‘Comunismo para crianças’ combina ideologia e conto de fadas


Acusado de doutrinação infantil, livro de ativista alemã ignora atrocidades cometidas pelos regimes comunistas.


Por Luciano Trigo

 

Capa do livro 'Comunismo para crianças' (Três Estrelas) (Foto: Divulgação)Capa do livro 'Comunismo para crianças' (Três Estrelas) (Foto: Divulgação)

Capa do livro ‘Comunismo para crianças’ (Três Estrelas) (Foto: Divulgação)

O lançamento de um livro intitulado “Nazismo para crianças”, no qual os campos de concentração e as câmaras de gás fossem apresentados como um lamentável “desvio autoritário”, e que defendesse a tese de que no fundo os nazistas são legais e desejam a felicidade de todos seria unanimemente execrado, e com razão. Com certas coisas não se brinca – muito menos se a brincadeira envolve crianças.

Pois bem, é fato historicamente documentado que o comunismo matou dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo, por meio de assassinatos e execuções em massa e campanhas de terror e coletivização compulsória, sem falar nas mortes provocadas por fome, doença e exaustão nos campos de trabalho forçado (o historiador Martin Malia estima entre 85 milhões e 100 milhões o número de vítimas do comunismo, aí incluído o Holodomor, o genocídio de milhões de ucranianos pela fome em 1932/33).

E, contudo, há quem veja como engraçadinha a obra “Comunismo para crianças – Um livro para todas as pessoas que desejam um mundo melhor”, da ativista alemã Bini Adamczak (Três Estrelas, 96 pgs. R$ 32,90). Com um texto que emula e parodia os contos de fadas, incluindo ilustrações fofas de pequenas revolucionárias (sintomaticamente, de sovaco cabeludo) que despertam para a consciência política, da primeira à última página a autora se dedica a demonstrar que o capitalismo é malvado, explora trabalhadores e provoca sofrimentos sem fim, enquanto o comunismo, sua contraparte utópica, luta contra a injustiça e a desigualdade.

Nessa fábula cor-de-rosa, Bini critica o stalinismo não por ter perseguido e matado milhões de seres humanos, mas porque “prejudicou muito a possibilidade do futuro do comunismo”. Historinhas povoadas de princesas invejosas, camponesas sem-terra, patroas malvadas e trabalhadoras exaustas reforçam a mensagem de que o comunismo é um “remédio” para os males do capitalismo, uma utopia que precisa continuar a ser desenvolvida até que se torne realidade. Para a autora – que aliás nunca viveu sob o comunismo – apesar de todas atrocidades cometidas, a ideologia comunista não pode ser condenada; ao contrário, ela ainda se presta como modelo de organização política e econômica da sociedade.

Isso poderia até ser atribuído à desinformação ou à ingenuidade, mas já a primeira frase do livro demonstra má-fé: “Comunista é a sociedade que elimina todos os males que hoje afligem os seres humanos em uma sociedade capitalista”. Além de mentirosa, a afirmação é desonesta: a História demonstra que o comunismo não apenas não eliminou mal algum do capitalismo, como também criou muitos outros males. Mas, em um país onde as escolas e universidades com partido estão ocupadas há décadas por professores empenhados em disseminar uma agenda ideológica, não será surpreendente se “Comunismo para crianças” for adotado como livro didático nas salas de aula.

Lançada originalmente na Alemanha, a obra de Bini Adamczak provocou uma enorme polêmica quando foi traduzida nos Estados Unidos, no ano passado. Previsivelmente, quem criticou o livro por promover doutrinação foi desqualificado como reacionário ou de “extrema direita”, ou acusado de não ter captado a mordacidade e a sutileza com que a autora aponta os “problemas” e “equívocos” comunistas (que esses pequenos equívocos e problemas tenham tido um custo altíssimo em sofrimento em vidas humanas é apenas um detalhe).

De maneira similar, trata-se com um tom de desdém e superioridade moral os leitores que enviaram para a editora mensagens do tipo: “Que coisa mais horrível! Deixem as crianças em paz!”; ou “O comunismo mata e escraviza! Pensem no futuro dos seus filhos!”; ou “O comunismo odeia a inocência das crianças, por isso quer destruí-la de todas as formas”; ou ainda “Quando sai o ‘Mein Kampf’ para crianças?” – como se esses leitores não tivessem entendido a obra. De fato, é preciso ser muito reacionário e de extrema direita para achar que um livro intitulado “Comunismo para crianças” e que atribui ao capitalismo a causa de todos os sofrimentos do mundo não pretende doutrinar as crianças, não é mesmo?

Consigo visualizar maneiras melhores e mais eficazes de apresentar as crianças ao comunismo: por exemplo, uma excursão à Venezuela, onde opositores políticos são presos arbitrariamente, onde milícias paramilitares aterrorizam a população e onde se fazem filas para comprar carne estragada. Ou a Cuba, o paraíso miserável de onde, após 60 anos de comunismo, milhares de pessoas tentam fugir todos os anos, arriscando a vida em frágeis embarcações num mar infestado de tubarões.

Por fim, caberia informar aos leitores mirins de “Comunismo para crianças” que a Nintendo e o Playstation são frutos do capitalismo, bem como os smartphones. Os mesmos smartphones que a classe média lacradora e os SJW (“social justice warriors”) usam para postar diariamente nas redes sociais frases feitas e palavras de ordem contra o mercado e o sistema que lhes proporcionam conforto, garantem a sua liberdade e sustentam o seu padrão de vida.

Imagem do livro 'Comunismo para crianças' (Foto: Divulgação)Imagem do livro 'Comunismo para crianças' (Foto: Divulgação)

Imagem do livro ‘Comunismo para crianças’ (Foto: Divulgação)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s