Obrador promete uma revolução de esquerda no México


Cansados de corrupção e violência, mexicanos preparam mudança de regime. Obrador é o favorito à conquista da presidência e a esquerda deve assumir um protagonismo sem precedentes na história política do país.

Andrés Manuel López Obrador, México, eleição geral do México, 2018, eleição geral do México, 2012

Fotogaleria

Para eleitores, candidatos, jornalistas ou analistas, não há outra forma de o descrever: as eleições deste domingo são as mais importantes da história do México. Um homem  promete  fazer implodir o velhinho sistema político mexicano e romper com décadas de governos de direita: Andrés Manuel López Obrador.

Entre a presidência, o Senado, a Câmara dos Deputados e variadíssimos postos na administração local do Estado, milhares de cargos públicos submetem à escolha dos quase 90 milhões de eleitores inscritos. Mas mais do que as vagas, importam as caras disponíveis para as preencher.

Aos 64 anos, e depois de duas candidaturas presidenciais fracassadas,em 2006 e 2012, o líder do Movimento Regeneração Nacional (MORENA, esquerda) é o grande favorito a receber a chave de Los Pinos – a residência oficial da presidência – para os próximos seis anos, sucedendo a Enrique Peña Nieto, do Partido Revolucionário Institucional (PRI, centro-direita), rosto máximo da incapacidade do poder político em combater a violência, a corrupção e a desigualdade.

Honestidade em punho

Obrador promove um um discurso orientado para as classes desfavorecidas, para os jovens e para a grande massa de eleitores descontentes com o sistema, que mistura populismo, nacionalismo e uma boa dose de idealismo – a apresentação da honestidade como principal arma de combate à corrupção e à impunidade é um bom exemplo. Chega às eleições decidido a derrubar a “máfia do poder” e a oferecer ao mexicano comum um protagonismo que, na verdade, nunca teve.

Segundo a média das últimas sondagens, calculada pelo El País, o ex-chefe do governo da Cidade do México agrega 49% das preferências, contra 27% de Ricardo Anaya, do Partido da Acção Nacional (PAN, direita), 21% de José Antonio Meade, do PRI e 2% de Jaime Rodríguez Calderón (independente, direita). Percentagens que, de acordo com o modelo concebido pelo diário espanhol, dão a Obrador 97% de probabilidades de vencer a contenda.

A cumprir-se um triunfo de AMLO, como também é conhecido, e a igualmente expectável conquista das duas câmaras do Congresso da União pelo MORENA, inaugura-se um inédito capítulo na história do México, que não teve um governo à esquerda em quase 90 anos. “O MORENA vai ser o ‘novo PRI’, enquanto partido de referência e em termos de impacto social e nacionalista”, afiança ao Financial Times o militante Rodolfo González.

Uma verdadeira excentricidade, que também o é por ocorrer numa América Latina que nos últimos anos deu uma guinada política conservadora e por ser acompanhada pela pressão proteccionista do modelo político, económico e migratório de Donald Trump – que tem no México um dos principais alvos das suas frustrações.

PRI em declínio 

O cansaço e o ressentimento de uma larga fatia do eleitorado em relação ao establishment político mexicano anda de braço dado com o desprestígio progressivo do histórico PRI.

No poder desde o início do século passado, e em alternância com o PAN a partir de 2000, o partido entrou, com Peña Nieto, numa espiral de descrédito e arrisca-se a ser varrido do mapa, com a perda da presidência e da maioria de deputados e senadores no Congresso.

O ainda Presidente até nem começou mal o mandato, pondo em prática uma série de reformas para modernizar a economia – com destaque para a abertura do sector petrolífero ao investimento estrangeiro. Mas o fraco desempenho económico do país e a revelação de sucessivos casos de corrupção e de utilização indevida de dinheiros públicos, envolvendo elementos da cúpula do PRI, e com paralelo em praticamente todos os sectores do Estado, desencadeou uma onda de contestação que Nieto não soube travar.

O descontentamento com a impunidade evoluiu para um furacão de indignação popular com o aumento imparável do crime. Entre os milhares de vítimas da guerra ao narcotráfico (mais de 200 mil mortos e cerca de 30 mil desaparecidos desde 2006), os crimes macabros, como o desaparecimento de 43 estudantes em Ayotzinapa (2014), ou a perseguição sem precedentes a jornalistas, activistas e candidatos políticos, o México transformou-se num palco de violência e insegurança. Os chefes dos poderosos cartéis de droga – pequenos grupos de crime organizado dedicados tanto ao narcotráfico como à extorsão ou ao tráfico de seres humanos – são quem dita verdadeiramente a lei em muitas regiões do país.

PÚBLICO -

Foto
Obrador foi transformado num boneco, mil vezes repetido e usado na campanha DANIEL BECERRIL/REUTERS

O ano de 2017 foi o ano mais mortífero de sempre, com 29,168 homicídios registados. Quase 80 mortes por dia e mais de 2400 por mês, que colocam a nu a incapacidade de resposta do Governo e as fragilidades da sua política de segurança – indissociável da guerra às drogas liderada pelo antecessor de Peña Nieto, Felipe Calderón (PAN).

Os dividendos políticos que o Presidente hoje recolhe resumem-se, por isso, a uma humilhante taxa de desaprovação de 80%. E é a perda de fé no regime personificado por Peña Nieto que move a sede dos eleitores de fazer uma revolução através do voto.

“Depois de 12 anos de sangue e de lixo, de violência e de corrupção, para os eleitores mexicanos é certo que não há maior perigo do que a continuidade do perigo existente”, reflecte nas páginas do El País o analista e professor mexicano de Ciência Política Jesús Silva-Herzog Márquez.

O grande “dinossauro”

Mudar é, pois, a palavra de ordem para estas eleições e, por aquilo que nos mostram as sondagens, não há ninguém melhor que Obrador a difundir a mensagem. Anaya, do PAN, aliou-se ao Partido da Revolução Democrática (PRD, centro-esquerda) mas tem sentido dificuldades em afirmar-se como um candidato da mudança. E Meade, ex-ministro das Finanças e dos Negócios Estrangeiros de Peña Nieto, também não logrou descolar o ‘rótulo PRI’.

“Estamos cansados de ver as mesmas pessoas no poder, os mesmos dinossauros… queremo-los fora!”, diz ao New York Times José Sampedro, um fervoroso apoiante de AMLO presente num comício do candidato em Actopan.

As palavras de Sampedro são o reflexo do sucesso da mensagem de Obrador. Por que no caso da eleição presidencial, não há maior “dinossauro” do que ele. Para além de idade – tem mais 25 anos que Anaya e 15 que Meade – e das anteriores participações na corrida, o carismático candidato da esquerda é um dos rostos mais presentes na política mexicana das últimas décadas. Filho do PRI, onde despontou para a política nos anos 1970, e familiar do PRD, que presidiu nos anos 90, fez sempre parte da mobília do sistema político do México.

A ruptura com o establishment e a deriva para a extrema-esquerda deu-se pouco depois de um mandato bem-sucedido como presidente da câmara da Cidade do México – ajudou a transformar a capital num poderoso centro financeiro, entre 2000 e 2005, com um programa que teve tanto de liberal como de progressista – e consolidou-se em 2014, com a fundação do MORENA.

Pelo meio criou a imagem de candidato do povo e de representante da justiça social, tantas vezes impedido de chegar à presidência por um sistema caduco.

“A sua teologia foi a conspiração. Sobre um poder invisível e absoluto que lhe tirava, uma e outra vez, a vitória que merecia; uma ‘máfia do poder’ que ditava os seus caprichos, controlando a comunicação social, os mercados, as sondagens e os votos”, explica Silva-Herzog Márquez, que vê, no entanto, em Obrador “um esplêndido dirigente social”, um homem “misteriosamente eloquente” e o “mais talentoso político que o México conheceu em muitas décadas”. “Os planetas e os mosquitos estão hoje alinhados para lhe dar um triunfo arrebatador”, vaticina o académico.

O programa eleitoral de AMLO mistura a ingenuidade de quem quer combater a corrupção com a “simples moralidade” ou chamar o Papa Francisco para mediar um processo de reconciliação. Tem sugestões polémicas – como a possibilidade de oferecer amnistia a alguns criminosos – e promessas entendidas como eleitoralistas – como a redução do salário do Presidente em metade, a venda da frota aérea do Estado, a alocação de dinheiros públicos para reformas, bolsas de estudo e estágios profissionais, ou a oferta gratuita de fertilizante a todos os pequenos agricultores.

E no centro, bem no centro da sua mensagem eleitoral, há um arrebatamento anti-elitista e um desejo palpável de “varrer as escadas a partir dos degraus de cima”. “O problema está em cima. São os governantes que dão um mau exemplo”, repetiu vezes sem conta nos seus comícios. Estará também ele à prova se à terceira for mesmo de vez. A presidência já esteve mais longe para o “dinossauro” que sobreviveu.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s