Economia americana cresce 3,5% no terceiro trimestre apesar de queda no consumo


AFP
Apesar do crescimento robusto, as guerras comerciais impulsionadas por Trump com a China e outros países continuam sendo um obstáculo para a economia americana, com centenas de bilhões de dólares sujeitos a tarifas
Mais

A economia dos Estados Unidos cresceu 3,5% no terceiro trimestre, sustentada por um aumento do gasto do governo e dos investimentos, apesar de uma redução no consumo, informou nesta quarta-feira (28) o Departamento de Comércio.

Além do crescimento do PIB de 4,3% no segundo trimestre, o relatório confirma que os cortes de impostos promovidos pelo presidente Donald Trump ajudaram as empresas, embora haja sinais de queda nas compras de automóveis e no consumo das famílias.

O crescimento do PIB do trimestre julho-setembro não sofreu mudanças em relação à sua estimativa inicial do mês passado. Os analistas esperavam uma revisão com pequena alta (3,6%).

Trata-se do melhor crescimento semestral desde meados de 2014.

A crescente taxa de juros e a escassez de mão de obra começam a afetar o mercado imobiliário. De acordo com o relatório, a compra de moradias caiu 2,6% no período, embora seja uma queda muito menor do que a inicialmente apontada.

Já o consumo subiu menos que o estimado no relatório do mês passado, devido fundamentalmente ao menor gasto em automóveis.

Apesar do crescimento robusto, as guerras comerciais impulsionadas por Trump com a China e outros países continuam sendo um obstáculo para a economia americana, com centenas de bilhões de dólares sujeitos a tarifas.

As exportações caíram 4,4% no terceiro trimestre, um ponto percentual a mais do que o estimado originalmente, enquanto as importações subiram 9,2%.

Jim O’Sullivan, da High Frequency Economics, disse que o déficit comercial americano continuou subindo, mas isso foi parcialmente compensado por uma alta dos estoques.

“Nossa estimativa de crescimento para o quarto trimestre continua sendo de 3%, o que está abaixo de 3,5% do terceiro trimestre, mas igualmente é sólido”, disse O’Sullivan em uma nota.

– Investimentos de empresas –

Muitos economistas esperam um crescimento de 3,1% para este amo e uma desaceleração em 2019 à medida que se dissipem os efeitos dos cortes de impostos e as tarifas afetem as exportações e elevem os preços.

Os preços ainda não geraram um aumento da inflação apesar de as empresas se queixarem dos crescentes custos que devem enfrentar para comprar materiais; entre eles o aço e o alumínio.

Economistas apontam que as investimentos das companhias mantêm o crescimento.

A revisão em baixa dos dados do terceiro trimestre foram compensadas por grandes melhoras no gasto das empresas do governo.

Após mostrar inicialmente uma hesitação, os investimentos fixos das companhias – dinheiro investido em estrutura e equipamentos – subiu 1,4% no trimestre.

O gasto federal em defesa foi maior que o apontado inicialmente mesmo quando os gastos dos estados e os governos locais foi menor.

“O impulso se mantém até o quarto trimestre, com o PIB real tendendo a 3% ao ano; seu maior ritmo desde o começo de 2015”, disse Gregory Daco da consultoria Oxford Economics.

Admitiu, entretanto, que o crescimento provavelmente se modere o ano que vem devido o “crescente protecionismo e a desaceleração da atividade global” entre outros fatores.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s