A Teosofia e os Conflitos Sociais


Um Caminho Para Construir a Fraternidade

Carlos Cardoso Aveline

Qual é a posição da filosofia esotérica diante da luta de classes, dos protestos sociais e do conceito de “libertação popular”?

A teosofia defende a paz e propõe o respeito às leis vigentes.

O teosofista busca trabalhar através da cooperação e do plantio do que é bom, e não através de rancores e indignações.

O objetivo básico do movimento teosófico é a fraternidade universal. Ele não vê a raiva como ferramenta política legítima.

A opção entre hostilidade e respeito é decisiva para saber que tipo de carma se planta. A abstenção de ações agressivas e a opção por agir construtivamente são especialmente necessárias quando os laços de solidariedade básica entre as pessoas e entre os setores sociais estão desgastados e abre-se espaço para a má vontade recíproca.

Deve ser evitada a dinâmica do sadomasoquismo, na qual a satisfação perversa de ver o sofrimento alheio é uma compensação doentia pelo sofrimento próprio. A autoestima faz com que se tenha respeito pelos outros. Discordar é natural. Fazer ataques pessoais é a marca dos que não pensam no bem comum. Cabe resgatar incondicionalmente o diálogo sincero, a ajuda mútua e a capacidade de escutar os demais.

Numa civilização que vive um nível estacionário ou crescente de ética e solidariedade, os protestos sociais podem ser talvez úteis, em parte, se não atingirem os serviços e as funções essenciais da comunidade.

Mas quando os níveis de confiança mútua entre setores sociais são decrescentes, os protestos e boicotes não ajudam a construir justiça, fraternidade ou bem-estar.

Tao Teh Ching, Confúcio e a Raiva

É bastante nítido o que o “Tao Teh Ching” taoista ensina sobre as questões sociais e sobre a postura do estudante da sabedoria universal diante delas. Fazer exigências é um mau hábito. O fraterno desapego traz harmonia.

Confúcio ensina sobre o poder da cortesia e da boa educação. A prática política do insulto é impensável. As antigas sabedorias chinesas estão mais vivas que nunca no século 21 e vêm ajudando e beneficiando a desorientada sociedade ocidental. Os ensinamentos do Novo Testamento cristão são claros e não recomendam a busca de conflitos. Ensinam, em vez disso, a humilde ajuda mútua.

Em relação à ação social não-violenta, cabe comparar as estratégias seguidas por Vinoba Bhave e Mohandas Gandhi. O “Mahatma” Gandhi, profundamente honesto, reconheceu que a ajuda mútua e a compaixão são melhores que protestos e atos conflitivos.[1]

A evolução social dos povos não se faz por acaso. Não é algo que siga para lá e para cá de acordo com o vento. A história humana obedece à lei do carma e segue a dinâmica alternada dos ciclos. O que se planta se colhe. Quando todos correm atrás do prazer egoísta de curto prazo, as consequências são severas. Cada vez que a liberdade dá lugar à desordem e a ações destrutivas, seguem-se efeitos que raramente são agradáveis.

A Ingenuidade Fatal da Baderna

Entre as primeiras vítimas de toda guerra social estão a sinceridade, o equilíbrio e o bom senso. Em outras palavras, o conflito exagerado produz hipocrisia e aponta para a violência.

Quando a ignorância espiritual se espalha, é comum ver vítimas de preguiça mental estimulando revoltas, tratando de provocar ódio e pensando que vale a pena promover badernas. Quem raciocina por si mesmo, no entanto, consulta a História e percebe que esta ideia é uma das ilusões mais daninhas que alguém pode ter.

É verdade que esoteristas sinceros e pouco experientes consideram correta a ideia de “luta pela sobrevivência”, o que em termos sociológicos, equivale a luta de classes. Cabe a eles fazer um esforço por abrir os olhos. Sempre que o princípio da respeitosa moderação é abandonado, surgem preços cármicos a pagar. E as dificuldades irão crescendo até que a moderação seja resgatada e adotada outra vez.

O princípio universal que manda o buscador da sabedoria abster-se de ações sociais vingativas está presente nas Cartas dos Mahatmas.

Helena Blavatsky denuncia os protestos e revoluções como armadilhas cármicas lamentáveis. Ela aponta para os livros de Dostoievsky como fonte de esclarecimento sobre como se faz de fato reforma social com eficácia. A melhora da sociedade deve ocorrer como resultado do sentimento de compaixão, e não como resultado de raiva, ira ou luta destrutiva. [2]

A ideia de Blavatsky é a mesma do líder indiano Vinoba Bhave, cujo pensamento sobre mudanças sociais é levado em conta pela Loja Independente de Teosofistas. Mahatma Gandhi nunca se afastou muito desta prioridade, e no que se afastou – procurando forçar uma mudança social – foi infeliz.

Durante a primeira metade do século 21, o princípio da opção por atos construtivos, feitos dentro do respeito à lei, ganha importância à medida que a redução da solidariedade social básica torna mais desastrosos os efeitos do excesso de protestos e de pensamento negativo.

Merecem apoio, no entanto, as mobilizações sociais que apontam para o cumprimento da lei vigente e produzem, assim, um fortalecimento do Estado como instrumento ético que deveorganizar de modo justo e pacífico o carma evolutivo da nação.

A ordem possibilita o progresso.

O cumprimento da lei gera otimismo e a paz abre caminho para a reflexão lúcida. A boa vontade produz confiança.

Os conflitos militares devem ser evitados sempre que possível, e a ação responsável por parte dos diferentes setores sociais ajuda a reduzir a sua necessidade.

Os Mestres e a “Luta pela Vida”

O espírito das artes marciais tampouco recomenda o uso da rebeldia e da não-cooperação como instrumentos. Ao contrário. Temos em nossos websites associados vários artigos sobre o espírito essencial das artes marciais, cuja proposta é priorizar a paz e estar preparado para o seu oposto. [3]

Embora a guerra possa ser necessária, a revolta social não é a linguagem dos Mestres de Sabedoria, e foi sempre rejeitada pelos fundadores do movimento teosófico moderno.

Nas suas Cartas, os mestres denunciam como ilusória a “luta pela vida”, seja de um indivíduo contra os outros, seja de um setor social contra os demais.

Na “Carta do Grande Mestre”, disponível em nossos websites, podemos ler:

“Do modo como se encontra o mundo agora, seja cristão, muçulmano ou pagão, a justiça é desconsiderada, enquanto a honra e a piedade são atiradas ao vento. Numa palavra, vendo que os objetivos principais [do movimento teosófico] são mal interpretados por aqueles mais interessados em nos ajudar pessoalmente, como iremos lidar com o restante da humanidade, em meio à maldição conhecida como ‘luta pela vida’, que é a real e mais prolífica causa da maioria das desgraças e tristezas e de todos os crimes?”

E o Mahatma prossegue:

“Por que esta luta teve que tornar-se o esquema quase universal do universo? Nós respondemos: porque nenhuma religião, com exceção do Budismo, ensinou até agora um desapego prático por essa vida mundana, enquanto cada uma delas – sempre com aquela única e solitária exceção – através de seus infernos e danações, inculcou o maior pavor em relação à morte. Por isso nós encontramos, de fato, esta luta pela vida imperando mais violentamente nos países cristãos, prevalecendo especialmente na Europa e na América. Ela é mais fraca nas terras pagãs e praticamente desconhecida entre as populações budistas. (Na China, durante um período de fome, onde as massas são mais ignorantes em relação a sua própria religião ou a qualquer outra, foi notável o fato de que aquelas mães que devoraram seus filhos pertencessem às localidades onde se encontrava a maior quantidade de missionários cristãos; onde não havia nenhum deles e apenas os bonzos possuíam a terra, a população morria com o máximo de indiferença). Ensine-se ao povo a ver que a vida nesta Terra, mesmo a mais feliz, é apenas um fardo e uma ilusão, que apenas o nosso próprio karma, a causa que produz um efeito, é nosso próprio juiz, – nosso salvador em vidas futuras – e a grande luta pela vida em breve perderá sua intensidade. Não há penitenciárias nas terras budistas, e o crime é praticamente desconhecido entre os budistas no Tibete.” [4]

Assim escreveu um sábio oriental que inspira o movimento teosófico.

Não há como evitar a realidade dos fatos. Embora construir seja mais difícil do que fazer reclamações, a ação criativa e solidária tem mérito cármico real e não leva a violência.

Ainda que a lei seja imperfeita, ninguém pode colocar-se acima dela. O juiz Sérgio Moro esclareceu:

“Não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você”. [5]

O conhecimento filosófico clássico não aponta para revoluções, mas propõe a ajuda mútua. Não ensina a revolta, mas a boa vontade. Sua prioridade não é “dizer um Basta à injustiça”, mas construir de fato a justiça e a fraternidade. Ao invés de expressar indignação contra isso ou aquilo, o estudante de filosofia aprende a viver e a ensinar o respeito às leis, à ética e à Constituição do seu país. Ele valoriza o convívio harmonioso na sociedade e a lucidez individual e coletiva. Estes diferentes fatores estimulam a paz e o diálogo, e abrem caminho para o contentamento de todos.

NOTAS:

[1] Veja em nossos websites o artigo “Vinoba e a Vontade de Construir”. Leia também “A Sabedoria Prática de Gandhi”.

[2] Sobre Helena Blavatsky, Fiodor Dostoievsky e as reformas sociais, veja-se a nota editorial inicial e a nota numerada 1, no conto de Dostoievsky “A Árvore de Natal de Cristo”, em nossos websites associados.

[3] Veja por exemplo “A Filosofia do Aikidô” e “Força Moral no Judô e na Teosofia”.

[4] Clique para ler: “A Carta do Grande Mestre”.

[5] Juiz federal Sérgio Moro, citado no artigo “Democracia Exige Respeito à Lei”.

000

Ainda sobre conflitos sociais, veja os artigos “Bom Senso Elimina o Sadomasoquismo” e “Marxismo Não Promove o Crime”.

Num plano mais abstrato e contemplativo, leia “O Mistério da Construção”, de António Ramos Rosa.

000

Em 14 de setembro de 2016, depois de uma análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu criar a Loja Independente de Teosofistas. Duas das prioridades da LIT são tirar lições práticas do passado e construir um futuro saudável.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada porHelena Blavatsky (foto).

Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:

https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/SerAtento/info.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s