A Solidão dos Moribundos:


RESENHAS E CRÍTICAS BIBLIOGRÁFICAS
PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004 147
A Solidão dos Moribundos:
Falando
Abertamente sobre a Morte
RACHEL AISENGART MENEZES1
ELIAS, Norbert. A Solidão dos Moribundos.
Tradução: Plínio Dentzien.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001. 107 p.
Norbert Elias realiza o que propõe ao final de seu livro: falar abertamente
sobre a morte. Para ele, “a morte não é terrível, passa-se ao sono e o mundo
desaparece, mas o que pode ser terrível na atualidade é a dor dos moribundos,
bem como a perda de uma pessoa querida sofrida pelos vivos” (p. 76). O autor
demonstra mais uma vez – como já havia feito com a corte, a etiqueta, com os
comportamentos e as mentalidades – que a sociedade é constituída por um
conjunto de relações e que a experiência da morte difere de sociedade para
sociedade.

Escrito em 1982, A solidão dos moribundos é construído através
de uma perspectiva histórica e social comparativa. Elias aponta que todos os
grupos sociais e sociedades construíram idéias específicas e rituais
correspondentes sobre a morte, que se tornam um dos aspectos do processo
de socialização: idéias e ritos comuns unem pessoas e grupos. A morte, seus
significados e o tratamento dado aos moribundos constituem parte de uma
problemática relacionada à estrutura dos grupos e do tipo específico de coerção
a que os indivíduos estão expostos.
Só o homem, dentre os seres vivos, sabe que vai morrer. Exatamente
por essa consciência, durante milênios a proteção do aniquilamento foi a função
central de grupos humanos. Há várias formas de os indivíduos lidarem com a
idéia da finitude da vida: pode-se evitar a idéia da morte através da mitologização
do final da vida, do encobrimento da idéia indesejada, pela crença na própria
imortalidade ou encará-la como um fato da existência e ajustar a vida diante
dessa realidade. Para Elias, atualmente há uma tendência à crença na
imortalidade e ao afastamento da idéia da morte. Comparada a outros momentos
históricos, a expectativa de vida tornou-se mais elevada, através dos avanços

148 PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004
da medicina, da prevenção e do tratamento das doenças. A vida tornou-se
mais previsível, exigindo maior grau de antecipação e de autocontrole.
Diversamente dos séculos anteriores, quando o espetáculo da morte era
corriqueiro e familiar, a morte passou a ser ocultada por trás dos bastidores da
vida social. Os sentimentos e sua expressão se transformaram, a morte deixou
de ser tema freqüente em conversas, como já o foi em outros tempos.
Contrapondo-se a Philippe Ariès – que, segundo Elias, “entende a história
puramente como descrição”, o que “não explica nada” – critica abertamente o
espírito romântico manifestado em seu livro História da morte do Ocidente,
no qual “olha com desconfiança para o presente inglório em nome de um passado
melhor” (p. 19). A seleção de fatos de Ariès se baseia em opinião preconcebida,
desconstruída por Elias. Quando comparada aos Estados-nação industrializados,
a vida nos Estados medievais era apaixonada, violenta, incerta e breve. Morrer
podia significar tormento e dor, pois antigamente havia menor possibilidade de
alívio. Atualmente a medicina avançou – e segue avançando – no sentido de
assegurar uma morte menos dolorosa e com maior alívio do sofrimento.
Elias concorda com Ariès no que se refere à difusão e expressão social
do tema da morte, como, por exemplo, na literatura e na pintura. O fato de
textos de outros tempos tratarem mais abertamente da morte, da sepultura, do
aspecto e da decomposição dos cadáveres não significa um interesse mórbido
pelo tema, mas uma sensibilidade distinta da atual. O autor considera que o
historiador teria se limitado a uma historiografia descritiva, sem preocupação
com a construção de um modelo teórico consistente.
Em comparação com o século XX, a morte era menos oculta, mais
presente e familiar – o que não indica que fosse mais pacífica. O medo da
morte foi intensificado especialmente no século XIV, com o crescimento das
cidades e das epidemias: a violência era comum, a fome também. As pessoas
temiam a morte e os religiosos reforçavam o medo: o sentimento de culpa e o
temor da punição após a morte eram doutrina oficial. O envolvimento de uns
na morte dos outros é que era diverso: muitas vezes o que reconfortava os
moribundos era a presença de outras pessoas ao seu redor, mas isto dependia
das atitudes. Tanto um moribundo podia ser assistido amorosamente por seus
familiares, como os herdeiros podiam escarnecer abertamente do doente. Sem
dúvida, a expressão em torno da morte era mais clara e freqüente, o que não
demonstra de modo algum o bom passado nem o mau presente.

RESENHAS E CRÍTICAS BIBLIOGRÁFICAS
PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004 149
Ao longo de sua obra, Norbert Elias apresenta e analisa o que ocorreu
durante séculos para que distintos eventos fossem transformados socialmente:
o processo civilizador. No curso do impulso civilizador, iniciado há cerca de
quinhentos anos, as atitudes sociais das pessoas sofreram mudanças. Uma
atitude atual é característica dessa transformação: o afastamento das crianças
dos fatos da morte. Para Elias, esta seria uma indicação do processo de
recalcamento da idéia da morte, seja no plano individual, seja no social. O
encobrimento da morte na consciência humana é um processo antigo, a
transformação ocorreu no que concerne à forma de ocultamento. Em tempos
anteriores, fantasias coletivas constituíam o modo predominante no lidar com a
idéia de morte. Com o processo de individualização ocorrido recentemente,
fantasias pessoais de imortalidade têm preeminência sobre as coletivas: vivemos
a ilusão da autonomia individual através de um padrão específico de
individualização.
A morte é um problema dos vivos. Não é a própria morte que desperta
temor, mas a imagem antecipada da morte na consciência dos vivos. O
determinante na relação com a morte não é o processo biológico em si, mas a
idéia que se tem de vida, de morte e da atitude associada a elas. Para Elias,
não apenas a morte foi recalcada e sofreu transformações no decorrer do
tempo, mas também a sexualidade. Do mesmo modo como o tema da morte é
ocultado das crianças, a temática da vida sexual já foi ocultada. Para o autor,
no século XX teria ocorrido um relaxamento dos tabus sexuais. Elias não se
detém acerca do tema, mas pode-se apontar seu viés comprometido de gênero,
ao tratar da solidão dos idosos em asilos: “Não estou pensando apenas nas
necessidades sexuais, que podem ser muito ativas na extrema velhice,
particularmente entre homens, mas também na proximidade emocional entre
pessoas que gostam de estar juntas, que têm um certo envolvimento mútuo”
(p. 86 – grifo meu).
O problema sociológico da morte torna-se mais claro através da
compreensão das características das sociedades contemporâneas e das
estruturas de personalidade associadas a elas. Nessas sociedades houve uma
extensão da vida individual, uma expectativa de vida de cerca de 75 anos.
Assim, a morte para um jovem é mais remota do que numa sociedade em que
um homem de 40 anos é um velho. Elias levanta a hipótese de que talvez
houvesse menos acidentes de trânsito se as pessoas não se afastassem tanto
da idéia de morte. A segunda característica é a experiência da morte como

150 PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004
estágio final de um processo natural ordenado, conseqüência direta de uma
mudança nas concepções de natureza, ciência e medicina. A consciência atual
da implacabilidade dos processos naturais é aliviada pelo conhecimento de que
eles são – e busca-se que sejam mais e mais – controláveis. Hoje, mais do que
nunca, esperamos e buscamos o adiamento da morte.
O grau relativamente alto de pacificação interna nessas sociedades
seria a terceira característica. Assim, as pessoas, ao tentarem visualizar o
processo de morte, provavelmente imaginam uma morte pacífica na cama,
resultante de doença e/ou do envelhecimento e de sua conseqüente decadência
física.
A estrutura de personalidade dos indivíduos transforma-se, vinculada
à organização social no qual estão inseridos. As fórmulas rituais das antigas
sociedades tornaram-se caducas e atualmente há um processo de
informalização: homens não choram mais em público, fato diante do qual o
autor se indaga visionariamente até quando as mulheres serão capazes de
expressar suas emoções. Os rituais seculares foram esvaziados de sentimento
e de significado, e novas formas ainda não foram encontradas.
A quarta característica é o alto grau de individualização, com a
construção da auto-imagem do homo clausus. O “mundo interno” é construído
como se fosse separado do “mundo externo”. Elias demonstra como esta é
uma característica das sociedades contemporâneas ocidentais, pois o “sentido
é uma categoria social; o sujeito que lhe corresponde é uma pluralidade de
pessoas interconectadas” (p. 63). O sentido é construído social e historicamente,
e a ilusão de que uma pessoa poderia ter um sentido exclusivamente seu é
resultado de um permanente autocontrole e de um processo de individualização
social. A resultante dessa equação pode conduzir a sentimentos de solidão e
isolamento emocional. O autocontrole pode estar tão incorporado, de modo a
gerar um bloqueio dos afetos e de impulsos espontâneos – o que pode variar
dependendo da classe, gênero e geração. Deste modo, os moribundos, afastados
da cena social, diante dos quais as pessoas se comportam com constrangimento,
também podem se sentir embaraçados com seu estado e posição. Podem tender
ao isolamento ou, pela proximidade da morte, tentar uma aproximação em
busca de um sentido de suas vidas, de suas relações e de suas mortes. A busca
do sentido para um indivíduo é vinculada ao significado que sua própria vida
adquiriu para os de suas relações, seja através de seu trabalho, comportamento
ou de sua própria pessoa. Na atualidade há movimentos de cuidados dos

RESENHAS E CRÍTICAS BIBLIOGRÁFICAS
PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004 151
moribundos, como o alívio da dor e do desconforto físico. Contudo, esses
cuidados são realizados em hospitais regidos por normas, o que pode resultar
num modo de assistência impessoal.
Em tempo algum as pessoas morreram tão silenciosamente. Morre-se
hoje higienicamente, sem odores, em hospitais cujas rotinas compõem uma
estruturação social para o evento do morrer, tornando-o um acontecimento
amorfo: “uma área vazia no mapa social” (p. 36). Há que se destacar o interesse
de Elias pela medicina – curso que chegou a iniciar – e pelo papel do médico
na sociedade contemporânea. Um dos grandes problemas atuais da formação
e da prática médica seria, em suas palavras: “(…) o cuidado com as pessoas
às vezes fica muito defasado em relação ao cuidado com seus órgãos” (p.
103 – grifo meu). Indo além, afirma que talvez os médicos não tenham clareza
de que as relações de uma pessoa com as outras têm influência co-determinante
tanto na gênese dos sintomas patológicos como no curso tomado pela doença.
O processo da morte somente pode ser compartilhado até certo limite:
se uma pessoa que está a morrer sentir que deixou de ter significado para os
outros, a solidão está configurada. A noção de solidão é ampla e manifesta-se
de várias formas, como, por exemplo, na exclusão social, criando os “seres
invisíveis”, pessoas que vivem nas ruas das cidades, cujas existências são
tomadas socialmente como sem significado. A dor e o sofrimento dos excluídos
face à escassa possibilidade de identificação de outros com sua condição
tornaram-se freqüentes. Assim, é “normal” que os jovens tenham dificuldade
de se colocar no lugar dos mais velhos, como Elias exemplifica com um episódio
de sua juventude. Assistindo a uma conferência, o autor pensou: “por que ele
arrasta os pés assim? Por que não pode caminhar como um ser humano
normal?”. Imediatamente respondeu às próprias perguntas: “Não pode evitar,
é muito velho”.
Chegando à velhice, aos 85 anos, Elias entende como é difícil para os
jovens compreenderem a situação dos mais velhos. Vários de seus conhecidos,
ao saberem que nadava com regularidade e que apresentava boa desenvoltura
física, diziam: “Impressionante! Como você ainda consegue se manter
saudável? Na sua idade?”, ou “Você ainda nada? Que maravilha!”. Diante
dessas observações, Elias diz: “Sinto-me um equilibrista, familiarizado com os
riscos de seu modo de vida e razoavelmente certo de que alcançará a escada
na outra ponta da corda, voltando tranqüilamente a seu devido tempo. Mas as
pessoas que assistem a isso de baixo sabem que ele pode cair a qualquer

152 PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):147-171, 2004
NOTAS
1 Mestre e doutora em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social da UERJ.
momento e o contemplam excitadas e um tanto assustadas” (p. 81). A imagem
circense do equilibrista aponta seu contato com os limites do envelhecimento e
da proximidade – certamente maior do que a dos mais jovens – com a própria
morte.
A solidão dos moribundos contém uma análise apurada das atitudes
sociais diante da morte e do morrer. Em sua conclusão, Elias propõe: “Talvez
devêssemos falar mais aberta e claramente sobre a morte, mesmo que seja
deixando de apresentá-la como um mistério” (p. 77). O autor fala sobre a
morte através de uma análise apurada e com rigor conceitual – eis o que
propõe como alternativa ao ocultamento e ao silêncio em torno do tema.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s