Max Weber


Compartilhar
Enviar

Considerado um dos pensadores mais influentes da modernidade, Max Weber foi um dos precursores da sociologia econômica, a qual buscou compreender a sociedade de modo mais abstrato e integrada às condições históricas, culturais e sociais.

Por conseguinte, seus estudos recaíram sobre questões teórico-metodológicas no desenvolvimento de estudos histórico-sociológicos acerca da origem da civilização ocidental e seu lugar na história universal. Seus trabalhos de destaque são lidos até os dias atuais por estudiosos de Sociologia da Religião, Sociologia Política, Administração Pública, Economia, Filosofia e Direito.

Weber e a Sociologia

Sem espanto, acreditava que a função do sociólogo seria compreender o sentido das chamadas ações sociais, explicitando os nexos causais daquelas; assim, suas contribuições foram em direção à análise multicausal dos fenômenos sociais, onde destacará fatores culturais e materiais no surgimento das instituições modernas e do consequente processo de racionalização e desencantamento do mundo que as acompanham.

Por conseguinte, vale ressaltar que a sociologia weberiana é essencialmente hermenêutica e busca compreender a rede de significados que o homem teceu se “enroscou”, pois afirma que a sociedade seria o resultado das formas de relação entre seus sujeitos constituintes. Percebeu, portanto, que a ciência participa de um processo histórico geral de racionalização e intelectualização da vida, do qual o objeto da sociologia seria a realidade infinita, da qual somente poderíamos improvisar tipos ideais, que serviriam como modelos interpretativos (de ação social racional com relação a fins, ação social racional com relação a valores, ação social afetiva, ação social tradicional). Portanto, na medida em que a realidade é infinita, não fazemos senão um recorte, uma interpretação, como uma tentativa de explicá-la.

É curioso notar, por conseguinte, que, enquanto seu contemporâneo Durkheim se alicerça nas ciências naturais enquanto modelo metodológico de análise, Weber não acredita haver leis gerais que expliquem a totalidade do mundo social, pois, para ele, estas caminham de acordo com a dinâmica cultural e delas podemos apenas buscar as leis causais, as quais são suscetíveis de entendimento a partir da racionalidade científica.

Complemente sua pesquisa. LeiaO que é Sociologia?

Biografia

Maximilian Karl Emil Weber nasceu em Erfurt, no dia 21 de Abril de 1864. Foi um dos maiores intelectuais alemães de sua época, destacando-se como jurista, economista e sociólogo. Suaa carreira acadêmica iniciou-se em 1882, quando Max Weber foi para a Faculdade de Direito da Universidade de Heidelberg, onde frequentará as aulas de economia política, história e teologia; mais tarde (1889), na Universidade de Berlim, irá tornar-se o doutor em Direito. Em 1893 casou-se com MarianneSchnitger, feminista, estudiosa e curadora das obras de Maximilian.

Nomeado professor de Economia nas Universidades de Freiburg (1894) e de Heidelberg (1896), Max Weber lecionou até 1900, quando foi afastado do magistério devido a um colapso nervoso, do qual se recuperou apenas em 1918, quando voltou a lecionar. Apesar disso, esteve engajado em outras atribuições, como consultoria e pesquisas acadêmicas, facilitadas devido seu cargo como Diretor-associado dos Arquivos de Ciências Sociais e Política Social. Nesse ínterim, Weber publicou seu primeiro esboço de um método sociológico, no artigo “Sobre algumas categorias da sociologia compreensiva” (1907).

Em 1917, já em Munique, Max Weber procurou elucidar os fatores fundamentais do processo de desencantamento do mundo perpetrados pela ciência. Não obstante, no decorrer da Primeira Guerra Mundial, foi diretor de hospitais militares de Heidelberg, até retornar ao ensino de economia em Viena e, posteriormente (1919) em Munique. Max Weber faleceu nessa mesma cidade, em 1920, vítima de pneumonia.

Obra

Sobre sua obra, devemos ter em vista que sofreu grande influência dos escritos de Immanuel Kant, especialmente da concepção kantiana de “a priori“, da qual Weber desenvolveu o conceito “tipo ideal“, segundo o qual as categorias da ciência social seriam uma construção subjetiva do pesquisador (sua interpretação). Essa temática permeia sua obra como um todo; contudo, é mais clara em “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1903)”, “Estudos sobre a Sociologia e a Religião (1921)” e “Estudos de Metodologia” (1922).

Não obstante, sua obra mais lida é o ensaio “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, onde destaca a importância de algumas características específicas do protestantismo ascético, principal responsável pelo nascimento do capitalismo moderno, com sua burocracia. Por conseguinte, Max Weber destacou como o protestantismo dos séculos XVI e XVII e o dogma da vocação profissional constituiu a base do moderno sistema econômico capitalista, pois institui um comportamento metódico, disciplinado e racional.

Curiosidades

  • Max Weber foi consultor alemão no estabelecimento do “Tratado de Versalhes” (1919), bem como um dos responsáveis por redigir a “Constituição de Weimar”.
  • Weber foi o criador do “Artigo 48” da “Constituição de Weimar”, que foi usado por Adolf Hitler para estabelecer seus poderes ditatoriais.
  • Max Weber influenciou e influencia uma miríade de autores até hoje, dos quais destacamos Norbert Elias (1897-1990), Anthony Giddens, Gilberto Freyre e Clifford Geertz (1926-2006).
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s