As Quatro Perguntas: um inquérito sobre a responsabilidade pessoal


“Você pode ter muitas idéias maravilhosas em sua cabeça, mas o que faz a diferença é a ação. Sem ação sobre uma idéia, não haverá manifestação, nem resultados, nem recompensa. ” ~ Miguel Ruiz

compromissos

Em seu livro de filosofia tolteca “Os Quatro Compromissos” (The Four Agreements)Don Miguel Ruiz, estabelece um modelo para alcançar felicidade, paz e amor na vida. Ele foi altamente influenciado pelos ensinamentos de Carlos Castaneda. Em homenagem a ambos (a sabedoria de Don Ruiz e a crueldade de Castaneda), formulei quatro perguntas contundentes que nem precisam ser respondidas para serem eficazes. As respostas podem parecer óbvias, mas ainda assim, são desafiadoras. Apenas pensar sobre elas e debatê-las já tem o potencial de nos ensinar algo considerável sobre nós mesmos e sobre nossa tolerância com os outros.

1) É melhor ser uma pessoa livre insatisfeita ou um escravo satisfeito?

“Eu prefiro a liberdade perigosa do que a escravidão pacífica.” ~ Thomas Jefferson

A ameaça do passado fez com que os homens se tornassem escravos; a ameaça do presente faz com que os homens se tornem fantoches. Mas há uma linha tênue entre escravidão e marionete. Liberdade é algo que você faz, não algo que você é. Não é algo que se dá. É preciso esforço, coragem e determinação; geralmente em face daqueles que fazem de você seus escravos ou fantoches. Uma maneira de se proteger contra a escravidão é o conhecimento. Como o abolicionista Frederick Douglas disse: “O conhecimento torna um homem incapaz de ser um escravo”.

Mas não tenha ilusões, a liberdade é assustadora. É preciso coragem para mantê-la. Às vezes, até leva em frente ao status quo. Como Thoreau escreveu: “A desobediência é o verdadeiro fundamento da liberdade. Os obedientes devem ser escravos ”. Mas é nossa responsabilidade, de mais ninguém, manter nossa própria liberdade e manter aqueles “no poder” responsáveis. Caso contrário, o poder absoluto reinará livremente para governar absolutamente. Como John Adams disse: “Há duas maneiras de conquistar e escravizar uma nação. Um é pela espada. A outra é por dívida. ”Responder a essa pergunta importante e, em seguida, ser proativo com o que a resposta significa, nos ajudará a nos proteger contra as duas formas de escravidão.

2) Você prefere ser apático indiferente ou proativamente responsável?

“Ser um, sem medo de estar certo ou errado, é mais admirável do que a covardia fácil da entrega à conformidade.” ~ Irving Wallace

Ter clareza sobre esse questionamento é compreender o cabo-de-guerra entre coragem e conforto, e que a corda é o medo. Ser pró-ativo e responsável exige ser corajoso por ser desconfortável. “Tolices, lixo e fofoca são o que as pessoas querem, não ação…” escreve Soren Kierkegaard. “O segredo da vida é conversar livremente sobre tudo o que se deseja fazer e como se está sempre sendo prevenido – e depois não fazer nada.”  Isso é o que acontece com a apatia e a indiferença: a preguiça, sem fazer nada.

Para que não nos tornemos preguiçosos, nos convém sermos pró-ativos e responsáveis. Como Os Quarto Acordos diz: “Faça o seu melhor”. O que é mais fácil falar do que fazer, claro, pois nossas zonas de conforto são coisas preciosas e pequenas. A vida é curta demais para não transformar a apatia em empatia e indiferença em preocupação. Como Einstein advertiu: “O mundo não será destruído por aqueles que praticam o mal, mas por aqueles que os observam sem fazer nada”.

3) Você prefere a bem-aventurança da ignorância ou a dor do conhecimento?

“A fonte da infelicidade do homem é a ignorância … A maneira como ele se apega a opiniões cegas, absorvida em sua infância, o coloca em erro contínuo.” ~ Baron d’Holbach

A sabedoria começa, em primeiro lugar, quando não ignoramos a nossa própria ignorância, e em segundo lugar, sendo pró-ativo quanto à cura da ignorância. Nós sempre seremos ignorantes sobre uma coisa ou outra. Mas toda a ignorância pode ser remediada por meio da busca da compreensão, com questionamento e ajustando consistentemente as respostas de maneira saudável.

Mas a única coisa mais difícil que um ser humano pode fazer é admitir quando somos ignorantes, embora todos nós saibamos que somos. Por isso é preciso diligência e imensa circunspecção. Como Kathryn Schulz escreveu em seu livro “On Being Wrong”, “A ignorância não é necessariamente um vácuo à espera de ser preenchido; com a mesma frequência, é uma parede mantida ativamente ”.

Do jeito que está, precisamos da coragem necessária para derrubar essas paredes, mantendo-as eretas apenas em absurdos paroquiais e tradições estagnadas. Mas antes que possamos derrubá-las, precisamos estar cientes delas. A ignorância consciente abre a mente. Como Naseem, Nicholas Taleb escreveu: “A ignorância consciente, se você pode praticá-lo, expande seu mundo; pode tornar as coisas infinitas.”

A ignorância é perigosa. Nós nos tornamos menos perigosos quanto mais sabemos com o que estamos lidando. Se estamos lidando com gatinhos ou tigres, o conhecimento pode ser a diferença entre matar acidentalmente um gatinho ou ser morto por um tigre. Como o grande Martin Luther King disse uma vez: “Nada no mundo é mais perigoso do que a ignorância sincera e a estupidez consciente”.

4) Você prefere ser esbofeteado com a verdade ou beijado com uma mentira?

“A arma mais poderosa nas mãos do opressor é a mente dos oprimidos.” ~ Stephen Binko

Somos beijados com mentiras todos os dias, geralmente de anúncios corporativos e políticos corruptos. Mas, como Rob Breszny diz: “Odeio ódio, mas não odeie os inimigos”. Não vale a pena chegar ao nível deles. Como o segundo acordo afirma, “não leve nada para o pessoal”.Eles nos fazem acreditar no que é necessário. Se eles querem nos beijar com mentiras, então temos que dar um tapa nas pessoas que acreditam naquelas mentiras com a verdade.

Como o primeiro acordo afirma: “Seja impecável com sua palavra”. Não será fácil. Não por um tiro longo. E vai doer nas pessoas que compraram essas mentiras, mas o destino do mundo poderia muito bem depender disso.

Em um mundo onde a capacidade de mentir e manipular os outros é considerada o bem maior, temos que ser ainda mais implacáveis com a verdade do que o normal. Assim como temos que ser ainda mais conscientes de fazer suposições (o terceiro acordo). Isso geralmente significa ir contra o status quo. Mas mesmo que apenas uma pessoa se rebele contra uma ordem inverídica insalubre, nós, as pessoas, é mais provável que tenhamos a liberdade de existir de uma maneira saudável e verdadeira. Como Albert Camus escreveu: “Eu me revolto; portanto, nós existimos.”

~*~

Nos tempos atuais, chega a ser sufocante pensar e refletir até a última instância sobre as interferências que nós, como civis, podemos criar. Mas por meio dos estudos, da reflexão coletiva é possível perceber os outros caminhos a serem desbravados. Que esse texto e os outros listados aqui no Jardim possam te inflar e inflamar!!! Somos um.

Reflexão escrita por Gary Z McGee para Fractal Enlig. ; Traduzido por YanRam para O Grande Jardim.

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s