Estudante evita linchamento no Rio de Janeiro


Do O Globo

Intervenção de jovem interrompeu agressão até chegada da polícia

“Eu me confrontei com animais”. Foi assim que a estudante de arquitetura Mikhaila Copello, de 22 anos, definiu o que presenciou e viveu na noite da última terça-feira na Freguesia, bairro da Zona Oeste do Rio, um dia depois da morte de Fabiane Maria de Jesus, vítima de linchamento em Guarujá. Sozinha, ela evitou que a ira de um grupo de moradores da região matasse um jovem que acabara de roubar um celular.

Por volta das 19h30, sentada em um bar, ela ouviu os gritos de “pega ladrão”. O ladrão, um jovem branco, parrudo, baixo, de cabelos pretos, foi cercado no alto de uma ladeira e, ao tentar correr do garoto que o havia denunciado, levou uma rasteira.

— O que gritava deu um chute no pé dele e ele voou de cara no chão. Abriu o supercílio, rasgou a testa, o joelho, e, nesse momento, eu falei para a minha amiga: segura as coisas que estou indo lá. Quando olhei para trás, o garoto estava chutando a cabeça dele com muita raiva, gritando “bandido de merda”. Entrei na frente e gritei “Para com isso”. Puxei o cara pela camisa e coloquei na parede. Ele estava totalmente desnorteado. Foi aí que comecei a ouvir “mata”, “tem que deixar morrer”, e até o clássico “bandido bom é bandido morto”. E eu gritava “vocês não são Deus, não podem julgar quem morre e quem vive” — contou a estudante ao GLOBO.

Ela disse que foi pedir ao garçom do bar um pano para limpar o sangue do jovem, mas foi interpelada por um dos presentes, com um cachorro.

— Quando fui pegar o pano, esse cara enorme me segurou e disse: você não vai chegar perto dele não, ele é bandido, ele vai morrer. Eu comecei a gritar, o empurrei e dei o pano. Quando me aproximei, o cara falou: “Ele deu sorte de você estar aqui, porque eu ia deixar meu cachorro matar ele”.

Segundo Mikhaila, depois de meia hora a polícia chegou.

— O PM entrou e disse: “Se gosta de bandido, leva pra casa”. E todo mundo bateu palma. Algemaram o cara, que me olhou nos olhos e disse: obrigado. Comecei a chorar compulsivamente.

 

Select rating
Nota 1
Nota 2
Nota 3
Nota 4
Nota 5

Recomendadas para você
26 comentários

Comentários

ESPAÇO COLABORATIVO DE COMENTÁRIOS

Lista corrida – recolhida
Lista corrida – expandido
Lista encadeada – recolhida
Lista encadeada – expandido
Data – mais recentes primeiro
Data – mais antigos primeiro
10 comentários por página
30 comentários por página
50 comentários por página
70 comentários por página
90 comentários por página
150 comentários por página
200 comentários por página
250 comentários por página
300 comentários por página

imagem de MarcusRJ 1974

MarcusRJ 1974

Bravatas temos muitas,

Bravatas temos muitas, coragem moral é para poucos… Parabéns a jovem estudante de arquitetura Mikhaila Copello pela sua atitude de humanidade diante de tanta inconsequência por aí! Mais do que uma formadora de opinião, pelo seu exemplo e pela sua coragem, essa jovem se posicionou diante da situação, como ser humano. Alguns vão dizer que defendeu um bandido, mas na verdade ela defendeu a nossa sociedade, seus valores, o bom senso e acima de tudo, a vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s