RACIOCÍNIO MORAL (MORAL REASONING) E RACIOCÍNIO JURÍDICO (LEGAL REASONING)


RACIOCÍNIO MORAL (MORAL REASONING) E RACIOCÍNIO JURÍDICO (LEGAL REASONING) NO EXERCÍCIO DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL / MORAL REASONING AND LEGAL REASONING IN THE EXERCISE OF CONSTITUTIONAL JURISDICTION

Rafael de Oliveira Costa, Bruno Starke Buzetti, Lanaira da Silva

 

RESUMO

Resumo: O presente estudo pretende analisar a relação existente entre o raciocínio moral e o raciocínio jurídico nos processos de tomada decisão dos Tribunais Constitucionais, objetivando solucionar o embate entre validade e legitimidade no exercício da jurisdição constitucional. Trata-se de pesquisa que faz uso do raciocínio hipotético-dedutivo, valendo-se de dados de natureza primária (acórdãos e leis) e secundária (entendimentos doutrinários), permitindo concluir ser indispensável a construção de uma teoria não meramente descritiva dos processos de tomada de decisão, mas analítico-hermenêutico-argumentativa, no sentido de ser capaz de fixar parâmetros para o julgador avaliar a correção do raciocínio adotado na solução de casos concretos, substituindo a arbitrariedade pela justificação racional.

 

Abstract: This study examines the relationship between moral reasoning and legal reasoning in decision-making processes of Constitutional Courts. The aim is to establish parameters to understand how they occur, resolving the conflict between validity and legitimacy in the exercise of constitutional jurisdiction. This research makes use of hypothetical-deductive reasoning, drawing on primary (judgments and laws) and secondary data (doctrinal understandings). It concludes that it is essential to build not a merely descriptive theory of decision-making processes, but analytic-hermeneutic-argumentative, to be able to set parameters for the judge to assess the correctness of the reasoning adopted in the solution of a concrete case.

TEXTO COMPLETO:

PDF

REFERÊNCIAS

AARNIO, Aulis. Lo racional como razonable. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1991.

ABBOUD, Georges; CARNIO, Henrique Garbellini; TOMAZ DE OLIVEIRA, Rafael. Introdução à teoria e à filosofia do direito. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013.

ALEXY, Robert. Teoria da Argumentação Jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da justificação jurídica. Trad. Zilda Hutchinson Schild Silva. 2. ed. São Paulo: Landy, 2005.

ANDRADE ARAÚJO, Aloizio Gonzaga de. O Direito e o Estado como Estruturas e Sistemas. 2001. 456f. Tese de Doutorado em Direito Público – Faculdade de Direito, UFMG, Belo Horizonte, 2001.

ATIENZA, Manuel. As razões do direito: teorias da argumentação jurídica (Perelman, Toulmin, MacCormick, Alexy e outros). Tradução de Maria Cristina Guimarães Cupertino. São Paulo: Landy, 2002.

AUSTIN, John. The Province of Jurisprudence Determined. Indianapolis: Cambridge Press, 1954.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição e Política: uma relação difícil”. In: Lua Nova. n. 61. São Paulo: Cedec, 2004.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade n° 3.026.Relator: Ministro Eros Grau. DJ de 29-9-2006.

CARTER, Lief H.; BURKE, Thomas F. Reason in Law. New York: Pearson Education, 2007.

COMPARATO, Fábio Konder. Ética: direito, Moral e religião no mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. Trad. Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FULLER, Lon L. Positivism and the Fidelity to Law: A Reply to Professor Hart. In: Harvard Law Review, Vol. 71, 1958.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método: Fundamentos de uma hermenêutica filosófica. 3 ed. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis, Vozes, 2002.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e pratica. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

HART, H. L. A. The Concept of Law. Oxford: University Press, 1961

HEIDEGGER, Martin. A Caminho da Linguagem. Petrópolis: Vozes, 2003.

KAUFMANN, Arthur. Analogia y naturaleza de la cosa: hacia una teoría de la comprensión jurídica. Tradución del alemán y estudio preliminar de Enrique Barros Bourie. Santiago: Ed. Jurídica de Chile, 1976.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 5ª ed. Trad. João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LACERDA, Bruno Amaro. Raciocínio Jurídico. Belo Horizonte: Mandamentos, 2006.

LUHMANN, Niklas. The self-reproduction of law and its limits. In: Essays on self-reference. New York: Columbia University Press, 1990.

LUHMANN, Niklas. El derecho como sistema social. In: No hay derecho. ano 5, n. 11. Buenos Aires: ago./out. 1994.

LUHMANN, Niklas. Sistemas sociales: lineamientos para una teoría general. 2 ed. Barcelona: Anthropos, 1998.

MACCORMICK, Neil. H. L. A. Hart. Stanford: Stanford University Press, 1981.

MACCORMICK, Neil. Legal reasoning and legal theory. Oxford: Oxford University Press, 1978.

MAUS, Ingeborg. Judiciário como superego da sociedade: o papel da atividade jurisprudencial na “sociedade órfã”. Revista Novos Estudos CEBRAP. São Paulo, n. 58, p. 183-202, nov. 2002.

MOTTA, Francisco José Borges. Levando o Direito a sério: uma crítica hermenêutica ao protagonismo judicial. Coleção Lenio Luiz Streck. Florianópolis: Conceito, 2010.

MÜLLER, Friedrich. Métodos de trabalho do Direito Constitucional. 2.ed. Trad. de Peter Naumann. São Paulo: Max Limonad, 2000.

MÜLLER, Friederich. O Novo Paradigma do Direito. 2ª ed. 2008. Revista dos Tribunais.

RAZ, Joseph. The Authority of Law. Oxford, 1979.

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito. São Paulo: Saraiva, 2001.

SANTOS, Mario Ferreira. Dicionário de filosofia e ciências sociais. São Paulo: Matese, 1963, vol.3.

STEIN, Ernildo. Aproximações sobre hermenêutica. 2.ed. Porto Alegre: Edipurcs, 2004.

STEIN, Ernildo. Uma breve introdução à filosofia. 2ed. Ijuí, Rio Grande do Sul, 2005.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.

WARAT, Luis Alberto. A rua grita Dionísio – Direitos humanos da alteridade, surrealismo e cartografia. Lumen Juris. Rio de Janeiro. 2010.

WINTGENS, Luc J. La législation entre science et politique: Éléments pour une approche légisprudentielle du droit In: Revue interdisciplinaire d’études juridiques. Bruxelas: Facultés Universitaires Saint-Louis, 2000.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s