EMDR: a técnica psicológica para tratar experiências traumáticas


·  novembro 27, 2018

A terapia EMDR (movimentos oculares) tem um propósito muito específico: reduzir o efeito das experiências traumáticas. Estamos, sem dúvida, diante de um novo modelo psicológico que atenua o impacto das emoções negativas por meio da estimulação bilateral, ou seja, através do movimento dos olhos, de certos sons ou com estímulos cinestésicos, como o tapping.

Um tratamento baseado no movimento dos olhos? É possível que alguns dos nossos leitores olhem para esta abordagem terapêutica com uma mistura de curiosidade, estranheza e uma pincelada de ceticismo. Podemos dizer que é uma terapia relativamente nova e que, apesar de não ter causado o impacto inicialmente esperado, mais e mais terapeutas têm se animado a usá-la.

O objetivo da EMDR é processar experiências passadas e resolver as emoções associadas. Os pensamentos e sentimentos negativos que não são mais úteis serão substituídos por pensamentos e sentimentos positivos para promover um comportamento mais saudável.

Foi desenvolvido nos anos 80 por Francine Shapiro, neurologista e psicoterapeuta cognitivo-comportamental. O objetivo desta médica do Instituto de Pesquisa Mental em Palo Alto, Califórnia, foi fornecer uma técnica específica para o tratamento do estresse pós-traumático. Em sua opinião, não havia uma estratégia concreta que pudesse ajudar os pacientes a reduzir o impacto do trauma ou o efeito que ele exerce sobre o cérebro, o comportamento ou a maneira como nos relacionamos.

Assim, Shapiro passou algum tempo pesquisando os procedimentos mais vanguardistas para moldar uma estratégia clínica tão nova quanto controversa para muitos psiquiatras. No entanto, como ela mesma diz: uma única sessão é suficiente para avaliar o seu efeito.

A terapia EMDR (movimentos oculares)

Os objetivos da terapia com EMDR

O objetivo da terapia EMDR ou dessensibilização e reprocessamento por movimentos oculares é multifatorial. Por um lado, busca identificar o problema específico sofrido pelo paciente. A partir disso, o terapeuta treinado nesta série de técnicas irá ajudá-lo a processar essas experiências traumáticas para diminuir e resolver as emoções associadas a esses eventos.

Os pensamentos e sentimentos negativos serão substituídos por outros mais inclusivos. O objetivo, em essência, é ajudar cada pessoa a lidar melhor com as suas próprias realidades internas para moldar comportamentos mais saudáveis.

No entanto, podemos dizer que a terapia com EMDR não é exclusivamente destinada a lidar com eventos traumáticos (agressões, perdas, efeitos de guerras, etc.). Nos últimos anos, está mostrando notável eficácia em várias áreas. São as seguintes:

  • Transtornos de ansiedade.
  • Fobias.
  • Crise de ansiedade.
  • Distúrbios alimentares.
  • Vícios.

A técnica de EMDR, portanto, tem um propósito muito claro. Concentrar-se em cada paciente de uma maneira particular para encontrar o mecanismo de cura inerente a cada pessoa através do qual mediar a sua recuperação. Nem todos os casos são iguais e nem todos reagem às mesmas técnicas.

Assim, uma vez que se identifica a estratégia mais apropriada para cada caso, estabelecemos um sistema de estimulação sensorial que permite ao cérebro processar essas emoções e pensamentos adversos. Vejamos com mais detalhes como esta técnica é realizada.

O que é a terapia com EMDR?

A terapia com EMDR pode variar de três sessões a um tratamento de doze meses. Tudo depende da incidência do trauma, da fobia ou do distúrbio psicológico que o paciente sofre. Além disso, algo muito importante é o treinamento correto do terapeuta nesse tipo de técnica. Porque não estamos falando apenas de uma pessoa que move os dedos para que o paciente siga esse movimento com os olhos.

O EMDR é baseado em estratégias, em dinâmicas que exigem habilidade, inteligência e a intuição do bom profissional que sabe guiar seu paciente para levá-lo a uma resolução adaptativa verdadeira. Esse propósito terapêutico pode reduzir os sintomas negativos, favorece uma mudança de crençase, por sua vez, permite que a pessoa seja capaz de viver melhor o seu dia a dia.

As incríveis características do cérebro

Fases da intervenção

  • História pessoal e planejamento do tratamento.
  • Preparação: procuramos estabelecer a confiança com o paciente e explicar em que consistirá o tratamento.
  • Avaliação: emoções e sentimentos negativos são identificados.
  • Dessensibilização: técnica de movimento ocular.
  • Instalação: momento em que pensamentos e emoções negativos devem ser substituídos por outros mais inclusivos e positivos.
  • Varredura do corpo: procuramos avaliar se o paciente consegue lembrar do trauma sem experimentar sentimentos negativos.
  • Encerramento da sessão e reavaliação.
Técnica EMDR

Técnicas utilizadas no tratamento

Na verdade, a EMDR empresta vários modelos, abordagens e técnicas para criar o seu tratamento. Em seu tecido psicoterapêutico, integram-se a psicologia cognitiva, a psicologia humanista, comportamental e bioinformacional. Agora, o mais característico é, sem dúvida, a estimulação bilateral, que se concentra em diferentes focos:

  • Visual: o terapeuta move um dedo diante do paciente para que ele possa segui-lo com os olhos. Diz-se que esses movimentos rápidos dos olhos afrouxam os “nós” na memória, onde as emoções adversas se concentram. Algumas pessoas acreditam que essa estratégia imita o sono REM (já que esse ciclo de sono também nos permite “depurar” experiências e memórias diurnas). Da mesma forma, outros especulam que a atenção alternada do olhar esquerdo e direito leva os hemisférios cerebrais a um maior equilíbrio.
  • Auditivo (tapping): o terapeuta aplica determinados sons nos ouvidos do paciente para gerar calma ou um estado emocional específico.
  • Cinestésico: neste caso, o terapeuta bate suavemente nas mãos ou nos ombros do paciente. Dessa forma, também procuramos reduzir a tensão e o impacto das emoções negativas.

Para concluir, é possível que este tipo de intervenção terapêutica continue atraindo a nossa atenção (e alimentando algumas dúvidas). Algumas pessoas a descrevem como uma pseudociência, e há outras que precisam de um pouco mais de informações.

No entanto, se há algo que conhecemos é a sua grande importância nos Estados Unidos e, segundo a própria Dra. Shapiro, ela já ajudou mais de dois milhões de pessoas. A EMDR é uma alternativa com resultados duradouros em muitos casos e, portanto, vale a pena considerá-la. Seja como for, é sempre positivo ter mais recursos para abordar o impacto dos eventos adversos no ser humano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s