Somos 201 milhões e idosos serão 1/4 da população até 2060, diz IBGE


Envelhecimento dos brasileiros é resultado da queda da fecundidade e do aumento da expectativa de vida. No Paraná, idosos serão 15% em 2030

  • Raphael Marchiori
Curitiba tem 1.884.943 habitantes, três vezes mais do que Londrina, segunda no ranking |

Curitiba tem 1.884.943 habitantes, três vezes mais do que Londrina, segunda no ranking

A população brasileira cresce cada vez menos, mas envelhece e vive mais. Essas são as constatações da mais nova projeção realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), divulgada ontem. Segundo o levantamento, o país tem em 2013 201.032.714 habitantes – 7% deles com 65 anos ou mais. No ritmo das estimativas do instituto, em 2060 um em cada quatro brasileiros será idoso (27%). No Paraná, onde as projeções indicam que a expectativa de vida saltará para 80 anos em 2028, a proporção de idosos pulará dos atuais 7,92% para 15,13% em 2030.

INFOGRÁFICO: Confira a expectativa de vida e a taxa de fecundidade dos paranaenses

O envelhecimento acelerado da população brasileira vem ocorrendo em função da queda da fecundidade e é acompanhada pelo aumento da expectativa de vida. Em 2000, a proporção de nascidos por mulher era de 2,39 – índice que caiu para 1,77 neste ano e que cairá para 1,51 em 2030. No Paraná, a queda tende a ser ainda mais acentuada, já que a taxa de fecundidade deverá chegar a 1,45 em 2030.

Uma das consequências dessa mudança de perfil populacional é a alteração da chamada razão de dependência da população, que indica a proporção de pessoas que teoricamente precisam ser sustentadas (abaixo de 15 anos e acima de 64) pela parcela economicamente produtiva. Hoje, cada grupo de 100 habitantes teria de sustentar 46 indivíduos. Sendo mantidos os ritmos atuais de envelhecimento e fecundidade, essa razão saltará para 66 em 2060.

Além da mudança significativa na taxa de dependência, o demógrafo Morvan Moreira aponta a necessidade de redefinição de políticas públicas. “Essa mudança de perfil populacional traz uma nova ordem de demandas sociais, que implica diretamente nas políticas de saúde, emprego e educação. Além disso, o estado terá mais dificuldades de equilibrar o fator previdenciário e mais pessoas recorrerão à previdência privada”, diz o especialista da Fundação Joaquim Nabuco.

Se por um lado a possibilidade de taxas negativas de crescimento populacional preocupa, por outro o aumento da expectativa de vida anima. A expectativa de vida do brasileiro vem crescendo projeção após projeção. Se, em 2000 vivia-se em média 69 anos, em 2050 o brasileiro passará a viver 80 – média que o Paraná deverá atingir já em 2028.

“Esse cenário é reflexo da melhoria em investimentos em educação, saúde, saneamento básico. Quanto mais as pessoas são bem cuidadas, maior a longevidade delas”, afirma Moreira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s