Schopenhauer e os 3 critérios para a Felicidade


Quais são as fontes da felicidade na Filosofia?

Arthur Schopenhauer tentou aprofundar a filosofia prática de Kant em seus aforismos para a sabedoria da vida [compre aqui]. Neste tipo de breviário moderno de sabedoria, como Schopenhauer toma emprestado veteranos ( Sêneca, Epicteto ) e filósofos modernos ( Kant, Fichte ).

Conteúdo

  • 1. Schopenhauer e os 3 critérios da felicidade: ser, ter e aparência
  • 2. A definição de felicidade por Schopenhauer
  • 3. Para ir mais longe com Arthur Schopenhauer

1. Schopenhauer e os 3 critérios de felicidade: ser, ter e aparência

Schopenhauer diz que 3 condições explicam as diferenças na felicidade entre as pessoas:

  1. O que somos: personalidade (o critério mais importante)
  2. O que temos: riqueza e ativos (é necessário um mínimo de posses para ser feliz)
  3. O que nós representamos: fama, posição, honra.

1 / O que somos:

Saúde é a condição sine qua non da felicidade. Ser é o que mais importa e “acompanha-nos ao longo da vida” (ao contrário de riqueza ou reputação que podem mudar).

Schopenhauer distingue dois tipos de homens: o homem normal e homem intelectual.

– Para o homem normal, a vida é para passar o tempo para aumentar sua riqueza externa. No entanto, é efêmera, já que sua vida é uma eterna insatisfação. Incide sobre as forças reprodutivas (comer, sexo) e os prazeres da irritabilidade (viagens, guerra). Em outras palavras, o homem normal foge, ele vive fora de si mesmo.

– Para o homem intelectual, a vida é solidão escolhida que enriquece o interior, ele é “autossuficiente” e não tem nada a esperar dos outros. Suas atividades são as de sensibilidade: pensar e contemplar, que são “centro de gravidade que cai dentro de si mesmo”

2 / O que temos:

O homem intelectual deve ter muito pouco porque:

– Ele aprendeu a restringir seus desejos

– Falta de trabalho deixa tempo para pensar

O homem normal baseia sua vida na acumulação, o trabalho que lhe permite aliviar o tédio

3 / O que nós representamos:

Todo mundo tenta evitar o desprezo e humilhação, para obter um parecer favorável dos outros. Portanto a opinião dos outros é prejudicial para a nossa felicidade. O homem sábio deve distinguir entre o valor do que ele é em si mesmo e o julgamento de outras pessoas. A vaidade é a base deste desejo de reconhecimento. Outros não podem fazê-lo feliz.

Em outras palavras, o homem sábio deve viver sozinho, no orgulho de seu próprio valor.

2. A definição de felicidade por Schopenhauer:

Felicidade, segundo Schopenhauer, é medida pelos males que foram evitados, e não pelos prazeres que provamos. Não viver feliz, mas o menos infeliz quanto possível, então. A definição de felicidade, de acordo com Schopenhauer é, portanto, negativa (vide felicidade segundo estoicismo).

3. Para ir mais longe com Arthur Schopenhauer:

Leia – O Mundo como Vontade e Representação (clique na imagem para adquirir)

Leia mais Filosofia:

A Corrida de Ratos e a Felicidade – Uma crítica social foda [Video]
A Felicidade para São Tomás de Aquino
O Homem não quer Felicidade, diz Nietzsche
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s