Comorbidades mais frequentes em Asperger – Uma visão geral


Transtorno do Déficit de Atenção (com e sem Hiperatividade), Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Transtorno Opositivo Desafiador, Depressão e Síndrome de Tourette

Resultado de imagem para comorbidades desenho

Fonte da Imagem

ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES:

AAF – Autismo de Alto Funcionamento

SA – Síndrome de Asperger

ST – Síndrome de Tourette

TAG – Transtorno de Ansiedade Generalizada

TDA – Transtorno de Déficit de Atenção

TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

TOC – Transtorno Obsessivo-Compulsivo

TOD – Transtorno Opositivo Desafiador

 

Trechos do livro The Asperger’s Answer Book, da autora americana Susan Ashley, Ph.D, fundadora e diretora do Centro de Psicologia Infantil Ashley, na Califórnia – EUA, especializada em TDA e TDAH:

Resultado de imagem para the asperger's answer book the top 275 questions parents ask nd back cover      Resultado de imagem para the asperger's answer book the top 300 questions parents ask cover and back cover


Capítulo 3 – Trechos contidos entre as páginas 54-60 e nas páginas 69-70

Por Susan Ashley

Tradução: Audrey Bueno

É realmente síndrome de Asperger ou é alguma outra coisa?

A síndrome de Asperger (SA) é uma desordem relativamente nova, que foi incluída pela primeira vez no manual de diagnósticos de saúde mental na versão de 1994 (versão número IV), do Diagnostic and Statistical Manual (Manual Diagnóstico e Estatístico, em português), geralmente referido pela abreviação DSM-IV. Por ser um novo distúrbio, a SA não costuma estar no topo da lista de distúrbios que a maioria dos médicos considera. Isso pode ser útil no sentido de que crianças acabem não sendo diagnosticadas incorretamente com SA quando, na verdade, elas têm um distúrbio diferente. Contudo, isso simultaneamente resulta em crianças que realmente tenham SA deixando de ter o diagnóstico de SA. Como os sintomas de SA são vagos, outras condições podem facilmente ser confundidas com esse transtorno. É, portanto, muito importante que a criança que pareça ter SA seja avaliada para outros distúrbios também.

O distúrbio mais difícil de distinguir da síndrome de Asperger é o Autismo de Alto Funcionamento (AAF), como discutido no capitulo 1¹. Adicionalmente a outras desordens, o médico precisa distinguir entre saber se a criança está passando por uma fase ou está tendo uma reação em resposta a algum acontecimento dramático da vida, tal como divórcio, trauma ou abuso. Finalmente, é mais comum do que não que crianças com AS tenham ao menos mais um distúrbio associado. Algumas vezes, a segunda desordem fica tão mais aparente, que mascara os sintomas da AS de forma que a criança não seja diagnosticada com SA.

 

¹ No capítulo 1, a autora faz as seguintes colocações acerca das diferenças entre SA e AAF: “Onde estabelecer uma linha divisória entre SA e AAF nunca é algo totalmente claro, e não existe critério para efetivamente distinguir entre os dois. Alguns profissionais acreditam que ambos sejam a mesma coisa, de tal modo que defendam a ideia de que o termo AAF seja eliminado. Outros, no entanto, veem AS como uma forma de autismo num nível ainda mais superior de funcionamento”.

De qualquer forma, algumas diferenças foram compiladas, observadas e listadas pela autora:

Área dos Sintomas AAF Asperger
Socialização Mais passiva, aceita se abordado por outras pessoas Procura os outros para interação unilateral
Comunicação Responde se abordado pelos outros Procura os outros para conversa unilateral
Linguagem Pragmática (uso de linguagem social) empobrecida, uso estranho de pronomes e vocabulário Muito boa, repetitiva, literal, excessiva, estranha
Brincadeira com o colega Brincadeira paralela com pouca interação Procura o outro para brincadeira unilateral
Sensibilidade sensorial Varia, de nenhuma a leve ou moderada Varia, de nenhuma a leve ou moderada
Brincadeira imaginativa Repetitiva, pouco imaginativa Repetitiva, imaginação limitada
Atividades repetitivas Rituais com objetos ou movimentos corporais Falar, questionar; pode ter alguns movimentos corporais, alguns rituais
Reação à mudança Insiste na mesmice, reação moderada Não gosta, resiste, reage exageradamente
Habilidade motora Varia, de boa a pobre Varia, desajeitada, coordenação pobre
Contato visual Evitativo, inconsistente Pobre, inconsistente
Época mais precoce em que se costuma obter o diagnóstico 16-30 meses Pré-escola
Inteligência Varia – costuma estar na média Normal a superior

 

Como saber se seu filho tem uma segunda desordem?

A maioria das crianças com SA têm problemas adicionais além da SA. Muitas têm um segundo transtorno ou, ao menos, têm sintomas adicionais que são significantes o bastante para precisarem de avaliação e tratamento. Como AS tem sintomas nas áreas das emoções, socialização, pensamento, comportamento e comunicação, uma avaliação em equipe multidisciplinar pode ser essencial. Tipicamente, uma categoria de sintomas se sobressai sobre os outros, levando os pais a buscarem avaliação de um único especialista, mas uma vez obtendo um diagnóstico, eles não procuram além. Já é difícil o suficiente aceitar que seu filho tenha uma desordem, que dirá considerar que o problema para o qual um diagnóstico acabou de ser obtido talvez seja apenas um indicativo de algum distúrbio mais sério. É também preocupante pensar no custo de avaliações e testes por múltiplos especialistas. No entanto, sem enveredar por um processo diagnóstico mais abrangente, há o risco de se iniciar uma jornada com apenas parte do mapa. Tanto pais quanto profissionais precisam ter consciência de que a maioria das desordens psicológicas raramente existem isoladamente. Sem uma avaliação intelectual, psicológica, de linguagem, social e comportamental, não apenas podem outros sintomas passar despercebidos, como distúrbios adicionais podem não ser identificados [reduzindo a chance de uma terapêutica mais eficaz; nota do tradutor].

O que é TDA?

O Transtorno do Déficit de Atenção, conhecido pela sigla TDA, é um comportamento disruptivo cujos sintomas incluem:

  • Desatenção
  • Distratibilidade
  • Esquecimento
  • Problemas em sustentar foco mental
  • Erros repetidos
  • Perda frequente de objetos pessoais
  • Sonhar acordado ou ficar aéreo

Os sintomas de TDA podem começar tão cedo quanto no jardim de infância, onde a criança tem dificuldade em brincar quieta, dividir brinquedos, tirar um cochilo e ouvir. Ao que a criança com TDA passa para a segunda, terceira e quarta séries, os sintomas se tornam mais aparentes, com seu maior impacto visto em sala de aula e durante a lição de casa. Trabalho incompleto, mentir sobre a lição de casa, birras, adiamento das tarefas, trabalho feito de qualquer jeito, e perda dos itens necessários à execução da lição de casa são ocorrências quase diárias.

Embora a prevalência não seja conhecida, sabe-se que é muito comum ver TDA coexistindo com SA. Também não é incomum que um distúrbio seja confundido com o outro. A desatenção, o sonhar-acordado e a alta distratibilidade de TDA podem imitar a falta de interesse e empatia pelos outros que é visto em SA. Além disso, como a maioria das crianças com TDA tem pobres habilidades sociais, por via de regra SA costuma não ser considerada como uma desordem coexistente. Se seu filho for diagnosticado com TDA, é importante que também seja avaliado para SA.

O que é TDAH?

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, conhecido pela sigla TDAH, é um comportamento disruptivo cujos sintomas incluem:

  • Atividade física excessiva
  • Impulsividade
  • Inquietude, não parar de se mexer
  • Ser intrusivo
  • Fala excessiva

Estas crianças são excessivas em seus comportamentos. Elas se mexem muito, falam muito, interrompem os outros, se intrometem nos jogos dos outros, não conseguem sossegar, e parecem ser guiadas por um motor que nunca cessa.

Tipicamente, elas têm esses sintomas em adição aos do TDA. Esses sintomas resultam numa criança que quebra as regras o tempo todo em casa, na escola, no playground, e consequentemente não recebe aprovação dos adultos ou de seus pares.

Os sintomas de TDAH costumam aparecer nos anos iniciais da infância, com o primeiro sinal geralmente sendo a agitação física aparentemente sem fim da criança. Sua inabilidade em respeitar a vez em brincadeiras e conversas se parece muito com a falta de empatia vista na síndrome de Asperger.

Sintomas de TDAH são comumente vistos em crianças com Asperger, e muitas são diagnosticadas com ambas as desordens. As estimativas são tão amplamente generalizadas, que acabam sendo inúteis, com vários estudos apontando números que variam de 17 a 85% de crianças com síndrome de Asperger que também tenham TDAH. Devido ao fato de que os sintomas de TDAH sejam tão óbvios e difíceis de se conviver, eles geralmente mascaram os sintomas da síndrome de Asperger, que frequentemente passa despercebida em crianças com TDAH pelo simples fato do avaliador não ter cogitado a hipótese. Qualquer criança com TDAH que tenha problemas com habilidades sociais deve ser avaliada para síndrome de Asperger.

O que é Transtorno Obsessivo-Compulsivo?

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é marcado por compulsões e obsessões recorrentes que interferem com a rotina diária. Obsessões são ideias persistentes e recorrentes, pensamentos, impulsos ou imagens que são intrusivas e causam angústia. Esses pensamentos não são desejados ou intencionais e estão fora do controle da criança ou adolescente, indo muito além das preocupações normais. Compulsões são comportamentos repetitivos que servem ao único propósito de prevenir ou reduzir a ansiedade. A criança ou adolescente se sente impelido a reproduzir o comportamento, às vezes para impedir um resultado temido, tal como lavar as mãos para prevenir doenças.

Algumas obsessões incluem cumprir comportamentos rígidos e estereotipados que não tenham uma função ou conexão real em prevenir o evento temido.

Como tanto TOC quanto a síndrome de Asperger (SA) envolvem uma busca perseverante e interesses pouco usuais, pode ser difícil separar as duas desordens. Enquanto os sintomas de intensa preocupação com um pensamento ou interesse podem parecer idênticos em ambos os distúrbios,  há diferenças facilmente identificáveis. Indivíduos com TOC não têm as notórias dificuldades sociais que são um problema central para aqueles com síndrome de Asperger. Eles também não têm problemas com a linguagem. Por fim, as ideias e comportamentos repetitivos experimentados pela pessoa com Asperger são fonte de prazer e propositalmente buscados, enquanto que a pessoa com TOC experimenta tais comportamentos repetitivos como indesejados e angustiantes e tenta resistir a eles.

O que é Transtorno de Ansiedade Generalizada?

O Transtorno do Ansiedade Generalizada (TAG) é caracterizado por preocupação excessiva e persistente que dure pelo menos 6 meses. Os sintomas de ansiedade incluem:

  • Preocupação excessiva
  • Dificuldade em controlar a preocupação
  • Sentir-se agitado ou no limite
  • Facilmente cansado
  • Dificuldade de concentração
  • Irritabilidade
  • Tensão muscular
  • Distúrbio do sono

Todas as crianças têm preocupações de vez em quando, mas crianças com TAG são excessivamente preocupadas e os sintomas são significantemente angustiantes e causam prejuízo funcional. As preocupações mais comuns nas crianças são a escola ou o desempenho numa determinada atividade, e eventos catastróficos como terremotos. Crianças ansiosas tendem a ser perfeccionistas e podem precisar de constante reafirmação, tranquilização.

A síndrome de Asperger e distúrbios de ansiedade não são facilmente confundidos um com o outro. Contudo, uma criança com SA pode ter uma desordem de ansiedade que passe despercebida.  Embora não saibamos quantas crianças com SA têm um distúrbio de ansiedade, pesquisas mostram claramente que elas têm mais desordens de ansiedade que crianças com outros tipos de condições e mais ansiedade que a população infantil em geral. Essas descobertas são observáveis tão cedo quanto na pré-escola e se tornam mais prevalentes à medida que as crianças com SA ficam mais velhas.

O que é Transtorno Opositivo Desafiador?

O Transtorno Opositivo Desafiador [ou Opositor Desafiador] (TOD) é um padrão recorrente de comportamento desafiador, desobediente, opositor, negativo e hostil para com o adulto. Crianças com TOD têm quatro ou mais dos seguintes sintomas:

  • Respondonas ou vingativas
  • Perdem a calma
  • Bravas e ressentidas
  • Discutem com os adultos
  • Se ofendem ou se aborrecem facilmente
  • Ativamente desafiam e se recusam a colaborar com os pedidos ou regras dos adultos
  • Culpam os outros por seus erros e mau comportamento
  • Deliberadamente importunam as pessoas

Os sintomas precisam estar presentes por pelo menos 6 meses [para o diagnóstico] e ocorrerem com mais frequência que a considerada comum para a idade e nível de desenvolvimento esperado. A criança com TOD é muito difícil de se criar; recusa-se a colaborar mesmo com o pedido mais básico. Ela quer as coisas do seu modo e poucas coisas a impedirão de conseguir isso. Elas vivem sob a filosofia do “você não manda em mim!”. Batalhas constantes resultam num ciclo de negatividade entre os pais e a criança, e elas tendem a trazer para a cena o pior lado de cada um na relação. A rigidez, insistência na rotina e falta de empatia vista na síndrome de Asperger pode se parecer com TOD ou ser severa o bastante para que a criança também seja diagnosticada com TOD.

O que é Depressão Infantil?

Crianças geralmente não têm ideia do que a depressão seja e são incapazes de verbalizar isso muito bem. Em vez disso, elas mostram sua depressão em reclamações de não estarem se sentindo muito bem, temperamento irritável e isolamento social. Adolescentes são mais conscientes de suas emoções e, portanto, podem verbalizar melhor acerca da depressão. Os sintomas da depressão incluem:

  • Humor deprimido ou irritável
  • Prazer ou interesse diminuídos nas atividades
  • Mudanças no peso ou apetite
  • Insônia ou sono excessivo
  • Agitação física ou lentidão
  • Fatiga ou perda de energia
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa
  • Concentração diminuída
  • Pensamentos de morte ou suicídio

Em vez de uma mudança súbita de humor de geralmente feliz para triste, crianças com síndrome de Asperger têm um aparecimento mais sutil e vagaroso da depressão. Sua tristeza advém da vida diária de não pertencimento, de sofrer bullying ou ser rejeitado pelos colegas, de perceber-se como chato para os colegas e de magoar os pais. À medida em que a criança cresce, ano a ano ela vai se tornando mais consciente de suas diferenças e de sua inabilidade de pertencimento, levando a um risco cada vez maior de depressão, especialmente na adolescência. Pensamentos suicidas não são incomuns e devem ser tratados com seriedade e não interpretados como um desejo de chamar a atenção.

O que é Síndrome de Tourette?

A Síndrome de Tourette¹ (ST) é um transtorno de tiques múltiplos, incluindo tiques motores e vocais que estejam presentes por pelo menos 1 ano. Um tique é um movimento ou vocalização estereotipado, recorrente, involuntário, rápido e repentino. Os tiques são vivenciados como sendo difíceis de serem impedidos, mas que podem ser suprimidos por períodos variáveis de tempo, especialmente durante períodos em que a atenção esteja focada em atividades interessantes. Alternativamente, eles podem ser aumentados pelo stress.

Tiques Motores Simples incluem: piscar olhos, contorcer a face, tossir, encolher os ombros e fazer movimentos com o pescoço.

Tiques Motores Complexos incluem: certas expressões faciais e tocar ou cheirar um objeto.

Tiques Vocais Simples incluem: fungar, cheirar com força provocando barulho quando o ar entra pelas narinas, fazer sons similares a latidos, pigarrear e grunhir.

Tiques Vocais Complexos incluem: repetir palavras e frases fora de contexto, xingar, repetir a última palavra ou frase que tenha sido ouvida.

A frequência e tipo de tiques encontrados na Síndrome de Tourette mudam ao longo do tempo. Muito comumente, a ST começa com um tique simples como o piscar excessivo dos olhos. Os tiques podem desaparecer por certo período, levando a pessoa a crer que não mais os tenha. O mesmo tique pode retornar, ou novos tipos de tiques podem entrar em seu lugar.

A Síndrome de Tourette costuma se iniciar na infância e é fortemente associada à hiperatividade, distratibilidade e impulsividade. Pode também ser exacerbada por medicação estimulante do sistema nervoso [como a Ritalina], geralmente usada em TDA e TDAH.

Embora possam coexistir, não sabemos quantas crianças com síndrome de Asperger têm a Síndrome de Tourette. O que sabemos é que a ST costuma ser encontrada em aproximadamente 4 a 5 indivíduos em cada 10 mil na população geral. É de 1,5 a 3 vezes mais comum em homens. Pode começar tão precocemente quanto aos 2 anos de idade, mas é mais comum que seu início se dê na segunda infância [entre 7 e 10 anos, aproximadamente] ou na adolescência. Uma vez que os tiques surjam, eles tendem a durar toda a vida. É geralmente uma desordem genética, com apenas 10% das pessoas portadoras da síndrome não tendo o tipo genético da mesma.

Depressão, ansiedade, baixa autoestima e embaraço social também são vivenciados por crianças com Tourette. O funcionamento escolar pode sofrer prejuízo devido às obsessões e compulsões que frequentemente coexistem com Tourette.

Embora medicação neuroléptica² seja a única forma de tratamento para tiques, muitos médicos evitam prescrever essa droga tranquilizante, preferindo deixar que os tiques ocorram naturalmente [desde sejam toleráveis pelo paciente].

 

Notas do tradutor:

¹ Pronuncia-se “turrét”; a origem do nome da síndrome se deve ao pesquisador que primeiro relatou casos do transtorno (em 1885), o médico francês Georges Gilles de la Tourette (1857–1904).

² Neurolépticos são uma subdivisão dos medicamentos antipsicóticos; muitas pessoas desconhecem o fato de que a medicação antipsicótica tem outras funções além de apenas conter estados psicóticos. O indivíduo com Tourette não tem quadro de psicose (perda de contato com a realidade, como são os delírios, por exemplo) e o mecanismo de ação da medicação antipsicótica costuma agir, portanto, com suas funções auxiliares, como o controle dos tiques; o Aripiprazol (nomes comerciais: Abilify, Aristab) é uma medicação antipsicótica comumente usada no Transtorno Bipolar e na Esquizofrenia, e que também tem mostrado boa eficácia para controlar a agressividade e temperamento explosivo no autismo, sendo prescrito com frequência na síndrome de Asperger; estudos descobriram que essa medicação tem sido uma das mais eficientes para tratar os tiques na síndrome de Tourette.


 

Ainda sobre a Síndrome de Tourette como comorbidade da Síndrome de Asperger, o livro The Asperger Plus Child [A Criança Asperger Plus], de George T. Lynn, pesquisador e terapeuta experiente, traz informações adicionais.

Resultado de imagem para the asperger plus child   Resultado de imagem para the asperger plus child

Vejamos esse trecho (p. 214-215):

Cerca de 1/3 das crianças com as quais trabalho, que são diagnosticadas com síndrome de Tourette, têm um humor “nojento” robusto. Essa coprolalia¹ complexa se manifesta pela fala sobre flatulência, uso do banheiro e todas as coisas escatológicas [coisas que o corpo excreta e que costumam causar nojo]. Essas crianças parecem ter enorme prazer em falar sobre excremento e em causar uma atitude de repreensão nos adultos por conta disso. Dada a proeminência do sistema límbico na personalidade da criança com a síndrome de Tourette, faz sentido que ela expresse a animalidade de sua natureza com temas que envolvam as funções corporais.

Alguns pesquisadores acreditam que Amadeus Mozart tivesse Tourette com coprografia². A Dra. Ruth Bruun, neurologista especialista em Tourette, encontrou muitos exemplos de textos coprográficos em cartas de Mozart. Aqui está um desses exemplos, que a Dra. Bruun cita em seu livro A Mind of Its Own: Tourette’s Syndrome, A Story and a Guide [Uma Mente Própria: Síndrome de Tourette, Uma História e um Guia]. De uma das cartas de Mozart, datada de 5 de novembro, 1777:

“… e você também está muito bem, inferno…. Eu estou muito triste em ouvir que Abbott aborto teve outro derrame tão cedo dedo. Mas eu confio que com a ajuda de Deus Zeus não haverá maiores consequências excrescências… Eu faço cocô no seu nariz e ele vai escorrer pelo seu queixo. (Da carta número 236).” *

Um estudo revelou que cerca de 20% das crianças com um diagnóstico inicial de Asperger ou Autismo de Alto Funcionamento são eventualmente diagnosticadas com síndrome de Asperger como comorbidade.

 

Notas do tradutor:

*Versão original: “…and you too are very well, hell… I am very sorry to hear that Abbott rabbit has had another stroke so soon moon. But I trust that with God’s Cod’s help it will have no serious consequences excrescences… I shit on your nose and it will run down your chin.”

¹ Coprolalia – um tique vocal complexo da síndrome de Tourette, encontrado em menos de 10% dos pacientes; esse tique consiste em falar coisas obscenas ou socialmente inapropriadas (como xingamentos) e repugnantes.

² Coprografia – é a versão escrita da ‘coprolalia’, ou seja, o ato de escrever obscenidades em vez de falar.

Anúncios

2 comentários em “Comorbidades mais frequentes em Asperger – Uma visão geral

  1. Para todos os efeitos de esclarecimentos, informo que o conteúdo publicado acima foi originalmente postado em sindromedeasperger.blog, organizado, redigido e/ou traduzido por Audrey Bueno, com as devidas citações para textos pertencentes a outros autores.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s