A SOLIDÃO E O AUTISMO


silvania mendonça almeida margarida

A solidão é uma sinfônica oculta
Que o meu espectro e a minha alma
matam tristes e equivocados
São figuras confusas e obscuras
que isolam grande imagem nefasta…

Dedilhando em mim música da brisa
Cobiça e coragem sem fim
Em frases e pensamentos espirituais
Não revelados no fantástico de mim mesma.
Sou solitária enfim…

E na esperança de existir eu absorvo astros
Solitários e infinitos, pálidos e aflitos
Em sua lividez quando estão tristes
Ou me acolhem e ou me mandam embora
E eu sou infeliz e magoada

À luz da lua, à fraca opaca escuridão
eu atrelo os meus pesares
Enquanto armazeno a solitária angústia
afino a mágica no deslizar das fadas
Qual sortilégio que não me ampara
Sob o clarão da lua, em nostalgia.
Sou solitária, vivo em ermo, abandonada…

A solidão torna-se uma orquestra discreta
Que me aflige em sonhos e devaneios
Arrasta-me em conseqüências nuas
Dos meus atropelos e confusões
E não me deixa dormir…

Na multidão de conviver com o autismo
Que vai além das carreiras e das estradas
No meio da solidão
Nos cacos finos das miragens
Sigo a vereda invisível solitária
Sem tecer a madrugada
Que se aninha sem dó
No meu pobre coração…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s