A CLIENTELA do Corretor de Imóveis


 

Recente pesquisa do mercado imobiliário feita pelo IBOPE Mídia revelou que adquirir a
moradia, ou reformá-la, constitui-se um dos principais sonhos de consumo do brasileiro
a partir dos 20 anos de idade. Os entrevistados entre 20 e 34 anos de idade,
acrescentam a este sonho o de comprar o primeiro automóvel. Avontade de ter um lar
ou reformar o imóvel já adquirido intensifica-se a partir dos 35 anos. Na faixa dos 55 aos
64 anos, a prioridade é entrar na aposentadoria e logo depois de reformar a casa.

Esta mesma sondagem, feita nas principais regiões metropolitanas do Brasil com cerca
de 20 mil indivíduos entre 12 e 64 anos, constatou ainda que tem aumentado
significativamente o número de pessoas da classe C próximas de comprar moradia.
Quase metade dos componentes desse universo (47%) revelou planos para adquirir um
imóvel nos próximos 12 meses, sendo 28% constituintes das classes (A-B) mais altas
(AB) e 25% das mais baixas (D-E).

As mulheres são maioria entre as pessoas que pretendem adquirir um imóvel nos
próximos 12 meses: 58%, contra 42% dos homens. Lamentavelmente, a pesquisa não
se estendeu aos imóveis comerciais nem às áreas rurais, nas quais os corretores
imobiliários também desenvolvem suas atividades. Faltou, ainda, verificar os que
pretendem trocá-los.

A Caixa Econômica Federal informou que 57% dos pedidos de financiamento imobiliário
advêm de candidatos com menos de 35 anos, ansiosos na maioria pelo primeiro imóvel:
40% são casais jovens, sem filhos, e 23%, solteiros. Todos consideram as prestações
em longo prazo a melhor maneira de fugir do aluguel.

O novo panorama do mercado imobiliário vem demonstrar que o desenvolvimento
tecnológico e industrial no mundo e no Brasil provocou um crescimento sem
precedentes não só nos anseios da população como também nos tipos e níveis da
qualidade dos produtos em geral, com destaque para a moradia e igualmente os
serviços oferecidos entre os quais a corretagem imobiliária.

Com isso apareceram, nas empresas e escritórios de consultoria, novas situações
gerenciais, envolvendo muito aperfeiçoamento de pessoal e avanços na qualidade final
do produto e do serviço, pois o cliente torna-se cada vez mais exigente não só com
relação a preço, mas também a aspectos voltados à segurança, à saúde e à proteção ao
meio ambiente10.

10 O Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado do Rio de Janeiro mantém cursos de atualização e excelência em vendas abertos aos associados e alunos do CAPRI nos seus diversos polos e delegacias.

Hoje, o único diferencial de uma empresa ou um profissional autônomo é o atendimento:
ter-se um bom produto, um produto perfeito, já não dá vantagem competitiva alguma. A
ênfase direcionada ao produto está superada. O consumidor é, na verdade, quem
determina o nível de excelência de um serviço, e ele sempre quer mais. Se o cliente quer
mais, é porque subiu seu nível de necessidade e expectativa. Portanto, os clientes ficam
satisfeitos ou não, conforme suas expectativas.

Qualidade

A insatisfação de clientes com a qualidade de produtos e serviços, porém, é muito
antiga. Por volta de 2150 a.C., o Código de Hamurabi já demonstrava uma preocupação
com a durabilidade e funcionalidade das habitações produzidas na época, de tal forma
que, se um construtor negociasse um imóvel que não fosse sólido o suficiente para
atender à sua finalidade e desabasse, ele, construtor, seria imolado.
Hoje, no Brasil, é modismo falar-se em “Qualidade Total“. Porém sua aplicabilidade
requer conhecimento, esforço, dedicação e uma obsessão implacável. Está mais que
provado que toda empresa deve provocar uma revolução de melhora na qualidade e
assegurar que esta seja sempre definida em termos das percepções dos clientes. Os
especialistas em marketing explicam que “esta revolução significa comer, dormir e
respirar qualidade”.

Essa mudança radical, porém, ainda exige um enorme e infindável esforço de todos.
Por incrível que possa parecer, ainda hoje causa surpresa quando alguém atende de
maneira atenciosa, gentil e sorridente. Isto porque estamos distantes do padrão em que o cliente é realmente o centro das atenções. Basta lembrar a atenção que se vem dando
à autossustentabilidade e à reciclagem para reconhecer a urgência de promover
mudanças profundas na cultura, a partir de uma tomada de consciência de que o cliente
provavelmente sabe muito mais a respeito do produto que pretende adquirir ou alugar
do que aquele que se propõe a vender ou locar um imóvel.
Em 1992, dois marqueteiros americanos, Albrecht e Brandford, publicaram um trabalho
mostrando que a maioria das pessoas não diz que não ficou satisfeita com algum
aspecto de um serviço ou empresa. As estimativas são de que cerca de 96% dos
clientes insatisfeitos nem mesmo fazem reclamações diretas. Vão fazer negócios em
outro lugar, inclusive pela Internet. Aqueles autores alertam: Ӄ preciso que os
empresários olhem com carinho para os serviços que oferecem, colocando-se no papel
de seus clientes.”

O corretor imobiliário que pretenda se dar bem na carreira está sempre alerta para o fato de que a compra, venda e locação tem sido campo fértil para uma série de problemas que podem ser evitados, porém a emoção que as transações imobiliárias despertam nos clientes compra.
Muitos deles podem ser evitados, mas a emoção que a aquisição imobiliária desperta
no cliente cria verdadeiras armadilhas. Além disto, há pessoas que se veem com
problemas possessórios com o bem adquirido, pelo simples fato de não ter adotado um
procedimento básico: a visita ao imóvel que está adquirindo. Nos casos daqueles em
construção, o corretor pode evitar muitos problemas futuros e até conquistar novos
clientes, se acompanhar com o comprador a evolução da obra e a análise da
incorporação, a partir de uma certidão que pode ser obtida no Registro de Imóveis. Deve
fazer-se um parceiro indispensável do cliente porque a satisfação não advém da
assinatura de um contrato seguro, em si, mas até nas assembleias de instalação do
condomínio ou na inauguração de uma loja ou escritório.

É preciso resguardar a clientela investigando bem o vendedor, verificando, em especial,
se contra ele existem ações fiscais e trabalhistas. Não são raros os casos de
adquirentes que tardiamente descobrem que seus imóveis acham-se até penhorados.
O contrato de compra e venda também deve ser checado pelo corretor, especialmente
nas vendas a prazo, sendo-lhe obrigatório certificar-se de que o vendedor inseriu
disposição segundo a qual a posse do imóvel só se dará a partir de um determinado
percentual do pagamento. São relativamente comuns os casos em que o vendedor
entrega a posse da coisa, o comprador não paga o preço, e o bem fica em discussão
judicial permanecendo o comprador com a posse, sem que o vendedor receba
integralmente o preço.
Para vencer na carreira, o corretor precisa ser proativo a ponto de surpreender a
clientela até mesmo antecipando-se no esclarecimento das dúvidas, ainda nem
manifestadas. Clientes que têm dúvidas e reclamações prontamente solucionadas falar
de sua experiência positiva para três ou quatro outras pessoas. Já um insatisfeito é
capaz de contar para 20 acerca do mau serviço recebido.

Um excelente ponto de partida é fazer uma relação das perguntas mais comuns da
clientela e ter as respostas na ponta da língua. Uma das maiores incorporadoras
paulistas elaborou até uma cartilha, que utiliza até para propaganda. Os autores deste
livreto, além de selecionarem o que nela encontraram de utilidade para o estudante,
incluíram, no site do Sindimóveis do Estado do Rio de Janeiro na Internet, um glossário
com dezenas de dicas que poderão completar conhecimentos aqui ministrados. Eis as
principais e respostas produzidas pela construtora paulista:

O Cliente:
Como é a assinatura do contrato?

Resposta: A
assinatura do contrato é a primeira etapa a ser realizada após você ter
optado por um dos nossos imóveis. Todos os documentos de compra assinados por
você, bem como seus documentos pessoais serão analisados e conferidos em nosso
escritório. Como tudo estará bem, logo serão assinados pelos e pelo banco financiador,
se houver financiamento externo.

O Cliente:
O que é hipoteca?

Resposta: É uma garantia de direito real muito usada como forma de assegurar um
empréstimo por meio da disponibilidade de bens imóveis e móveis (como aviões e
navios, por exemplo) até o pagamento da dívida.

O Cliente:
Existe alguma hipoteca sobre o meu imóvel?

Resposta: A
existência ou não de hipoteca está determinada no seu contrato. Muitas
vezes, para obter-se financiamento de produção da obra na instituição financeira, é
preciso conceder alguma garantia. Esse procedimento de conceder a hipoteca das
unidades futuras até a emissão do habite-se é praticado normalmente no setor da
construção civil, e também não deixa de ser uma garantia de que seu imóvel será
construído e entregue.

O Cliente:
Como posso baixar a hipoteca para registrar a escritura?

Resposta: Você deverá entrar em contato com o incorporador para solicitar a baixa logo
após a averbação do habite-se, e estamos sempre à sua disposição para acompanhá-
lo. Após a averbação do habite-se, a incorporadora solicitará à instituição financeira o
termo de cancelamento de hipoteca das unidades quitadas com recursos próprios,
respeitando os prazos estabelecidos no Contrato de Compra e Venda.

12

O Cliente:
Como faço para efetuar pagamentos?

Resposta: A incorporadora lhe enviará os boletos de pagamento pelo correio próximo
às datas de vencimento. Se por qualquer razão você não os receber, procure a gente.
Nós providenciaremos para que lhe enviem uma segunda via e iremos orientá-lo para
fazer o pagamento com toda segurança e garantia.

O Cliente:
Posso antecipar parcelas ou valores do meu contrato?

Resposta: Sim, quando tiver interesse em antecipar pagamentos, entre em contato com
a gente que diremos, com prazer, como proceder.

O Cliente:
Posso utilizar Financiamento/FGTS para quitar as minhas parcelas?

Resposta: É possível a utilização do Financiamento e/ou FGTS somente para a
quitação do contrato e após a conclusão da obra. Para a utilização do FGTS, o contrato
deverá estar de acordo com as regras da CEF para o saque.

O Cliente:
Qual o prazo para validar ou confirmar uma parcela que paguei?

Resposta: Aparcela paga por meio de boleto bancário pode levar até três dias úteis para
ser efetivada. Caso não ocorra nesse prazo, solicitamos que entre em contato com o
vendedor.

O Cliente:
Como é reajustado o meu contrato?

Resposta: Todo o saldo devedor em aberto é corrigido mensal e cumulativamente pelo
Índice Nacional de Custo da Construção Civil do Mercado (INCC-M) até a emissão do
habite-se. Após o habite-se, todo o saldo em aberto será corrigido pelo Índice Geral de
Preços do Mercado (IGP-M), somado aos juros financeiros de 12% ao ano até a
quitação do saldo total, conforme contratado. No caso de financiamento direto com a
incorporadora, o saldo a ser financiado será corrigido pelo IGP-M, somado aos juros de
12% ao ano, calculados pela Tabela Price. Aforma de cálculo da correção monetária é
feita com base no índice divulgado no mês anterior ao mês da data de assinatura do
contrato, e assim sucessivamente.

O Cliente:
Como faço para saber os valores dos índices praticados?

Resposta: Os índices adotados são divulgados nos jornais de grande circulação. Para
maior agilidade, a dica é consultá-los no site da Fundação Getúlio Vargas: http://www.fgv.br.

O Cliente:
Esta correção é legal?

Resposta: Sim, está prevista na lei 10.931/94 a cobrança de correção monetária para
contratos imobiliários, dentre outros dispositivos legais.

O Cliente:
O meu saldo devedor sempre aumentará?

Resposta: O aumento ocorrerá sempre que houver variação positiva do índice de
correção adotado. Caso essa variação seja negativa, o seu saldo devedor diminuirá na
mesma proporção.

O Cliente:Posso pagar parte do boleto?
Resposta: Não são aceitam pagamentos parciais, apenas nos casos de pagamentos
antecipados do saldo devedor.

O Cliente:
Seu escritório oferece serviços especializados de assessoria imobiliária?

Resposta: Para que você se sinta mais seguro e tranquilo ao cuidar dos trâmites do seu
financiamento, poderemos indicar-lhe um consultor com grande experiência para
ajudar no processo de contratação do financiamento junto ao Banco. Assim você tem toda a segurança e comodidade de uma empresa atualizada com a legislação vigente,
que se comprometerá em entregar de forma rápida os documentos do imóvel e da
própria Incorporadora para análise do Banco.

O Cliente:
Quando se inicia o meu processo de financiamento ou repasse bancário?

Resposta: Seis meses antes da expedição do Habite-se, você receberá uma carta com
a indicação da Assessoria Imobiliária Especializada, que montará o seu processo e
encaminhará para a análise do Banco. Isto é feito para que você seja Pré-Aprovado
dentro das regras dos agentes financeiros. Caso haja alguma incompatibilidade, você
será contatado pela Assessoria Imobiliária Especializada. Lembramos que para a
assinatura do Contrato junto ao agente financeiro, é necessária a Averbação do Habitese
e a Especificação de Condomínio junto ao Cartório de Registro de Imóveis.

O Cliente:
O que é análise de crédito?

Resposta: É a conferência dos dados digitados no seu Contrato em relação aos
documentos apresentados, e a compatibilização da renda com a Unidade que está
sendo adquirida para a verificação de possíveis restrições cadastrais.

O Cliente:
Quais documentos são necessários para a minha comprovação de renda?

Resposta: Arelação de documentos pode variar de acordo com a sua fonte de recursos.
Ou seja, há mudanças se você for assalariado, autônomo ou profissional liberal. Assim,
a sua comprovação pode ser feita através de contracheques e IR, entre outros. Os
documentos a serem apresentados também podem variar de acordo com a instituição
financeira utilizada.

O Cliente:
Como devo proceder se optar pelo financiamento direto com a incorporadora
com alienação fiduciária?

Resposta: Ao optar pelo financiamento direto com a incorporadora, você assinará um
instrumento particular com força de escritura pública que terá como garantia a alienação fiduciária do seu imóvel. Nessa operação deverá ser recolhido o Imposto sobre
Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), bem como o registro do instrumento no Registro
de Imóveis competente. A
taxa de registro e o imposto deverão ser pagos pelo
comprador. Quando for realizado o pagamento do saldo devedor, você deverá solicitar o
recibo de quitação e averbá-lo na matrícula do imóvel. Essa garantia do financiamento
imobiliário está prevista no direito brasileiro, regulamentada pela Lei nº 9.514/97, e é
muito utilizada no mercado imobiliário. O não-pagamento da dívida implicará a
execução, cujo trâmite está estabelecido na Lei nº 9.514/97.

O Cliente:
Quando ocorrerá a assinatura da Alienação Fiduciária?

Resposta: Após a reanálise das suas condições jurídicas e financeiras e da averbação
do habite-se e especificação de condomínio no Cartório de Registro de Imóveis.

O Cliente:
Posso utilizar o meu FGTS com o processo de financiamento bancário?

Resposta: Sim, pode utilizá-lo em financiamentos do SFH(Sistema Financeiro de
Habitação), desde que se enquadre nos pré-requisitos correspondentes, bastando,
para isso, fazer a solicitação através de impresso e documentação própria na mesma
pasta de documentos do financiamento bancário.

O Cliente:
Posso utilizar o meu FGTS sem adquirir o financiamento bancário?

Resposta: Sim, bastando, para isso, fazer a solicitação através de impresso e
documentação própria junto a qualquer instituição financeira. Observar que, neste
caso, o FGTS terá que ser utilizado para quitar o saldo devedor, pois a documentação também terá força de escritura pública, não podendo, desta forma, ficar saldo
remanescente com a construtora.

O Cliente:
Vou utilizar Financiamento/FGTS. Posso escolher qualquer instituição
financeira?

Resposta: Sim. Porém, se sua unidade estiver hipotecada junto a outro agente
financeiro, haverá um custo adicional de taxas, além de um período maior para a
conclusão da assinatura do contrato de financiamento.

O Cliente:
O que é ITBI?

Resposta: Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis por Ato Oneroso “intervivos”, o
recolhimento é efetivado pela Prefeitura de cada cidade e é cobrado sobre
transmissão/cessão de bens imóveis, ou seja, sempre que houver uma transação
imobiliária será necessário pagar para a Prefeitura esse imposto.

O Cliente:
O que faz o Registro de Imóveis?

Resposta: Registro de Imóveis é o órgão responsável pela efetivação da transmissão
do bem. Sem o registro a concretização da transmissão (venda) não é efetivada. Para
cada imóvel existe uma matricula e, nela ficam registrados todos os atos com referência
ao imóvel.

O Cliente:
Qual o papel do cartório de notas, com relação às escrituras?

Resposta: Da publicidade ao ato, para que a transmissão do bem seja efetivada, dever-
se-á fazer por instrumento público. BS: Aescritura deverá ser lavrada por instrumento
público e o registro se dará, mediante a apresentação dessa escritura juntamente com a
guia de ITBI paga ao Registro de Imóveis Competente.

O Cliente:
O que é Matricula?

Resposta: É o documento que garante a propriedade do Imóvel e o caracteriza.

O Cliente:
Minha unidade tem uma matricula?

Resposta: A matricula da unidade será aberta junto ao Registro de Imóveis, na fase do
registro da conclusão da obra e convenção e especificação do condomínio; até então, a
unidade faz parte da matricula mãe, que é a matricula do terreno, na qual foi registrada a
incorporação.

O Cliente:
Qual é o processo da outorga e do registro da escritura?

Resposta: Para a escritura ser outorgada e levada a registro, algumas etapas devem ter
sido concluídas anteriormente: o imóvel deve estar quitado e pronto, é preciso que o
habite-se esteja averbado e recomenda-se que a especificação de condomínio seja
registrada. Abaixa da hipoteca deve ser averbada no Cartório de Registro de Imóveis.
Embora a escritura possa ser feita em qualquer cartório de notas, podemos indicar
alguns que já possuem os documentos do empreendimento, no intuito de facilitar o
processo.

O Cliente:
Qual é o valor da outorga e do registro da escritura?

Resposta: O valor pago, entre impostos e despesas com cartórios, é de
aproximadamente 4% do valor de compra e venda. Esse valor é calculado pelo cartório.

O Cliente:
Qual a diferença entre instrumento particular e escritura pública?

Resposta: O instrumento particular pode ser firmado entre as partes, com a presença de
duas testemunhas, a exemplo do contrato particular de promessa de compra e venda, praticado antes da quitação da dívida e para unidades em construção. A
escritura
pública é o documento lavrado no Tabelionato de Notas. Vale lembrar que o instrumento
particular de contrato de compra e venda, de financiamento imobiliário, de alienação
fiduciária em garantia e outros pactos têm força de escritura pública.

O Cliente:
Por que registrar a escritura do imóvel?

Resposta: O registro garante seus direitos perante a sociedade e o Estado. Conforme o
Código Civil, a aquisição total de um imóvel depende do registro da escritura, que é a
formalização da venda especificada na matrícula do imóvel, quando a titularidade do
imóvel é definitivamente transferida.

O Cliente:
Tenho uma unidade quitada e negociei a unidade com um terceiro. Posso
passar a escritura direto para ele?

Resposta: Não, as unidades negociadas são declaradas a DIMOB (Declaração de
Informações sobre Atividades imobiliárias). Dessa forma, é obrigatória a transferência
ao comprador originário. Não podemos desconsiderar o compromisso que deu origem à
venda; no entanto, é costumeiro fazer uma escritura de venda e compra e cessão, na
qual o cliente estará recebendo a unidade e cedendo seus direitos ao novo comprador.
Vale salientar que esse tipo de transação caracteriza dois atos, nesse caso (compra e a
cessão) e conforme legislação o pagamento de ITBI e Cartório de Notas é cobrado por
cada ato (2 ITBI’S e 2 Cart. de Notas).
Dessa forma, o cliente acaba economizando o valor do registro, pois o valor de registro é
cobrado uma só vez.

O Cliente:
O que é o Habite-se?

Resposta: Habite-se é uma certidão, emitida pela prefeitura, autorizando que um imóvel
recém-construído possa ser ocupado. Também pode ser chamado de auto de
conclusão de obra. Para emissão desse documento, a edificação passa por várias
vistorias de regularidade, todas efetuadas por técnicos e engenheiros da prefeitura e
pelo Corpo de Bombeiros. Nessas vistorias verifica-se se a obra foi executada conforme
projeto aprovado e se atende aos diversos requisitos legais (parecer da companhia de
luz, corpo de bombeiros, companhia de gás, entre outros) para a habitação. A
concessão do habite-se é um dos pré-requisitos para a ocupação do imóvel.

O Cliente:
Quando sair o habite-se do meu empreendimento, eu já poderei me mudar?

Resposta: Aentrega das chaves se dará após a liberação do habite-se e da Instalação
do Condomínio, e está vinculada à assinatura do financiamento ou quitação do imóvel.

O Cliente:
O que é Especificação de Condomínio ou Averbação do Habite-se?

Resposta: Após a liberação do Habite-se é preciso aguardar a publicação em Diário
Oficial. Em seguida é requerido junto ao INSS a CND da construção. ACND e o Habitese
são levados a registro no Cartório de Registros de Imóveis para regularizar a
construção.

O Cliente:
Quem escolhe a Administradora de Condomínio? Quando é feita essa escolha?

Resposta: A principio, no momento da incorporação, é escolhida uma administradora
pela própria incorporadora, que tem o papel de contratar pessoal e prestar assistência
nos primeiros contratos. Passado o tempo da carência mínima, o condomínio pode
eleger outra administradora, caso não esteja satisfeito com os serviços da atual.

O Cliente:
Onde eu encontro a especificação dos materiais utilizados na construção e
acabamento da minha unidade?

Resposta: Essas especificações constam no Memorial Descritivo.

O Cliente:
Para que serve o Manual do Proprietário?

Resposta: Este manual, fornecido por todas as construtoras, tem o objetivo de
esclarecer aos seus proprietários, e a todos os usuários, as informações necessárias
para que possam melhor usufruir e conservar seu imóvel. Ele deve ser lido e consultado
sempre com atenção, em especial, as recomendações de uso, o que com certeza
prolongará a vida útil do seu patrimônio. Nele estão contidas informações sobre
garantias e responsabilidades, cuidados, cores e materiais especificados, projetistas,
informações técnicas e principais fornecedores. A
comunicação entre o morador e a
Construtora são os canais de comunicação e a forma correta de como registrar suas
solicitações.

O Cliente:
Para que serve o Manual do Síndico?

Resposta: Este manual tem o objetivo de esclarecer aos moradores, equipe técnica de
manutenção, prestadores de serviço, concessionárias, corpo diretivo e Síndico as
informações necessárias para manter o condomínio em pleno funcionamento. Ele deve
ser lido e consultado sempre com atenção, em especial as recomendações de uso, o
que com certeza prolongará a vida útil do seu patrimônio. Nele estão contidas
informações sobre garantias e responsabilidades, aspectos jurídicos, cuidados, cores e
materiais especificados, projetistas, informações técnicas e principais fornecedores.

O Cliente:
O que é Certificado ou Termo de Garantia referente à minha unidade?

Resposta: O Certificado ou Termo de Garantia tem o objetivo de discriminar, de forma
sintética, os prazos e condições de garantia dos itens das unidades autônomas ou da
área comum; é assinado no ato da assinatura do contrato. Essas garantias se baseiam
na tabela de garantia, também constante no contrato, e estão vigentes a partir do
recebimento efetivo da unidade através do Termo de Emissão de Posse após a vistoria
com um técnico da Construtora.

O Cliente:
O que é vistoria?

Resposta: É o momento que você tem para conferir como ficou a sua unidade e se todas
as instalações e acabamentos estão funcionando corretamente. Durante a vistoria, um
engenheiro o acompanhará, certificando-se de que tudo estará de acordo com suas
expectativas.

O Cliente:
Quando ocorre a vistoria para entrega das chaves?

Resposta: Após a obra ser concluída a incorporadora entrará em contato com o
proprietário agendando previamente a vistoria. No horário combinado, o proprietário,
junto ao engenheiro, realiza a vistoria verificando se a unidade encontra-se em perfeito
estado.

O Cliente:
Quando poderei vistoriar a minha unidade?

Resposta: Você será comunicado sobre o período disponível para a Vistoria da sua
unidade e assim agendar, com a incorporadora, data e horário mais conveniente. Vale
lembrar que a vistoria é agendada no período próximo à data do habite-se, variando de
empreendimento para empreendimento.

O Cliente:
E se durante a vistoria eu identificar algum problema?

Resposta: Você preencherá uma Lista de Vistoria com a relação de itens a serem
conferidos na companhia do engenheiro. Todos os apontamentos levantados serão
regularizados e você será chamado para fazer uma nova vistoria.

O Cliente:
Em que horário eu posso vistoriar a minha unidade?

Resposta: Normalmente, a vistoria é realizada de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h,
mediante agendamento prévio.

O Cliente:
Quando o condomínio é constituído?

Resposta: Um condomínio é formado por um grupo de pessoas que divide uma
propriedade, cada um sendo dono de uma parte do todo. Todos possuem os mesmos
direitos e deveres em relação ao todo. Por se tratar de uma vida em comunidade, é
importante respeitar as regras e os procedimentos estabelecidos formalmente em 15 de
dezembro de 1964, com a edição da Lei de Condomínios em Edificações e Incorporações Imobiliárias
, que substituiu a legislação baixada em 1928. Há também

o regulamento interno. O Síndico é um administrador do condomínio que pode ou não
ser um dos condôminos. Para auxiliar na administração do condomínio, além do corpo
diretivo a ser eleito em assembléia, existirão funcionários e uma administradora, todos
capacitados para orientar e zelar pelo bom convívio em sociedade.
O Cliente:
Quando isso acontece?

Resposta: Após a expedição do habite-se do empreendimento, ocorre a Assembléia de
Instalação do Condomínio. Nessa reunião é realizada a eleição do síndico e do
conselho consultivo. Uma equipe da incorporadora, junto com a administradora do
condomínio e do engenheiro da obra, acompanhará a instalação do Condomínio e a
vistoria de toda a área comum da edificação.

O Cliente:
O que é Assembleia de Instalação do Condomínio?

Resposta: É a primeira reunião realizada com os condôminos e a empresa indicada
para administrar o condomínio, juntamente com a equipe da incorporadora. Nessa
assembleia, além da eleição do corpo diretivo e aprovação da previsão orçamentária
inicial, será lavrada uma ata – documento este exigido para obtenção do CNPJ, que
permitirá ao condomínio praticar os atos jurídicos e fiscais necessários para a sua
administração.

Anúncios

Um comentário sobre “A CLIENTELA do Corretor de Imóveis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s