Vertigem da Arte


Pomba Mundo
A Pedra Pode Ganhar Vida, e a
Vida às Vezes Se Transforma em Pedra
Augusto de Lima
__Augusto de Lima__
Augusto de Lima (1859-1934)
Nota Editorial de 2016:
O poema a seguir examina a relação dinâmica entre a arte e a vida, e faz parte do diálogo profundo que há entre o ser humano e a pedra.
Há vida nas rochas, assim como em cada átomo, segundo a filosofia esotérica. Elas simbolizam aquilo que é estável, imóvel, ou duradouro. A significação espiritual das pedras evoca ressonâncias mitológicas. No mito grego de Deucalião, os homens são criados de novo depois do grande dilúvio universal, e isso ocorre tendo como base pedras lançadas pelo casal primordial, Deucalião e Pirra. As pedras ganham vida, e se transformam em seres humanos.
Nos mitos andinos sobre a criação, os homens também são feitos a partir de pedras; e às vezes, por ordem dos deuses, as pessoas se transformam em estátuas de pedra. [1]
(Carlos Cardoso Aveline)
NOTA:
[1] Veja “Mitos, Leyendas y Cuentos de los Quechuas”, Jesús Lara, Ed. Los Amigos del Libro, La Paz, Bolivia, 1987, pp. 33-34.
000
Vertigem da Arte
Augusto de Lima
A Randolpho Fabrino
No frontispício de uma antiga igreja,
talhado em duro mármore polido,
abre as asas um anjo que branqueja
entre as flores de pedra adormecido.
O olhar num sonho místico abismado,
imóvel fita a altura friamente:
– gênio estranho que aos céus arrebatado,
em pedra se tornasse de repente!
Era manhã. No rosto alvo e divino,
que o pó do Tempo envolve no seu manto,
vi cintilar o orvalho matutino,
deslizando na pedra como um pranto…
E julguei um instante que chorasse
aquele ente sem vida à luz da aurora,
e que se contraísse aquela face,
sem me lembrar que o mármore não chora!
Extático ante os góticos primores
que um talento infeliz, gênio sem palma,
cinzelasse, talvez, sonhando amores,
e escondendo na pedra o sangue da alma;
Tive a vertigem (louco desvario!)
de perder-me no espaço indefinido,
só para ver de lá o olhar sombrio
do triste anjo de pedra adormecido…
000
O poema acima foi reproduzido do volume “Poesias”, Augusto de Lima, Editora H. Garnier, Rio de Janeiro / Paris, 1909,  300 pp., ver pp. 68-69.  A ortografia foi atualizada.
Sobre a vida das pedras, veja também o poema “O Reino Mineral”, de Augusto de Lima. Está disponível em nossos websites associados.
000
Para conhecer a teosofia original desde o ângulo da vivência direta, leia o livro “Três Caminhos Para a Paz Interior”, de Carlos Cardoso Aveline.
Três_Caminhos_Auxiliar
Com 19 capítulos e 191 páginas, a obra foi publicada em 2002 pela Editora Teosófica de Brasília.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: