‘Tropa do sinal’ aumenta venda de balas e amendoins nas ruas do Rio após ‘consultoria de imagem’


Profissional orientou como ambulantes poderiam ter mais credibilidade e atrair mais clientes. Vendas aumentaram em 50%, mas grupo ainda enfrenta dificuldades.


Por Cristina Boeckel, G1 Rio

 

Jovens criam estratégia para aumentar vendas no sinal

Jovens criam estratégia para aumentar vendas no sinal

Com a ajuda de uma consultora voluntária, vendedores de balas e amendoins estão conquistando credibilidade e, consequentemente, faturando mais nos cruzamentos da Zona Sul do Rio de Janeiro. Antes descaracterizada em meio aos carros, a “Tropa do Sinal” se esforça para fazer valer a frase estampada nas guloseimas: “quem dorme sonha, quem trabalha conquista”.

A mudança de rumo nas vendas começou há seis meses, quando a consultora de imagem Carla Bragança conheceu a “Tropa”. Disposta a ajudar o grupo a conquistar reconhecimento e aumentar as vendas, a profissional orientou os ambulantes a melhorarem a apresentação.

Para isso, sugeriu algumas alterações no atendimento. Atualmente, o grupo comemora um aumento de cerca de 50% nos lucros.

“Muita gente discriminava a gente. Com essa união que formamos aqui, a gente aprendeu a ser mais humilde com as pessoas. Até com as pessoas que não são humildes com a gente, a gente aprende a ser com eles. Essa foi uma das experiências que aprendemos aqui”, contou Deivison Dutra, de 24 anos, que há dois vende balas nos sinais.

A “Tropa do Sinal” é formada por cerca de 20 homens, com idades entre 17 e 28 anos, que saem de São João de Meriti, município na Baixada Fluminense, para vender balas e amendoins nas ruas do Rio. Os locais escolhidos são sinais de trânsitona Lagoa e Humaitá, bairros da Zona Sul carioca.

O primeiro passo de Carla foi orientar o grupo a criar uma imagem que despertasse a confiança de motoristas e passageiros.

“Eles não estavam uniformizados. Eles precisavam padronizar as imagens deles para criar mais credibilidade”, explicou a consultora.

A camiseta foi produzida em verde florescente – cor que, segundo a profissional, permite rápida visualização em meio aos veículos. O uniforme tem estampada a mesma frase inscrita nas embalagens.

Para Carla, a padronização permitiu dar visibilidade aos ambulantes dentro de uma sociedade que costuma fechar os vidros para eles. Além de padronizar o grupo, o uniforme redefiniu o trato com o público, avaliou um dos ambulantes.

Vendedores que trabalham em sinais do Rio buscam profissionalização (Foto: Affonso Andrade/ G1)Vendedores que trabalham em sinais do Rio buscam profissionalização (Foto: Affonso Andrade/ G1)

Vendedores que trabalham em sinais do Rio buscam profissionalização (Foto: Affonso Andrade/ G1)

Dificuldades

A melhora nos negócios é motivo de alegria, mas ainda é pouco para que cada integrante da “Tropa” conquiste os objetivos pessoais. Alguns deles chegam a trabalhar mais de 12 horas por dia correndo entre os carros e desviando de motos.

Outros não voltam para casa até cumprir metas impostas por eles mesmos, que vão de R$ 150 a R$ 200 diários.

Todo esse esforço tem como objetivo evitar prejuízos.

Os custos do trabalho incluem, entre outros, o preço de compra dos produtos vendidos, alimentação e transporte – um deles gasta R$ 16 por dia só com passagens.

A exposição ao sol é mais um obstáculo. No dia em que a equipe de reportagem entrevistou a “Tropa do Sinal”, fazia 30º C. Sensação térmica que deveria ser mais alta trabalhando em meio aos carros no asfalto quente.

A saída do grupo foi se proteger. Com a ajuda de Carla, conseguiram a doação de camisetas com fator de proteção contra radiação ultravoleta. Depois, uma designer se ofereceu para fazer a identidade visual do grupo.

Agora, eles buscam ajuda para arrecadar protetores solares, bonés e pares de tênis, já que cada par de chinelo dura apenas dois meses. Encontrar água fresca e potável é mais uma dificuldade.

'Quem dorme sonha, quem trabalha conquista' - lema de vendedores de várias partes do Rio também é exibido pela Tropa do Sinal (Foto: Affonso Andrade/ G1)'Quem dorme sonha, quem trabalha conquista' - lema de vendedores de várias partes do Rio também é exibido pela Tropa do Sinal (Foto: Affonso Andrade/ G1)

‘Quem dorme sonha, quem trabalha conquista’ – lema de vendedores de várias partes do Rio também é exibido pela Tropa do Sinal (Foto: Affonso Andrade/ G1)

Sonhos

Em meio ao grupo, há quem queira continuar trabalhando por conta própria e também quem sonha com um emprego formal. Luiz Paulo Oliveira da Silva, de 28 anos, quer seguir autônomo. Há dez anos, ele catava papelão e trocou o ofício pela venda de balas nas ruas.

O trabalho das 8h às 22h ajuda Luiz a sustentar os cinco filhos. O maior sonho, porém, é “conquistar a casa própria”, como ele mesmo frisou.

Luiz planeja continuar como camelô por considerar que não conseguiria ter um patrão.

“Eu não gosto de ser mandado. Penso em abrir uma banca ou qualquer coisa. Mas trabalhar para os outros não dá, não.”

Outro vendedor, Deivison, pensa como Luiz e sonha conquistar um negócio próprio.

“Eu não tenho o plano de trabalhar para ninguém, não. Mas a gente não quer ficar a vida toda correndo para cima e para baixo. O nosso maior sonho é conquistar alguma coisa que seja nossa, própria. Que seja uma casa, um estabelecimento, um carro, que seja o nosso sustento. Para quando a gente não tiver mais disposição para trabalhar dessa forma, a gente possa se manter”, explicou.

Já Iago Oliveira, de 23 anos, sonha voltar ao mercado de trabalho formal. Com experiência em restaurantes, a venda das guloseimas ajuda a pagar as contas.

“A gente vai ganhando a vida aqui”, diz ele.

Depois, confidencia que tem como objetivo ter uma vida financeira mais estável e ajudar mais a mãe. “Qualquer coisa que aparecer certa e me dê garantia, eu vou.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s