Depois do homem paraplégico que voltou a andar


http://www.sonoticiaboa.com.br/2018/09/26/mais-4-paraplegicos-voltam-andar-tratamento-eua-video/

http://www.sonoticiaboa.com.br/

Depois do homem paraplégico que voltou a andar após tratamento na Mayo Clinic, nos EUA – mostrado esta semana no SóNotíciaBoa  – agora mais quatro pessoas que também estavam paralisadas da cintura para baixo voltaram a caminhar em outro centro de pesquisas norte-americano.

Elas estão recebendo um tratamento semelhante e experimental no Centro de Pesquisas de Lesão Medular na Kentucky, na Universidade de Louisville, também nos EUA. Os resultados dessa pesquisa foram publicados no New England Journal of Medicine desta semana .

Os quatro pacientes receberam um implante vertebral que dispara pequenas descargas elétricas na medula espinhal (destalhes abaixo). Dois deles, que têm lesão traumática completa da medula espinhal, agora são capazes de andar de forma independente. Já os outros dois estão conseguindo se levantar e dar alguns passos.

Os quatro participantes se juntaram ao estudo 2 anos e meio após a lesão. Eles não conseguiam ficar em pé, caminhar, nem mover voluntariamente as pernas.

A pesquisa

A pesquisa do Hospital da Universidade de Louisville é baseada em dois tratamentos distintos: a estimulação epidural da medula espinhal e o treinamento locomotor.

Estimulação epidural é a aplicação de corrente elétrica contínua em diferentes freqüências e intensidades para locais específicos na medula espinhal.

Essa localização corresponde às densas redes neurais que controlam amplamente o movimento dos quadris, joelhos, tornozelos e dedos dos pés.

O treinamento locomotor visa, em última análise, treinar novamente a medula espinhal para “lembrar” o padrão da caminhada praticando repetidamente a postura de pé e pisando.

Na sessão de terapia de treinamento locomotor, o peso corporal do participante é apoiado em um chicote de fios, enquanto uma equipe especialmente treinada movimenta as pernas para simular uma caminhada na esteira.

“Esta pesquisa demonstra que alguma conectividade cérebro-coluna pode ser restaurada anos após uma lesão na medula espinhal, uma vez que esses participantes com paralisia completa motora conseguiram andar, ficar em pé, recuperar a mobilidade do tronco e recuperar várias funções motoras sem assistência física, usar o estimulador epidural e manter o foco para tomar medidas”.

Palavras da autora Susan Harkema, professora e diretora associada do Centro de Pesquisa de Lesão Medular da Kentucky na Universidade de Louisville.

A melhora

Oito a nove semanas antes do implante de um estimulador epidural, os 4 pacientes começaram a treinar suas habilidades motoras para facilitar o passo em uma esteira. O treinamento era feito por cinco dias por semana, duas horas por dia.

Depois da estimulação epidural, os participantes foram capazes de pisar no chão e ter a intenção de andar.

Dois deles conseguiram até mesmo caminhar sobre no chão e em uma esteira – com dispositivos auxiliares, como um andador e postes horizontais para o equilíbrio enquanto o estimulador estava ligado.

Mudou minha vida

“Ser um participante deste estudo realmente mudou minha vida. Me proporcionou uma esperança. Eu achava que não era possível depois do meu acidente de carro”, disse Kelly Thomas, de 23 anos, da Flórida.

“O primeiro dia em que dei meus passos sozinha foi um marco emocional na minha recuperação.  Nunca esquecerei o minuto em que andei com a ajuda do treinador e, depois que eles pararam, continuei andando sozinha. É incrível o que o corpo humano pode realizar com a ajuda de pesquisa e tecnologia”, comemorou.

Jeff Marquis, de Wisconsin, tem 35 anos e hoje mora em Louisville. Ele foi o primeiro participante deste estudo a atingir etapas bilaterais.

“Os primeiros passos depois do meu acidente de mountain bike foram uma surpresa e estou muito feliz por ter progredido, dando mais passos a cada dia. Além disso, minha resistência melhorou. Recuperei a força e a independência para fazer coisas que eu pensava, como cozinhar e limpar”, disse Marquis.

“Minha principal prioridade é participar desta pesquisa e aprofundar as descobertas, já que o que a equipe da Universidade de Louisville faz a cada dia é fundamental para os milhões de pessoas que vivem com paralisia devido a uma lesão na medula espinhal”, disse.

Futuro

Susan Harkema, revela que agora o Hospital da Universidade de Louisville quer ampliar essa pesquisa e receber outros pacientes para novos testes.

“Devemos expandir essa pesquisa – esperançosamente, com tecnologia de estimulação aprimorada – para que mais participantes percebam todo o potencial do progresso que estamos vendo no laboratório. O potencial que isso proporciona para 1,2 milhão de pessoas que vivem com paralisia de uma medula espinhal a lesão é tremendo”, garante.

Maxwell Boakye, chefe de neurocirurgia da coluna vertebral da Universidade de Louisville, disse:

“A estimulação epidural pode se tornar um tratamento padrão com várias melhorias no design do dispositivo para direcionar circuitos neurológicos mais específicos.”

Assista aos vídeo que mostram os pacientes andando novamente e como funciona o tratamento:

Com informações da Universidade de Louisville, New England Journal of Medicine e GNN

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.

VEJA TAMBÉM

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s