Novos pensamentos sobre superdotação, criatividade e inteligencia


https://santoculto.wordpress.com/2015/06/07/novos-pensamentos-sobre-superdotacao-criatividade-e-inteligencia/

1- Replicação termaniana

Pessoas realmente criativas ou genios criativos (especialmente os criativos contínuos) não estão sendo selecionados para escolas de superdotados ( estes superdotados selecionados que em sua maioria serão de alto empreendedores, os queridinhos dos professores). Se os mesmos resultados estéreis de realização criativa (midiaticamente reconhecida ou não) que foram encontrados no famoso estudo de superdotados de Lewis Terman também forem encontrados a partir das mais diversas escolas desta espécie espalhadas pelo mundo fora, então será comprovado que tem havido uma replicação exaustiva do mesmo modelo de seleção de superdotados que foi aplicado pelo psicólogo e com a mesmas conclusões decepcionantes e estúpidas.

Para os professores e diretores ”superdotados” destas instituições, Qi e interesses intelectuais convergentes ou normatizados com o ensino escolar são mais importantes do que traços de personalidade ( o ser inteligente) e demonstração de capacidade em interesses específicos***

Um muito provável sim”.

2- Personalidade inteligente se relaciona com potencial criativo ao invés de avaliações psicométricas

Continuando de maneira bem superficial a ideia de ter e de ser inteligente (ou criativo), partindo da ideia da diversidade cognitiva, especialmente para os tipos mais inteligentes que geralmente serão de super especialistas. Como resultado, eu acredito que enquanto que os testes cognitivos  tendem a abranger certos fenótipos e desprezar muitos outros tipos, mais raros, a avaliação psicológica com base em traços de personalidade que se relacionam objetivamente com inteligencia, como curiosidade intelectual, serão muito mais abrangentes e eficientes nesta tarefa, ainda que também seja de fundamental importancia medir a capacidade cognitiva, específica e global.

3- Inibição latente, distração e a baixa criatividade asiática ( mas também dos tipos caucasianos de mesmo perfil cognitivo)

Leste asiáticos e mais especificamente os leste asiáticos continentais, podem pontuar alto em inibição latente que se consiste na incapacidade de filtrar o excesso ou o máximo possível de informações que estão sendo capturadas a partir da interação com o ambiente e se correlaciona logicamente com a capacidade criativa. A meditação budista bem como outras demonstrações de intensa capacidade de concentração, nos mostram que aquele que é muito bom para se concentrar, por exemplo para memorizar as questões nas provas escolares, pode não ser muito bom para ter insights criativos, isto é, fazer associações mentais remotas potencialmente produtivas.

4- Desprezando os super especialistas ( provas escolares ou testes cognitivos não podem acessar a minha inteligência assimétrica)… e por que muitos dos modernos ”experts” não sabem de nada.

4.1- Integração simétrica de informações ( memorização superficial e convergente) versus a ”empatia cognitiva”, o aprofundamento e o pensamento divergente.

Toda prova de concurso público, escola ou mesmo os testes cognitivos apresentam um modelo multi-integrado ou global de avaliação de capacidade. Isso significa que voce será avaliado com relação ao seu conhecimento genotípico (natural) ou fenotípico (acumulado ou técnicas de resumo do conhecimento, aquilo que ”aprendemos” na escola) geral e não em relação as suas possíveis especialidades cognitivas (forças). No entanto, nem todo mundo e é bem provável que muito mais gente do que imaginamos, que irá apresentar este tipo de inteligencia ”fator-g”, ou seja, aquele que se sairá mais ou menos bem em todas as capacidades cognitivas (técnicas, especialmente).

Quase todas as avaliações por meio dos recursos humanos de empresas e instituições estatais que visam selecionar possíveis candidatos a vagas de emprego, tendem a se basearem diretamente neste modelo global cognitivo OU indiretamente, como quando o avaliador pede o currículo bem como as credenciais (que são os ”troféus” destas mesmas avaliações globais). Desta maneira, eu tenho a impressão de que muitos tipos de super especialistas estejam sendo despejados na sarjeta do subemprego ou desemprego. As avaliações que visam a objetividade de julgamento, na verdade, são unilaterais ao desprezarem a diversidade cognitiva. O resultado, bem, nós já conhecemos. Pouca inovação.

Eu acredito e parto de minha própria auto análise, que os super especialistas apresentam tipos de inteligencias ou perfis cognitivos assimétricos, isto é, que serão muito bons em alguns aspectos e muito ruins ou na média em outros. Todos nós temos nossas forças e fraquezas intelectuais, mas os super especialistas apresentariam uma grande amplitude cognitiva entre elas. O disléxico genial tenderá a ter muitas dificuldades em uma prova de avaliação global, que visa avaliar aquilo que ele aprendeu na escola. Eu poderia resumir este mini texto ou textículo da seguinte maneira.

”A escola é uma merda porque é uma das grandes responsáveis pela desigualdade e injustiça social”.

O ”disléxico genial” não precisa de ter a sua fraqueza avaliada que no caso é a escrita. Pássaros não nadam (alguns só mergulham) e peixes não voam, capisce**

Da mesma maneira que aquele que ”sofre” de discalculia, também não deve ter a sua fraqueza em matemática avaliada ou especialmente, considerada como importante em qualquer tipo de avaliação. Novamente, os pássaros não nadam, peixes não voam e parasitas não trabalham… Todos os animais, incluindo o humano, darão enfase as suas forças do que as suas fraquezas (princípio filosófico da auto conservação).

cultura neurológica do super especialista é prestar atenção especial e obsessiva aos seus talentos ou forças cognitivas ( o princípio filosófico da auto conservação) enquanto que alguém que é cognitivamente inteligente mas com perfil simétrico de capacidades, caminhará para dar pouca atenção a uma ou duas de suas habilidades apenas. A diferença entre o intelectualmente interessado e o intelectual obsessivo.

5- O superdotado Alto empreendedor ou de alto rendimento escolar ou o superdotado conformista.

Eu tenho a impressão que em média, os superdotados alto empreendedores ou de alto rendimento escolástico, o tipo que é o queridinho dos professores, serão do tipo conformista, fundamentalmente, porque eles também seriam como ”superdotados sem a manifestação das superexcitabilidades”, que foi conceituada por Kazimiersz Dabrowski.

Os alto empreendedores seriam os tipos mais comuns de ”mais inteligente”. Isso explica a apatia emocional e perceptiva generalizada, tendencia para opacidade intelectual e criativa que predomina em boa parte das chamadas ”elites cognitivas”.

Claro que nem todo aquele com o predomínio deste perfil cognitivo que apresentará essas tendencias… mas eu não duvido se for uma regra para o grupo, porque ao menos em relação as minhas observações pessoais, a maioria parece se encaixar neste modelo cultural-comportamental.

6- Criatividade: cérebros diferentes percebem o mundo de maneiras diferentes, incomuns ou ”insights”

O PENSAMENTO MAIS INTERESSANTE desta série que aglutinei neste texto.

A cultura neurológica funciona desta maneira

O seu cérebro interpreta o mundo ”exterior” ou ambiente e produz um conjunto de tendencias culturais, comportamentais, psicológicas e cognitivas, baseando-se nesta interação entre que o ocorre entre voce (”e” seu cérebro) e o ambiente, a sua particular alegorização (de longo prazo) da experiencia de estar vivo, com base em suas predisposições.

Cérebros ”comuns” tenderão a produzir percepções ”comuns” enquanto que cérebros incomuns, raros ou com lateralização e morfologia anomalas, tenderão a produzir percepções incomuns. Os insights criativos e a criatividade per si, seriam justamente a prática e o resultado desta interação.

Simples não**

7- Sem parar de pensar…. A irritação que me faz ser um observador.

Voce é do tipo que não consegue parar de ”pensar”, isto é, está a todo momento pensando em alguma coisa, alguma ideia, pensamento, projeto**  Então é provável que voce seja como eu, um observador.

Os filósofos do século XIX acreditavam que o ”genio” se manifestaria no cérebro humano por meio de uma irritação que produz a fixação intelectual em relação a algum domínio do conhecimento ou cognição humanos. E não é que é muito provável que eles estivessem corretos**  De fato, faz sentido que uma tendencia intrínseca para super especialização em algum domínio, necessite de uma combinação fisiológica que produza este perfil cognitivo assimétrico significativo. Os proto-savants.

8- Personalidade e Cultura neurológica ou expressão interativa comportamental constante ( clima : personalidade e tempo : comportamento) e o poder de uma personalidade única ou individualidade orgânica. A raridade do gênio social, Cultural, filosófico e existencial.

Continuando muito resumidamente  o pensamento ”pensar diferente e com qualidade” é ser criativo, a raridade do genio e como consequencia de suas realizações, se dá justamente por causa desta combinação única de características cognitivas (psicológicas, comportamentais e puramente cognitivas).

9- A raridade do gênio: psicopatas, esquizofrênicos, virtuosos, sábios, homossexuais, diversos defeitos de funcionamento do corpo e a raridade do gênio e do sábio.

A combinação epistática ideal entre defeitos e virtudes fisiológicas que produz o ser humano super-perceptivo, o genio. Os tecnicamente inteligentes (a maior parte da ”elite” cognitiva) são mais saudáveis e mentalmente ”sãos”. Mas para que uma tempestade criativa se manifeste, existe a necessidade do conflito…

10- A metáfora do genio por Aldous Huxley em seu ”Admirável Mundo Novo”.

Lombroso e Huxley não poderiam estar mais certos. Sim, a genialidade se consiste em uma combinação única de características fisio-cognitivas e Bernard Marx é uma prova disso. Se voce nasceu ”diferente” dos outros, então já existe uma boa chance para que perceba o mundo de igual maneira.

11- A hierarquia da análise cognitiva: fisiologia ( sistema nervoso, cérebro), personalidade, potencial específico, idade mental e finalmente, qi.

Não preciso escrever mais nada não é**

Fisiologia cognitiva (especialmente em relação ao cérebro) como medição objetiva da inteligencia genotípica,

Personalidade, partindo da ideia de ”ter” inteligencia ou de ”ser” inteligente,

Potencial específico partindo do princípio filosófico de auto conservação. Suas forças cognitivas são o seu método mais importante de sobrevivencia e merece destaque especial. As fraquezas também são importantes mas apenas se forem significativas a ponto de influenciarem as forças de maneira decisiva.

Idade mental ou caráter

e finalmente o famoso qi. Tem se mostrado parcialmente objetivo mas não deve ser usado como único e decisivo parametro. Qi não é inteligencia, é a inteligencia que tem de ser medida e como eu já disse muitas vezes aqui, ela, especialmente em um ambiente complexo e contextual (ou melhor seria, problemático e não objetivo), tenderá a ser subjetiva (ser inteligente praque*), naturalmente diversificada ( ser – ou ter- inteligente em que*) e complexa (fatores ambientais únicos).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s