AUTISMO ADULTO, O GRUPO INVISÍVEL


AUTISMO ADULTO, O GRUPO INVISÍVEL

 

Por Fatima de Kwant

Holanda, 06-06-2016

 

invisível

Segundo a Ciênciao autismo é um distúrbio neurológico do desenvolvimento. De acordo com o movimento autista internacional (ASAN), o autismo é apenas uma diferença neurológica. Independente da terminologia, ninguém pode negar que o Espectro Autista é um desafio.

O mundo vem aprendendo bastante sobre a síndrome. Praticamente todos os aspectos do autismo têm sido abordados na última década. Artigos, documentários, livros e demais testemunhos de pais e profissionais nos dão ótimas informações. Desde as prováveis causas (genéticas e de fatores ambientais) até a inclusão educacional e social das crianças autistas, o autismo é “hot item”. No entanto, o aspecto menos abordado é a fase posterior à infância e adolescência do autista: a vida adulta.

Enquanto pequenos, pais não medem esforços ao atenderem às especificidades de seus filhos com tratamentos, terapias, medicação, escola inclusiva e dedicação integral. As instituições governamentais, por sua vez, aderem à demanda, ainda que nem sempre otimamente. Bem ou mal, a criança autista consegue obter seus direitos através das leis vigentes, criadas para sua proteção. Porém, ao completar a maioridade, essas “crianças” tornam-se cada vez mais invisíveis. A idade aumenta e os desafios também, não obstante o grau de autismo. Enquanto os mais leves encontram dificuldade em terminar um curso superior, trabalhar, ou até em manter uma rotina diária, ou um relacionamento amoroso, os autistas mais severos praticamente não saem de casa. Às vezes desesperados, pais de autistas adultos procuram ajuda para evitar a internação de seus filhos em instituições psiquiátricas totalmente inadequadas. Muitos, apesar da dedicação ainda integral, acostumaram-se a falta de opções. Porém, quando seus filhos apresentam um (novo) comportamento agressivo ou de depressão, não lhes resta mais que sair em busca de soluções que viabilizem o bem-estar das pessoas que mais amam no mundo.

Nenhum pai ou mãe deveria enfrentar o sofrimento de saber que seu filho ou filha carece de assistência necessária ao seu caso específico. Seja qual for o problema, os autistas adultos devem ter direitos a benefícios que – muito vagarosamente – vêm sido cedidos às crianças.

 

autista no medico

 

Por mais que a sociedade não goste de ver, os autistas adultos existem. As crianças tornam-se adolescentes, estes tornam-se adultos e, mais tarde, idosos autistas. Onde estão? O quê fazem? Quem os vê?

O autismo não termina com a infância. O autismo é uma natureza que acompanha o autista até o fim de seus dias. O que muda é seu grau de desenvolvimento nas áreas da comunicação, da socialização e do comportamento (estereotipias).

É correto afirmar que a maior parte dos autistas progride com a idade. Seja pela experiência ou pela estimulação contínua, eles podem superar de algumas a muitas limitações. Ao contrário dos neurotípicos (pessoas com o processo neurológico normal), os autistas vão melhorando sua capacidade cognitiva e comportamental com a idade. Faz-se necessário que o ambiente em que viva, reconheça tal progresso e siga incluindo a pessoa autista.

Sugestões de assistência na idade adulta

 

Autismo leve:

– Mediação durante o curso superior

– Terapia (cognitiva, ocupacional, fonoaudiologia/impostação de voz)

– Acompanhamento na entrada no mercado de trabalho

– Cursos de comunicação e interação social.

 

Autismo moderado e severo:

– Terapia ocupacional

– Fonoaudiologia

– Terapia da Comunicação Facilitada (CF); métodos Teacch, Pecs; comunicação através   de símbolos gráficos; desenhos; sinais

– Terapia individual no lar ou num centro específico para adultos autistas (C.E.A.A.)

– Acompanhamento em tarefas simples (em casa ou no C.E.A.A.)

– Moradia assistida – parcial ou integral.

 

levensloop

 

 

É preciso que as entidades governamentais identifiquem a problemática do autismo na idade adulta e hajam de acordo, pois o autismo cresce e envelhece. As crianças autistas de ontem são os autistas adultos de hoje. As crianças autistas de hoje serão os autistas de amanhã.

Autistas são crianças durante dezoito anos, mas serão adultos durante toda a vida. A sociedade, através de seus órgãos responsáveis, tem o dever de tirá-los da invisibilidade.

 

*Fatima de Kwant é jornalista radicada na Holanda, especialista em Autismo, Comunicação e Desenvolvimento e mãe de um rapaz autista.

Grupo brasileiro do Facebook: https://www.facebook.com/groups/AutimatesBrasil/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s