Transtorno de desrealização: a sensação de viver em um sonho


·  novembro 27, 2018

Se alguma vez você já sentiu que estava ficando louco, que estava vivendo em um sonho ou em uma bolha, você pode ter sofrido um episódio de desrealização. As características essenciais do transtorno de desrealização são episódios persistentes ou recorrentes de despersonalização. Agora vamos ver no que estes episódios consistem.

Nos episódios de despersonalização, surge uma sensação de falta de realidade ou estranhamento, assim como um distanciamento de si mesmo, em geral, ou de alguns aspectos do eu. A sensação é a de estar fora de si mesmo, como se fôssemos um observador externo.

Transtorno de desrealização: a sensação de viver em um sonho

Os episódios de desrealização se caracterizam por uma sensação de falta de realidade ou distanciamento. Também pode aparecer a sensação de não estamos familiarizados com o mundo, seja com indivíduos, objetos inanimados ou todas as coisas ao nosso redor.

A pessoa pode sentir como se estivesse em uma névoa, em um sonho ou em uma bolha. Ou como se existisse um véu ou uma parede de vidro entre o indivíduo e o mundo que o rodeia. O mundo ao redor é visto como artificial, sem cor ou sem vida. 

Mulher com transtorno de desrealização

A desrealização vai acompanhada, normalmente, de distorções visuais subjetivas. Essas distorções visuais podem ser: visão borrada, aumento da acuidade visual, campo visual ampliado ou reduzido, bidimensionalidade ou planificação da visão, exagero da tridimensionalidade, alterações na distância ou tamanho dos objetos (exemplo: macropsia ou micropsia).

Também podem acontecer distorções auditivas, silenciando ou aumentando as vozes ou sons. Não podemos esquecer que, para diagnosticar um transtorno de desrealização, é necessária a presença de um desconforto clinicamente significativo.

Também pode aparecer uma deterioração do social, profissional ou em outras áreas importantes de funcionamento.

Eu estou ficando louco?

As pessoas com transtorno de desrealização podem ter dificuldade em descrever seus sintomas. Elas podem até mesmo pensar que estão “loucas” ou “ficando loucas”. Outra experiência frequente é o medo de um dano cerebral irreversível.

Um sintoma comum associado a isso é uma alteração subjetiva do senso de tempo (ex: as coisas acontecem lenta ou rapidamente demais). Outro sintoma comum é a dificuldade subjetiva de se lembrar vividamente de memórias do passado e possuí-las, tanto pessoal quanto emocionalmente.

Os sintomas corporais fracos, como a pressão na cabeça, o formigamento ou a sensação de desmaio, também são frequentes.

As pessoas podem sofrer de uma preocupação obsessiva e uma ruminação mental recorrente.

Esta ruminação faz referência às pessoas ficarem obsessivas quanto à existência real e controle de suas percepções, para determinar se elas são reais. Estas também são características associadas com frequência a diferentes graus de ansiedade e depressão.

Foi observado que as pessoas com este transtorno tendem a ter uma hiporreatividade fisiológica aos estímulos emocionais.

Transtorno de desrealização

Como a desrealização se desenvolve e qual é o curso deste transtorno?

O início dos sintomas se dá, em média, por volta dos 16 anos de idade. No entanto, o transtorno pode surgir no começo ou no meio da infânciaSomente uma minoria não se lembra de ter sintomas.

Menos de 20% dos casos aparecem depois dos 20 anos de idade. Somente 5% aparecem depois dos 25 anos de idade. O aparecimento deste transtorno na quarta década de vida, ou mais tarde, não é comum.

Por outro lado, o início do transtorno pode ser extremamente repentino ou gradual. A duração dos episódios pode variar muito amplamente. Eles podem ser breves (com duração de horas ou dias) ou prolongados (com duração de semanas, meses ou anos).

Enquanto para algumas pessoas a intensidade dos sintomas pode aumentar e diminuir consideravelmente, outras falam de um nível constante de intensidade. Em casos extremos, os sintomas podem durar anos ou décadas. 

Os fatores internos e externos que afetam a intensidade dos sintomas variam entre as pessoas, embora sejam documentados alguns padrões típicos.

A acentuação dos sintomas pode ser provocada pelo estresse, pela piora do humor e dos sintomas de ansiedade, pelas circunstâncias estimulantes ou superestimulantes novas e por fatores físicos, como a falta de sono.

Como vimos, o transtorno de desrealização pode ser incrivelmente desagradável para aqueles que sofrem dele. A principal sensação é a de estar ficando louco ou estar vivendo em um sonho, afastado da realidade. Isso pode impulsionar estas pessoas a procurar ajuda médica. Felizmente, apesar de ser muito desagradável, este transtorno não é perigoso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s