SIMULADO ANBIMA


1. Para definir a SITUAÇÃO FINANCEIRA do investidor, como parte do processo
de verificar a Adequação do Perfil do Investidor (API), estabelecido no Código
de Varejo da ANBIMA, a instituição deverá obter informações do cliente sobre:
III. os tipos de produtos, serviços e operações com os quais o investidor tem familiaridade;
IV. o valor e os ativos que compõem o seu patrimônio
V. a necessidade futura de recursos declarada.
Está correto o que se afirma em:
A. I e II, apenas;
B. I e III, apenas;
C. II e III, apenas;
D. I, II e III.
2. O cadastro dos dados dos clientes das instituições financeira:
E. deve reunir o maior número de informações, independentemente da atualização
desse cadastro, para a prevenção de lavagem de dinheiro;
F. deve estar completo e atualizado para auxiliar na verificação da capacidade financeira
desses clientes com o objetivo de prevenir o crime de lavagem de dinheiro;
G. pode ser atualizado pelos canais de atendimento telefônico, sem a necessidade
da comprovação desses dados;
H. pode ser atualizado, a qualquer momento, a critério dessas instituições.
3. O princípio conheça seu cliente (KYC) tem como objetivo:
A. manter os investidores atualizados sobre as características dos produtos bancários;
B. reunir o maior número de informações para identificar possíveis clientes inadimplentes;
C. alertar aos clientes situações em que possam vir a adquirir produtos inadequados
ao perfil de risco;
D. realizar o monitoramento contínuo das transações efetuadas pelos clientes para
identificar aquelas que são consideradas suspeitas de acordo com o patrimônio
e/ou a renda do investidor.

4. Quanto ao registro das operações dos clientes, as instituições financeiras são
obrigadas a mantê-lo:
A. integralmente, sem identificar esses clientes, pelo prazo mínimo de cinco anos;
B. integralmente, sem identificar esses clientes, pelo prazo mínimo de dez anos;
C. integralmente, identificando esses clientes, pelo prazo mínimo de cinco anos;
D. integralmente, identificando esses clientes, pelo prazo mínimo de dez anos.
5. De acordo com as normas do BACEN e da CVM, considera-se um indício de crime
de lavagem de dinheiro a realização de transações:
A. que tenham como uma das partes empresas de consultoria e/ou administradoras de bens;
B. de valores superiores a R$ 10 milhões;
C. nas quais não é possível identificar o beneficiário final;
D. entre empresas de um mesmo grupo empresarial.
6. As instituições financeiras têm a obrigação de comunicar a ocorrência de
determinadas operações suspeitas de lavagem de dinheiro:
A. ao Ministério Público Federal;
B. à Polícia Federal;
C. ao COAF;
D. à Receita Federal.

7. Pelas normas do BACEN, a partir de 2018 as instituições financeiras devem
comunicar ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) as operações
ou propostas de operações de depósito em espécie, saque em espécie ou saque
em espécie por meio de cartão pré-pago, de valor igual ou superior a:
A. R$ 100.000,00;
B. R$ 250.000,00;
C. R$ 500.000,00;
D. R$ 50.000,00.

8. Quanto ao descumprimento das obrigações das medidas de prevenção à lavagem
de dinheiro, os agentes sujeitos às penalidades administrativas são o diretor
responsável pela implementação e pelo cumprimento dessas medidas:
A. a instituição financeira, apenas;
B. os demais administradores da instituição financeira, apenas;
C. a instituição financeira, e os demais administradores da instituição financeira;
D. o funcionário da instituição responsável pela conta, apenas.
9. Ao praticar a lavagem de dinheiro, um indivíduo estará criminalmente sujeito:
A. à pena de inabilitação para o exercício do cargo de administrador das pessoas jurídicas;
B. às penas de reclusão e multa;
C. à pena de cassação ou suspensão da autorização para o exercício de atividade,
operação ou funcionamento;
D. à pena de reclusão, apenas.

10. Um cliente procurou determinada instituição financeira para obter empréstimo
pessoal. O funcionário informou ao cliente que:
VI. poderá reduzir a taxa de juros no empréstimo, se esse cliente contratar um seguro
de proteção ao crédito que lhe foi oferecido por valor abaixo do habitual;
VII. poderá lhe conceder o empréstimo, desde que o cliente contrate um seguro de
proteção ao crédito.
Nesse caso, I e II representam, respectivamente, as práticas:
A. de venda casada e de venda casada;
B. promocional e de venda casada;
C. promocional e promocional;
D. de venda casada e promocional.
11. As regras de suitability determinadas pela CVM são aplicáveis às recomendações
de produtos ou serviços que sejam realizadas por meio de:
A. contato pessoal, apenas;
B. contato pessoal ou telefônico, apenas;
C. contato pessoal ou comunicação escrita;
D. contato pessoal ou quaisquer meios de comunicação.

12. Para a compatibilidade da situação financeira do cliente pessoa física e da oferta
de um produto de investimento, no processo de API, um profissional deverá
verificar:
A. a profissão exercida pelo cliente;
B. a finalidade do investimento;
C. o valor e os ativos que compõem o patrimônio do cliente;
D. a formação acadêmica e experiência profissional do cliente.
13. 13. Um gerente de uma instituição financeira NÃO poderá recomendar produtos
ou serviços quando o cliente:
A. apresentar perfil classificado como conservador.
B. apresentar perfil com informações desatualizadas.
C. ter idade igual ou inferior a 21 anos.
D. ter um horizonte de investimento de curto prazo.

14. Em procedimentos e controles internos obrigatórios, determinados pelas regras
de suitability, a instituição financeira é responsável por:
A. elaborar relatórios periódicos da verificação da Adequação do Perfil do Investidor
(API), submetendo-os ao Banco Central;
B. contar com uma área jurídica responsável pelo cumprimento das normas;
C. ter um diretor estatutário responsável pelo cumprimento das normas;
D. elaborar relatórios periódicos da verificação da Adequação do Perfil do Investidor
(API), submetendo-os à auditoria externa.
15. Um gerente de uma instituição financeira está dispensado do dever de verificar
a adequação de produtos, serviços e operações ao perfil quando o cliente for:
A. pessoa natural com investimento financeiro superior a R$ 300.000,00 e atestar,
por escrito, sua condição de investidor qualificado;
B. pessoa natural com investimento financeiro superior a R$ 10.000.000,00 e atestar,
por escrito, sua condição de investidor profissional;
C. diretor de instituição financeira;
D. graduado em Direito, Economia e/ou Administração.

16. Conforme as regras da CVM, na Análise do Perfil do Investidor, é permitido que
um cliente realize uma primeira operação cuja recomendação lhe seja vedada,
em função da ausência de preenchimento do API, desde que obtenha:
A. autorização expressa do diretor da instituição responsável pela observância
das regras de suitability;
B. autorização expressa da auditoria externa contratada pela instituição responsável
pela observância das regras de suitability;
C. declaração expressa do cliente e do cônjuge (quando casado) de que estão cientes
da ausência de seu perfil;
D. declaração expressa do cliente de que está ciente da ausência de seu perfil.
17. Um investidor decidiu vender todas ações da empresa BRF pois viu ontem no
Jornal que a empresa está sendo alvo de investigação pela operação “Carne
Fraca” da Polícia Federal. Com base nas finanças comportamentais, podemos
concluir que o investidor agiu influenciado pela:
A. aversão à perda;
B. heurística da disponibilidade;
C. heurística da ancoragem;
D. heurística da representatividade.

18. Um investidor comprou ações da empresa Petrobras em 1998 pagando por
cada uma R$ 60,00. Hoje, 20 anos depois, a ação está cotada a R$ 18,00. Esse
investidor decide manter suas ações na carteira na esperança de que o preço
suba novamente. Esse investidor está agindo influenciado pela:
A. aversão à perda;
B. heurística da disponibilidade;
C. heurística da ancoragem;
D. heurística da representatividade.

GABARITO
1. C. Justificativa: Para verificar a SITUAÇÃO FINANCEIRA do investidor, a instituição
financeira deve analisar, no mínimo, o valor das receitas regulares declaradas pelo
cliente; o valor e os ativos que compõem o patrimônio do cliente; e a necessidade
futura de recursos declarada pelo cliente;
2. B. Justificativa: Um cadastro completo e atualizado auxilia na verificação da capacidade
financeira do cliente, o que permite mais facilmente a identificação de operações
suspeitas.
3. D. Justificativa: O princípio “conheça seu cliente” ao almejar reunir as mais diversas
informações sobre os clientes das instituições financeiras, possibilita a realização
de uma análise mais precisa sobre regularidade ou irregularidade das operações
realizadas pelos clientes, permitindo identificar aquelas consideradas suspeitas de
acordo com o patrimônio e/ou a renda do investidor, análise essa que funciona como
proteção da instituição financeira e de seus profissionais.
4. C. Justificativa: A obrigação de manter os registros de todas as transações, com a
devida identificação dos clientes, tem prazo determinado de 5 anos.
5. C. Justificativa: As transações nas quais não é possível identificar o beneficiário final
configuram indícios de lavagem de dinheiro, conforme os normativos da CVM (art.
6º, Instrução CVM 301) e do BACEN (art. 10, Circular BACEN 3.461).
6. C. Justificativa: De acordo com a Instrução CVM 301, art. 7o, e a Circular BACEN 3.839,
as instituições financeiras têm a obrigação de comunicar a ocorrência de determinadas
operações suspeitas ao Coaf.
7. D. Justificativa: R$ 50.000,00 corresponde ao montante igual ou acima do qual, de
acordo com a Circular BACEN 3.839, as instituições financeiras devem comunicar ao
Coaf as operações ou propostas de operações de depósito em espécie, saque em
espécie, ou saque em espécie por meio de cartão pré-pago

8. C. Justificativa: A alternativa apresenta todos os sujeitos que estão suscetíveis a
penalidades administrativas nos termos da Lei 9.613/98, do art. 10 da Instrução CVM
301 e do art. 18 da Circular BACEN 3.461.
9. B. Justificativa: O art. 1o da Lei 9.613/98 prevê pena de reclusão e multa para a prática
do crime de lavagem de dinheiro e é aplicável tanto a quem cometer o crime quanto
a quem ajudar no processo de lavagem de dinheiro.
10. B. Justificativa: A alternativa enquadra corretamente cada uma das situações como
prática promocional e de venda casada, respectivamente.
11. D. Justificativa: De acordo com a Instrução CVM 539, art. 1o, § 1o, as regras de suitability
incidem sobre as recomendações realizadas pela forma de contato pessoal ou com
o uso de qualquer meio de comunicação, seja sob forma oral, escrita, eletrônica ou
pela rede mundial de computadores.
12. C. Justificativa: A Instrução CVM 539, art. 2o, § 2o, determina que, para a verificação da
compatibilidade da situação financeira do cliente com o produto, serviço ou operação,
seja analisado, no mínimo, (i) o valor das receitas regulares declaradas pelo cliente; (ii)
o valor e os ativos que compõem o patrimônio do cliente; e (iii) a necessidade futura
de recursos declarada pelo cliente.
13. B. Justificativa: A falta de atualização das informações do perfil do cliente é uma
das hipóteses estabelecidas pela CVM de vedação à recomendação de produtos ou
serviços aos clientes pelos integrantes do sistema de distribuição e pelos consultores
de valores mobiliários.
14. C. Justificativa: A CVM determina, como procedimento obrigatório, para as pessoas
habilitadas a atuar como integrantes do sistema de distribuição e para os consultores
de valores mobiliários que se organizem sob a forma de pessoa jurídica, a indicação
de um diretor estatutário responsável pelo cumprimento das normas estabelecidas
pela Instrução CVM 539.

15. B. Justificativa: Quando o cliente pessoa natural possuir investimentos financeiros
em valor superior a R$ 10.000.000,00, o profissional está dispensado do dever de
verificação da adequação dos produtos, serviços e operações ao perfil do cliente.
16. D. Justificativa: A CVM determina a necessidade de obtenção de declaração expressa
do cliente de que está ciente da ausência, desatualização ou inadequação de seu
perfil, para a realização da operação.
17. B. Justificativa: O investidor assumir que a informação publicada no jornal é toda
informação “disponível” para embasar sua decisão. Analisando somente a questão
percebemos que o cliente não buscou mais informações a respeito da empresa, da
investigação, tampouco se essa decisão estaria de acordo com seu planejamento
financeiro pessoal.
18. A. Justificativa: O investidor que é movido pela aversão à perda, normalmente mantém
em sua carteira posições perdedoras e se desfaz de posições ganhadoras. No caso do
investidor que comprou ações da Petrobras a R$ 60,00 vemos que a cotação da ação
perdeu, em termos nominais, muito valor. Ainda que essa ação se recupere e chegue
novamente a R$ 60,00 isso ainda representa um prejuízo ao investidor devido a inflação
do período.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s