UMA MANEIRA DE SER – Trecho do Livro ‘Felicidade – A pratica do Bem Estar”


3309450084_888b0d8040_z

Trecho do Livro ‘Felicidade – A pratica do Bem Estar”

Lembro-me de uma tarde em que estava sentado nos degraus do nosso monastério no Nepal. As tempestades da época das monções haviam transformado o pátio em uma vasta extensão de água barrenta e tínhamos construído um caminho de tijolos para atravessá-lo. Uma amiga chegou à beira da água, observou a cena com uma expressão de desgosto e começou a travessia, reclamando a cada passo que dava. Quando chegou onde eu estava, olhou para trás e disse: “Argh… e se eu tivesse caído naquela imundice? Tudo é tão sujo neste país…” Como eu a conhecia bem, concordei, esperando oferecer-lhe algum conforto com minha simpatia silenciosa. Poucos muitos depois, Raphaèle, outra amiga, chegou à trilha que atravessava o charco. “Hop, hop, hop”, cantou, pulando de um tijolo para outro, e, ao alcançar a terra seca, gritou: “Como isso é divertido”! Com os olhos brilhando de alegria, acrescentou: “A melhor coisa nas monções é que ficamos livres da poeira”. Duas pessoas, dois modos de olhar para a mesmo situação. Seis bilhões de seres humanos, seis bilhões de mundos.

tumblr_lwcxt5Z1WT1qbyk59o1_500Raphaèle contou-me de um homem que conhecera na primeira vez que visitara o Tibete, em 1986, que tinha passado por momentos aterradores durante a invasão chinesa. “Ele me convidou para sentar num banco e serviu-me chá, que guardava numa grande garrafa térmica. Era a primeira vez que falava com uma ocidental. Rimos muito, ela era adorável. As crianças se aproximavam e ficavam olhando para nós, admiradas, enquanto ele me enchia de perguntas. Contou-me, então, que fora prisioneiro dos invasores chineses durante doze anos, condenado a talhar pedras que seriam usadas em uma represa que estava sendo construída no vale Drak Yerpa. Essa construção era completamente inútil, já que o rio estava quase sempre seco! Todos os meus amidos haviam morrido de fome e exaustão a seu lado, um por um. Apesar do horror da sua história, não se percebia o menor traço de ódio em suas palavras ou de ressentimento em seus olhos, que brilhavam de bondade. Naquela noite, antes de adormecer, fiquei pensado em como alguém que tinha sofrido tanto podia parecer tão feliz”.

AQUELE QUE TEM PAZ INTERIOR NÃO É MAIS ESMAGADO PELA DERROTA OU INFLADO PELO SUCESSO. TORNA-SE CAPAZ DE VIVER INTENSAMENTE AS SUAS EXPERIÊNCIAS NO CONTEXTO DE UMA SERENIDADE VASTA E PROFUNDA, JÁ QUE COMPREENDE QUE ELAS SÃO EFÊMERAS E QUE É INÚTIL APEGAR-SE A ELAS. NÃO TEM MAIS O SENTIMENTO DE “PERDER AS ILUSÕES” QUANDO AS COISAS VÃO MAL E CONFRONTAM-SE COM A ADVERSIDADE. NÃO MERGULHA NA DEPRESSÃO, JÁ QUE SUA FELICIDADE REPOUSA EM UMA FUNDAÇÃO SÓLIDA.

Um ano antes de sua morte em Auschwitz, a notável Etty Hillesum, uma jovem holandesa, afirmou: “Quando temos uma vida interior, não importa de que lado da cerca da prisão estamos… Já morri mil vezes em mil campos de concentração. Já conheço tudo. Não há nenhuma informação nova para me perturbar. De um jeito ou de outro, já conheço tudo. E, ainda assim, acho esta vida bela e rica de significado. A cada instante”

happy-monksBem-estar, é em essência um estado interior. Compreender isso é o prerrequisito, a chave para uma vida que vale a pena ser vivida. Que condições mentais destroem a nossa joie de vivre, e que condições a alimentam?

Mudar o modo de ver o mundo não ter um otimismo ingênuo ou uma euforia artificial com intenção de contrabalançar a adversidade. Enquanto formos escravos da insatisfação e da frustação que surgem da desordem que domina a nossa mente, será tão inútil dizer a si mesmo: “Sou feliz! Sou feliz!”, muitas e muitas vezes, quanto seria repintar um muro em ruínas. Buscar a felicidade não é olhar para a vida através de óculos cor-de-rosa ou cegar-se para a dor e as imperfeições do mundo. Nem é a felicidade tampouco um estado de exaltação que deva perpetuado a qualquer custo, mas sim, um processo de purgar as toxinas mentais, como o ódio e a obsessão, que envenenam a mente. É também aprender como colocar as coisas em perspectiva e reduzir a distância entre as aparências e a realidade. Para esse fim, devemos adquirir um conhecimento melhor sobre como a mente funciona e ter uma percepção mais precisa sobre a natureza das coisas, pois, no sentido mais profundo, o sofrimento está intimamente ligado a um mal-entendido sobre a natureza da realidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s