“Ser feliz sozinho é uma ilusão: estudos comprovam a importância de estar com o outro


Ao contrário do senso comum, pesquisas mostram que a conexão social é o principal caminho para a felicidade

S
C
M
I
N
R
T
F


0

Beta
De acordo com as pesquisas, se quisermos ser felizes, devemos ter como objetivo passar menos tempo sozinhos. Foto: Bigstock
Em um momento particularmente difícil, alguns anos atrás, depois de chegar, sem amigos e solitária do Reino Unido para viver nos Estados Unidos, decidi baixar um “aplicativo de felicidade” no meu celular – mas, por incrível que pareça, foi difícil escolher um. Havia quase mil opções prometendo satisfação eterna na loja virtual: os que ensinam a meditar ou a ser grato, os que enviam montagens de fotos de pôr do sol e cachorrinhos ou de poses para lá de lisonjeiras do parceiro.

ASSINE A GAZETA DO POVO E TENHA ACESSO DIGITAL ILIMITADO AOS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS DE VIVER BEM.
O que eu acabei escolhendo me mandava uma mensagem, mais ou menos de hora em hora, com uma afirmação positiva que eu supostamente deveria repetir para mim mesma, inúmeras vezes, como “Eu sou bonita”, ou “Eu me basto”. O problema era que, toda vez que meu telefone tocava me alertando da chegada da mensagem, eu dava um pulo pavloviano de animação, pensando que uma pessoa de verdade estava tentando entrar em contato comigo. “Eu me basto”, rosnava, amarga, ao perceber a verdade, incapaz de me livrar do sentimento de que, sem amigos, nem comunidade, eu não me bastava.

Depois de ter passado os últimos anos fazendo pesquisa e escrevendo um livro sobre felicidade e ansiedade nos EUA, notei que esse tipo específico de conselho – que coloca a busca pela satisfação como uma missão interna, pessoal, totalmente isolada das outras pessoas – vem se tornando cada vez mais comum.

Algumas variações incluem: “A felicidade é determinada não pelo que acontece à sua volta, mas dentro de você”, “A felicidade não deve depender dos outros”, e “A felicidade é um trabalho interno”, otimista e popular nas redes sociais.

Em uma cultura individualista movida pela autoatualização, a ideia de que a felicidade deve ser trabalhada de dentro para fora, e não ao contrário, aos poucos vai adquirindo o status de clichê. É a felicidade descrita como jornada de autodescoberta, e não consequência natural do engajamento com o mundo; uma felicidade que enfatiza a independência emocional em vez da interdependência, que se baseia na ideia de que a satisfação significativa só pode ser encontrada através da exploração total da individualidade.

A indústria da autoajuda estimula a solidão

A prática espiritual e religiosa está lentamente mudando de iniciativa comunitária para individual, com retiros de meditação silenciosa, aplicativos de atenção plena e aulas de ioga substituindo atividades sociais paroquiais e a adoração coletiva. A indústria da autoajuda – com seu princípio básico de que a busca pela felicidade deve ser uma empreitada individual, voltada para dentro – está bombando, com os norte-americanos gastando mais de US$1 bilhão/ano em livros que os ajude no direcionamento de suas buscas internas. Enquanto isso, o “autocuidado” se tornou a nova saída do armário.

Acontece que, quanto mais ênfase colocam na busca pela felicidade dentro de si, os norte-americanos em geral estão gastando cada vez menos tempo se relacionando com os outros. Quase metade de todas as refeições feitas neste país agora acontecem a sós. Adolescentes e jovens millennials estão passando menos tempo “curtindo” com os amigos do que qualquer outra geração na história recente, substituindo a interação do mundo real pelo smartphone.

E não são só os jovens: a Pesquisa de Uso de Tempo da Agência de Estatísticas de Trabalho mostra que o norte-americano médio hoje gasta menos que quatro minutos por dia “oferecendo e comparecendo a eventos sociais”, categoria que inclui todos os tipos de festas e outras ocasiões sociais organizadas. Isso dá 24 horas por ano, o que mal inclui o jantar do Dia de Ação de Graças e a festa de aniversário dos próprios filhos.

Estar sozinho ou ser sozinho?

Autorreflexão, introspecção e algum grau de solidão são partes importantes de uma vida psicologicamente saudável, mas em algum ponto no meio do caminho parece que perdemos esse equilíbrio – porque longe de confirmar nossa insistência em afirmar que “a felicidade vem de dentro”, um corpo robusto de pesquisas nos diz exatamente o contrário.

Os estudos acadêmicos a respeito da felicidade estão cheios de anomalias e contradições, mais revelando as intenções e os valores de quem os conduz do que a realidade das emoções humanas, mas se há um ponto em que virtualmente todas as análises sobre a natureza e a causa da felicidade humana concordam é que a nossa depende de outras pessoas.

Estudos e mais estudos mostram que os relacionamentos sociais de qualidade são os indicadores mais fortes e mais consistentes de uma vida satisfatória, chegando até a se referir a eles como “condição necessária” à felicidade, ou seja, dando a entender que não podemos ser felizes sem eles.

E, de acordo com as pesquisas, se quisermos ser felizes, devemos ter como objetivo passar menos tempo sozinhos. Apesar de dizerem ansiar pela solidão ao serem perguntadas em termos abstratos, quando questionadas aleatoriamente, praticamente todas as pessoas se disseram mais contentes quando estão em um grupo do que sós. E a surpresa aí foi que essa afirmação não é só válida para aqueles que se consideram extrovertidos, mas também se mostra forte para os que se veem como introvertidos.

E elas vão além, dizendo que negligenciar nossas relações sociais é, na verdade, um perigo para a nossa saúde. Estudos mostram que a falta de conexão social implica em um risco de morte prematura que se compara ao do fumo e é duas vezes mais perigoso para a saúde que a obesidade. A coisa mais importante que podemos fazer pelo nosso bem-estar não é “nos encontrarmos” ou “nos voltarmos para dentro”, mas sim investirmos mais tempo e energia possíveis alimentando as relações que temos com as pessoas que fazem parte da nossa vida.

Considerando tudo isso, da próxima vez em que tiver que decidir entre meditar e se sentar em um bar com os amigos para reclamar da aula de meditação, talvez você deva pensar seriamente na segunda opção, não importando o que diga seu aplicativo da felicidade.”
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/comportamento/como-encontrar-a-felicidade/
Copyright © 2019, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s