5 passos para curar traumas emocionais


traumas emocionais
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leitura.Play!Ouça este conteúdo0:00100%AudimaAbrir menu de opções do player Audima.

Nodecorrer da nossa vida, coletamos uma série de traumas emocionais e psicológicos em conflito com outras pessoas. Estes traumas emocionais são partes de nosso passado e muitas vezes inconsciente. Seus efeitos são, no entanto, real: geralmente estes traumas emocionais e psicológicos estão no fundo de nossas emoções, humores negativos e, muitas vezes, explosões emocionais aparentemente inexplicáveis.

Estes comportamentos podem facilmente assumir o controle sobre nosso comportamento, tomar conta de nossas ações, que faz com que nos arrependemos mais tarde.

Será possível curar esses traumas emocionais e psicológicos, e se sim, como?

PUBLICIDADE
Cure seus traumas emocionais em 5 etapas:

Passo 1: Compreensão

traumas emocionaisNo processo de cura, o primeiro passo é o mais importante, uma vez que é essencial para a compreensão de uma verdadeira mudança. Durante a nossa vida, nos deparamos com esta frase: “Eu sei como devo me comportar, mas não posso fazê-lo. Eu sei o que é certo, e eu ainda quero fazer esta coisa errada de novo. Eu sou simplesmente incapaz de mudar”. O ponto é que é compreendendo que há um problema, já se torna o primeiro passo para saber como se comportar daqui para frente. corretamente.

Conhecimento e real compreensão são duas coisas diferentes. Para uma mudança real, a compreensão profunda é necessária.

Precisamos entender que, no fundo de nossos padrões aparentemente imutáveis ​​de comportamento, há nossas feridas mentais, adquiridas no passado. Estas feridas mentais até agora têm ficado no inconsciente. Ao contrário das feridas físicas sobre o nosso corpo, essas feridas mentais nunca cicatrizam.

Os padrões de comportamento alimentados por nossas feridas mentais são autossustentáveis. Por exemplo: estamos raivosos com nosso chefe porque ele nos falou de maneira grosseira na frente dos nossos colegas. Então, depois de um tempo, a apreensão desaparece, e acreditamos que a nossa raiva se foi.

Mas a nossa raiva não desapareceu realmente; por um tempo tinha sido consciente, mas depois afundou-se no inconsciente, para as profundezas da nossa alma. É aí que esta espera de emergir para a superfície novamente.

Se voltamos para a casa do trabalho, e nos deparamos com a nossa família e o ressurgimento desta raiva tomar conta, a intensidade da sua ira vai sustentar esta condição, e voltar a superfície a cada fato ou situação de raiva pelo resto de nossas vidas.

Passo 2: Assumir a responsabilidade

Quando ficamos com raiva sobre algo ou alguém, acreditamos que a raiva nos pertence, e é uma parte do nosso Ego. Nós, então, tentamos encontrar alguma desculpa para nosso comportamento. Nossa explicação mais comum é que a nossa raiva foi causado por outra pessoa, ou que era o único comportamento possível na situação em causa. Desta forma, rejeitamos a responsabilidade, a culpa em nosso ambiente, nós tentamos encontrar um bode expiatório para culpar por nosso comportamento que é inaceitável, mesmo para nós mesmos.

Na primeira etapa, percebemos que a raiva é causada por nossas lesões mentais, o ambiente só fornece uma estrutura para que a raiva retorne com energia e quebre a superfície em nós.

Nós só devemos ser capazes de alcançar uma verdadeira mudança se percebermos que a nossa tristeza, infelicidade, inveja ou raiva, e nosso comportamento em relação a essas emoções, são quase sempre as consequências de algum ferimento interno.

Devemos, portanto, deixar de tentar encontrar desculpas para o nosso comportamento o tempo todo. Temos de assumir a responsabilidade por nossa raiva ou infelicidade, e estar ciente de que esses são os nossos produtos de nossas lesões mentais.

traumas emocionais

Passo 3: Experiências e empatia

Para curar as nossos traumas emocionais, devemos ficar alertas, e temos de reconhecer os padrões de comportamento que estão enraizados na ferida interna, e temos de assumir a responsabilidade por esse comportamento.

Quando a tristeza, infelicidade, inveja ou raiva surgem novamente em nossas vidas, não devemos voltar nossa atenção para o nosso meio ambiente, em busca de uma razão para nosso comportamento ditado pelas emoções negativas.

Em vez disso, concentre-se na própria emoção específica. Por exemplo, se nós sentimos raiva, vamos experimentar isso ao máximo. Deixe completamente a emoção tomar conta e vivencie, e veja como ela funciona.

Passo 4: Retorno

Uma vez experimentado as emoções de tristeza, infelicidade, inveja ou raiva ao máximo, vamos tentar voltar ao passado e encontrar o núcleo raiz dessas emoções, a ferida interna original que alimenta essa particular emoção. Podemos encontrar uma série de pequenas feridas, mas não pare no primeiro! Tente cavar fundo e revele a primeira ferida. Examine como e em que circunstâncias em especial essa ferida interna foi feita. Nós seremos capazes de conseguir isso, já que o nosso passado está lá com a gente, ele existe lá dentro, mesmo que inconscientemente. Nós agora, intencionalmente, vamos trazer essas feridas à luz da consciência.

A lesão mental, vai abrir para nós. Tudo o que precisamos fazer é estar alerta, observar com toda a nossa atenção. Não podemos permitir que a mente pare e comece a trabalhar em nós, fazendo julgamentos sobre a situação em que recebemos a ferida. Se a mente começa a funcionar, o processo de culpar a responsabilidade sobre os outros nunca cessará, e a ferida mental, nunca vai se curar em nós. O que é mais, ele vai se tornar ainda pior.

Sempre que temos a oportunidade, no momento de tristeza, infelicidade, inveja ou raiva, devemos voltar ao nosso passado. Desta forma, será mais e mais experiente em detectar as feridas mentais no fundo de nossas emoções negativas.

Passo 5: Recuperação

Vamos ficar em estado de alerta sem fazer julgamentos. Ao observar, vamos reconhecer os padrões condicionados da mente. Encerraremos o passado e abriremos caminhos para novos rumos.

Quando conscientemente retornar ao nosso próprio passado, e olhar para uma ferida mental, com estado de alerta total, este estado de alerta e consciência vai se transformar em uma força de cura. Uma ferida interna não foi curada antes porque tinha sido feita na ignorância e permaneceu lá por causa da falta do nosso estado de alerta. A luz da consciência é um remédio, ele cura as nossas feridas mentais sem que tenhamos de fazer qualquer outra coisa para a recuperação.

Quando a Consciência alerta atinge uma ferida mental, a ferida será curada, e desaparecerá. Com o desaparecimento da ferida, o padrão de comportamento gerados pela referida ferida em particular, também desaparecerá. Esse é o começo de mudanças reais na nossa vida, pois não só as nossas mudanças de comportamento, mas também voltar a uma das qualidades elementares da nossa vida: o alerta, atenção consciente. Que a atenção vai nos salvar de sofrer novas feridas mentais. É assim que lentamente iremos levar qualidade para nossas vidas.


  • Texto traduzido e adaptado por Natalia Iannone da Equipe Eu Sem Fronteiras
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s