Aprendendo mais sobre Lean Inception


Projetos ágeis enfatizam a entrega precoce e contínua de software valioso, cujo valor vem dos objetivos de negócios e das necessidades dos clientes. A criação do produto Lean StartUp ajuda nessa direção, promovendo a liberação incremental de um MVP (Minimum Viable Product) – uma versão simples de um produto que é dada aos usuários para validar as principais premissas do negócio.

Mas como nós resolvemos o que deve estar em MVP e começamos um projeto ágil o mais rapidamente possível?

Como garantir que a equipe comece a criar o produto com um entendimento compartilhado e um plano eficaz?

Eu projetei o Lean Inception para responder a essas perguntas.

Inception, o início de um projeto ágil

O ágil simples não tem um trabalho inicial, mas na prática percebemos que temos de fazer um pouco disso. Para a ThoughtWorks, Inception é esse “pouco disso”. Desde que ingressei na ThoughtWorks em 2006, percebi que todos os projetos ágeis da empresa começaram de forma semelhante. A equipe do projeto se reuniria por algumas semanas, passando por muitas atividades antes de iniciar o trabalho de entrega: isso foi o inception.

O inception da ThoughtWorks foi desenvolvido primeiramente por Luke Barrett por volta de 2004. Jonathan Rasmusson (autor de The Agile Samurai) e Jeff Patton (autor de User Story Mapping) trabalharam na ThoughtWorks por um tempo e descreveram e, posteriormente, desenvolveram técnicas iniciais em seus livros, nos que eu aprendi muito.

Nossos inceptions variam de projeto para projeto, mas eles geralmente geram alinhamento entre o negócio e as pessoas técnicas e criam uma lista ordenada de histórias de usuários com estimativas juntamente com um plano de lançamento.

E fiquei muito satisfeito facilitando esses inceptions ágeis dessa forma até 2011, ano em que meu filho nasceu. A questão é que eu era o facilitador do inception, mas ele levaria de duas a quatro semanas. E eu não poderia ficar longe de casa por mais de uma semana. Eu tive que fazer os inceptions mais enxutos, de alguma forma fazê-los caber em uma semana.

Eu estava indo fazer a minha primeira viagem após meu filho ter nascido. Em um longo voo de São Paulo a São Francisco, li o livro Lean StartUp, de Eric Ries. A partir disso, eu encontrei a desculpa perfeita para reduzir o comprimento do inception e voltar para casa depois de uma semana.

Por que é chamado de Lean Inception?

Esse novo estilo de inception é definitivamente uma mudança em relação ao inception de 2006. A equipe não mais escreve e estima histórias de usuários. Ao experimentar esse novo estilo, o nome “inception” deu a todos a mensagem errada. Eu precisava de um nome diferente.

O novo estilo de inception é lean por duas razões:

  1. a duração do inception é menor, removendo tudo o que não se relacionava ao produto (como arquitetura, projeto etc.), tornando-se lean.
  2. o resultado final do inception é a compreensão do MVP, um conceito fundamental do movimento Lean StartUp.

Portanto, o novo estilo de inception tinha um nome claro: The Lean Inception.

Por que um Lean Inception?

Um lean inception é útil quando a equipe precisa desenvolver iterativamente um MVP. Embora o termo seja muitas vezes mal compreendido, a propriedade central de um MVP é que é algo que construímos para saber se vale a pena continuar construindo um produto. Portanto, escolhemos recursos baseados em testar nossas premissas sobre o que é valioso para nossos usuários. Para isso, precisamos entender quem são nossos usuários, que atividade eles fazem que o produto suporta e como medir se eles acharem o produto útil.

Achamos que o workshop é valioso em duas circunstâncias principais.

  • Grandes projetos acham que um lean inception é valioso para começar rapidamente e para ser orientado a trabalhar em um estilo lean. Esse começo constrói iterações iniciais projetadas para descobrir e testar quais recursos são verdadeiramente valorizados pelos seus usuários.
  • Organizações menores (como as startups) usam lean inceptions para pegar uma ideia que já foi testada por alguns MVPs pré-software e evoluí-lo em um produto de software.

Esse workshop é especificamente sobre a compreensão de um MVP. Ele não substitui sessões de ideação, pesquisa de clientes, revisão de arquitetura ou análise competitiva. É uma técnica específica que faz parte da compreensão do que é preciso para construir um produto de sucesso. Como ele se encaixa exatamente com essas outras atividades depende muito do contexto específico da sua organização e do esforço de desenvolvimento que você está empregando.

O lean inception consiste em uma série de atividades, normalmente agendadas ao longo de uma semana. Vou explicar cada atividade nos seguintes links de calendário:

Lean Inception
  manhã tarde
Segunda-feira Introduzir o início, dar o pontapé inicial e escrever a visão do produto O produto é – não é – é – não é
Terça-feira Descrever as personas Descobrir os recursos
Quarta-feira Revisão técnica e de negócios Mostrar as jornadas de usuários
Quinta-feira Exibir recursos nas jornadas Sequenciar os recursos
Sexta-feira Construir as telas MVP Apresentar os resultados do início aos interessados no projeto

Estamos publicando esse guia em parcelas. Portanto, nem todas as atividades estão publicadas ainda. Para saber quando mais parcelas serão publicadas, siga:

Esse é um calendário de exemplo. Por favor, não o trate como uma coisa fixa, mas deixe-o servir como um bom exemplo de como as coisas podem fluir.

Começamos o inception com uma introdução e pontapé inicial, e terminamos com uma apresentação. Em um mundo ideal, todos estariam presentes durante todo o inception. No entanto, geralmente temos pessoas que estão muito interessadas na direção e resultado do inception, mas que não são capazes de gastar seu tempo integral no esforço. O mínimo necessário é que essas partes interessadas participem das sessões de introdução, lançamento e apresentação.

Para saber mais…

Este artigo resume o livro Direto Ao Ponto: Criando produtos de forma enxuta. Enquanto este texto lhe dá um resumo do workshop e do que ele contém, o livro entra em mais profundidade sobre como prepará-lo e executá-lo. Ele também contém dicas e truques que eu aprendi com a execução de workshops que irão ajudá-lo a fazer dos seus um sucesso.

***

Paulo Caroli faz parte do time de colunistas internacionais do iMasters. A tradução do artigo é feita pela redação iMasters, com autorização do autor, e você pode acompanhar o artigo em inglês no link: https://martinfowler.com/articles/lean-inception/.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s