Os 11 melhores livros de Carl Jung


outubro 13, 2017 em Psicologia22 Compartilhados
Os melhores livros de Carl Jung

Os melhores livros de Carl Jung nos levam a uma esfera que vai muito além da simples análise do comportamento humano. Ele foi um pioneiro da psicologia profunda, e sua extensa obra contém uma alquimia maravilhosa entre a psicanálise, a espiritualidade, a religião, a filosofia e o mundo dos sonhos. Poucas personalidades provocam tanto interesse quanto este grande analista da psique.

Dizem que Jung demorava pouco mais de cinco minutos para impressionar qualquer pessoa. Graham Collier, piloto da RAF na Segunda Guerra Mundial e professor de filosofia na Universidade da Geórgia, que teve a oportunidade de conhecer o famoso psicanalista suíço quando ele tinha 75 anos, ficou impressionado com o seu olhar brincalhão, quase malicioso, e os respeitosos silêncios enquanto esperava pela resposta do seu interlocutor.

“A vida não vivida é uma doença da qual podemos morrer”.
 – Carl Gustav Jung –

O Dr. Collier também explica que, durante uma parte da sua vida, Jung experimentou um certo sentimento de rejeição por parte da comunidade científica depois de publicar vários livros sobre o estudo da consciência e se aprofundar em conceitos que abordavam mais temas em campos espirituais do que analíticos. No entanto, o interesse despertado pelas suas teorias foi tão grande que a BBC, com o objetivo de atrair a audiência, colocou Jung  juntamente com um político trabalhista bastante crítico para ambos debaterem em um programa chamado “Face to Face”.

O resultado desse programa televisivo foi simplesmente surpreendente. O equilíbrio, a naturalidade, a convicção e o charme de Jung encantaram a todos e essa entrevista se transformou em uma conferência improvisada. O político John Freeman, que inicialmente tinha vindo para dar uma versão crítica às teorias de Jung, ficou tão cativado que estabeleceu com ele uma amizade duradoura. Na verdade, foi ele quem encorajou Carl Jung a escrever um dos seus livros mais conhecidos: ” O Homem e seus Símbolos”.

Poderíamos, sem dúvida, contar muitas outras histórias, como suas infinitas viagens, seu relacionamento complexo com Freud ou sua ampla influência na nossa literatura, cinema e cultura em geral. No entanto, uma maneira de conhecer Jung é através dos seus livrose desse amplo legado onde vale a pena mergulhar de vez em quando, navegar nas suas teorias, seus símbolos, suas reflexões pessoais e nessa personalidade que, sem dúvida, marcou para sempre a história da psicologia.

Os melhores livros de Carl Jung

O trabalho de Jung é muito extenso e inclui a sua autobiografia, livros de ensaios e reflexões pessoais. Podemos encontrar até a correspondência trocada entre Jung e Freud entre 1906 e 1913, onde podemos aprofundar o nosso conhecimento sobre o desenvolvimento do movimento psicanalítico e a relação entre essas duas personalidades.

Neste artigo sobre os melhores livros de Carl Jung, buscamos, acima de tudo, mencionar as obras mais representativas do seu trabalho, com as quais tanto os iniciantes “Junguianos” quanto os especialistas se encantarão com cada uma das suas linhas, conceitos e teorias.

1. O homem e seus símbolos

Vamos começar explicando a origem deste livro. Após a sua entrevista na BBC, um conhecido político pediu a Jung para levar ao grande público uma parte das suas concepções teóricas da maneira mais simples e didática possível. Ele assim fez, e este foi de fato o último dos livros de Carl Jung, o trabalho póstumo que ele escreveu antes da sua morte em 1961.

Nesse livro, a primeira coisa que chamará a nossa atenção são suas mais de 500 ilustrações. Através delas, mergulhamos plenamente na teoria do simbolismo e na importância que os símbolos têm nos nossos sonhos, na arte, e até mesmo no nosso comportamento diário.

 “Eu não sou o que aconteceu comigo. Eu sou o que escolhi ser”.
  – Carl Gustav Jung –

2. Os arquétipos e o inconsciente coletivo

Imprescindível. Este é um dos melhores livros de Carl Jung e um dos mais interessantes, com um de seus temas mais controversos, os arquétipos.

Estamos diante de uma coleção de ensaios que mergulham por um lado no inconsciente coletivo como ele é, e por outro na natureza do arquétipo: essa expressão psíquica das estruturas herdadas dos nossos semelhantes que, sem dúvida, formam a pedra angular de grande parte da obra junguiana.

Espiral com figuras coloridas

3. O eu e o inconsciente

Como já sabemos, Carl Jung foi o fundador da escola psicológica analítica e este livro é, sem dúvida, a melhor representação desta abordagem e, em essência, o reflexo de uma pequena parte da história da psicologia.

Em suas páginas, Jung nos guiará por uma concepção muito mais inovadora do que a que Freud nos oferecia até então sobre a psique. Seus contínuos estudos e revisões sobre o assunto nos oferecem, por exemplo, uma visão mais rica do inconsciente, estabelecendo, por exemplo, a dualidade entre o inconsciente coletivo e sua influência sobre o inconsciente individual.

4. Sincronicidade

A sincronicidade como princípio de conexões acausais (coincidências significativas) é uma pequena joia que Carl Gustav Jung escreveu juntamente com Wolfgang Pauli, Prêmio Nobel de Física e um dos pais da mecânica quântica. Neste livro, podemos investigar um dos mais interessantes e conhecidos conceitos junguianos: a sincronicidade.

Jung falou pela primeira vez desta ideia no primeiro encontro “Eranos”, que era organizado todos os anos em Ascona na Suíça e que, posteriormente, eram publicados alguns artigos, ensaios ou livros com os assuntos discutidos nesses encontros. Era a década de 1950 e o psiquiatra suíço expôs aos seus colegas e ao restante da comunidade acadêmica algo controverso e atraente ao mesmo tempo: o que entendemos por casualidade não é obra do acaso, mas sim algo que ele chamou de sincronicidade

Nesse livro, Jung relaciona a sincronicidade com outro conceito igualmente importante na sua obra: a intuição.

Bailarinas sincronizadas

5. Os complexos e o inconsciente

Este é um dos livros de Carl Jung que melhor representam o seu trabalho e que servirá como uma fabulosa viagem pelo mundo do inconsciente. Embora grande parte do ensaio seja dedicado aos sonhos, é aqui que podemos “rastrear” alguns dos nossos complexos e aqueles comportamentos limitantes que muitas vezes mostramos nas nossas vidas conscientes.

Jung procurou interpretar os sonhos não com o mesmo objetivo freudiano, isto é, identificar os apegos sexuais clássicos herdados da infância. Pelo contrário, ele desejava traçar um “mapa do presente” e do contexto onde seus pacientes viviam para entender o porquê desses comportamentos e sofrimentos emocionais.

Nós estamos, sem dúvida, diante de um dos melhores livros de Carl Jung, um dos mais imprescindíveis para entender seu legado.

6. O desenvolvimento da personalidade

É possível que alguns dos nossos leitores se surpreendam que, em um livro de psicologia, o termo “alma” apareça. É necessário lembrar que, no trabalho de Carl Jung, essa ideia, esse conceito está muito presente.

De fato, como o próprio Jung explicou em sua autobiografia, nenhum médico poderia curar seu paciente se ele não conseguisse primeiro se aproximar e entrar em contato com a sua alma.
 Compartilhar

Essa visão já nos dá uma pista dessa abordagem integral que Jung tinha sobre o ser humano. Além disso, ele acreditava que a infância e a juventude eram os períodos mais importantes da vida do ser humano e aos quais deveríamos prestar muita atenção. Assim, os possíveis conflitos, deficiências e preconceitos experimentados no contexto familiar de uma criança e a própria personalidade dos pais determinam, sem dúvida, o bem-estar ou possíveis problemas psicológicos dessa criança amanhã.

Curiosamente, a filha de Sigmund Freud dedicou a sua vida a este mesmo propósito, proporcionando assistência psicológica a todas aquelas crianças que apresentavam traumas infantis. Uma área que o próprio Freud negligenciou e nunca desenvolveu completamente.

O olhar de uma criança

7. A psicologia da transferência

Já falamos em outras ocasiões sobre o interessante conceito de transferência, uma ideia sempre muito presente na corrente psicanalítica ou psicodinâmica.

Este é um dos livros de Carl Jung mais representativos sobre o assunto e onde ele faz uma equivalência interessante entre a alquimia e a transferência entre o paciente e o seu terapeuta. Como já sabemos, na prática diária da psicoterapia, esse fenômeno pode ocorrer: a pessoa acaba projetando as suas emoções e experiências para o próprio profissional, o que sem dúvida, dificulta o avanço no processo de cura.

Neste livro, Jung integra mais uma vez suas figuras simbólicas para explicar a dinâmica e o vínculo que, às vezes, é construído entre o médico e seu paciente.

8. A energia psíquica

Este livro é composto por seis ensaios interessantes. Neles, conheceremos perfeitamente o que entendemos como “psicologia profunda” e que representa a verdadeira pedra angular de Jung. Algo que deve ser lembrado em primeiro lugar é que, para o psiquiatra suíço, todos os fenômenos psíquicos são realmente formas de energia.

“A principal função dos sonhos é tentar recuperar o nosso equilíbrio psicológico”.
– Carl Gustav Jung –

No primeiro ensaio, intitulado “Sobre a energia da alma”, ele nos oferece uma introdução interessante para entendermos melhor certas dimensões da nossa personalidade, como a extroversão ou a introversão. Mais tarde, em “Considerações gerais sobre a psicologia do sonho” e “A essência do sonho”, vai se aprofundar na interpretação onírica, onde leigos e especialistas poderão entender melhor os seus conceitos mais representativos.

Além disso, e apenas como uma curiosidade, devemos observar que este volume conclui com o ensaio “Os fundamentos psicológicos do espiritismo”, onde o autor nos explica, com a sua clareza usual, considerações objetivas que a psicologia junguiana mantém a respeito desse assunto que, sem dúvida, é muito interessante.

Apanhador de sonhos

9. Espiritualidade e transcendência

Carl Gustav Jung não acreditava em Deus, acreditava na espiritualidade e na forma como cada uma das suas vertentes define e traça a essência das nossas culturas e a própria humanidade.

“As religiões, com tudo o que são e afirmam, são tão próximas da alma humana que quem tem menos condições de ignorá-las é precisamente a psicologia”.
 – Carl Gustav Jung –

Este livro é tão pessoal quanto emocionante. É uma leitura perfeita para um fim de semana, para entender um pouco mais essa visão da psicologia analítica que Carl Gustav Jung nos deixou como um fabuloso legado. Algo que devemos sempre ter em mente é que para entender as pessoas desde as suas raízes, não podemos negligenciar o plano espiritual e todos os fenômenos e tradições que, segundo ele, constituem a própria raiz da vida psíquica.

Além disso, precisamos entender que os melhores livros de Carl Jung, e em particular este, “Espiritualidade e transcendência”, são o reflexo de uma mente sempre aberta, um olhar sempre receptivo e sensível que tentava olhar um pouco além para encontrar um significado para a realidade da alma humana.

Este livro é uma antologia, uma jornada através da antropologia, da religião, da arte e da espiritualidade que não deixará ninguém indiferente.

Os melhores livros de Carl Jung

10. Memórias, sonhos, reflexões

Estamos em 1957 e Carl Jung tem 81 anos. É o momento perfeito para uma pessoa empreender um projeto tão catártico quanto relevante, que nada mais é do que escrever a história da própria vida. Jung fez isso com a ajuda da sua colega e amiga Aniela Jaffé. Nessas páginas, saberemos, por exemplo, como foram seus anos de formação, como era o seu relacionamento tenso, mas produtivo, com Freud, e como cada viagem, cada conversa, cada descoberta e experiência, foram dando forma ao que ele chamou de “o fundo da sua alma”.

Também podemos dizer que o leitor não encontrará um simples livro de memórias ou reflexões pessoais de alguém que já está no outono da sua vida, no crepúsculo da sua existência. De modo algum, Jung aproveitou uma vez mais para estabelecer os pilares das suas teorias, sua concepção da mente humana, sua visão sobre o inconsciente, o papel do simbolismo ou os princípios da psicoterapia.

Estamos, portanto, diante de um livro de Carl Jung que nos ajudará a conhecer melhor os seus pensamentos e o seu trabalho pessoal como psicólogo.

11. O livro vermelho

Nós deixamos no último lugar da nossa lista de melhores livros de Carl Jung um dos mais importantes e complexos: “O livro vermelho”, que é tão especial por vários motivos. Um deles é que levou mais de 15 anos para terminá-lo ou, pelo menos, até considerar que continha tudo o que queria transmitir.

Outra questão que deve ser observada é que os seus herdeiros não queriam que fosse publicado. Portanto, não foi publicado até 2009, quando finalmente, conseguimos dispor desta obra curiosa e enigmática que fascina e inquieta. O “Livro Vermelho” narra e ilustra as terríveis visões que Jung teve entre 1913 e 1916. O seu propósito com este livro era compreender essas imagens, entender os símbolos associados.

Rosto espiritual

“O livro vermelho” não é um livro filosófico, científico, religioso ou literário. É um trabalho com nuances proféticas e míticas que admite múltiplas interpretações, exigindo múltiplas abordagens para serem compreendidas e até mesmo apreciadas. É uma pequena joia que merece ser lida após uma compreensão um pouco melhor de toda a obra de Jung.

“Em algum lugar, em algum momento, houve uma flor, uma pedra, um cristal;

uma rainha,
um rei, um palácio; um amado e uma amado, há muito tempo, sobre o

mar, em uma
Ilha, há cinco mil anos… é o amor, é a flor mística da alma,

é o centro, é
o eu … “

– Fragmento do “Livro Vermelho” –

Para concluir, embora existam muitos outros livros de Carl Jung, ensaios, artigos e trabalhos, essas 11 sugestões, sem dúvida, nos oferecem uma excelente representação de uma figura indispensável e inesquecível que merece um pouco do nosso tempo. O que compreenderemos com a leitura desses livros de Carl Jung, sem dúvida, será tão enriquecedor quanto emocionante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s