Bons e maus amigos


O budismo ensina os princípios “conhecimento benéfico” e “conhecimento maléfico” (zentishiki e akutishiki) que indicam dois tipos de pessoas que exercem influência positiva ou negativa na prática budista.

Bom amigo é a pessoa que traz um “conhecimento benéfico”, é uma influência que direciona, capacita e o conduz a manifestar o estado de buda.

Mau amigo é pessoa que conduz a outra para um caminho negativo, desviando-a da prática, representa um “conhecimento maléfico”, ou “mau amigo”. Este ilude os outros com falsas doutrinas e obstrui a fé e a esperança.

Shakyamuni disse que se vocês forem mortos por um elefante selvagem, não cairão nos maus caminhos, mas se permitirem ser conduzidos pelos maus amigos, certamente cairão”, cita o presidente Ikeda.

Afastar-se dos “maus amigos” é tornar-se imune às influências negativas. Não quer dizer correr dos problemas nem de pessoas. Lutar contra “maus amigos” quer dizer tornar o seu próprio coração um sol de alegria e incentivos. É manifestar um estado de vida monumental que se alegra diante das dificuldades e derrota a negatividade.

Resumindo: é ser feliz de verdade aqui e agora não importando a circunstância e tornar-se para os outros um ótimo e confiável amigo.

Há outra forma muito interessante de ver esse conceito. Shakyamuni, o fundador do budismo, diz que seu “bom amigo” que mais o ajudou a manifestar a iluminação foi Devadatta, um dos maiores vilões do budismo.

Devadatta era primo de Shakyamuni. Era estudioso e destacou-se em meio aos discípulos. Mas sua ambição o desviou da fé correta. Ele até mesmo conspirou para matar Shakyamuni e bateu em uma seguidora do Buda até matá-la.

O presidente Ikeda responde: “Devadatta foi um ‘mau amigo’ para Shakyamuni no sentido de que ele manifestou oposição ao Buda, mas como Shakyamuni lutou contra ele e o derrotou, demonstrou sua grandiosidade e sua ordem religiosa teve um enorme desenvolvimento. É por isso que Devadatta, apesar de perseguir Shakyamuni incansavelmente, é considerado ‘seu mais notável bom amigo’”.

A filosofia budista é incrível! As dificuldades e perseguições são transformadas em “bons amigos” quando as enfrentamos, as derrotamos e, como efeito dessa luta, avançamos, crescemos e nos desenvolvemos. O Mestre diz: “São os nossos fortes oponentes, e não os amigos, que mais contribuem para nosso crescimento e desenvolvimento pessoal”.

Para uma pessoa de fraca energia vital, as dificuldades são só dificuldades — são “maus amigos” que desviam e afastam da iluminação: provocam medo, lamentação, derrota etc.

Já quem manifesta a energia do estado de buda por meio da vigorosa recitação do Nam-myoho-renge-kyofaz até os fortes inimigos tornarem-se “bons amigos”.

Comece cada manhã com renovada vitalidade sempre partindo do ponto primordial: sua fé no Gohonzon. Essa é a fonte para aumentar sua rede de amigos sinceros e, ao mesmo tempo, ter força para tornar os “maus amigos” um trampolim para a felicidade.

Fonte: BS, ed. 2.231, 14 jun. 2014, p. A9

TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• POSTS RELACIONADOS •

  • CONHEÇA O BUDISMO

Não tema a nada!

Por Seikyo Post | 13 mar 2019

A prática do Nam-myoho-renge-kyo transforma veneno em remédio. Viver sempre com essa convicção é a essência da fé na SGI. Conheça o poderoso princípio budista.

  • CONHEÇA O BUDISMO

Vitória ou derrota? Nossa única escolha é vencer!

Por Seikyo Post | 01 mar 2019
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s