“Pequeno manual de educação política para mudar o Brasil”


Um inimigo poderoso da democracia é a ignorância do cidadão médio sobre como funcionam os processos políticos

Saiba quem dos seus amigos leu
Denise Drechsel [04/09/2016] [20h00]

Benett / Gazeta do Povo

0
0
COMENTE!
[5]
É comum ouvir dizer que muitas pessoas morreram ao longo da história até chegar o Estado Democrático de Direito. E é verdade. Inúmeras revoluções aconteceram para que ideias democráticas vingassem, pelo menos no papel.

Nunca foi tão importante estar bem informado.
Sua assinatura financia o bom jornalismo.
ASSINE A GAZETA
No Brasil, apesar desse discurso estar presente nas universidades e na opinião pública, a sua prática está impossibilitada não apenas pelo descaso dos seus governantes, mas também por um inimigo poderoso: a ignorância do cidadão médio sobre como funcionam os processos políticos.

Leia também: Projeto de Lei tenta incluir educação para a cidadania nas escolas

veja também
“Escola sem Partido” divide opiniões; confira argumentos pró e contraPor que o ensino no Brasil forma pessoas pouco inovadoras?Entenda como funciona a turma “do MST” de Direito na UFPR
O povo sai às ruas sem saber quais são os mecanismos das decisões. Lincha ladrões sem saber que eles têm direito a um julgamento justo e a uma pena proporcional ao delito. Faz um ‘voto protesto’ em personagens como o Tiririca e deixa nas mãos deles decisões que influenciam sua vida, como educação, saúde e segurança. Vende o voto – e o seu futuro – por dinheiro, um cargo transitório, remédios ou uma caixa de leite. Esses e outros comportamentos alimentam o círculo vicioso de desrespeito aos direitos fundamentais dos próprios interessados e de milhões de pessoas.

Para mudar esse quadro, é urgente ensinar às próximas gerações conteúdos básicos de cidadania e direitos humanos – uma tarefa árdua das escolas e também das famílias –, da qual depende o futuro do país.

Com a ajuda de especialistas, a Gazeta do Povo fez uma lista de temas que precisam ser conhecidos dos cidadãos brasileiros para que, de fato, alguma mudança significativa ocorra daqui para frente. Confira:

1. Como funciona o sistema?
Se você soubesse que as decisões de uma pessoa podem mudar radicalmente o curso da sua vida, ficaria indiferente? Não lutaria para que o sujeito escolhido para tais decisões fosse realmente interessado no seu bem e capaz de colocar isso em prática? Pois é exatamente esse o dilema das eleições.

Como muitos brasileiros não se dão conta de que as decisões de vereadores, deputados e senadores interferem diretamente no futuro, é preciso despertá-los para isso. Com a ignorância, vem a chamada amnésia eleitoral – poucos se lembram em quem votaram – e a falta de fiscalização dos políticos. Esse conjunto de fatores abre a porta para a corrupção e a reprodução das desigualdades no país.

Além das responsabilidades de cada um, é preciso aprender como funciona o processo eleitoral para decidir bem: qual é o significado do voto nulo, do sistema proporcional e majoritário (poucos sabem, por exemplo, que pelos votos no Tiririca entraram outros deputados que obtiveram votação inexpressiva), etc.

Como um jovem aos 16 anos é considerado apto a votar, esses conhecimentos precisam ser repassados o quanto antes.

2. Quem é responsável pelo quê?
Nas manifestações de rua e nos debates nas redes sociais fica evidente uma lacuna grave na formação das pessoas: ninguém sabe direito quem faz o quê. Cobra-se do Legislativo responsabilidades próprias do Judiciário ou do Executivo; e vice-versa, com todas as combinações possíveis. As pessoas até sabem superficialmente o que faz cada um dos poderes, mas é preciso conhecer além da decoreba e do genérico para poder opinar, exigir e agir junto a eles de forma bem-sucedida – e para não ser enganado por eles.

3. “Não resolveu? Vamos quebrar tudo!”

Desculpe, o reprodutor de vídeo não foi carregado.(Código de erro: 101104)
As ações como a violência registrada por black blocks – e um coro de pessoas dizendo nos bastidores que ‘tem de quebrar mesmo’ – só mostra um desconhecimento sobre a inutilidade dessa ação (quem acaba pagando pela depredação do patrimônio público ou privado é o próprio contribuinte, quem paga impostos). Além disso, dá impressão que faltam recursos intelectuais dos violentos para optar por outras formas de interação com a esfera pública.

Contra isso, é necessária uma educação que ensine a pensar, a refletir sobre os próprios atos, sobre direitos e deveres. E que possibilite a pensar formas inteligentes (não passionais) e legítimas de se fazer ouvir e conseguir justiça – sem ferir os direitos alheios.

4. Ocupações diferentes
Há ocupações feitas por alunos que queriam aula de dança ao invés de português e matemática. E há ocupações de estudantes que não tinham professores e merenda. São democráticas? Ferem os direitos de outras pessoas? Cada caso é um caso, mas é preciso ensinar a protestar respeitando os direitos humanos de todos e a proporcionalidade dos efeitos.

5. Leis existem para proteger
Quando não há normas institucionalizadas e meios para aplicá-las (força jurídica e de coação, quando necessário), os cidadãos ficam reféns dos desejos dos governantes ou dos mais fortes. As leis definem que os direitos fundamentais devem ser aplicados a todos e oferecem ferramentas para que isso ocorra. Ensinar os alunos sobre a importância da Constituição Federal e outras leis, além de traduzir o seu conteúdo para os estudantes são medidas essenciais para o exercício da democracia.

6. Ensinar a pensar e a respeitar opiniões diferentes
Não se constrói a cidadania com decoreba e temas eminentemente técnicos. É preciso ensinar a pensar e não se faz isso sem história, literatura, confronto de pensamento, aquisição de vocabulário e de aprender a ouvir argumentos nunca antes pensados. Saber escutar ideias diferentes sem agredir, sem ter medo de mudar de opinião quando o outro tem dados convincentes, é uma prática que deve ser ensinada desde a infância.

7. Decisões democráticas
Não se podem fazer as vontades de todas as pessoas: na vida em sociedade, sempre que não se refira aos direitos humanos fundamentais consolidados (direito à vida, liberdade de expressão, de educação, etc.), há opiniões diferentes de como devem funcionar as coisas e por isso há discussões e votações. As decisões devem ser realizadas após amplo debate e utilizados todos os meios democráticos (ainda que se possa divergir sobre eles). Quem perdeu na discussão não pode usar de violência para discordar, mas de meios democráticos proporcionais. É difícil atuar assim e, por isso, esse jogo democrático deve ser ensinado na escola e na família.

8. A coação ilegal nunca se justifica
A democracia, para funcionar, não é relativa: parte-se do princípio que há alguns direitos que não devem ser retirados de ninguém, como o da vida, da liberdade de expressão, da liberdade de religião, etc. Mesmo que uma massa enfurecida acredite que uma pessoa não mereça esses direitos em um determinado momento – por exemplo, quando um grupo de pessoas quer linchar um ladrão porque lhe parece que não merece viver –, democracia significa garantir, também pela coação, que esses direitos sejam garantidos. No caso do criminoso, que tenha um julgamento justo e pena proporcional ao delito.

No Brasil, como há uma grande crise de autoridade e excessos para todos os lados, os estudantes precisam entender como é feita a segurança nacional e quais são os seus direitos e deveres para saber atuar de forma democrática e exigir que essa coação seja realizada sem excessos. O limite é sempre o respeito pelos direitos fundamentais.

*Fontes:Antônio Flávio Testa, sociólogo da Universidade de Brasília. Geraldo B. Horn, professor do curso de Filosofia da UFPR. Silvana Batini, procuradora regional e professora de Direito da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro.
Projeto de Lei tenta incluir educação para a cidadania nas escolas
Denise Drechsel
Para ensinar às próximas gerações conteúdos básicos sobre a educação para a cidadania, tramita no Congresso Federal um projeto de lei que sugere incluir como obrigatória a disciplina “Cidadania Moral e Ética” no ensino fundamental e as matérias de “Ética Social e Política”, “Filosofia” e “Sociologia” no ensino médio. “O Brasil está nessa circunstância atual não só por causa dos políticos, mas também porque a nossa população não é politizada”, defende o deputado federal Sérgio Souza, autor do projeto. “Não podemos formar apenas bons técnicos, bons físicos, bons matemáticos, etc., mas precisamos também estar preocupados em ajudar a serem bons cidadãos”, acredita.

Os temas a serem ensinados nessas disciplinas seriam definidos pelo Conselho Nacional de Educação em parceria com o Ministério da Educação. Esta não é a primeira vez que se tenta instituir a obrigatoriedade da matéria de sociologia, por exemplo. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, a iniciativa foi vetada com a justificativa de que o Brasil não teria o número suficiente de professores formados para ministrar a matéria.

Essas disciplinas, apontam especialistas, poderiam sanar as lacunas de conhecimentos políticos dos cidadãos e teriam de ser algo totalmente distinto da ‘Educação Moral e Cívica’ da época da ditadura militar. “Se elas abordarem os diferentes problemas da sociedade brasileira, com análise crítica a partir de várias linhas de pensamento, poderão contribuir na educação para a cidadania”, afirma o professor Antônio Flávio Testa, sociólogo na Universidade de Brasília. Para Geraldo Horn, professor de Filosofia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), se o projeto da Escola sem Partido – que propõe a penalização de professores que façam doutrinação ideológica nas escolas – fosse aprovado, porém, seria impossível ensinar essas matérias dessa forma. “Os autores do projeto querem só o produto do conhecimento e não o processo de reflexão, este último essencial para aprender e exercitar a cidadania com autonomia”, pondera.

A tramitação do projeto de lei, no entanto, é incerta. Primeiro é necessário encerrar as discussões sobre a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e sobre a lei que prevê a flexibilização do ensino médio. Caso a flexibilização seja aprovada, deixará de existir nas escolas de ensino médio um currículo comum a todos os estudantes.”
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/pequeno-manual-de-educacao-politica-para-mudar-o-brasil-4ps0ed41kxpy6ucjocb6gae19/
Copyright © 2018, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s