EM BUSCA DA SERENIDADE


    TAGS:       

Nancy Campos

Nas mais diversas religiões, as orações são recursos primorosos para manter a serenidade tanto nos momentos mais difíceis quanto para quem busca um estado de tranquilidade permanente. Os cristãos têm até mesmo a Oração da Serenidade, que inicia com um sábio pedido: “Concede-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar as que eu posso e sabedoria para reconhecer a diferença”.

A oração revela que a busca da paz de espírito começa pelas atitudes. Este ponto de partida também é compartilhado pelo psicólogo clínico e presidente da Sociedade Budista do Brasil, João Nery Rafael: “A serenidade começa, na prática, com uma vida mais ética. Devemos respeitar a vida de todos os seres, não matar, não mentir e não usar a palavra de forma que cause divisão”, afirma.

Os budistas procuram manter o estado de tranquilidade por meio do conhecimento e da prática dos ensinamentos de Buda e pela meditação. “É importante treinar os pensamentos de não crueldade, não má vontade e não cobiça, ou seja, de compaixão, amor e renúncia. Eles acalmam o sistema nervoso, enquanto os pensamentos contrários levam à produção de adrenalina e aos estados de alerta e de stress”, explica Rafael, que é psicólogo clínico e professor de meditação.

Palavras – e atitudes – que conduzem à serenidade atravessam os séculos e os continentes, como um tema permanente entre religiosos, filósofos e líderes políticos. A saudação de Jesus e seus discípulos, “Que a paz esteja convosco”, era inspiradora por si. Assim como as bem-aventuranças da Bíblia, que promete o reino dos céus aos “mansos e pacíficos”.

O líder judaico e filósofo Rabi Moisés Ben-Nachman (também conhecido como Ramban ou Nachmânides) relacionava a serenidade à alegria e ao equilíbrio em seus ensinamentos no século XIII, válidos até hoje: “Não viva em extremos, entre a euforia e a depressão, e sim contente todos os dias de sua vida, sereno e com um semblante sorridente”.

Gandhi, em sua luta para libertação da Índia, pregava a serenidade para vencer a opressão: “Creio que a não violência é infinitamente superior à violência, o perdão é mais nobre que a punição”, defendia.

Considerando as atribulações da vida atual, o Dalai Lama reuniu seus ensinamentos num livro com o significativo título A Arte de Lidar Com a Raiva. Em suas páginas, o líder espiritual apresenta técnicas para desenvolver a paciência e resolver divergências com dignidade. Afinal, segundo ele, manter a serenidade faz parte do caminho para a felicidade.

Se você gostou do texto, veja também:

As orações curam? http://abiliodiniz.uol.com.br/qualidade-de-vida/as-oracoes-curam.htm

Conversar com Deus http://abiliodiniz.uol.com.br/qualidade-de-vida/conversa-com-deus-rezar-ou-orar.htm

Meditação judaica http://abiliodiniz.uol.com.br/qualidade-de-vida/meditacao-judaica.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s