Práticas contábeis e informatizadas / Aula 10 – Prática Informatizada – Setor Contábil – Balancete de Verificação / Encerramento do Exercício / Elaboração do BP e DRE


Práticas contábeis e informatizadas /

Aula 10 – Prática Informatizada

  • – Setor Contábil
  • – Balancete de Verificação /
  • Encerramento do Exercício /
  • Elaboração do BP e DRE
  • Introdução

    A constante busca pela informação faz a diferença nas empresas, o processo de gestão e a tomada de decisões devem ser pautados através de sistemas de gestão mais eficientes e informações mais precisas capazes de acelerar e otimizar as decisões gerenciais. Grande parte dessas informações, principalmente para os usuários externos, encontra-se nas Demonstrações Contábeis.

    Nesta aula, você irá realizar o levantamento do Balancete de Verificação no módulo contábil do sistema informatizado. Irá reconhecer os procedimentos necessários para conciliação e análise de todas as contas patrimoniais e de resultado apresentadas no Balancete de Verificação.

    Além disso, irá realizar o encerramento do exercício no módulo contábil e elaborar o Balanço Patrimonial (BP) e a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) através do módulo contábil do sistema informatizado.

  • Objetivos

    Reconhecer o Balancete de Verificação no sistema informatizado;

    Analisar as contas e o encerramento do exercício;

    Elaborar o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício.

  • Créditos

    Aderbal Torres

    Redator

    Luciane Pery

    Designer Instrucional

    Thiago Lopes

    Web Designer

    Rostan Luiz

    Desenvolvedor

Balancete De Verificação

Balancete de Verificação, ou simplesmente Balancete, é uma relação de contas extraídas do Livro Razão (ou de Razonetes), com seus respectivos saldos, devedores ou credores.

É um relatório que apresenta todas as contas que foram movimentadas, servindo como base para conciliação e análise das contas para futura elaboração das demonstrações contábeis.

No Balancete, a soma da coluna do saldo Devedor tem que ser igual à soma da coluna do saldo credor, isso porque os fatos administrativos são registrados no Livro Diário pelo método das partidas dobradas, cujo princípio fundamental estabelece que, na escrituração, cada débito deve corresponder a um crédito de igual valor.

Os elementos mínimos que devem constar no balancete são:

Se o Balancete se destinar a fins externos, deverá conter nome e assinatura do contabilista responsável, sua categoria profissional e número de registro no CRC.

Balancete — Fortes Contábil

Clique no menu Relatórios, opção Balancete, e em seguida Contábil, conforme tela a seguir:

Em Período de: informe o período do Balancete;
Em Conta(s): serão registrados os movimentos das contas informadas. Para apresentar os movimentos de todas elas, deixe o campo em branco;
Em Estabelecimento(s): serão registrados os movimentos dos estabelecimentos informados. Para apresentar esses movimentos de todos os estabelecimentos, deixe o campo em branco;
Em Centro(s) de Resultados: serão registrados os movimentos dos centros de resultados informados. Para apresentar os movimentos de todos os centros de resultados, deixe o campo em branco;
Em Nível: serão registradas as contas cujo nível seja menor ou igual ao informado;
Na subcoluna Configuração, existem filtros a serem selecionados para visualização do Balancete Contábil.

Conciliação e análise de contas

A conciliação e análise de contas é um controle interno realizado pela contabilidade, onde serão checados os saldos existentes no Balancete com saldos apresentados em relatórios gerenciais e financeiros. A conciliação é essencial à manutenção de boas práticas e imprescindível para a elaboração de demonstrações contábeis mais precisas.

É importante manter atualizadas as conciliações de todas as contas, principalmente das patrimoniais, sendo as mais comuns:

Para realizar a conciliação e análise de contas iremos utilizar os relatórios gerados e confrontar com os saldos do balancete verificando se os saldos estão de acordo com os relatórios.

Apuração do IRPJ e CSLL

Vamos realizar a apuração do IRPJ e CSLL do mês com base no resultado levantado no Balancete de Verificação.

Lucro Apurado: R$ 23.957,36
IRPJ = 15% (R$ 3.953,60)
Adicional do IRPJ = 10% sobre o que exceder a R$ 20.000,00 no mês
3.957,36 x 10% = (R$ 395,74)
CSLL = 9% (2.156,16)

Lançamentos:

Encerramento do exercício

Para o encerramento do exercício, temos que realizar, exatamente, os seguintes passos:

Encerramento das Receitas e Despesas contra a conta de Apuração do Resultado do Exercício e após sua transferência para a conta de Lucros ou Prejuízos Acumulados.

Vale destacar que, em caso de haver Lucros Acumulados, para as Sociedades Anônimas, todo o lucro apurado deverá ser destinado a Reservas e pagamento de Dividendos, ficando a conta de Lucros Acumulados também zerada, havendo prejuízo o mesmo permanecerá em conta de Prejuízos Acumulados.

Encerramento do Exercício — Fortes Contábil

Clique no menu Movimentos, opção Encerramento do Exercício, conforme a figura.

O objetivo dessa ferramenta é gerar de forma automática os lançamentos de encerramento de todas as contas de resultado, transferindo o resultado final para a conta patrimonial de apuração.

Encerramento do exercício [inclusão]

Clicando na opção, Novo abrirá a seguinte tela:

Data Encerramento: Informar a data de encerramento do exercício. O encerramento poderá ser anual, trimestral ou semestral, de acordo com a necessidade do usuário.
Resultado do Exercício:
• Conta: Informe a conta que será utilizada para apuração do resultado exercício;
• Histórico: Informe o histórico para o lançamento de resultado do exercício. Ao marcar a opção Transferir resultado para Patrimônio Líquido o sistema transferirá o resultado para a conta de lucro ou prejuízos acumulados.
Lucro:
• Conta: Informar a conta utilizada para a apuração do Lucro;
• Histórico: Informar o histórico para o lançamento da conta de lucro.
Prejuízo:
• Conta: Informar a conta utilizada para a apuração do Prejuízo;
• Histórico: Informar o histórico para o lançamento da conta de prejuízo.

Balanço patrimonial (BP)

O Balanço tem por finalidade apresentar a posição financeira e patrimonial da empresa em determinada data, representando, portanto, uma posição estática.

Conforme o art. 178, da Lei 6.404/1976, “no Balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia”.

Visando atender a esse objetivo, a Lei 6.404/76, por meio dos arts. 178 a 182 definiu como deve ser a disposição de tais contas, seguindo, para o Ativo, a classificação em ordem decrescente de grau de liquidez e, para o Passivo, em ordem decrescente de prioridade de pagamento das exigibilidades, ou seja:

No Ativo, são apresentadas, em primeiro lugar, as contas mais rapidamente conversíveis em disponibilidades, iniciando com o Disponível (caixa e bancos), Contas a Receber, Estoques, e assim sucessivamente;

No Passivo, classificam-se em primeiro lugar as contas cuja exigibilidade ocorre antes.

Dentro desse conceito geral, os § 1º e § 2º do art. 178 determinam a segregação do Ativo e do Passivo nos seguintes grupos:

Balanço Patrimonial — Fortes Contábil

Clique no menu Relatórios, opção Balanço Patrimonial, conforme a tela, a seguir:

Informar Data para o período de visualização;
Clique em + Adicionar, para adicionar a data;
Na subcoluna Configuração: existem filtros a serem selecionados para visualização do Balanço Patrimonial

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido do período, incluindo o que se denomina de receitas e despesas realizadas.

O art. 187, da Lei das Sociedades por Ações, estabelece a ordem de apresentação das receitas, dos custos e das despesas, na Demonstração do Resultado do Exercício, para fins de publicação.

Critérios Básicos de Apresentação (MARTINS, GELBCKE e IUDÍCIBUS, 2013)

A Demonstração é iniciada com o valor total da receita apurada em suas operações bem como as deduções, os abatimentos e os impostos incidentes, apurando-se a receita líquida, da qual é deduzido o custo total correspondente, apurando-se a margem bruta, ou seja, o lucro bruto.

São, então, apresentadas as despesas operacionais segregadas por subtotais, conforme sua função.

Assim, deduzindo-se as despesas operacionais totais do lucro bruto, apresenta-se o lucro operacional, outro dado importante na análise das operações da empresa.

Após o lucro operacional, apresentam-se as receitas e despesas financeiras, apurando-se então o resultado antes dos tributos (imposto de renda e contribuição social sobre o lucro – CSSL).

Deduz-se, a seguir, imposto de renda e contribuição social a pagar e, finalmente, as participações de terceiros, não na forma de acionistas, calculáveis sobre o lucro, tais como empregados, administradores, partes beneficiarias, debêntures e contribuições para fundos de benefícios a empregados, chegando-se, assim, ao lucro (ou prejuízo) líquido do exercício, que é o valor final da Demonstração.

Fonte: Shutterstock

Configurar DRE — Fortes Contábil

Clique no menu Movimentos, opção DRE / Apurações Diversas, conforme figura a seguir:

O objetivo dessa ferramenta é a possibilidade de criar, de forma rápida, a Demonstração do Resultado do Exercício com os valores sendo trazidos da própria movimentação feita nas contas de resultado.

Clicando na opção Criar, abrirá a seguinte figura:

Descrição: Colocar a nomenclatura para a DRE;
Ao marcar a opção Copiar estrutura de outra DRE, ela copiará todo o cadastrado da DRE selecionada;

Clicando na opção Ok, abrirá a seguinte tela:

Ao clicar em, Incluir Col. o sistema permitirá que seja incluída uma nova coluna de valores dentro da DRE.

Em Período coloque o período de referência da DRE.

DRE [inclusão de contas]

Ao clicar na opção Novo, abrirá a seguinte tela:

Informe o Código para a criação da conta na DRE;
Informe a Descrição para a descrição da conta;

Cálculo

Sintética (Soma das contas filhas): Marcar a opção indicará que a conta será sintética;
Vinculada à conta(s) do balancete: Marcar a opção indicará que a conta será vinculada à do balancete;
Resultado das operações da D.R.E: Marcar a opção indicará que a conta será o resultado da operação.

Valor informado manualmente

Não sugerir valor: Marcar a opção fará com que informe o valor manualmente;
Sugerir IR: Marcar a opção sugerirá o valor do IR;
Sugerir CSLL: Marcar a opção sugerirá o valor do CSLL.

Sinal

Mais (+): Indica o sinal de soma;
Menos (-): Indica o sinal de diminuição;
Igual (=): Indica o sinal de igualdade.

Natureza

Não importa: Indica que a conta ficará com a natureza da conta;
Devedora: Indica que a conta ficará com natureza devedora;
Credora: Indica que a conta ficará com a natureza credora;

DRE — Fortes Contábil

Clique no menu Relatórios, opção DRE, conforme a tela a seguir:

Em DRE, selecione a DRE que foi criada;

Exercícios

1. O Resultado do Exercício, após as deduções, quando positivo, denomina-se Lucro do Exercício e, quando for negativo, denomina-se Prejuízo do Exercício. Para conhecer o Lucro Líquido do Exercício ou o Prejuízo do Exercício, basta apurar o saldo da conta Resultado do Exercício.

Após apurar o resultado do exercício, o procedimento será:

Se o resultado do exercício corresponder a Prejuízo bastará debitar a conta Resultado do Exercício e creditar a conta Prejuízos Acumulados.

Se o resultado do exercício corresponder a Lucro bastará debitar a conta Lucros Acumulados e creditar a conta Resultado do Exercício.

Depois de calculadas as reservas, a contabilização de constituição será feita debitando-se as contas das respectivas reservas e creditando-se a conta de Lucros Acumulados.

Se o resultado do exercício corresponder a Lucro, o saldo desta conta, antes da transferência para Lucros Acumulados, será devedor, indicando que a empresa tem mais receitas do que custos e despesas.

Antes de dar destinação ao lucro líquido, o saldo credor da conta Resultado do Exercício será transferido para conta de Lucros Acumulados.

Corrigir

2. Considere os seguintes dados referentes às contas de resultado de uma empresa e assinale a afirmativa correta:

TOTAL DE AÇÕES: 1.000
RECEITA BRUTA: $ 200.000
RECEITAS FINANCEIRAS: $ 500
CMV: $ 100.000
IMPOSTOS INCIDENTES SOBRE VENDAS: $ 50.000
DESPESAS FINANCEIRAS: $ 1.500
DESPESAS ADMINISTRATIVAS: $ 15.000
PREJUÍZO EM OPERAÇÕES DESCONTINUADAS: $ 1.000
IRPJ E CSLL: $ 8.000

O valor da RECEITA LÍQUIDA é R$ 100.000

O valor do LUCRO BRUTO é R$ 50.000

O valor do LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO é R$ 34.000

O valor do LUCRO por AÇÃO é de R$ 34

O valor do LUCRO antes do IR e CS é R$ 25.000

Corrigir

3. As contas do Ativo devem observar a ordem decrescente de grau de liquidez. Sendo assim, as contas do Balanço Patrimonial deverão ser apresentadas na seguinte ordem:

Máquinas e Equipamentos, Estoques, Clientes, Bancos e Caixa.

Caixa, Bancos, Estoques, Clientes e Veículos.

Caixa, Bancos, Clientes, Estoques e Máquinas e Equipamentos.

Caixa, Bancos, Imóveis, Estoques e Marcas e Patentes.

Aplicações Financeiras, Caixa, Estoques, Clientes e Imóveis.

Corrigir

4. O objetivo principal das Demonstrações Contábeis é de fornecer informações que sejam úteis na tomada de decisões econômicas e avaliações por parte dos usuários em geral.
Muitos usuários não podem requerer que as entidades prestem a eles diretamente as informações de que necessitam, devendo desse modo confiar nas Demonstrações Contábeis, para grande parte da informação contábil-financeira que buscam. Sendo assim, são usuários primários das Demonstrações contábeis:

os Administradores

os Usuários Internos

os Usuários Externos

os Gestores

os Diretores

Corrigir

5. De acordo com a Resolução. CFC 1.185/09 / CPC 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis, o conjunto completo de demonstrações contábeis inclui:

BP, DRE, DRA, DMPL, DOAR, DVA

BP, DRE, DLPA, DFC, DVA

BP, DRE, DRA, DMPL, DFC, DVA

BP, DRE, DLPA, DFC, NE

BP, DRE, DRA, DMPL, DFC

Corrigir

Referências desta aula

  • FERRARI, E. L. Contabilidade Geral. Rio de Janeiro: Impetus, 2013.
  • FORTES – Tecnologia em Sistemas. Programa de Apoio ao Estudante e à Iniciação Profissional (PAE). Disponível em: http://www.fortestecnologia.com.br/pae. Acesso em: 20 out. 2016.
  • IUDÍCIBUS, S. de; MARION, J. C. Contabilidade Comercial: atualizado conforme lei nº 11.638/07 e lei nº 11.941/09. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  • MARTINS, E.; GELBCKE, E. R.; IUDÍCIBUS, S. de. Manual de Contabilidade Societária – aplicável a todas as sociedades. São Paulo: Atlas, 2013.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s