Coeficiente de Gini


O Coeficiente de Gini é um importante índice de medição das desigualdades sociais e do nível de concentração de renda.

Coeficiente de Gini
O coeficiente de Gini mede a desigualdade e a concentração de renda no mundo

Coeficiente de Gini – também chamado de Índice de Gini – é um dado estatístico utilizado para avaliar a distribuição das riquezas de um determinado lugar. Esse índice recebe esse nome em homenagem ao seu desenvolvedor, o estatístico italiano Corrado Gini, que elaborou esse conceito em 1912.

Esse importante dado numérico funciona da seguinte forma: é mensurado em um número que vai de 0 a 1, de forma que 0 representa um país totalmente igualitário – isto é, em que toda a sua população possui a mesma renda –, e 1 representa um país totalmente desigual, em que apenas um indivíduo ou uma parcela muito restrita de pessoas concentra toda a renda existente.

O Brasil possui um dos piores coeficientes de Gini do mundo, ficando empatado com Equador e estando à frente de países como a Bolívia, Camarões e Madagascar, segundo um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O certame ainda destacou que, entre os 15 países mais desiguais do mundo, 10 deles encontram-se na América Latina.

Isso significa que o Brasil possui um dos maiores níveis de concentração de renda, em que uma pequena parcela da população retém a maior parte da riqueza. Apesar desse dado ruim, vale a ressalva de que o país é aquele que apresenta a melhora mais significativa do índice de Gini em todo o mundo nos últimos anos. Em 1990, o valor do coeficiente era de 0,607 e, em 2011, caiu para 0,527.

Os motivos que levaram à sucessivas quedas, segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), estão relacionados, sobretudo, com a estabilização da moeda depois da forte crise econômica que marcou o país no final dos anos 1980 e início dos anos 1990, além da difusão de programas governamentais de base assistencialista, como o Bolsa Família. Além do mais, apesar do modelo educacional brasileiro ainda ser considerado precário, houve algumas melhorias nesse setor, o que, aliado ao aumento da oferta de empregos, condicionou melhores oportunidades à parcela mais pobre da população.

Os países menos desiguais em todo o mundo, conforme as medições do coeficiente de Gini, são Hungria (0,244), Dinamarca (0,247) e Japão (0,249). Em situação alarmante, além do Brasil e dos demais países mencionados, destacam-se a África do Sul (0,593) e a Namíbia (0,707).

Apesar de ter a importante função de demonstrar os níveis de desigualdade existentes em um determinado território, o índice de Gini possui algumas limitações. Primeiramente, os dados informados nem sempre são precisos e referem-se a um período relativamente curto ao longo do ano, o que diminui o seu grau de precisão. Em segundo lugar, os dados são obtidos a partir de um fornecimento voluntário por parte dos governos e agências de pesquisa, de forma que, conforme os diferentes interesses, as informações podem apresentar distorções. Além disso, esse dado não verifica a potencialidade de crescimento da população mais rica em face da população mais pobre e vice-versa, apresentando apenas informações “estáticas”.

De toda forma, esse coeficiente é importante no sentido de fornecer uma melhor noção da desigualdade existente no mundo, além de promover a abertura necessária para medidas de inclusão de renda e melhorias nas condições de vida da parcela mais pobre da população.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s