Sobre o Aborto: o Feticídio é um Crime?


Pomba Mundo
Filosofia Teosófica Ensina a Amar a Vida
Helena P. Blavatsky
O FETICÍDIO É UM CRIME INTERROGAÇÃO
O futuro da humanidade depende do respeito às crianças que ainda não nasceram
000000000000000000000000000000000000000000000
Nota Editorial:
Reproduzimos a seguir uma pergunta sobre
a prática do aborto,  feita por um médico norte-
americano ao jornal “The Theosophist”,  e a resposta de
Helena Blavatsky, que editava a publicação. A pergunta
e  a resposta foram publicadas pela primeira vez na Índia,
na edição do  mês de agosto de 1883  de “The Theosophist”.
(CCA)
0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
1. Pergunta de um Leitor:
Os artigos em seu jornal, intitulados “Suicídio é Crime?”, sugeriram-me fazer outra pergunta:
“Feticídio é crime?”
Não que eu, pessoalmente, tenha qualquer dúvida séria sobre a ilegalidade de tal ato, mas o costume prevalece com tamanha força nos Estados Unidos que há relativamente poucas pessoas que conseguem ver algo de errado nisso. Remédios para este propósito são anunciados e vendidos livremente; em “famílias respeitáveis”, a cerimônia é regularmente realizada todo ano e o médico da família que pensasse em se recusar a realizar tal trabalho seria peremptoriamente demitido e substituído por outro mais dócil.
Conversei com médicos que não veem diferença entre produzir um aborto e administrar um remédio qualquer; por outro lado, há certos tratados contra esta prática, publicados por setores ortodoxos; mas a maior parte deles exagera tanto ao descrever as suas “temíveis consequências” que perde a capacidade de influenciar o leitor comum devido ao seu caráter absurdo.
Deve-se dizer que há certas circunstâncias em que a melhor coisa a fazer, tanto para a criança que vai nascer como para a comunidade em geral, é, aparentemente, que sua vinda ao mundo seja impedida. Por exemplo, no caso em que a mãe deseja intensamente a destruição da criança, o seu desejo provavelmente influenciará a formação do caráter da criança e a tornará, nos seus dias de maturidade, um assassino, um criminoso ou um ser para quem teria sido melhor “se nunca tivesse nascido”.
Mas se o feticídio é justificável, não seria então ainda melhor matar a criança depois de nascida, já que então não haveria mais nenhum perigo para a mãe?  E se é justificável matar as crianças, antes ou depois de nascerem, então surge a próxima pergunta:  “Em que idade e sob que circunstâncias é o assassinato justificável?”
Como a pergunta acima é uma questão de grande importância para milhares de pessoas, eu ficaria muito grato se ela fosse tratada do ponto de vista teosófico.
Um médico, membro da Sociedade Teosófica.
George Town, Colorado,
Estados Unidos da América.
2. Resposta de Helena Blavatsky
A Teosofia em geral responde:
“Em nenhuma idade e nenhuma circunstância o assassinato é justificável!”
E a Teosofia oculta acrescenta:
“No entanto, não é nem do ponto de vista da lei, nem de qualquer outro argumento de um ou outro ‘ismo’ ortodoxo que a voz de alerta se levanta contra esta prática imoral e perigosa, mas sim porque, na filosofia oculta, tanto a fisiologia como a psicologia mostram as desastrosas consequências de tal ato”.
No caso específico, o argumento não lida com as causas, mas com os efeitos produzidos. Nossa filosofia chega ao ponto de dizer que, se o Código Penal de muitos países pune tentativas de suicídio, ele deveria, por coerência consigo mesmo, punir duplamente o feticídio como tentativa de “duplo suicídio”.
Porque, de fato, mesmo quando o aborto tem sucesso e a mãe não morre em consequência dele, ele encurta a vida dela na terra para prolongá-la numa triste proporção em kama-loka, a esfera intermediária entre a terra e a região do descanso, um lugar que não é o “purgatório de São Patrício”, mas um fato e um necessário lugar de parada da evolução no grau da vida.
O crime cometido reside precisamente na destruição propositada e pecaminosa da vida, e na interferência com as operações da natureza, portanto – na interferência com o CARMA. O pecado não é considerado pelos ocultistas como algo de caráter religioso, porque, na verdade, não existe uma presença maior de espírito e alma num feto, ou mesmo numa criança antes que ela adquira a autoconsciência, do que em qualquer outro pequeno animal. Nós negamos a ausência de alma, tanto no mineral quanto na planta ou no animal; e acreditamos que há apenas uma diferença de grau nestes vários casos.  Mas o feticídio é um crime contra a natureza.
Naturalmente, todos os tipos de céticos zombarão das nossas concepções e as chamarão de superstições absurdas e “tolices não científicas”. Mas nós não escrevemos para os céticos. Foi-nos pedido que déssemos a visão da Teosofia (ou melhor, da filosofia oculta) sobre o assunto, e respondemos à questão, até onde sabemos.
000
Título original do texto: “Is Foeticide a Crime?”  Traduzido de “Theosophical Articles”,  H. P. Blavatsky,  Theosophy Company, three volumes, Los Angeles, 1981, ver volume II, páginas 335-336.
000
Veja em nossos websites associados o artigo “Impedir o Filicídio e Respeitar as Crianças”, de Carlos Cardoso Aveline.
000
Para ter acesso a um estudo diário da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky(foto), visite a página do nosso e-grupo SerAtento em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo.
HPB_Aux.
O link direto é o seguinte:
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: