REENCARNAÇÃO


Extraído do Transforme sua vida do Venerável Geshe Kelsang Gyatso

Muitas pessoas acreditam que, quando o corpo se desintegra na morte, o continuum mental cessa e a mente deixa de existir, como uma chama de vela que se apaga quando toda a cera é consumida.

Certas pessoas chegam a pensar em suicídio na esperança de que a morte ponha um fim a seus problemas e sofrimentos. Contudo, tais idéias são totalmente errôneas.

Como explicado, o corpo e a mente são entidades separadas e, assim, apesar do corpo se desintegrar na morte, o continuum da mente não é interrompido. Em vez de cessar, a mente apenas deixa o corpo atual e vai para a próxima vida.

Isso significa que para nós, os seres comuns, a morte só traz novos sofrimentos, ao invés de eliminá-los. Por não entender isso, muitas pessoas destroem suas preciosas vidas humanas cometendo suicídio.

Outra maneira de compreender a existência de vidas passadas e futuras é examinar o processo de dormir, sonhar e acordar, devido à grande semelhança que este tem com o processo de morrer, passar pelo estado intermediário e renascer.

Quando dormimos, nossos ventos interiores densos se reúnem e se dissolvem dentro de nós, e nossa mente se torna cada vez mais sutil até se transformar na mente muito sutil da clara luz do sono. Enquanto a clara luz do sono está manifesta, experimentamos o sono profundo e, aos olhos dos outros, parecemos mortos. Quando a clara luz do sono cessa, nossa mente se torna cada vez mais densa e passamos pelos diversos estágios do estado de sonho. Por fim, nossas faculdades normais de memória e de controle mental são restauradas e acordamos. Quando isso acontece, nosso mundo do sonho desaparece e percebemos o mundo do estado desperto.

Um processo muito parecido acontece quando morremos. Ao morrer, nossos ventos se dissolvem dentro de nós e nossa mente torna-se progressivamente mais sutil até a manifestação da mente muito sutil da clara luz da morte. A experiência da clara luz da morte é muito similar à do sono profundo.

Quando a clara luz da morte cessa, experienciamos as etapas do estado intermediário, ou bardo, em tibetano – um estado que é como um sonho e acontece entre a morte e o renascimento. Passados alguns dias ou semanas, o estado intermediário termina e renascemos. Assim como, ao acordar, o mundo do sonho desaparece e percebemos o mundo do estado desperto, ao renascer, as aparências do estado intermediário cessam e percebemos o mundo da nossa próxima vida.

A única diferença significativa entre esses dois processos é que, após o cessar da clara luz do sono, a conexão entre a nossa mente e o nosso corpo atual continua intacta, ao passo que, depois da clara luz da morte, ela é rompida.

Contemplando isso, podemos nos convencer da existência de vidas passadas e futuras.

Para mais informações sobre reencarnação, consulte os livros Introdução ao budismoCaminho alegre da boa fortuna.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s