SENSIBILIDADE SENSORIAL E AUTISMO


TONY ATTWOOD

Conhecemos crianças com autismo que as vezes podem ser muito sensíveis a um Som em particular a um contato, e também falta de sensibilidade para níveis baixos de dor.

Cerca de 40% das crianças com Autismo tem alguma anormalidade de sensibilidade sensorial (Rimland 1990). Agora temos suficientes evidencia para pensar que a incidência pode ser similar a Síndrome de Asperger (Garnett y Attowood 1995, Rimland 1990).

Um ou vários sistemas sensoriais estão afetados de tal forma que as sensações normais são percebidas com uma intensidade intolerável. A mera antecipação da experiência pode conduzir a uma intensa ansiedade ou pânico.

 

Felizmente, a hipersensibilidade sempre iminui depois da infância, mais para algumas pessoas pode continuar durante a vida toda. Sempre os pais se desconcertam ao perguntarem porque estas sensações são intoleráveis, enquanto as pessoas com Síndrome de Asperger estão igualmente desconcertadas ao verem que as outras pessoas não tem o mesmo nível de sensibilidade.

As sensibilidades mais comuns incluem sons e tato, mais em alguns casos a sensibilidade se relaciona com o sabor, a luz intensa, as cores e aromas. Ao contrario as pessoas podem expressar uma reação mínima a níveis de dor e temperatura que poderiam ser insuportáveis para os outros.

Sensibilidade ao Som. A observação clinica e considerações pessoais de pessoas com autismo e Síndrome de Asperger sugerem que há três tipos de ruídos que são percebidos com extrema intensidade.

A primeira categoria são ruídos súbitos, inesperados, que um adulto com Síndrome de Asperger descreveu como ” pulsante”, como um cachorro latindo, um telefone tocando, alguém tossindo ou rosqueando a tampa de uma caneta.

O segundo é um tom alto, um ruído continuo, particularmente o ruído de pequenos motores elétricos usados em cozinhas, banheiros e equipamentos de jardim.

A terceira categoria são sons desconcertantes, complexos e múltiplos como ocorre em grandes supermercados ou reuniões sociais. Assim um pai ou professor pode ter dificuldades para conversar com a pessoa, já que este estimulo auditivo pode ser percebido como excessivamente desagradável.

 

Uma analogia apropriada para que possamos entender melhor é o mau estar que muita gente tem com determinados sons, tais como unhas raspando a lousa. O simples imaginar que este som pode ocorrer dá calafrios em muita gente. As seguintes citações de pessoas com Síndrome de Asperger ou autismo, mostram a intensidade desta experiência.

A primeiro é de Temple Grandin(1988): Os ruídos fortes e inesperados sempre me assustam. Minha reação com eles é mais intensa que de outras pessoas. Por isto odeio bexigas, porque nunca sei quando vão estourar e me fazer pular. especialmente os ruídos com tons altos de motores, tais como secadores de cabelos ou chuveiros. Ruídos de motores pequenos de baixa freqüência não me fazem mal. Meu pai, meus professores, e instrutora fizeram tudo corretamente, exceto quando não foram conscientes de meus problemas sensoriais.

Se conhecessem as broncas e outras mas condutas seriam reduzidas muito mais. Quando a instrutora descobriu que os ruídos fortes me molestavam, me castigava quando fazia algo ruim, estourava um saco de papel perto de mim. Isto era uma tortura.

 

As estimulações sensoriais dolorosas ou angustiantes nunca deveriam ser utilizadas como castigo. Eu estava aterrorizado por qualquer coisa que pudesse fazer um ruído forte e inesperado.O ruído era meu principal problema. Quando me defrontava com um ruído forte e não podia melhora-lo, tampava os ouvidos e afastava-me, e deixava carrinhos de compras abandonadas. Para evitar ataques repetitivos me afastava e mantinha-me fora do mundo. Depois de adulta sempre tenho problemas com barulho de muita gente. Quando uso o telefone no aeroporto sou incapaz de deixar de lado o som de fundo sem proteger a voz ou o telefone com as mãos. As outras pessoas podem usar o telefone com muito ruído ambiental, mais eu não, e saiba que minha audição é normal. Quando era uma menina, o som das festas de aniversários quando todos de reuniam para cantar era insuportável.

 

O autor avalia o comentário de Temple de que a dor por estimulação sensorial não deveria ser usada nunca como castigo.

 

Darren White White y White 1987), descreve como: Estava também aterrorizada com o aspirador, a batedeira o liquidificador, porque soavam como cinco vezes mais que atualmente ( pag. 224).O motor do ônibus arrancava com um barulho forte , o motor soava quase como quatro vezes mais do que o normal e eu tinha as mãos no ouvidos todo o tempo que durasse a viagem. ( pág.225).

 

O autor da seguinte descrição de sensibilidade auditiva ( Jolliffe 1992) desta maneira:Os seguintes são alguns dos sons que sempre me transtornam bastante e fazem que tampe os ouvidos já que tenho medo deles:

gritaria, lugares com muito ruído, plástico amassando, bexigas, aviões, o ruído dos veículos na cidade, martelos e ferramentas létricas quando são utilizadas, o som do mar, o som das pontas de canetas porosas, Apesar de tudo isto, posso ler musica e toca-la e tem certos tipos de musicas que me encantam.Quando me sinto desesperado por tudo, a musica é a única forma de acalmar-me interiormente ( pág.15).

O nível de sensibilidade pode ser realmente extraordinário.

 

Um jovem com Síndrome de Asperger estava abandonado na clinica quando de repente e inexplicavelmente se ranstornou, e foi capaz de explicar porque.O autor conhecia sua sensibilidade auditiva e caminhou pelo corredor a procura da fonte da aflição do jovem. No banheiro das senhoras alguém havia ligado o secador de mãos, o som que na clinica era imperceptível e para todos os demais, era claramente audível e captado com toda sua intensidade pelo jovem.

Albert usa sua sensibilidade auditiva para saber quando um trem vai chegar a uma estação, vários minutos antes que seus pais possam ouvir. Ele dizia ” Sempre posso ouvir-lo, mamãe e papai não podem, sinto o som nos meus ouvidos e no meu corpo” (cesaroni y Garber 1991, pág 306).

Outro menino tinha um interesse especial por ônibus. Antes e poder ver o veiculo, podia identificar a marca do motor. Também percebia o som original do motor de cada ônibus que passava por cada parte da cidade. Assim podia identificar o numero do ônibus seguinte que vinha mesmo que não se visse. Também tinha aversão a brinca no jardim de sua casa.. Quando perguntavam porque, respondia que odiava o ruído de “clak clak” das asas das mariposas. Uma das características de aguda sensibilidade ao som , são os graus de variação da sensibilidade.

 

Uns dias os sons se percebem como insuportáveis intensidades, enquando que em outros são ruins mais toleráveis. Esta variação é descrita por Darren (White y White 1987).Outro truque de meus ouvidos, era mudar o volume dos sons que me rodeavam. Algunas vezes quando os meninos me falavam dificilmente podia ouvir-los e outras vezes soavam como balas ( pág.224).

Sem duvida a sensibilidade mais comum ao som são os latidos de cachorros. A ida a compras ou passeios com a família podem ser de extrema tensão e ansiedade se existir um encontro com um cachorro, a pessoa não dorme a noite, consciente que os latidos de cachorros estão perto de sua casa.

Alguns adultos com Síndrome de Asperger passam suas vidas evitando os cachorros e escrevendo cartas de queixa a ssociações e sociedades contra ruído.Como se protege a pessoa com Síndrome de Asperger da sensibilidade sensorial ? Alguns aprendem a apagar ou baixar o tom de certos sons como foi descrito no parágrafo anterior.

 

Temple Grandin. As técnicas implicam a cadeia, o som o enfoque sobre um particular objeto.

Candy descreveu como ” certo ruídos são difíceis de apagar ou estão por toda parte e somente recentemente foram identificados como os culpados da angustia”. Assim a distração o isolamento ou a ma conduta podem ser uma reação aos sons que o professos ou os pais podem considerar insignificantes. Alguns sons podem ser evitados, por exemplo, se o som do aspirador é muito intenso, pode utilizar quando a criança vai ao colégio.

 

Nos observamos que uma menina não podia tolerar os sons das cadeiras quando eram arrastadas sobre o chão de sua classe. Este ruído foi evitado pondo feltro em cada pé de cadeira. Ao final pode concentrar-se nos trabalhos da escola. Também podemos utilizar um obstáculo para reduzir o nível da estimulação auditiva tal com protetores auriculares guardados nos bolsos e prontos para serem colocados quando o ruído se torna intolerável.Outra estratégia é a sugerida : ” quando me sinto desesperada de todas as coisas, a musica é a única forma de voltar a me acalmar”. Estamos começando a reconhecer que ouvir musica utilizando protetores auriculares podem camuflar os sons intensos e permitem a pessoa dar um passo tranqüilo em um supermercado ou concentrar-se na escola ruidosa.

 

Ter portunidade de ouvir musica varias vezes ao dia pode reduzir significativamente as respostas normais ao som (Bettison 1996). Há também uma nova técnica denominada treinamento auditivo ou reinamento para a integração auditiva. Este novo tratamento foi desenvolvido em seus princípios por Guy Berard na França e compreende ouvir dez horas e musica especialmente modulada (Berard 1993) . Os resultados preliminares de avaliação são promissores (Bettison 1996). Porem é um tratamento muito caro e não comprovado, o custo e de mais de mil dólares por tratamento.Também poderia ajudar conhecendo a causa e duração do som que é percebido como insuportável .

 

As historias sociais de Carol Gray são extremamente versáteis e podem ser adaptadas para enfocar a sensibilidade auditiva. Uma historia social para um menino que era muito sensível ao ruído das secadoras de mãos, inclui a descrição do funcionamento da maquina e a comprovação de que se apaga automaticamente depôs de um minuto.

 

Certamente é importante para os pais e professores o conhecer a sensibilidade auditiva e tentar minimizar os níveis dos ruídos inesperados, reduzir os sons de fundo das conversas de outras pessoas e evitar determinados sons que se sabe que são sons perceptíveis com uma intensidade insuportável. Podendo ser reduzido os níveis de ansiedade e permitir-lhes concentrar-se e socializar.

Sensibilidade auditiva:

– evitar certos sons;

– escutar musica que distraia o som;

– pode ser útil o treinamento e integração auditiva;

– minimizar o ruído de fundo, especialmente quando varias pessoas falam ao mesmo tempo

– considerar o uso de protetores auriculares.

 

Fonte: http://inclusaobrasil.blogspot.com.br/2008/08/sensibilidade-sensorial-e-autismo.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s