Fissura anal: sintomas, causas, tratamento caseiro e clínico


ATUALIZADO EM 22 DE OUTUBRO DE 2019

Revisado por: Ronaldo Salles

COLOPROCTOLOGISTA | CRM 52 20762-3/RJ

Bastante comum em adultos, a fissura anal é uma condição muito desconfortável e tem como características dores intensas e sangramentos. As fissuras podem estar associadas a diversos fatores, como alimentação, volume das vezes, umidificação fecal, além de evacuações muito frequentes.

O que é?

 

como ocorre a fissura anal

Artemida-psy/Shutterstock

Caracterizado pelo rompimento do revestimento, um corte ou mesmo uma laceração no ânus, a fissura anal é uma condição que acomete ambos os sexos de forma equilibrada, além de ser possivelmente apresentada em qualquer faixa etária.

Por ter sintomas muito próximos aos da hemorroida, como dor e sangramento, a fissura anal precisa ser observada por um especialista para que seja possível realizar um diagnóstico preciso.

Tipos

As fissuras anais podem aparecer de duas formas diferentes: aguda e crônica. As diferenças entre os tipos são relativas à frequência, aos sintomas e a alguns fatores que envolvem o funcionamento do intestino da pessoa acometida.

Aguda

Apesar de ser mais fácil de tratar e curar, a fissura anal aguda é muito dolorida e dificulta a defecação. Muitas vezes seguida de sangramento e com dores intensas, requer cuidados caseiros e cotidianos, tendendo a ser curada em, no máximo, oito semanas. Na maioria dos casos, não requer uma intervenção cirúrgica.

Crônica

No caso da crônica, o problema é um pouco mais delicado. A constância do quadro faz com que a fissura se torne uma úlcera, levando a uma ferida mais profunda e desencadeando endurecimento e excesso de pele na região anal.

Neste caso, tende a demorar mais para cicatrizar e tem um tempo maior de evolução. As dores podem não ser tão intensas quanto àquelas experimentadas por quem tem a fissura aguda, mas normalmente uma intervenção cirúrgica se faz necessária para poder controlar o quadro.

Causas

Visto que as fissuras anais são sofridas na região do ânus por movimentos intestinais, podem acontecer por diferentes motivos:

  • Fezes endurecidas
  • Fezes volumosas
  • Quadros constantes de diarreia
  • Prisão de ventre
  • Inflamação no reto
  • Esforço durante o parto
  • Sexo anal
  • Pós-operatório na região do ânus
  • Retocolite ulcerativa
  • Doenças sexualmente transmissíveis
  • Câncer de canal anal

Fatores de risco

Alguns grupos são mais propensos a desenvolverem essas fissuras, dentre eles podemos listar:

  • Bebês recém-nascidos (até 1 ano)
  • Pessoas que sofrem de constipação
  • Mulheres no pós-parto
  • Indivíduos que apresentam doença de Crohn
  • Idosos
  • Pessoas com uma alimentação pobre em fibras

Sintomas de fissura anal

O principal sintoma associado às fissuras anais é a forte e constante dor, especialmente, na hora de evacuar. Além disso, o sangramento é bastante comum, além de:

  • Coceira na região do ânus
  • Inchaço
  • Ardência
  • Pequeno machucado na região
  • Excesso de pele
  • Irritação

Diagnóstico

Apesar de muitas vezes as pessoas conseguirem realizar um autodiagnóstico para a identificação desta condição, é sempre ideal que se procure um médico especialista da área para confirmar o quadro e descartar a possibilidade de problemas mais graves, como câncer.

O médico identifica o quadro por meio do exame físico e anamnese. Ainda assim, podem ser necessários exames como colonoscopia, eletromanometria anorretal, sigmoidoscopia e o exame gastrointestinal superior.

Qual profissional devo procurar?

No caso do aparecimento dos sintomas, é importante que buscar um proctologista ou coloproctologista, especialidade médica que estuda doenças do intestino grosso, reto e ânus.

Complicações

Apesar de as fissuras anais não terem relação direta com o câncer colorretal, é importante ficar atento e realizar acompanhamento, uma vez que alguns sintomas da doença podem ser semelhantes aos de tumores e de outras doenças mais graves.

Além disso, as complicações que podem aparecer referentes às fissuras são:

  • Falha na cicatrização (que pode levar à necessidade de cirurgia);
  • Repetição do caso, levando a forma crônica condição;
  • Expansão do sintoma para outros locais, como o desencadeamento de um quadro sistêmico da apresentação de fissuras.

Tem cura?

A fissura anal costuma se curar de forma natural após um período de dor intensa, porém o tratamento adequado evita recidivas e incômodos. Por outro lado, em alguns casos a intervenção cirúrgica se faz necessária para poder curar casos mais graves e recorrentes.

Tratamento de fissura anal

O tratamento de fissura anal normalmente diminui os sintomas e melhora a qualidade de vida do paciente.

Os cuidados geralmente incluem remédios para dor, laxantes, mudança na alimentação, hidratação constante, substituição do papel higiênico pela ducha higiênica e banhos de assento em água morna.

Medicamentos

Alguns medicamentos são recomendados para melhorar o quadro de dor e desconforto, como anti-inflamatórios, relaxantes musculares, nitroglicerina para diminuir a pressão e também relaxar o músculo anal, e até mesmo o uso de esteroides para reduzir a inflamação.

Ainda podem ser indicados laxantes para promover o amolecimento das fezes e tratar constipação aguda.

Cirurgia

 

cirurgia fissura anal

Blamb/Shutterstock

A cirurgia anal costuma ser utilizada como última saída, especialmente em casos crônicos e quando não há melhora com outros tratamentos.

Considerando que este é o método mais eficaz de tratamento, é importante frisar que alguns efeitos colaterais podem ser experimentados como incontinência intestinal, falta de controle do esfíncter e dificuldade de controlar os gases, por isso vale tentar o tratamento clínico primeiro.

Mudança na alimentação

Manter uma alimentação balanceada é muito importante para melhorar a qualidade de vida de qualquer pessoa, especialmente quem tem fissura anal.

O consumo de muitos líquidos e fibras, por exemplo, é essencial para facilitar a evacuação, prevenindo o quadro de fissura anal, já que permite que as fezes saiam de forma mais espontânea e regulada, evitando o esforço excessivo e prejudicial à região.

Banho de assento

Com poder cicatrizante e anti-inflamatório, o banho de assento é uma possibilidade muito procurada por pessoas que são acometidas pela fissura anal.

Para realizá-lo, é preciso encontrar um recipiente em que seja possível submergir as nádegas e o quadril, até atingir a região anal, enchê-lo com água morna e sal e permanecer sentado dentro dele por mais ou menos 20 minutos. Ao final, seque a área com uma toalha limpa, sempre de forma delicada para não machucar.

Prevenção

Para prevenir a condição de fissura anal é importante manter uma qualidade de vida saudável. Além de praticar exercícios físicos de forma regular, é essencial manter uma alimentação rica em fibras e água para manter o corpo e o bolo fecal sempre hidratados, o que facilita a evacuação.

Além disso, o estresse dificulta o funcionamento natural do corpo, sendo importante relaxar na hora de realizar a evacuação.

 

Fontes:

Manual Merck para família

Sociedade Brasileira de Coloproctologia. Folheto informativo – Fissura anal. https://www.sbcp.org.br/pdfs/publico/fissuraAnal.pdf

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s