Temer admite suspender intervenção na segurança do Rio para votar Previdência


Presidente afirmou também duvidar que ‘alguém tente derrubar o teto de gastos’

POR AGÊNCIA BRASIL / O GLOBO

O presidente Michel Temer, durante entrevista à EBC – Reprodução/NBR

BRASÍLIA — O presidente Michel Temer, que participou da abertura da 73ª Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira, em Nova York, voltou a defender a votação da reforma da Previdência após as eleições, e levantou a possibilidade de suspender, provisória ou definitivamente, a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ele afirmou que vai conversar com o presidente eleito sobre o assunto.

LEIA MAIS:

Temer tentará tranquilizar investidores estrangeiros sobre cenário eleitoral

Reforma da Previdência: entenda a proposta em 22 pontos

— A reforma está pronta para ser votada. Portanto, se houver tempo, eu quero votá-la no final de outubro, novembro e dezembro. É claro que a partir do final de outubro estará eleito o novo presidente e claro que eu vou me articular com o novo presidente — afirmou em entrevista à EBC, em Nova York.

LEIA tAMBÉM: Fitch diz que eleição imprevisível aumenta incerteza sobre reformas

CONFIRA:

  • Notas de real. Foto: Pixabay

    Qual o objetivo de limitar as despesas públicas?

    Aprovada em um contexto de crescente descontrole de gastos e queda de arrecadação, a Emenda Constitucional 95, aprovada em 2016, tem como objetivo evitar que o gasto público federal cresça mais que a inflação. A emenda entrou em vigor em 2017.

De acordo com a lei, a intervenção impede a votação de emendas constitucionais, como é o caso da tramitação da PEC 287/2016, que altera as regras de aposentadoria e pensão. O prazo previsto para encerramento da intervenção é 31 de dezembro.

— Isso vai depender de conversações que eu terei agora ao longo do tempo e talvez entre o primeiro e o segundo turno. Como depende de votação em 1º e 2º turnos, de repente pode suspender a intervenção – disse o presidente, acrescentando que o combate ao crime no Rio deu resultado.

Teto de gastos

Temer afirmou também não acredita que o próximo governo tente derrubar o teto de gastos, e que nhaverá apoio no Congresso para rever a medida.

— O que nós fizemos nesses dois anos, ou seja, todas as reformas, modificações estruturais que nós fizemos na economia e na área social, necessariamente vão ter que continuar. Dou um exemplo para você, e eu disse isso no meu discurso para cerca de 100 empresários americanos, a questão do teto de gastos público. Isto foi feito por meio de uma emenda constitucional. Eu duvido que alguém seja eleito e tente derrubar, e portanto consiga apoio do Congresso, para derrubar o teto de gastos públicos — afirmou.

Transição

Segundo o presidente, o governo está preparado para fazer uma “transição tranquila” e que uma comissão para fazer a transição já foi “desenhada” no Palácio do Planalto.

O presidente afirmou ainda que estão prontos “cadernos do governo” sobre as realizações em cada estado da Federação, e que os ministérios também preparam relatórios individuais.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/economia/temer-admite-suspender-intervencao-na-seguranca-do-rio-para-votar-previdencia-23101053#ixzz5SEyAAdK2
stest

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s