INAUTENTICIDADE E FINITUDE EM HEIDEGGER


Poliana Emanuela da Costa

 

Resumo

O presente artigo que aborda a questáo da inautenticidade em Heidegger, a partir da obra Ser e Tempo, tem por objetivo criar uma possibilidade de análise da vida do homem contemporâneo ocidental no tocante aos três aspectos fundamentais que configuram sua existência cotidiana e superficial. Sáo eles: facticidade, existencialidade e a ruína. Essas três constituições essenciais da vida existenciária, segundo a perspectiva heideggeriana, indicam o declínio do ser-aí na medida em que este se afasta da esfera do Ser em direçáo ao mundo dos entes ou dos objetos com os quais convive. Deste modo, o homem se torna alheio as possibilidades que podem reconduzi-lo para o âmbito ontológico e, por conseguinte da sua dimensáo mais originária que é a temporalidade. Nesse sentido, o respectivo trabalho se apresenta sobre o enfoque náo só da filosofia heideggeriana, como também dos problemas emergentes que permeiam a atualidade. Diante disso, como resultados possíveis demonstraremos alguns aspectos centrais do pensamento de Heidegger sobre o referido tema, no sentido de impelir o homem do seu estado de decadência para o seu modo de ser mais próprio, que é o reconhecimento e a apropriaçáo de sua finitude.

Texto completo:

PDF

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s