Sobre a Esperança de Ser Infalível


Simplicidade Voluntária é
Indispensável na Caminhada
Carlos Cardoso Aveline
Cachorros transmitem lições de teosofia sem necessidade de palavras
Estudante A:
Alguns “líderes espirituais” parecem considerar a si mesmos como incapazes de errar. O que diz a teosofia a respeito?
Estudante B:
A marca de uma pessoa desinformada é a esperança de ser infalível. O orgulho que decorre desta esperança é sintoma que não há um bom contato com a alma imortal.
Os seres humanos são todos aprendizes, quando são sábios. O importante é aprender a aprender, e H. P. Blavatsky escreveu:
“Por que deveria qualquer um de nós – sim, e até mesmo o maior conhecedor da sabedoria oculta entre os teosofistas – adotar a pose da infalibilidade? É melhor admitirmos humildemente como Sócrates que ‘só sabemos que nada sabemos’; pelo menos, em comparação com o que ainda temos que aprender.” [1]
A luz da aprendizagem interior ilumina melhor aquele que corrige seus erros com gratidão e simplicidade, enquanto avança pelo caminho estreito e íngreme que vai morro acima em direção à visão do Todo.
Estudante A:
Compreendo. Mas neste ponto surge outra dúvida.
Estudante B:
Diga. Franqueza é fundamental.
Estudante A:
A humildade é indispensável. Certo.  E isso significa que, para sermos humildes, devemos renunciar à audácia? Será necessário deixar de lado, por exemplo, a esperança de mudar o mundo? É nossa obrigação abandonar o desejo de fazer coisas significativas para melhorar definitivamente a situação humana? Talvez seja uma arrogância ter a pretensão de mudar o mundo e abrir espaço para uma civilização baseada na ética e na sabedoria.
Estudante B:
Não é arrogância.
A coragem e a simplicidade – assim como a audácia e a autocrítica – são igualmente importantes. Saber perder é uma condição indispensável para obter o verdadeiro êxito. Abrir espaço para a civilização da fraternidade é uma tarefa prática que requer uma visão de longo prazo. Devemos viver a renúncia e, ao mesmo tempo, agir com uma profunda vocação de vitória. Robert Crosbie escreveu sobre a necessidade de combinar humildade e coragem.
Ele disse:
“Nós assumimos uma alta missão e uma tarefa pesada – não porque pensemos que estamos notavelmente à altura dela, mas porque vemos que ela deve ser feita e que não há mais ninguém para fazê-la; e também porque sabemos que não estaremos sós no esforço.” [2]
Lições de filosofia esotérica podem ser encontradas em toda parte. Basta ter olhos para ver. Os animais, por exemplo, ensinam sabedoria sem necessidade de palavras. Podemos aprender com os cachorros a ser simultaneamente mais leais, mais humildes, mais confiantes – e mais corajosos.
Estudante A:
Percebo que a esperança de ser infalível é uma atitude infantil. Mas o comodismo também é coisa de criança. Só é possível trabalhar com eficiência por uma causa nobre quando sabemos conviver bem com nossos erros e aprender com eles. Deve-se corrigi-los gradualmente e com firmeza.
Estudante B:
Exato.
Quando o discípulo está pronto, o Mestre aparece. Aquele que sabe aprender observa os seus fracassos desde o ponto de vista do seu potencial sagrado, e evita repeti-los.
O desafio do peregrino é agir a cada momento da maneira mais correta possível: mas é preciso fazer isso com realismo, porque as autoexigências exageradas são apenas um modo disfarçado de levar a si mesmo a derrotas desnecessárias. O equilíbrio e a paz-ciência são indispensáveis.
Estudante A:
Quais são as condições básicas necessárias à vitória?
Estudante B:
Posso citar quatro delas:
1) Buscar uma meta elevada;
2) Usar a clareza e discernimento de que dispomos;
3) Combinar grande audácia com absoluta humildade;
4) Perseverar sem expectativa de recompensas no plano pessoal.
E ser realista nem sempre é fácil. Não basta erguer o olhar para um ideal nobre: é preciso vigilância para preservar a humildade e o bom senso. O discernimento está na base da perseverança, e a perseverança prepara uma vitória durável.
NOTAS:
[1] “Theosophical Articles”, H. P. Blavatsky, Theosophy Co., Los Angeles, edição em 3 volumes, 1981, ver volume 1, p. 22, texto “Esoteric Buddhism and The Secret Doctrine”.
[2] “The Friendly Philosopher”, Robert Crosbie, Theosophy Company, Los Angeles, 1945, p. 370.
000
Uma versão inicial do texto acima foi publicada de modo anônimo na edição de março de 2009 de “O Teosofista”.
000
O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto).
Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: