são feitos periodicamente

⯀ Swap com pagamento final: também chamado no mercado de swap bullet, essa
modalidade faz o acerto dos ajustes somente no vencimento do swap;
⯀ Risco de Crédito: risco de que uma das contrapartes não honre com os pagamentos
nas datas acordadas. Os bancos estabelecem limites pré-definidos por contraparte de
acordo com as características do contrato e da própria contraparte. Algumas vezes,
são solicitadas margens antecipadas ou eventuais (por exemplo, se durante a vida do
contrato a “exposição” ultrapassar um limite previamente estabelecido);
⯀ Risco de Mercado: ao longo da vida do “contrato”, os preços dos ativos e/ou passivos
subjacentes flutuam de forma que os “payoffs” de cada uma das partes envolvidas é
incerto. (para um swap dólar X real, por exemplo, os riscos básicos de mercado são:
dólar, Taxa Prefixada e Cupom Cambial).
Agora que já vimos as características desse tipo de contrato, vamos ver um exemplo prático
de como pode (e deve) ser utilizado um swap.
Exemplo:

Imagine que a T2 Educação tenha R$ 1.000.000,00 aplicados num CDB que rende 100% do
DI. Primeiramente, isso seria uma boa ideia, partindo do princípio que tenho parte dessa
empresa. Mas agora pense que a taxa de juros esteja com forte tendência de queda e, por
isso, o rendimento desse CDB vai acompanhar essa queda.
Cenário de Baixa Cenário de Alta
5% 10%
Valor Base R$ 1.000.000,00 R$ 1.000.000,00
Rendimento Ponta Ativa 7% R$ 70.000,00 R$ 70.000,00
Rendimento Ponta Passiva (DI) R$ 50.000,00 R$ 100.000,00
Auste das Pontas R$ 20.000,00 R$ (30.000,00)
Saldo Total da Operação R$ 1.070.000,00 R$ 1.070.000,00
Para proteger essa posição, a diretora financeira aqui escola vai até o banco e faz um swap
de DI x Pré a uma taxa de 7% a.a., pelo período de 360 dias.
Vamos prever, na imagem abaixo, 2 cenários possíveis para a taxa de juros

Talvez você tenha notado que, independente dos cenários, o resultado final da operação
foi o mesmo. Se a taxa de juros de mercado cai para 5%, o ajuste positivo do swap leva o
resultado final para os 7% contratado no swap. Se a taxa de juros de mercado sobe para
10%, o ajuste negativo leva o rendimento para os 7% contratado.
Em resumo: independente de quanto feche a taxa de juros de mercado, a escola vai
receber os 7% contratados.
Uma observação a esse exemplo é que aqui temos o resultado bruto. Agora vamos evoluir
essa aplicação colocando o IR no cálculo.
Cenário de Baixa Cenário de Alta
5% 10%
Valor Base R$ 1.000.000,00 R$ 1.000.000,00
Rendimento Ponta Ativa 7% R$ 70.000,00 R$ 70.000,00
Rendimento Ponta Passiva (DI) R$ 50.000,00 R$ 100.000,00
Auste das Pontas R$ 20.000,00 R$ (30.000,00)
Saldo Total da Operação Bruto R$ 1.070.000,00 R$ 1.070.000,00
IR Sobre o Ajuste R$ 4.000,00 –
Saldo Liquido da Operação R$ 1.006.000,00 –
Na figura acima, eu trouxe o IR de 20% cobrado sobre o ajuste positivo, porque, no exemplo,
o prazo do swap era de 360 dias. Se você reparou bem, na coluna com cenário de alta
eu não coloquei nada. A razão é simples: o swap, nesse caso, não será tributado, mas o
rendimento da ponta passiva sim. E como eu não sei exatamente a quanto temos o CDB,
não tem como saber qual o IR devido.
Ponto importante: o ativo subjacente terá seu IR conforme o prazo do ativo e o swap terá
seu IR conforme o prazo do swap, que não necessariamente será igual.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s