A Arte de Perder o Controle: O Poder da Experiência Extática


“Só sei que nada sei” ~  Sócrates

Algumas pessoas podem pensar que perder o controle em uma experiência extática é o oposto de ser racional. Mas se considerarmos o fato de que nem sequer sabemos o que é a consciência, ou por que sonhamos, ou o que acontece depois de morrermos, ou até mesmo o que significa ser racional, podemos nos sentir tão humilhados por “não saber” , mas assumir que não se sabe é o que nos liberta. 

Caindo em “não saber”

“Eu não sei” é uma fonte incomparável de poder, uma declaração de independência da pressão para ter uma opinião sobre cada assunto. É divertido dizer. Experimente: “Eu não sei.” Deixe de lado o caminho de ter tudo planejado: “Eu não sei.” Proclame a única verdade de que você pode ter certeza: “Eu não sei”. Esvazie sua mente e abra seu coração: ‘Eu não sei’. Use-o como um grito de guerra, uma afirmação alegre de sua união com o Grande Mistério: ‘Eu não sei’. ” ~ Rob Brezsny

Perder o controle dentro do irracional é, na verdade, uma maneira radical e vai contra o esforço de reforçar a nossa racionalidade. Como podemos saber a verdade sobre qualquer coisa se é diretamente proporcional à medida que podemos interpretar as leis universais que se desdobram ao nosso redor? Às vezes é o Eu ignorante, o ego não iniciado e culturalmente condicionado que nos impede de sentir como a vida é interconectado e interdependente.

Em tais casos – se estamos realmente permitindo que o obstáculo seja o caminho – a experiência extática pode ser usada como uma ferramenta para dissolver a “parede”inconsciente que foi erguida entre o Eu e o Cosmos. A experiência extática torna-se o mecanismo de nivelamento psicológico que nos tira da nossa própria ótica e caminho “individual”, de modo que possamos ter experiências autênticas como seres interconectados em um cosmos interdependente.

Pense sobre o velho Zen Provérbio sobre o copo vazio. A experiência extática esvazia nosso copo. Isso nos permite “não saber” para que estejamos “vazios” o suficiente para renovar nosso conhecimento. “Eu não sei” nos libera em um estado de aprendizado pré-condicionado.
Educação em perpétua admiração é a coisa. “Eu não sei” para que eu possa ficar surpreso ao saber algo novo.

De Cabeça ao Manancial

“Na arte e no sonho, você pode prosseguir com o abandono. Na vida, você pode prosseguir com equilíbrio e discrição. ”~ Patti Smith

experiência extática acaba sendo mal vista porque as pessoas têm medo de perder o controle, ou perder a cabeça, ou de serem consideradas loucas, ou serem condenadas ao ostracismo pela “tribo”, ou qualquer tipo de racionalização psicossocial limitante. Como Iris Murdoch disse: “Somos animais ansiosos. Nossas mentes estão continuamente ativas, fabricando um véu ansioso, geralmente auto-preocupado, muitas vezes falsificador, que esconde parcialmente nosso mundo.” Introduzir a experiência extática em nossas vidas ajuda a revelar o mundo oculto. Quer seja através da solidão profunda e da meditação enquanto jejuam, ou através de dança ritual tribal, ou tendo uma experiência fora do corpo, ou usando enteógenos que alteram a mente, de qualquer modo a experiência tem um efeito descalcificador.

Algo indefinível se desprende da superfície da realidade, levando consigo o significado, rótulos e palavras. É uma espécie de derretimento do eco-ego, onde o “eu” espontâneo se funde em improvisação “Não-eu” e o numinoso terceiro-olho se abre.

É verdade que há uma linha tênue entre a experiência extática e o extremismo. Tudo com moderação, claro. Mas o mais importante, tudo tem de ter moderação, inclusive a moderação. Esse é o truque da experiência extática. É o ouro no veneno e a mosca na pomada. Agita o pó depositado no gozo empoeirado. Ela transforma nossa zona de conforto em um elástico que se expande de maneira flexível por um tempo antes de voltar à realidade.

A experiência extática nos tira do gancho da auto-seriedade e da seriedade culturalpor um tempo, para que possamos experimentar autenticidade sincera antes de retornar à rotina diária. Na verdade, ele tem o poder de desmascarar o animal dentro de nós, revelando todos os uivos e ameaças dentais, todas as fomes ferozes e paixões orgiásticas, como um lembrete de que a vida pode ser vivida de propósito e com propósito em oposição ao mundano como, como a tarefa diária de moer, moer nossas vidas em indiferença apática.

Corte a madeira, carregue a água com as raspas:
“Depois do êxtase, da lavanderia.” ~ Jack Kornfield

No entanto, ter uma experiência de auto-destruição é apenas metade da batalha. É preciso expressar a experiência de alguma forma em uma reconciliação catártica, caso contrário ela se torna reprimida e calcificada, um conhecimento inútil.

Mas, se for auto-atualizada, tem o potencial de criar a magia contínua, seja na forma de elixir para a tribo ou na arte, música, poesia e dança para a cultura em geral. É um presente pessoal que você oferece a si mesmo e que pode ser expandido através de você para a vida ao seu redor.

É nesse sentido que a experiência numinosa gera outras experiências numinosas. A arte inspirada pela experiência extática gera uma experiência mais extática. O selvagem e vulnerável coração aberto da pessoa que se atreveu a perder o controle e experimentar o extraordinário dentro do comum, gera o estouro da coesão cultural criativa (arte). A semente do extraordinário é plantada no limo do comum, e a textura formalmente escassa e banal da condição humana torna-se madura com florescimento eEudaimonia.

O poder da experiência de êxtase é encontrado tanto na dissolução de padrões culturais abafados e desatualizados quanto no plantio de sementes criativas e imaginativas que têm o potencial de atualizar e fortalecer a dinâmica cultural.

No final, a arte de perder o controle nos ajuda a perceber quão pouco (ou nenhum)controle temos para começar, e como levar muito a sério o desejo de controlar pode ter efeitos sufocantes e devastadores em nossas vidas. Se permitir perder o controle de vez em quando nos ajuda a colocar as coisas na perspectiva correta e a deixar as cascas velhas que não servem mais morrem para novos conhecimentos e situações nascerem.

Aquilo que é saudável e que não é saudável torna-se nítido através do contraste, e somos mais capazes de decifrar os padrões subjacentes do Grande Mistério. Isso nos torna mais aptos a adotar opiniões válidas baseadas em leis universais saudáveis, em vez de basear estritamente nossas opiniões em leis antiquadas e artificiais que tendem a ser prejudiciais à saúde.

Como o grande Hunter S. Thompson disse: “Os seres humanos são as únicas criaturas na terra que reivindicam um Deus, e a única coisa viva que se comporta como se não tivesse um.”

~*~

Se permitir perder o controle e ter a coragem de mudar o que precisa ser mudado é como se jogar de um penhasco com a única certeza de que não se sabe o que encontrará abaixo, é uma sensação de puro êxtase por se permitir não saber e não querer saber previamente, só confiar e ir aonde você precisa ir através do desconhecido. Que sempre tenhamos coragem para desafiar a nós mesmos! Ahoooo ❤

Gratidão vida que flui e que se transforma!

Texto inspirador de McGee em FractalEnlig. Traduzido e com alterações por YanRam para O Grande Jardim.

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos.

Leia também:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s