A Energia da Luz e da Esperança


Pomba Mundo
Como a Força do Conhecimento
Universal Ilumina o Mundo da Ignorância
John Garrigues
A Energia da Luz e da Esperança.jpg_
Ao longo do esforço por praticar e divulgar a teosofia e ter uma vida correta, há momentos em que o indivíduo enfrenta uma falta de vitalidade interior e um tédio. A luz viva e o amor universal que antes se irradiavam espontaneamente do nosso coração, e se dirigiam a todos os seres, parecem perder força, e deixam de aquecer e provocar satisfação.
É nesse ponto que temos uma tendência de dirigir nossa atenção para fora, procurando nas ideias e nos trabalhos de outros por aquilo que já não encontramos em nossos próprios corações. Como pessoas que se afogam, nos agarramos às práticas e às formas externas que antes buscávamos; mas nisso permanecemos divididos, e caímos mais profundamente nos jogos mentais de ideias e frases de efeito.
Quando tudo em nosso interior parece frio e sem vida, olhamos para fora, em busca de luz e ajuda, enquanto a alma fica muda e esquecida dentro de nós. Este é o momento para pegar as rédeas com firmeza e erguer o nosso olhar outra vez, com uma motivação firme e pura, para enxergar a profundidade dos nossos corações, e para sentir com o coração, pensar com o coração, e falar desde o coração. A luz está nele; o amor divino e a compaixão estão lá.
Quem já ouviu alguma vez o sussurro deste prisioneiro solitário em seu coração, quando ele acorda para a vida, sabe que a ele deve ser dado espaço para que possa despertar e crescer. Não deve estar imobilizado pelas correntes da mente pensante e do raciocínio intelectual; ele deve poder falar, ou ficará mudo e morto ao longo de eras, talvez para sempre.
Caminhe pelas ruas cheias de gente da cidade e veja a multidão indo para lá e para cá, todos sobrecarregados pelo peso de mágoas e lutas criadas por eles próprios. Veja os rostos expressando sofrimento e ansiedade, acabrunhados e sem esperança, ou os rostos que riem com riso sem alma, cada indivíduo pensando em suas pequenas intenções e planos pessoais, tendo na melhor das hipóteses alguns poucos anos de existência pela frente, e suas almas saturadas, sem esperança, desesperadas, ignorantes do fato de que aquilo que é divino está adormecido tão perto, dentro delas. Deixe que o divino dentro de você fale a estes seres. Isso é possível, e irá acontecer, se você deixar de lado seu pequeno eu e aproveitar a oportunidade.
Um raio de luz e esperança entrará nestes outros fragmentos do divino, voando numa linha reta desde o seu coração até o coração deles. Esta é a voz do eu superior que fala por si próprio, e palidamente se transmite até o próprio cérebro físico deles, sussurrando que em algum lugar há esperança, contentamento, compaixão; que em algum lugar há uma vida mais ampla, uma vida que não é limitada pelo tempo que morre, nem pelos medos mortais. Quando o coração fala deste modo, e vive apenas a solidariedade, não há necessidade de esperar para sentir a presença da “iluminação” em nosso interior, porque, veja, ela já está lá.
Como foi possível que durante a vida de H.P. Blavatsky, onde quer que ela estivesse, para lá fossem atraídas pessoas às centenas e aos milhares? Era aquele coração ígneo, vivo, pulsante, que as chamava. Um raio daquele coração atravessou as profundezas sombrias da ignorância delas, tocando interiormente os adormecidos. As almas sonolentas agitavam-se e escutavam com atenção, e eram atraídas para aquele centro de luz e amor.
Ignorando o que as atraía, incapazes de interpretar os fatos internos exceto no plano pessoal, muitos (mais da metade, embora nos entristeça admitir isso) perderam a oportunidade pela qual suas almas haviam esperado durante eras. Mas não foi em vão que aquela grande luz brilhou no mundo dos seres humanos, porque aqueles que acordaram, mesmo que apenas por algum tempo, nunca mais voltaram a ser o que eram. A alma não esquece. Cada coração pode tornar-se um foco para os raios daquele grande coração universal. Cada coração pode tornar-se um centro vivo de luz, um canal que faz fluir para todos os humanos a corrente vitalizadora da verdade.
É necessário apenas um esforço centrado no coração, decidido, firme, e também a renúncia incondicional a todos os planos e propósitos pessoais.
Nós com frequência dizemos, “Ah, eu posso fazer tão pouco pela teosofia e pela humanidade. Não tenho dinheiro, nem talentos. Não sei falar em público, não sei escrever para publicações.” Será difícil ver que estas palavras só expressam um desejo, um desejo de fazer algo pessoalmente? Não se trata dedesenvolver alguma atividade pessoal. Trata-se, isso sim, de ser; a tarefa é viver como um centro da energia impessoal do coração puro. Garantido isso, as ações práticas surgirão como resultado natural.
000
O artigo “A Energia da Luz e da Esperança” foi publicado pela primeira vez de modo anônimo pela revista “Theosophy”, em dezembro de 1920, pp. 46-47. Ele está disponível em inglês em nossos websites associados sob o título de “The Energy of Light and Hope”. Em português, apareceu pela primeira vez na edição de outubro de 2015 de “O Teosofista”.
000
Para conhecer um diálogo documentado com a sabedoria de grandes pensadores dos últimos 2500 anos, leia o livro “Conversas na Biblioteca”, de Carlos Cardoso Aveline.
Conversas_Na_Biblioteca_1024x1024
Com 28 capítulos e 170 páginas, a obra foi publicada em 2007 pela editora da Universidade de Blumenau, Edifurb.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: