Chumbinho (rodenticida)


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notíciaslivros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Chumbinho (no BR) é um produto clandestino, irregularmente utilizado como raticida. Não possui registro na Anvisa, nem em nenhum outro órgão de governo[1]. O agrotóxico Aldicarbe(carbamato Aldicarb) figura como o preferido pelos contraventores, encontrado em cerca de 50% dos ‘chumbinhos’ analisados[2], a outra metade são organofosforados diversos. O Fluoroacetato de sódio também é vendido ilegalmente com esta mesma denominação, embora em Portugal seja conhecido pelo codinome composto 1080. A Anvisa afirma que a matéria prima para este produto vem de roubo de carga ou entrada ilegal de produtos químicos pela fronteira. Seu uso está relacionado intensamente a assassinatossuicídios, e mortes por intoxicação acidental[3]. Pessoas ou animais que ingerem o chumbinho sentem fortes dores, anseiam vômitos e também perdem o sistema imunológico, além de prejudicar células e tecidos.

Estudos comprovam que seu uso como raticida não é eficiente. Apesar do rato, após comer o veneno, morrer bem próximo ao alimento envenenado. Os estudos do hábito dos ratos demonstram que, comumente, é o mais velho o primeiro a se alimentar, e, logo que ele morre, os mais novos rejeitam o alimento, sendo então aconselhável os anticoagulantes registrados na Anvisa, que, apesar de provocarem uma morte mais lenta, permitem uma maior abrangência do veneno[4].

Referências

  1.  Campelo EL, Caldas ED. [Postmortem data related to drug and toxic substance use in the Federal District, Brazil, from 2006 to 2008]. Forensic Sci Int. 2010;200(1-3):136-40.Brasil.
  2.  Lopes, Antônio Carlos (2006). Fundamento em Toxicologia Clinica. São Paulo: Atheneu. 158 páginas
  3.  Corrêa CL, Zambrone FAD, Cazarin kCC. Intoxicação por “chumbinho”: um desafio para o diagnóstico clínico e para o tratamento. Rev Bras. de toxicologia. 2004;(17):71.
  4.  «Chumbinho – Busca – Anvisa»portal.anvisa.gov.br. Consultado em 18 de novembro de 2017

Ver também[editar | editar código-fonte]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s