OMS: 3,3 milhões de pessoas morreram por consumo de álcool em 2012, e brasileiros superam consumo médio mundial


GETTY IMAGES/FLICKR OPEN

Cerca de 3,3 milhões de pessoas morreram em decorrência do consumo de álcool em 2012, por causas que variaram desde câncer até a violência, informou em relatório nesta segunda-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo o relatório, os brasileiros bebem mais que a média mundial – o consumo médio no Brasil é de 8,7 litros por pessoa por ano, sendo que o consumo mundial para pessoas acima de 15 anos é de 6,2 litros por pessoa por ano. Aqui, a diferença entre homens e mulheres é alto. A taxa masculina chega a 13,6 litros de álcool por ano, sendo que a das mulheres é de apenas 4,2.

Mas o que mais preocupa a OMS são os casos de abusos no consumo. No mundo, a média é de 7,5% da população que experimentou em algum ponto do ano um caso de um consumo excessivo de álcool. No Brasil, porém, a taxa é de 12,5%. Num ranking de números de anos perdidos de vida saudável, Brasil está entre os líderes.

“Mais precisa ser feito para proteger populações das consequências negativas à saúde por conta do consumo de álcool”, disse Oleg Chestnov, um especialista da OMS em doenças crônicas e saúde mental. Para ele “não há espaço para complacência”.

Chestnov alertou que beber demais mata mais homens do que mulheres, eleva o risco de desenvolver mais de 200 doenças, e ocasionou a morte de 3,3 milhões de pessoas em 2012.

Em média, segundo relatório da OMS, cada pessoa no mundo com 15 anos ou mais bebe 6,2 litros de álcool puro por ano. Mas menos de metade da população – 38,3 por cento – bebe, ou seja, aqueles que de fato bebem consomem uma média de 17 litros de álcool puro por ano.

“Descobrimos que, mundialmente, 16 por cento daqueles que bebem participam de episódios de consumo pesado, que são o mais danosos à saúde”, afirmou Shekhar Saxena, diretor de saúde mental e abuso de substâncias da OMS.

Pessoas mais pobres são geralmente as mais afetadas pelas consequências sociais e à saúde ocasionadas pelo uso do álcool, disse ele. “Elas frequentemente carecem de cuidados à saúde de qualidade e são menos protegidas por redes funcionais de família e comunidade”.

O relatório global sobre álcool e saúde cobriu 194 países e observou o consumo de álcool, seus impactos na saúde pública e repostas de políticas de combate.

O estudo descobriu que alguns países estão reforçando suas medidas para proteger as pessoas do consumo exagerado. Elas incluem o aumento de impostos sobre o álcool, a limitação da disponibilidade do produto por meio da imposição de limites de idade e a regulamentação da divulgação.

Globalmente, a Europa tem o maior consumo de álcool por pessoa. A OMS disse que a análises de tendências globais mostra que o consumo tem sido estável nos últimos cinco anos na Europa, na África e nas Américas. Mas tem crescido no Sudeste Asiático e na região ocidental do Pacífico.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s